Moçambique - Demographic and Health Survey - 1998

Publication date: 1998

Indicadores para a cúpula mundial da criança, Moçambique 1997 ___________________________________________________________________________________________________ INDICADORES BÁSICOS___________________________________________________________________________________________________ Mortalidade Taxa de mortalidade infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Taxa de mortalidade infanto-juvenil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201 Desnutrição Percentagem de crianças que sofrem de desnutrição crónica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35.9 Percentagem de crianças que sofrem de desnutrição aguda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7.9 Percentagem de crianças que sofrem de peso insuficiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26.1 Abastecimento de água potável Percentagem de agregados familiares que abastecem-se de água en menos de 15 minutos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33.2 Tratamento de dejectos humanos Percentagem de agregados familiares com casa de banho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.1 Escolarização Percentagem de mulheres com primário completo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.5 Percentagem de homens com primário completo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14.4 Percentagem de meninas de 6-12 anos que frequentam a escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51.2 Percentagem de meninos de 6-12 anos que frequentam a escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57.3 Percentagem de mulheres alfabetizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32.8 Crianças em condições adversas Percentagem de crianças que são órphàs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.0 Percentagem de crianças que não vivem com a mãe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20.4 Percentagem de crianças em agregados com um só adulto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8.0 _____________________________________________________________________________________________________ INDICADORES DE APÓIO____________________________________________________________________________________________________ Espaçamento dos nascimentos Percentagem de nascimentos com intervalo menor de 24 meses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18.5 Saúde materna Percentagem de nascimentos nos últimos três anos com atendimento pré-natal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71.4 Percentagem de nascimentos nos últimos três anos com atendimento pré-natal nos primeiros três meses de gestação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17.5 Percentagem de partos nos últimos três anos assistidos por profissionais de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44.2 Percentagem de partos nos últimos três anos realizados em unidades sanitárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43.7 Percentagem de partos de alto risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59.1 Planeamento familiar Prevalência de uso de contraceptivos entre as mulheres em união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.6 Percentagem de demanda de serviços de planeamento familiar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22.5 Percentagem de necessidade não satisfeita para evitar nascimento de alto risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18.8 Nutrição Percentagem de mães com índice de massa corporal inferior a 18.5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10.9 Percentagem de baixo peso à nascença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12.5 Percentagem de crianças de menos de quatro meses exclusivamente amamentadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34.9 Percentagem de agregados familiares que tem sal iodada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.3 Saúde infantil Vacinação Percentagem de crianças menores de três anos cujas mães receberam vacina antitetânica durante a gravidez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33.6 Percentagem de crianças de 12 a 23 meses vacinadas contra o sarampo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57.5 Percentagem de crianças de 12 a 23 anos que receberam todas as vacinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47.3 Tratamento da diarréia Percentagem de crianças menores de três anos que tiveram diarréia nas duas últimas semanas e que receberam uma terapia de rehidratação oral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48.6 Infecções respiratórias agudas Percentagem de crianças menores de três anos que tiveram sintomas de IRA nas duas últimas semanas et que foram tratadas por profissionais de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38.5 Moçambique Inquérito Demográfico e de Saúde 1997 Manuel da Costa Gaspar Humberto A. Cossa Clara Ribeiro dos Santos Rosa Marlene Manjate Juan Schoemaker Instituto Nacional de Estatística Maputo, Moçambique Macro International Inc. Calverton, Maryland, USA Setembro 1998 O Programa DHS Este relatório apresenta os resultados do Inquérito Demográfico e de Saúde (IDS), realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e pelo Ministério da Saúde, entre Março e Junho de 1997. O Inquérito Demográfico e de Saúde (IDS) em M oçambique faz parte dum programa internacional de inquéritos desenvolvido pela M acro International Inc., através de um contrato com a USAID - Washington, com o propósito de apoiar aos governos e instituições privadas dos países em desenvolvimento na realização de inquéritos nacionais por amostragem, nas áreas de população e saúde. O Programa IDS tem por objectivo: • Subsidiar a formulação de políticas e implementação de programas nas áreas de população e saúde; • Aumentar a base internacional de dados sobre população e saúde para acompanhamento e avaliação; • Aprimorar metodologia de inquérito por amostragem; e • Consolidar, na área de inquérito, a capacidade técnica da instituição executora no país participante do Programa. O Programa DHS teve início em 1984 e, desde então, já foram realizados inquéritos em mais de 60 países da América Latina, Caribe, África, Ásia e Leste Europeu. Informações adicionais sobre o IDS podem ser ob tidas nos seguintes endereços: Citação recomendada: Gaspar, Manuel da Costa, Humberto A. Cossa, Clara Ribeiro dos Santos, Rosa Marlene Manjate e Juan Schoemaker. 1998. Moçambique, Inquérito Demográfico e de Saúde, 1997. Calverton, Maryland, USA: Instituto Nacional de Estatística e Macro International Inc. Instituto Nacional de Estatística Avenida Ahmed Sekou Touré 21 C.P. 493, Maputo Telefone: (2581) 49.21.14 Fax: (2581) 49.27.13, 49.30.84 E-mail: INE@INESTAT.UEM.MZ Ministério da Saúde Avenida Salvador Allende C.P. 264, Maputo Telefone (2581) 42.71.31/4 Fax: (2581) 30.21.03 Macro Internacional Inc. - DHS Program 11785 Beltsville Drive, Suite 300 Calverton, MD 20705, U.S.A. Telefone: (301) 572-0200 Fax: (301) 572-0999 iii CONTENIDO Página Lista de Quadros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . vii Lista de Gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xi Lista de Siglas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xiii Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xv Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xvii Mapa de Moçambique . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xviii CAPÍTULO 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PAÍS E METODOLOGIA . . . . . . . . . . . . . 1 1.1 Descrição geral do país . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1.2 Política de população e programa de planeamento familiar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 1.3 Objectivos, aspectos metodológicos e organização do inquérito . . . . . . . . . . . . . . . . 11 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS GERAIS DA POPULAÇÃO E DOS AGREGADOS FAMILIARES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 2.1 Características gerais da população . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 2.2 Características da habitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 2.3 Características das mulheres e dos homens entrevistados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 CAPÍTULO 3 FECUNDIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3.2 Níveis, diferenciais e tendências da fecundidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3.3 Fecundidade acumulada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 3.4 Intervalos entre os nascimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 3.5 Idade da mãe ao nascimento do primeiro filho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 3.6 Fecundidade das adolescentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 CAPÍTULO 4 CONTRACEPÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 4.1 Conhecimento da anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 4.2 Uso anterior e actual da anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 4.3 Uso actual da anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 4.4 Número de filhos no momento do primeiro uso de um método anticonceptivo . . . . 64 4.5 Efeito da amamentação na contracepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 4.6 Fontes de obtenção de métodos contraceptivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 4.7 Intenção de uso futuro de anticoncepção e motivos para não utilização . . . . . . . . . . 68 4.8 Exposição existente e aceitação da divulgação de mensagens sobre planeamento familiar pela rádio e televisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 4.9 Exposição existente a mensagens de planeamento familiar através da imprensa escrita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 4.10 Contactos das não usuarias com os serviços de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 4.11 Atitudes em relação ao planeamento familiar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 iv Página CAPÍTULO 5 DETERMINANTES PRÓXIMOS DA FECUNDIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 5.1 Estado civil actual e relações sexuais das mulheres não unidas . . . . . . . . . . . . . . . . 83 5.2 Poligamia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 5.3 Idade na primeira união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 5.4 Idade no primeiro contacto sexual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 5.5 Actividade sexual recente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 5.6 Amenorréia pós-parto, abstinência e insusceptibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE . 103 6.1 Desejo de ter mais filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 6.2 Concordancia na preferencia dos casais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 6.3 Procura de anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 6.4 Número filhos ideal e existente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 6.5 Planeamento dos nascimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 CAPÍTULO 7 MORTALIDADE INFANTIL E INFANTO-JUVENIL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 7.1 Metodologia e qualidade dos dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 7.2 Níveis e tendências da mortalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 7.3 Diferenciais da mortalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 7.4 Grupos de alto risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 CAPÍTULO 8 SAÚDE MATERNO-INFANTIL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 8.1 Atenção pré-natal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 8.2 Imunização anti-tetânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 8.3 Assistência ao parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 8.4 Características do parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137 8.5 Imunização infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 8.6 Infecções respiratórias agudas e febre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 8.7 Diarreia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 CAPÍTULO 9 AMAMENTAÇÃO DA CRIANÇA E NUTRIÇÃO INFANTIL E DA MÃE . . 151 9.1 Amamentação ao peito e suplementos alimentares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151 9.2 Estado nutricional das crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 9.3 Estado nutricional das mães . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161 CAPÍTULO 10 SIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 10.1 Conhecimentos e informação sobre SIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164 10.2 Conhecimentos sobre formas de prevenção do SIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168 10.3 Conhecimento do SIDA através da percepção do risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171 10.4 Percepção de risco de contrair o HIV/SIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171 10.5 Mudança de comportamento sexual face ao SIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173 10.6 Conhecimento e uso do preservativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176 10.7 Percepção do risco de contrair o SIDA entre casais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179 v APÊNDICE A DESENHO E COBERTURA DA AMOSTRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183 A.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 A.2 Desenho e Selecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 A.3 Probabilidades de Selecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187 A.4 Resultados da Amostra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188 APÊNDICE B ESTIMATIVA DE ERROS DE AMOSTRAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191 APÊNDICE C PESSOAL DA PESQUISA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211 APÊNDICE D QUESTIONARIOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217 vii LISTA DE QUADROS Página Quadro 1.1 Indicadores económicos seleccionados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 Quadro 1.2 População e taxa de crescimento, 1950-1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Quadro 1.3 Composição da população por idade, 1950-1980 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Quadro 1.4 População Por sexo e Densidade Demográfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 Quadro 1.5 Resultados da amostra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Quadro 2.1 População nos agregados familiares, por idade, residência e sexo . . . . . . . . . . . . . . 16 Quadro 2.2 Composição dos agregados familiares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Quadro 2.3 Crianças que vivem com os pais ou outras pessoas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Quadro 2.5 Nível de instrução da população dos agregados familiares: população feminina . . . 20 Quadro 2.6 Frequência escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Quadro 2.7 Características das habitações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Quadro 2.8 Bens duráveis do agregado familiar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Quadro 2.9 Características seleccionadas das pessoas entrevistadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Quadro 2.10 Nível de instrução da população feminina entrevistada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Quadro 2.11 Nível de instrução da população masculina entrevistada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Quadro 2.12 Nível de escolaridade alcançado e razões para abandonar a escola . . . . . . . . . . . . . . 28 Quadro 2.13 Acesso das mulheres aos meios de comunicação de massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Quadro 2.14 Acesso dos homens aos meios de comunicação de massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Quadro 2.15 Trabalho da mulher nos últimos 12 meses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Quadro 2.16 Trabalho e tipo de remuneração das mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Quadro 2.17 Pessoa que decide sobre as receitas segundo idade, nível de escolaridade e estado civil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Quadro 2.18 Cuidado das crianças enquanto as mães trabalham, segundo características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Quadro 3.1 Fecundidade actual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Quadro 3.2 Fecundidade, nascidos vivos e gravidez por características seleccionadas . . . . . . . . 41 Quadro 3.3 Tendência da fecundidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Quadro 3.4 Fecundidade por duração da união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Quadro 3.5 Filhos nascidos vivos e filhos sobreviventes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Quadro 3.6 Intervalo entre os nascimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Quadro 3.7 Idade na época do nascimento do primeiro filho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Quadro 3.8 Fecundidade na adolescência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Quadro 3.9 Crianças nascidas de adolescentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Quadro 4.1 Anticoncepção: conhecimento entre mulheres e homens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Quadro 4.2 Anticoncepção: conhecimento de métodos nos casais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Quadro 4.3 Anticoncepção: conhecimento de qualquer método e de métodos modernos . . . . . . 54 Quadro 4.4 Uso anterior ou actual de anticoncepção por idade: mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 Quadro 4.5 Uso anterior ou actual de anticoncepção por idade: homens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Quadro 4.6 Uso actual de anticoncepção por idade: mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Quadro 4.7 Uso actual de anticoncepção por idade: homens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Quadro 4.8 Uso actual de anticoncepção por características seleccionadas: mulheres . . . . . . . . 61 Quadro 4.9 Uso actual de anticoncepção por características seleccionadas: homens . . . . . . . . . 62 Quadro 4.10 Número de filhos quando do primeiro uso de método anticonceptivo . . . . . . . . . . . 64 Quadro 4.11 Percepção do efeito anticonceptivo do aleitamento materno por idade e educação . 65 Quadro 4.12 Fonte de obtenção de métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 Quadro 4.13 Uso futuro de anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 viii Página Quadro 4.14 Razões para o não uso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Quadro 4.15 Método anticonceptivo preferido para uso futuro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Quadro 4.16 Audiência de programa sobre planeamento familiar no rádio ou televisão: mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Quadro 4.17 Audiência de programa sobre planeamento familiar no rádio ou televisão: homens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Quadro 4.18 Aceitabilidade de mensagens de planeamento familiar pelo rádio ou televisão: mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 Quadro 4.19 Aceitabilidade de mensagens de planeamento familiar pelo rádio ou televisão: homens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 Quadro 4.20 Mensagens imprimidas sobre planeamento familiar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 Cuadro 4.21 Contacto de mulheres não usuárias com os Serviços de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Quadro 4.22 Discussão sobre planeamento familiar entre os casais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 Quadro 4.23 Percepção das esposas sobre a atitude dos esposos sobre planeamento familiar . . . 79 Quadro 4.24 Atitude do casal em relação ao planeamento familiar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 Quadro 4.25 Percepção dos conjuges sobre a aprovação do planeamento familiar pelo outro conjuge . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Quadro 5.1 Estado civil actual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Quadro 5.2 Relações sexuais das mulheres não unidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 Quadro 5.3 Número de esposas e co-esposas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 Quadro 5.4 Número de parceiras sexuais dos homens por características socioeconomicas . . . . 89 Quadro 5.5 Idade na primeira união das mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 Quadro 5.6 Idade na primeira união dos homens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 Quadro 5.7 Idade mediana na primeira união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 Quadro 5.8 Idade na primeira relação sexual das mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Quadro 5.9 Idade na primeira relação sexual dos homens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Quadro 5.10 Idade mediana na primeira relação sexual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Quadro 5.11 Actividade sexual recente por características demográficas e socioeconómicas . . . . 97 Quadro 5.12 Actividade sexual recente dos homens por características demográficas e socioeconómicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 Quadro 5.13 Amenorréia, abstinência e insuscetibilidade pós-parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Quadro 5.14 Duração mediana da insuscetibilidade pós-parto, por características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Quadro 6.1 Intenções reprodutivas por número de filhos vivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 Quadro 6.2 Intenções reprodutivas por idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Quadro 6.3 Intenções reprodutivas dos casais monógamos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Quadro 6.4 Desejo de não ter mais filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Quadro 6.5 Procura por anticoncepção das mulheres unidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Quadro 6.6 Número ideal de filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Quadro 6.7 Número ideal de filhos por características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Quadro 6.8 Planeamento dos nascimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Quadro 6.9 Taxa global de fecundidade desejada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Quadro 7.1 Mortalidade infantil e na infância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 Quadro 7.2 Mortalidade infantil e na infância por características sócio-económicas . . . . . . . . 122 Quadro 7.3 Mortalidade infantil e na infância por características bio-demográficas . . . . . . . . . 124 Quadro 7.4 Grupos de alto risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 Quadro 8.1 Assistência pré-natal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 Quadro 8.2 Número de consultas pré-natais e período da gestação na primeira consulta . . . . . 131 ix Página Quadro 8.3 Vacinação antitetânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 Quadro 8.4 Local do parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 Quadro 8.5 Assistência médica durante o parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136 Quadro 8.6 Características do parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 Quadro 8.7 Complicações durante o parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 Quadro 8.8 Vacinação, por fonte de informação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 Quadro 8.9 Vacinação no primeiro ano de vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 Quadro 8.10 Vacinação por características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 Quadro 8.11 Prevalência e tratamento das infecções respiratórias agudas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 Quadro 8.12 Prevalência da diarreia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 Quadro 8.13 Conhecimento dos cuidados na diarreia por características demográficas . . . . . . . . 147 Quadro 8.14 Tratamento da diarreia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149 Quadro 8.15 Práticas alimentares entre as crianças que tiveram diarreia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 Quadro 9.1 Início da amamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 Quadro 9.2 Condição da amamentação, por idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 Quadro 9.3 Duração mediana e frequência da amamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 Quadro 9.4 Condição de amamentação e alimentação específica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 Quadro 9.5 Estado nutricional das crianças menores de três anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160 Quadro 9.6 Índice de Massa Corporal como indicador da situação nutricional das mães . . . . . 161 Quadro 10.1 Conhecimento de SIDA segundo fonte de informação: mulheres . . . . . . . . . . . . . . . 165 Quadro 10.2 Conhecimento de SIDA segundo fonte de informação: homens . . . . . . . . . . . . . . . . 166 Quadro 10.3 Conhecimento de formas para evitar o SIDA entre as mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . 169 Quadro 10.4 Comhecimento de formas para evitar o SIDA entre os homens . . . . . . . . . . . . . . . . 170 Quadro 10.5 Percepção de categorías de risco ao SIDA entre as mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 Quadro 10.7 Percepção do risco de contrair SIDA entre os casais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173 Quadro 10.8 Comportamento entre as mulheres para prevenir o SIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174 Quadro 10.9 Comportamento entre os homens para prevenir o SIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177 Quadro 10.10 Conhecimento e uso de preservativos entre as mulheres por características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178 Quadro 10.11 Conhecimento e uso de preservativos entre os homens por características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 Quadro A.1 Taxas de resposta na IDS-97 por província e área de residéncia . . . . . . . . . . . . . . . . 189 Quadro A.2 Taxas de resposta por província e área de residéncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190 Quadro B.1 Variáveis seleccionadas para o cálculo dos erros de amostragem . . . . . . . . . . . . . . . 196 Quadro B.2 Erros de amostragem para a o total Moçambique . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197 Quadro B.3 Erros de amostragem para a área urbana de Moçambique . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198 Quadro B.4 Erros de amostragem para a área rural de Moçambique . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199 Quadro B.5 Erros de amostragem para aProvíncia de Niassa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200 Quadro B.6 Erros de amostragem para a Província de Cabo Delgado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201 Quadro B.7 Erros de amostragem para a Província de Nampula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202 Quadro B.8 Erros de amostragem para a Província de Zambezia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203 Quadro B.9 Erros de amostragem para a Província de Tete . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204 Quadro B.10 Erros de amostragem para a Província de Manica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205 Quadro B.11 Erros de amostragem para a Província de Sofala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206 Quadro B.12 Erros de amostragem para a Província de Inhambane . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207 Quadro B.13 Erros de amostragem para a Província de Gaza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208 Quadro B.14 Erros de amostragem para a Província de Maputo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209 Quadro B.15 Erros de amostragem para Maputo Cidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210 xi LISTA DE GRÁFICOS Página Gráfico 2.1 Distribuição da população por sexo e idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Gráfico 3.1 Taxas de fecundidade por idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Gráfico 3.2 Taxas de fecondidade por idade para períodos quinquenais anteriores ao inquérito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Gráfico 3.3 Taxa global de fecunidade por características socio-demográficas . . . . . . . . . . . . . . . 43 Gráfico 3.4 Percentagem de adolescentes que já iniciaram a maternidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Gráfico 4.1 Percentagem de mulheres e homens que conhecem um método contraceptivo . . . . . 55 Gráfico 4.2 Uso actual da contracepção entre as mulheres em união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Gráfico 4.3 Uso actual da contracepção entre os homens em união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 Gráfico 4.4 Fonte de abastecimento mais recente de métodos entre as mulheres utilisando actualmente um método . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 Gráfico 4.5 Exposição a mensagens sobre PF entre as mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 Gráfico 5.1 Situação marital das mulheres de 15 a 49 anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Gráfico 5.2 Situação marital dos homens de 15 a 64 anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Gráfico 5.3 Idade mediana na primeira união entre as mulheres de 20-49 anos e os homems de 25-64 anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Gráfico 5.4 Idade mediana na primeira relação sexual entre as mulheres de 20-49 anos e os homems de 25-64 anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Gráfico 5.5 Percentagem de mulheres en amenorréia, abstinência e insusceptibilidade . . . . . . . 100 Gráfico 6.1 Percentagem de mulheres e de homens que não querem mais filhos, segundo número de filhos vivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Gráfico 6.2 Percentagem de mulheres em união que não desejam mais filhos, por características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 Gráfico 6.3 Necesidade satisfeita e não satisfeita de serviços de PF, por características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Gráfico 6.4 Numero ideal de filhos entre homens e mulheres, por características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Gráfico 6.5 Taxa de global fecundidade desejada e real, por características seleccionadas . . . . 117 Gráfico 7.1 Taxas de mortalidade neo-natal, pós neo-natal, infantil, pós-infantil e infanto-juvenil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 Gráfico 7.2 Taxa de mortalidade infantil e infanto-juvenil, segundo características seleccionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Gráfico 7.3 Taxa de mortalidade infantil e infanto-juvenil, segundo características bio-demográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 Gráfico 7.4 Nascimentos com risco elevado de mortalidade e mulheres em união com risco de conceber uma criança com risco elevado de mortalidade . . . . . . . . . . . . . . 125 Gráfico 8.1 Percentegem dos nados vivos nos três anos antes do inquérito cujas mães receberam atendimento pré-natal e assistência o parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Gráfico 8.2 Alimentação e ingestão de líquidos em episódios de diarreia . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 Gráfico 9.1 Amamentação e alimentação suplementar das crianças menores de três anos . . . . . 154 Gráfico 9.2 Percentagem de crianças menores de 3 anos classificadas como subnutridas . . . . . . 158 Gráfico 9.3 Estado nutricional das crianças menores de três anos de acordo com os desvio da população de referencia indicado pelo Z-Score . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159 Gráfico 10.1 Estado nutricional das crianças menores de três anos de acordo com os desvio da população de referencia indicado pelo Z-Score . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175 xiii LISTA DE SIGLAS AP Vacina contra a Poliomielite APE Agente Polivalente Elementar (Agente Saúde Comunitário) BCG Vacina contra a Tuberculose DIU Dispositivo Intra-Uterino DTP Vacina contra Difteria, Tétano e Tosse Convulsa IRA Infecções respiratórias agudas OMS Organização Mundial de Saúde PAV Programa Alargado de Vacinação PF Planeamento Familiar SNS Serviço Nacional de Saúde SRO Sais de Rehidratação Oral TRO Terapêutica de Rehidratação Oral VAT Vacinação Anti-Tetânica xv PREFÁCIO É com grande satisfação que o Instituto Nacional de Estatística e o Ministério da Saúde apresentam os resultados finais do Inquérito Demográfico e de Saúde (IDS), cujos dados foram recolhidos de Março a Junho de 1997. Este relatório apresenta os resultados principais do inquérito e cobre os tópicos mais importantes e prioritários sobre aspectos demográficos, saúde materno-infantil, serviços de saúde e planeamento familiar, a nível nacional e provincial. Se bem que o nosso aparelho estatístico tem já uma longa tradição de recolha periódica de dados indispensáveis para o conhecimento das características demográficas e sociais de Moçambique, a realização do IDS em 1997 é motivo de uma dupla satisfação. Por um lado, estamos convencidos que o IDS contém informação valiosa para um melhor conhecimento sobre a população moçambicana e para o desenvolvimento de políticas adequadas no campo populacional e da saúde. Por outro lado, com a realização deste inquérito, que faz parte dum programa internacional de Inquéritos Demográficos e de Saúde (DHS), Moçambique junta- se à longa lista de países africanos e de outros continentes que já o realizaram. Expressamos os nossos mais profundos reconhecimentos à todas entidades, singulares e colectivas que contribuíram para a realização deste projecto com sucesso. Salientamos em particular o apóio financeiro recebido da Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos da América (USAID) e a assistência técnica da Macro International Inc., também dos Estados Unidos da América. Desejamos também manifestar o nosso maior reconhecimento às mulheres e homens que aceitaram colaborar neste inquérito, bem como às equipas de campo, coordenadores, supervisores, críticos, codificadores, digitadores e programadores, cuja participação e dedicação foram indispensáveis para o sucesso do projecto. Finalmente, a realização deste inquérito é um exemplo salutar de uma colaboração intersectorial que importa sublinhar. Estamos certos de que isoladamente não ter sido possível realizá-lo com sucesso. Neste sentido, torna-se necessário consolidar e preservar as experiências adquiridas no âmbito deste inquérito, que muito contribuíram para o reforço da colaboração institucional e racionalização dos limitados recursos de que dispomos. Bem haja o IDS 97 expressão de visão comum e partilhada dos problemas demográficos e de saúde do nosso País. João Dias Loureiro Abdul Razak Noormahomed Presidente do Instituto Nacional de Estatística Vice-Ministro da Saúde Maputo, Março de 1998 xvii INTRODUÇÃO Este relatório apresenta os resultados do Inquérito Demográfico e de Saúde (IDS), realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e pelo Ministério da Saúde com apóio técnico da Macro International Inc. O IDS 1997 faz parte do programa mundial de inquéritos conhecidos por Demographic and Health Surveys, actualmente na sua terceira fase de execução. Estes tipos de inquéritos são realizados na base duma amostra de representatividade nacional, provincial e regional de mulheres de 15 a 49 anos e são desenhados para proporcionar informações principalmente sobre fecundidade, saúde materno-infantil e características sócio-económicas da população entrevistada. Na área da fecundidade, as informações recolhidas permitem avaliar os seus níveis e tendências, conhecimento e uso de métodos contraceptivos, amamentação e outros determinantes próximos desta variável demográfica, como por exemplo, a proporção de mulheres casadas e/ou em união marital e a duração da amenorréia pós-parto. Investiga, ainda, intenções reprodutivas e necessidades não satisfeitas relacionadas com o planeamento familiar. Na área da saúde materno-infantil, recolhe dados sobre a mortalidade materna e infantil e na infância, DTS/SIDA, gravidez, assistência pré-natal e durante o parto. Relativamente ao nível de saúde da criança, os dados recolhidos permitem estimar taxas e tendências da mortalidade infantil e na infância, assim como a análise de seus determinantes sócio-económicos, uma vez que são investigadas as principais causas de doenças predominantes na infância (diarréia e infecções respiratórias), bem como imunização, estado nutricional, acesso a água e serviço de higiene. O IDS recolheu também informações sobre as características sócio-económicas da população entrevistada, como: idade, educação, acesso aos meios de comunicação, ocupação, religião, condições da habitação no respeitante ao acesso a água, saneamento, electricidade, bens duráveis de consumo, número de divisões usadas para dormir e material de construção predominante no pavimento. Foi também considerada uma sub-amostra de 30% dos agregados familiares seleccionados para inquirir a população masculina, com o propósito de recolher informação sobre conhecimento, atitudes e práticas relacionadas com o planeamento familiar, intenções reprodutivas, conhecimento e comportamento sexual face ao SIDA. O IDS teve início em finais de Julho de 1996, com a criação de brigadas de campo para actualização cartográfica e listagem dos agregados familiares para o marco amostral. A recolha de dados para o inquérito principal decorreu entre Março e Julho de 1997. Com a realização deste inquérito Moçambique passa a dispor de dados actualizados, fidedignos, representativos e de alta comparabilidade com outros países da região. A informação recolhida, registada no banco de dados, encontra-se disponível no Instituto Nacional de Estatística (INE) aos usuários que queiram gerar indicadores e abordar aspectos não focados no presente relatório. xviii xix xx 1 CAPÍTULO 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PAÍS E METODOLOGIA 1.1 Descrição geral do país Geografia Moçambique situa-se na faixa sul-oriental do Continente Africano, entre os paralelos 10/27' e 26/52' de latitude Sul e entre os meridianos 30/12' e 40/51' longitude Este. Ao Norte limita com a Tanzânia; ao Oeste com o Malawi, Zâmbia, Zimbabwe e Swazilândia; e ao Sul com a África do Sul. Toda a faixa Este, banhada pelo Oceano Índico numa extensão de 2,470 km, tem um significado vital tanto para Moçambique como para os países vizinhos situados no interior que só têm ligação com o oceano através dos portos moçambicanos. A superfície do seu território é de 799,380 km2. O país está dividido em 11 Províncias: ao Norte, Niassa, Cabo Delgado e Nampula, ao Centro, Zambézia, Tete, Manica e Sofala, ao Sul, Inhambane, Gaza, Maputo e Maputo Cidade (Mapa 1). O território moçambicano, como toda a região Austral do Continente Africano, não apresenta grande variedade de paisagem. Da costa para o interior podem-se distinguir três tipos de relevos: - a planície litoral que ocupa grande parte do território (40 %). Esta é a região natural onde se observa a maior concentração da população, - os planaltos com altitudes que variam entre 200 e 1,000 metros, - os grandes planaltos e montanhas que ocupam uma pequena parte do território nacional, com altitudes superiores a 1,000 metros. Do ponto de vista da distribuição geográfica da população, já que não constituem uma superfície contínua, não oferecem grandes obstáculos para assentamentos humanos. História Moçambique adquiriu a actual forma geográfica, representada no Mapa 1, em Maio de 1891, altura em que foi assinado o tratado Anglo-Português de partilha das zonas de influência em África. Tal tratado serviu para legitimar, entre as nações coloniais europeias, uma ocupação que no caso de Moçambique remonta do século XVI, período em que Portugal iniciou a ocupação da costa oriental de África. O País tornou-se independente de Portugal em 1975, após dez anos de luta armada de libertação nacional movida pela FRELIMO (Frente de Libertação Nacional de Moçambique). A independência política de Moçambique foi negociada entre a Frelimo e o Governo português no acordo de Lusaka a 7 de Setembro de 1974. Um governo de transição chefiado por Joaquim Chissano, então Primeiro-Ministro, governou até 25 de Junho de 1975, dia da Independência de Moçambique. O primeiro Governo moçambicano estabeleceu uma estratégia de transformação socialista da sociedade moçambicana. Entre as suas actividades, até finais da década de 80, o Governo de Moçambique levou a efeito programas amplos no âmbito da educação, saúde e habitação. Reconhece-se, por exemplo, que as campanhas nacionais de imunização contra a varíola, tétano e sarampo, bem como a formação de pessoal especializado, tiveram uma contribuição importante para a redução da mortalidade infantil. 2 Porém, os esforços de reconstrução nacional e melhoria do nível de vida da população moçambicana nos primeiros anos de Independência não se consolidaram e, em muitos casos, colapsaram. Os anos que se seguiram à Independência foram marcados por um colapso da economia e uma deterioração crescente da estabilidade político-militar e social. Só em 1992 as forças políticas, nacionais e internacionais, chegaram a um acordo com vista ao fim do conflito armado e à estabilização política de Moçambique. Entre outros aspectos, a busca da paz e democratização conduziram à assinatura do acordo de Roma a 15 de Outubro de 1992, entre a Frelimo e a RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana). Em Outubro de 1994, realizaram-se as primeiras eleições gerais e multipartidárias, as quais foram ganhas pelo partido Frelimo. O novo Governo tomou posse em Dezembro de 1994, tendo criado um programa quinquenal para o período 1995-1999 que foi aprovado pela Assembleia da República através da Resolução 4/95 de Maio do Boletim da República. Neste programa o Governo propõe-se realizar acções que: resultem na garantia da paz, estabilidade e unidade nacionais, na redução dos níveis de pobreza absoluta, visando a sua erradicação a médio prazo, e na melhoria de vida do povo, com incidência na educação, saúde, desenvolvimento rural e emprego. A definição destas acções como objectivos principais do governo, resulta da constatação de que a paz e a estabilidade são as condições básicas para a reactivação da actividade económica e social. Só com o crescimento da produção interna será possível eliminar a pobreza e promover o desenvolvimento económico e humano auto-sustentado (Boletim da República, I Série, N/ 18, 4/ Suplemento) Grande parte das características demográficas da população moçambicana só poderão ser devidamente compreendidas quando situadas no contexto mais amplo das transformações sociais, económicas e culturais ocorridas no País, tanto no período pré-colonial como durante as duas décadas que se seguiram à Independência política, em 1975. Tal análise situa-se para além do âmbito deste relatório, mas os dois exemplos seguintes ilustram a importância e a influência directa da história sócio-política nas mudanças demográficas da população moçambicana. Um exemplo refere-se à taxa de crescimento da população moçambicana relativamente baixa durante a primeira metade do século XX. Tal taxa deveu-se à falta de condições adequadas de saúde e higiene que marcou Moçambique durante a primeira metade do Século XX; como escreveu Newitt (1995: 474) no seu livro A History of Mozambique, até à década de 50, ’A malária, doença do sono, lepra e bilharziose eram doenças endémicas, e um terço das crianças morriam durante a infância’. Porém, nas décadas 30 e 40 o Governo português criou unidades de combate à malária e à doença do sono; depois da Segunda Guerra Mundial, outras doenças foram adicionadas àquela lista de prioridades, tais como bilharziose, tuberculose e lepra. Se bem que os graves problemas de saúde da população moçambicana nunca foram adequadamente confrontados durante o período colonial, certamente que as acções de saúde pública com impacto mais amplo foram as causas mais directas do começo da diminuição da mortalidade a partir de 1950 (Newitt, 1995: 474-475). Esta mudança dum componente importante do crescimento da população, como é a mortalidade, originou a aceleração do ritmo de crescimento demográfico nas últimas décadas do período colonial. O outro exemplo refere-se às migrações mais recentes, nomeadamente aos movimentos externos e internos da população, causados pelo conflito armado que assolou Moçambique durante cerca de uma década e meia até às eleições gerais e multipartidárias de Outubro de 1994. Se bem que este movimentos migratórios 3 são fenómenos histórico-estruturais que sempre marcaram fortemente a evolução da população moçambicana, o conflito armado mais recente gerou fluxos migratórios muito específicos e, sem dúvida, com profundas implicações para o processo de urbanização, o estado e ritmo de crescimento da população, entre outros aspectos demográficos. Fontes diversas estimaram que por volta de 1990 mais de 100,000 pessoas teriam morrido como resultado directo do conflito armado; cerca de um milhão e meio de pessoas encontravam-se refugiadas nos países vizinhos e, dentro do país, um terço da população tinha sido forçado a deslocar-se das suas zonas habituais de residência. Economia A despeito dos seus ricos recursos naturais e da sua posição estratégica na região da África Austral, Moçambique é actualmente considerado um dos países mais pobres do mundo. Em 1997, o Relatório de Desenvolvimento Humano 1997 (RDH 97), publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), classifica Moçambique na ordem do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) como o 116o entre 175 países. Para além do IDH, o RDH97 introduziu pela primeira vez um Índice de Pobreza Humana (IPH), o qual utiliza indicadores das medidas de privação mais elementares: esperança de vida reduzida, falta de acesso à educação básica e aos recursos públicos e privados (PNUD, 1997: 5). Com base no IPH Moçambique figura entre os sete países onde a pobreza humana afecta mais de 50 % de toda a população; todos estes países, com excepção de um, são africanos: Níger, Serra Leoa, Bourkina Faso, Etiópia, Mali, Camboja e Moçambique. Esta imagem da posição de Moçambique a nível internacional é reveladora duma crise económica profunda e prolongada produzida por uma multiplicidade de factores. Primeiro, aquando da sua Independência política em 1975, Moçambique herdava um desenvolvimento dos recursos naturais fraco e uma grande pobreza de capital humano qualificado, mesmo quando comparado com outros países da África Austral. A economia de Moçambique tinha uma estrutura moldada para servir interesses coloniais; em particular, a economia nacional dependia fortemente das receitas provenientes dos serviços ferro-portuários e dos contratos de fornecimento de mão-de-obra barata para os países vizinhos. Segundo os dados do RDH97, em 1960 Moçambique tinha um rendimento per capita de 129 US dólares. Segundo, os anos que se seguiram à Independência foram caracterizados por uma recessão económica profunda. O Governo moçambicano introduziu mudanças radicais, incluindo a nacionalização e socialização dos principais meios de produção e infra-estruturas económicas e sociais. A agricultura, que absorve a maior parte dos recursos humanos do País, foi concebida como a base do desenvolvimento e a indústria o factor dinamizador; mas os esforços de reestruturação da economia, segundo moldes de economia socialista fortemente controlada pelo Estado, não conduziram à recuperação económica preconizada pelo Governo. Terceiro, na década de 80 para além de um conjunto de factores climáticos desfavoráveis, particularmente a seca e outras calamidades naturais, Moçambique viveu uma instabilidade política e militar com implicações dramáticas. A produção agro-pecuária decresceu para níveis alarmantes e a sobrevivência duma parte significativa da população passou a depender da ajuda alimentar externa. O conflito armado que assolou o País, durante cerca de uma década e meia, não só destruiu infra-estruturas económicas e sociais, como também não permitiu uma consolidação dos programas de saúde e de educação iniciados nos primeiros anos de Independência. No início da década de 90, o Banco Mundial classificou Moçambique como o país mais pobre do mundo, pois o seu rendimento per capita tinha decrescido para cerca de 80 US dólares. 4 Quadro 1.1 Indicadores económicos seleccionados, Moçambique _________________________________________________________________________________ Indicadores 1995 1996_________________________________________________________________________________ Produto Interno Bruto Taxa de crescimento (%) Consumo Privado Taxa de crescimento (%) Consumo Público Taxa de crescimento (%) Formação Bruta de Capital Taxa de crescimento (%) Procura Interna Taxa de crescimento (%) Exportações de Bens e Serviços Taxa de crescimento (%) Procura Global Taxa de crescimento (%) Importações de Bens e Serviços Taxa de crescimento (%) Taxa de Câmbio (MT/US$) Taxa de crescimento (%) Deflator do Consumo Privado (em %) Salário Mínimo Mensal (1,000 MT) Taxa de Inflação Acumulada (%) 13,195 1.4 7,714 2.0 1,657 -38.0 8,200 -8.0 17,571 -8.1 3,617 15.8 21,189 -4.8 7,994 -13.8 8,890 50.2 50.4 170.2 54.1 19,363 6.4 11,297 2.6 2,318 0.7 11,322 4.6 24,937 3.3 5,411 18.8 30,348 6.0 10,985 5.3 11,140 25.3 42.8 244.9 16.6 _________________________________________________________________________________ Fonte: Instituto Nacional de Estatística (1996). Anuário Estatístico 1996 - Moçambique. Maputo. Contudo, a partir de meados da década de 80, o Governo iniciou um programa de reformas económicas e diálogo com as principais instituições económicas internacionais, nomeadamente o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, com vista a reactivar a economia de Moçambique. Em 1987, o Programa de Reabilitação Económica foi introduzido com o objectivo de i) reverter o declínio da produção, ii) garantir um nível mínimo de consumo e renda, especialmente para a população rural, iii) reduzir os desequilíbrios financeiros, iv) fortalecer a posição da balança de pagamentos e v) criar as condições para o crescimento económico. A década de 90 foi palco dum esforço ainda mais intenso e bem sucedido, não só em termos políticos como económicos. O compromisso do Governo com a reforma económica tem-se traduzido num crescente controle dos mecanismos económico-financeiros e a reactivação da produção nacional. Por exemplo, depois da taxa anual de inflação acumulada ter atingido em 1994 mais de 70 %, em 1996 já tinha diminuído para cerca de 17 % e, em 1997, existem fortes evidências que baixe para um único dígito. Além disso, a taxa de câmbio parece ter estabilizado, o crescimento económico tem aumentado substancialmente nos últimos dois anos (Veja-se o Quadro 1.1). 5 Quadro 1.2 População e taxa de crescimento, 1950-1991 Evolução da população total por sexo e taxa de crescimento, Moçambique 1950-1991 ___________________________________________________________________________________ População (em milhares) Taxa de _________________________________________ cresci- Data Total Homens Mulheres mento ___________________________________________________________________________________ 1950 1955 1960 1965 1970 1975 1980 1991 6,466 6,954 7,595 8,407 9,408 10,627 12,130 14,420 3,131 3,368 3,683 4,081 4,572 5,171 5,909 6,977 3,335 3,585 3,913 4,326 4,836 5,456 6,222 7,443 - 1.5 1.8 2.0 2.3 2.4 2.7 2.61 ___________________________________________________________________________________ Fonte: Direcção Nacional de Estatística/Unidade de População e Planificação. Relatório Nacional sobre População e Desenvolvimento Maputo, 1993; Moçambique: Panorama Demográfico e Sócio-Económico, Maputo, 1995. 1 Taxa de crescimento natural. Se a tendência da recuperação e crescimento económico se mantiver, 1996 poderá ser visto como crucial para a economia de Moçambique. Os aspectos positivos da economia moçambicana mais recentes são visíveis: forte controle da inflação e das taxas de câmbio; o aumento do PIB per capita de 1.4 % em 1995 para 6.4 % em 1996; recuperação e consolidação da actividade agrícola e industrial; aumento das exportações e crescente interesse dos investidores no País, tanto nacionais como estrangeiros. Porém, os aspectos desfavoráveis e negativos da economia moçambicana ainda são muitos. Primeiro, tal como ficou claro no início desta secção, Moçambique continua a ser um dos países mais pobres do mundo. Segundo, o nível de qualificação dos recursos humanos é extremamente baixo. Terceiro, a estrutura não só económica mas também institucional, sobretudo administrativa, é extremamente débil. Quarto, Moçambique continua profundamente vulnerável e, sobretudo, dependente das ajudas internacionais. Dinâmica da população Evolução da população: histórica e actual Os dados demográficos disponíveis permitem-nos descrever a evolução histórica, pelo menos na segunda metade do século XX. Em 1950, a população total de Moçambique era cerca de 6.5 milhões de habitantes. Desde então, ela cresceu de forma acelerada, tendo atingido 7.6 milhões em 1960, 9.4 milhões em 1970, e 12.1 milhões em 1980. O censo populacional previsto para 1990 não se realizou, por causa do conflito armado que assolava o País na altura. Porém, como forma de minimizar a falta de informação censal, o Governo decidiu realizar em Outubro de 1991 o Inquérito Demográfico Nacional (IDN). Este inquérito foi concebido segundo um marco amostral adaptado às circunstâncias político-militares difíceis em que se encontrava o país. Para esse ano estimou-se uma população total de 14.4 milhões de habitantes. 6 Contudo, em Agosto de 1997, um mês depois de ter terminado a recolha dos dados para o IDS, realizou-se o II Recenseamento Geral da População e Habitação do período pós-Independência. De acordo com os dados preliminares deste último Recenseamento, a população actual de Moçambique é de 15.7 milhões de habitantes (INE, 1997). Este último recenseamento, teve uma cobertura censal de aproximadamente 95 %, realizou-se num ambiente político e social de paz, pois teve lugar cerca de três anos depois das primeiras eleições gerais e multipartidárias de 1994. Esta evolução do tamanho da população de Moçambique sugere, por um lado, que a mesma duplicou, em relação a 1950, por volta na década de 80. Actualmente Moçambique ocupa o terceiro lugar entre os países mais populosos da África Austral; o primeiro é a África do Sul com 40.6 milhões e o segundo a Tanzânia com 29,2 milhões (PNUD, 1997: 194-195). Por outro lado, entre 1950 e 1980, a taxa de crescimento passou de 1.5 % no período 1950-1955, para 1.8 % em 1960, 2.3 % em 1970, e 2.7 % em 1980. Sendo assim, a taxa de crescimento demográfica atingiu na década de 80 o nível mais elevado na história da população moçambicana das últimas cinco décadas e, talvez mesmo, em todo o século XX. O rápido crescimento populacional foi causado pelas elevadas taxas de natalidade numa altura em que a mortalidade começou a diminuir. Durante as décadas de 50 e 60 a taxa de natalidade manteve-se quase constante e a níveis elevados, na ordem dos 49 nascimentos por mil habitantes. Esta taxa sofreu ligeiras alterações ao reduzir sucessivamente para 48 por mil em 1970, 47 em 1980 e 45 por mil em 1990. Em contrapartida, no mesmo período a taxa de mortalidade observou um significativo declínio. Em 1950 registaram-se 32 óbitos em cada mil habitantes, tendo reduzido para 20 em 1990. O maior declínio da mortalidade, principalmente a infantil, registou-se nos primeiros cinco anos da Independência Nacional (1975-1980), como resultado das melhorias das condições de saúde, educação e habitação, entre outras. Porém, o mais surpreendente na evolução da população mais recente não é tanto a aceleração da taxa de crescimento entre 1950 e 1980, visto esta ser previsível desde que a diminuição da mortalidade iniciou sem ser acompanhada por uma redução similar da fecundidade. O mais surpreendente foram os fenómenos dramáticos entre 1980 e 1997, os quais certamente contêm a resposta para a compreensão do tamanho da população de Moçambique significativamente abaixo de todas as estimativas e projecções que se fizeram. Tanto o INE como algumas instituições internacionais projectaram que a população moçambicana deveria rondar presentemente pelos 18 milhões de habitantes. No presente momento, os dados mais detalhados do censo de 1997 ainda não estão disponíveis. Em particular, desconhecem-se as taxas de crescimento natural da população, bem como os saldos migratórios; sem estes dados, não é possível interpretar e avaliar os componentes de mudança da população, nomeadamente a mortalidade, natalidade e o movimento migratório. Composição da população A evolução da estrutura da população pode ser resumida em três grandes grupos de idades: o grupo dos jovens (0-14 anos), o grupo dos potencialmente activos ou adultos (15-64), e o dos idosos (65 anos e mais). 1 A razão de dependência é calculada pela expressão matemática: 7 Quadro 1.3 Composição da população por idade, 1950-1980 Composição da população total por sexo e grupos seleccionados de idade, Moçambique 1950-1980 ____________________________________________________ Grupos de idade 1950 1960 1970 1980 ____________________________________________________ 0-14 40.6 42.6 43.8 44.4 15-59 51.4 51.2 51.4 51.3 60+ 8.0 6.2 4.8 4.3 ____________________________________________________ Fonte: Direcção Nacional de Estatística/Unidade de População e Planificação. Relatório Nacional sobre População e Desenvolvimento Maputo, 1993 A evolução histórica da taxa de natalidade modelou uma estrutura da população bastante jovem, caracterizada por uma base muito larga e um achatamento no topo. O Quadro 1.3 mostra que entre 1950 e 1980 registou-se um aumento proporcional dos jovens. Em 1990 a população menor de 15 anos representava 45.6 %, os adultos (15-64 anos) 51.9 % e os idosos (acima dos 64 anos) 2.5 %. Ou seja, a população de Moçambique tem estado a rejuvenescer na sua base. Do mesmo modo, a proporção do grupo de idosos também tem diminuído ao longo das décadas, outra evidência do seu rejuvenescimento, neste caso no topo da pirâmide etária. Esta estrutura populacional, típica de um país menos desenvolvido, tem implicações sócio- económicas, pois a sua população é mais propensa ao consumo do que a produção devido a elevada proporção de dependentes. Nesse ano, a razão de dependência demográfica1 era de 92.5 %, o que significa que havia aproximadamente 93 pessoas dependentes por cada 100 em idade produtiva. Em outras palavras, esta estrutura pressiona de forma preponderante os sectores chaves do desenvolvimento, principalmente a educação, saúde, emprego e habitação. Distribuição geográfica da população A população do País é predominantemente rural. Em 1980, 73 % da população total residia nas áreas rurais enquanto que a restante morava nas 12 cidades consideradas urbanas. Só a capital do País acolhia 48 % do total da população urbana, o que demonstra um padrão de distribuição muito heterogéneo. Neste padrão é notável, a acentuada concentração da população nas províncias do litoral e uma fraca densidade no interior do País. As Províncias de Zambézia e Nampula que ocupam 1/4 da superfície do território, agrupam quase 40 % da população total (Quadro 1.4). A região Norte que ocupa o segundo lugar quanto a extensão territorial com 293,287 km2, de acordo com os resultados preliminares do censo populacional de 1997, apresenta a mais baixa densidade demográfica de todas as regiões (17.4 hab./km2). A região Centro é a mais extensa do País com 335,411 km2 8 Quadro 1.4 População por sexo e densidade demográfica Distribuição da população e região por sexo e densidade demográfica, segundo regiões e províncias, Censo 1997 ____________________________________________________________________________________________ População (em milhares) Densidade _______________________________________________ demográfica Região/Província Total Homens Mulheres (hab/km2) ____________________________________________________________________________________________ Norte Niassa Cabo Delgado Nampula 5,113 764 1,284 3,065 2,499 370 617 1,512 2,614 394 667 1,553 17.4 5.9 15.5 37.6 Centro Zambézia Tete Manica Sofala 6,760 3,202 1,149 975 1,380 3,176 1,540 5460 462 628 3,530 1,662 603 513 72 20.0 30.5 11.4 15.8 20.3 Sul Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Total 3,921 1,112 1,034 809 996 15,740 1,776 484 445 377 470 7,451 2,145 628 589 432 496 8,289 23.0 16.2 13.7 31.0 3,220 19.7 ____________________________________________________________________________________________ Fonte: Instituto Nacional de Estatística, 1997. Resultados Preliminares do II Recenseamento Geral de População e Habitação de 1997. Maputo. apresenta a densidade demográfica intermédia de todas as regiões (20 hab./km2). Finalmente, a região Sul ocupa a menor extensão territorial com 170,680 km2 apresenta a densidade demográfica mais elevada de todas as regiões (23 hab./km2). Actualmente, em consequência da migração rural-urbano e da reclassificação territorial de 1986 que eleva para categoria urbano 23 cidades e 68 vilas, presume-se que a população urbana do País supere os 20 %. Língua e religião A diversidade linguística de Moçambique constitui uma das suas principais riquezas culturais, o que torna a sua população multilingue. A língua oficial do País é o Português, falado pela metade da população (50.2 %), de acordo com os resultados do Inquérito Demográfico Nacional de 1991. Ainda segundo este inquérito, 54 % é monolingue, ou seja, fala apenas uma língua, o português ou um idioma nacional. As línguas mais utilizada na comunicação diária são as seguintes: Português (39 %), Xitsonga (23 %), Emakua (13 %), Chishona (4 %), e Chisena (3 %). 9 A maioria da população do País é católica com 24 % do total de crentes, os protestantes ocupam o segundo lugar, representado 22 %; os muçulmanos situam-se na terceira posição com 20 %. No entanto, convém mencionar também que 32 % da população do País não professa nenhuma religião ou crença. 1.2 Política de população e programa de planeamento familiar Política de população Do ponto de vista demográfico, como já foi mencionado, a população do País vem crescendo a ritmos cada vez mais acelerados, em resultado da manutenção de elevadas taxas da natalidade e da redução gradual da mortalidade, sobretudo nas camadas mais pobres. A percepção do Governo sobre esta matéria é que as questões populacionais e as do desenvolvimento sócio-económico estão estreitamente interligadas. Reconhecendo essa inter-relação, o Governo incluiu no seu Programa Quinquenal, 1994-1999, a necessidade de se elaborar a política nacional de população, como parte integrantes das estratégias do desenvolvimento nacional. Em outras palavras, pretende-se formular uma política nacional de população que não se limita apenas aos aspectos do crescimento populacional, mas que também incorpora outras variáveis que são reconhecidas como críticas para o desenvolvimento nacional, incluindo o estatuto da mulher, a qualidade de vida da população e equidade social. Programa nacional de planeamento familiar Em Moçambique, o Planeamento Familiar teve início em 1978, mas só em 1980 se desenvolveu como um programa nacional. Desde o seu início, o programa foi integrado no Programa de Saúde Materno- Infantil do Serviço Nacional de Saúde. A extensão a todos os distritos e à rede de Cuidados de Saúde Primários só foi possível com a introdução do Planeamento Familiar nos currícula de formação das parteiras, técnicos de medicina e médicos. Os seus objectivos foram, desde o início: i) proteger e melhorar a saúde materna, em particular das mulheres com alto risco reprodutivo e, ii) melhorar a saúde das crianças, promovendo um intervalo entre nascimentos sucessivos de, pelo menos, dois anos. Os Serviços de Planeamento Familiar estão sob a responsabilidade do Ministério da Saúde, através do Serviço Nacional de Saúde. Baseam-se nos seguintes princípios: • distribuição gratuita de anticonceptivos, incluindo a esterilização cirúrgica, sendo da livre escolha do utilizador. Integração dos serviços de Planeamento Familiar nos Serviços de Saúde Materno-Infantil a nível da rede de Cuidados de Saúde Primários existente no País, não estando, portanto, constituído como um programa vertical. As actividades educativas e de divulgação são realizadas com as utilizadoras das Unidades Sanitárias, em particular no atendimento pré-natal e pós-parto, • aleitamento materno, como método preferido para amamentação do recém-nascido e como um meio indirecto de espaçamento dos nascimentos, • envolvimento da comunidade com a participação de parteiras tradicionais e agentes polivalentes elementares, a nível das aldeias, e 10 • inclusão de Organizações não-Governamentais na produção, distribuição e divulgação de materiais de Planeamento Familiar. O programa tem como objectivo alcançar a cobertura de 20 % das mulheres em idade reprodutiva, priorizando as de elevado risco obstétrico, aumentar a proporção de mulheres com um intervalo maior que dois anos entre os nascimentos e reduzir a gravidez na adolescência. Programas e prioridades de saúde Desde a proclamação da Independência Nacional, em 1975, o Governo considerou a Saúde como um bem e condição essencial para um desenvolvimento sustentável, estando actualmente referido na Constituição (artigo 94) que “todos os cidadãos têm direito à assistência médica e sanitária, nos termos da lei, e o dever de defender e promover a saúde”. O Governo constatou que o estado de pobreza da população influencia grandemente o seu estado de saúde e que, embora se possam estabelecer mecanismos para atenuar a pobreza e melhorar o estado de Saúde da população, a solução da pobreza passa pelo desenvolvimento económico e social, pelo que, em última análise, a Saúde da comunidade resulta de um esforço de desenvolvimento multi-sectorial. Desta forma a Política de Saúde do Governo é o somatório da política dos diversos sectores com implicações na saúde da população. A política do Sector Saúde diz respeito a um conjunto de actividades específicas que complementam as dos restantes sectores. O Governo baseou a sua política de saúde na estratégia de Cuidados de Saúde Primários, de modo a poder prestar assistência à grande maioria da população, em particular os seus grupos mais vulneráveis, tendo em reduzir as elevados taxas de morbi-mortalidade no País. Os êxitos alcançados nesta política foram, no entanto, severamente afectados pela guerra que afectou o País até 1992. Actualmente, é objectivo principal do Sector Saúde contribuir através de actividades específicas para promover, preservar, manter e melhorar a Saúde da Comunidade. Foram estabelecidas como prioridades da Política do sector saúde as seguintes: • preservar e melhorar a saúde da mulher e da criança, através dos programas de Saúde Materno-Infantil, Programa Alargado de Vacinação e Saúde Escolar, num Programa Nacional Integrado, • prestação de cuidados de saúde à população vulnerável, em particular às famílias ou indivíduos em pobreza absoluta, • prestação de cuidados de saúde à terceira idade, • desenvolver actividades que promovam a saúde dos trabalhadores, em particular as destinadas à prevenção dos acidentes de trabalho e das doenças profissionais, • diminuir a incidência e prevalência das doenças mais comuns e endémicas, particularmente as com maior responsabilidade nas taxas de morbilidade e mortalidade, • contribuir para a melhoria do estado nutricional da população, em particular das crianças, incluindo a prevenção e tratamento das deficiências em micro-nutrientes, 11 • educação, informação e comunicação para a saúde e, • concepção, implementação e desenvolvimento de programas de estudo e valorização da Medicina Tradicional. Para atingir os seus objectivos o Sector Saúde previu a existência de um Sistema de Saúde subdividido em três sectores que se complementam: i) Sector público, o Serviço Nacional de Saúde, organizado por níveis de atenção de saúde, dispensando cuidados integrados de saúde; ii) Sector privado, podendo tratar-se de instituições com fins lucrativos ou não-lucrativos; iii) Sector comunitário que se pretende auto-sustentável, envolvendo as parteiras tradicionais e agentes polivalentes elementares, compreendendo os Postos de Saúde das aldeias. As principais metas do Programa Nacional Integrado de atenção à mulher e à criança são: • redução em cerca de um terço da Mortalidade Materna, estimada em mais de 700 óbitos em cada 100,000 nados vivos, • atingir uma cobertura de 80 % no atendimento pré-natal e 45 % no parto institucional, • atingir uma cobertura de 20 % nas mulheres em idade reprodutiva utilizadoras de Planeamento Familiar, • redução de um terço da Taxa de Mortalidade Infantil, para menos de 100 óbitos em cada 1,000 nados vivos e da Taxa de Mortalidade de menores de 5 anos para menos de 200 em cada 1,000 nados vivos, • erradicação da poliomielite, eliminação do tétano neo-natal e diminuição significativa da incidência do sarampo e, • redução das taxas de malnutrição aguda, crónica e de baixo peso à nascença. 1.3 Objectivos, aspectos metodológicos e organização do inquérito Objectivos O IDS tinha os seguintes objectivos: • Subsidiar a formulação de políticas e implementação de programas nas áreas de população e saúde; • Aumentar a base internacional de dados sobre população e saúde para acompanhamento e avaliação; e • Consolidar a capacidade técnica do pessoal do INE e do MISAU em matéria de inquéritos por amostragem. 2 A preparação do marco amostral coincidiu com os preparativos do II Recenseamento Geral de População e Habitação, que se realizou em Agosto de 1997. 12 O Programa internacional de inquéritos desta natureza teve início em 1984 e, desde então, já foram realizados inquéritos em mais de 50 países da América Latina, Caribe, África, Ásia e Leste Europeu. Aspectos metodológicos Questionários Para a recolha de dados, adoptou-se metodologia de entrevistas aos agregados familiares de casa em casa, com aplicação de três tipos de questionários: • Questionário de Agregados Familiares; • Questionário de Mulheres; • Questionário de Homens. Os questionários tiveram por base o modelo utilizado pelos Inquéritos Demográficos e de Saúde para a terceira fase, contextualizados e acrescidos de questões específicas em atendimento às necessidades de dados para o País. Para facilitar a comunicação com a população analfabeta estes questionários foram traduzidos para dois idiomas maternos (Emakua e Xitsonga) e devidamente pré-testados na Cidade de Maputo, entre Outubro e Novembro de 1996. Desenho e implementação da amostra A amostra foi desenhada para ser representativa a nível nacional, provincial e áreas de residência urbano-rural, abrangendo somente a população residente em agregados familiares. Foi excluída da amostra a população que residia em instituições não residenciais, como hotéis, hospitais, quartéis militares, etc. Tendo em conta a necessidade de obter indicadores de níveis de fecundidade, mortalidade infantil e na infância, de prevalência de uso de contraceptivos, etc. nos domínios acima mencionados, estimou-se que o tamanho da amostra devia permitir obter 9,000 entrevistas completas de mulheres de 15 a 49 anos. Um terço dos agregados familiares seleccionado foram também entrevistados os homens de 15 a 64 anos que aí se encontravam. No momento da preparação do marco amostral a informação pré-censal existia somente para as áreas urbanas, isto é, para as capitais provinciais e para a Cidade de Maputo2. No domínio urbano a selecção foi feita em duas etapas. Na primeira, as áreas de enumeração foram seleccionadas com probabilidade proporcional ao tamanho, conforme o material cartográfico pré-censal. Na segunda, os agregados familiares dentro de cada área de enumeração foram seleccionados com probabilidade inversamente proporcional ao tamanho da área, para que dentro deste domínio a amostra seja auto-ponderada. As características gerais da população entrevistada são resumidas no Quadro 1.5. No Anexo A apresentam-se os resultados mais detalhados da amostra estudada, incluindo dados das entrevistas feitas aos agregados familiares, bem como entrevistas individuais às mulheres e homens. 13 Quadro 1.5 Resultados da amostra Resultados das entrevistas dos agregados familiares e das entrevistas individuais aos homens e mulheres, por área de residência. Moçambique 1997 _____________________________________________________ Residência _________________ Resultado Urbano Rural Total _____________________________________________________ MULHERES_____________________________________________________ Agregados Familiares Seleccionados 2,515 8,544 11,059 Encontrados 2,178 7,503 9,681 Completos 2,090 7,192 9,282 Taxa de resposta 96.0 95.9 95.9 Mulheres Elegíveis 2,747 6,843 9,590 Entrevistadas 2,514 6,265 8,779 Taxa de resposta 91.5 91.6 91.5 _____________________________________________________ HOMENS_____________________________________________________ Agregados Familiares Seleccionados 809 2,613 3,422 Encontrados 717 2,370 3,087 Entrevistados 689 2,299 2,988 Taxa de resposta 96.1 97.0 96.8 Homens Elegíveis 958 1,931 2,889 Entrevistados 753 1,582 2,335 Taxa de resposta 78.6 81.9 80.8 Dos 11,059 agregados familiares seleccionados, obtiveram-se informações completas para 96 %, ou seja 9,282 agregados. Em termos de áreas de residência, não houve diferença significativa na taxa de resposta obtida nas zonas urbanas e rurais. A maioria das entrevistas não realizadas deveu-se a ausência das pessoas elegíveis (4.4 %) e por desocupação dos domicílios na altura do inquérito (4.1 %). Dos 9,282 agregados com informação completa, foram encontradas 9,590 mulheres, o que significa em média uma mulher por agregado; desta amostra foram entrevistadas 92 %, ou seja, 8,779 mulheres. Como se pode ver no Anexo A, a Província de Tete teve a taxa de resposta mais baixa (76.2 %), a qual se deveu aos trabalhos agrícolas e, em particular, ao facto de as terras de cultivo se encontrarem distantes dos locais de residência. Organização do inquérito Estrutura do trabalho de campo e controle de qualidade O trabalho de campo foi executado por 11 equipas, uma por província, constituídas por seis pessoas cada: Supervisor, Crítico de Campo e quatro Inquiridoras, além do motorista. O Ministério de Saúde proporcionou a maior parte do pessoal de campo, enquanto que os restantes eram das Delegações Provinciais do INE ou contratados pelo Projecto. 14 As Supervisoras tiveram a seu cargo a responsabilidade de medir o peso e altura das crianças e das mães. O trabalho de campo contou com uma estreita cooperação das autoridades locais e dos guias que apoiaram na localização das agregados familiares seleccionados. O trabalho de campo foi acompanhado pelo Director Técnico, Consultor Residente da Macro e por dois Coordenadores regionais que realizaram numerosas visitas as equipas. Além disso, durante a recolha de dados foi operacionalizado um rigoroso controle a nível de cada equipa sobre o processo de recolha, mediante a detecção de erros por parte da crítica de campo, o que permitiu a correcção imediata ainda no terreno. A nível da coordenação central, os críticos de dados fizeram revisão adicional dos questionários e os problemas encontrados eram comunicados as respectivas equipas, via "memorandum", pela coordenação regional. O processamento interactivo e por lotes de informação através do programa ISSA (Integrated System for Survey Analysis), permitiu, a nível central, a obtenção periódica de resultados parciais, para análise dos dados recolhidos até dado momento, mediante a produção de tabelas para acompanhamento e controle de qualidade. Os resultados dessas tabulações foram reportados em retro alimentação às entrevistadoras, assegurando a qualidade dos dados. Formação do pessoal de campo e recolha de dados A fim de assegurar a uniformidade da formação e dos procedimentos de trabalho de campo, todo o pessoal de campo foi formado ao mesmo tempo por técnicos do INE e da Macro Internacional. As equipas receberam treinamento teórico-prático durante 3 semanas e meia, através de aulas expositivas, dinâmica de grupo, dramatização, exercícios e prática de campo. O curso decorreu de l4 a 27 de Fevereiro de 1997; 50 mulheres e 22 homens participaram na formação. Dada a diversidade étnica e linguística de Moçambique, todos os participantes eram originários das províncias onde deveriam trabalhar, e falavam correctamente os idiomas predominantes nessas zonas. Concluída a formação, as equipas iniciaram a recolha de dados em Março de 1997, tendo terminado em Julho. Processamento de dados A entrada de dados começou em Março, duas semanas após o início da recolha, tendo terminado em Agosto, um mês depois do término do trabalho de campo. As actividades de processamento do inquérito envolveram processos manuais e automáticos: recepção e verificação dos questionários, crítica (revisão e codificação), digitação, edição, análise de inconsistências e supervisão, envolvendo 1 supervisor geral, 4 críticos de dados e 20 digitadores. Fez-se uso do software interactivo ISSA para micro-computadores, programa desenhado especialmente para agilizar a digitação dos dados, crítica, obtenção de frequências e tabulações. Este programa permite verificar interactivamente os intervalos das variáveis, detectar inconsistências e controlar o fluxo interno dos dados durante a digitação dos questionários. 15 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS GERAIS DA POPULAÇÃO E DOS AGREGADOS FAMILIARES O IDS recolheu também informações sobre as características demográficas e sócio-económicas mais importantes de cada um dos residentes habituais nos agregados familiares seleccionados, assim como dos visitantes que aí passaram na noite anterior à entrevista. Através dum questionário específico, foram registadas as seguintes informações: relação de parentesco com o chefe do agregado familiar, condição de residência, sexo, idade, grau de escolaridade, sobrevivência dos parentes, posse de bens duráveis, entre outras. O comportamento demográfico das mulheres e dos homens é geralmente influenciado por diversas características sociais, culturais e económicas. Por isso, a descrição das características sócio-culturais e económicas da população entrevistada é importante, por um lado porque permite contextualizar os dados apresentados nos capítulos que constituem este relatório. Por outro lado, a análise das características dos agregados entrevistados permite avaliar o nível de representatividade da amostra, bem como a qualidade dos dados recolhidos. Neste capítulo apresentam-se as características da população seleccionada e dos seus respectivos agregados familiares. O capítulo está dividido em três partes. A primeira parte descreve as características gerais da população em termos da sua composição por idades, sexo, residência, tamanho dos agregados, relações de parentesco, adopção, e nível educacional das mulheres e homens entrevistados. A segunda parte dedica-se à características da habitação e ambiente em que vivem os entrevistados. Na terceira parte apresentam-se aspectos individuais mais específicos apenas para as pessoas entrevistadas no âmbito da pesquisa, incluindo mulheres e homens em idade reprodutiva. Os dados dos membros dos agregados familiares e dos indivíduos entrevistados, tanto mulheres com homens, referem-se à população de facto; isto é, aos residentes habituais e visitantes que passaram a noite anterior à entrevista na unidade de habitação seleccionada. 2.1 Características gerais da população População por área de residência, segundo idade e sexo No Quadro 2.1 apresenta-se a distribuição da população por idade e sexo a partir das informações obtidas de 40,433 pessoas entrevistadas nos agregados familiares e no Gráfico 2.1 apresenta-se a pirâmide da população total. A composição da população por sexo que obtida no IDS é consistente com os resultados preliminares do censo 97, mantendo a tendência esperada. A população feminina constitui 53 % do total e a masculina os 47 % restantes, o que representa um índice de masculinidade de 90 homens para cada 100 mulheres. Os mesmos valores foram apurados nos resultados preliminares do censo 97. É importante notar-se, contudo, o baixo índice de masculinidade no grupo de idades de 20-29 anos, o qual apresenta apenas 67 homens por cada 100 mulheres. 1 Neste inquérito, considerou-se como população urbana só a que residia nas capitais províncias, incluindo a da Maputo Cidade. 16 Quadro 2.1 População nos agregados familiares, por idade, residência e sexo Distribuição percentual da população de facto dos agregados familiares, segundo a residência e sexo, por grupos de idade, Moçambique 1997 __________________________________________________________________________________________ Urbana Rural Total ______________________ ______________________ _____________________ Mascu- Femi- Mascu- Femi- Mascu- Femi- Grupo de idade lino nino Total lino nino Total lino nino Total __________________________________________________________________________________________ 0-4 15.3 14.5 14.9 18.4 15.9 17.0 17.6 15.6 16.5 5-9 15.0 14.0 14.5 16.5 15.3 15.9 16.1 15.0 15.5 10-14 14.2 15.6 14.9 16.3 13.5 14.8 15.8 14.0 14.8 15-19 14.2 11.2 12.7 8.4 8.6 8.5 9.8 9.2 9.5 20-24 8.1 9.0 8.5 5.6 8.5 7.1 6.2 8.6 7.5 25-29 6.8 9.0 7.9 6.2 8.0 7.2 6.4 8.2 7.4 30-34 6.1 6.6 6.3 4.7 5.1 4.9 5.0 5.4 5.2 35-39 5.0 5.7 5.4 4.7 5.4 5.1 4.7 5.5 5.1 40-44 4.2 3.3 3.8 3.5 4.0 3.8 3.7 3.8 3.8 45-49 2.7 2.8 2.8 3.2 3.5 3.4 3.1 3.4 3.3 50-54 1.7 2.3 2.0 2.6 4.0 3.4 2.4 3.6 3.0 55-59 1.6 1.4 1.5 2.5 2.2 2.3 2.3 2.1 2.1 60-64 1.9 1.5 1.7 1.9 2.2 2.1 1.9 2.1 2.0 65-69 0.9 0.6 0.7 2.5 1.5 1.9 2.1 1.3 1.7 70-74 0.5 1.2 0.8 1.4 0.7 1.0 1.2 0.8 1.0 75-79 0.3 0.4 0.4 0.7 0.4 0.6 0.6 0.4 0.5 80 + 0.1 0.5 0.3 0.6 0.8 0.8 0.5 0.8 0.6 Não sabe 1.4 0.5 1.0 0.3 0.1 0.2 0.6 0.2 0.4 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 Número 4,592 4,670 9,261 14,531 16,610 31,140 19,122 21,279 40,402 Nas áreas urbanas a relação entre os sexos é mais equilibrada do que nas áreas rurais: 51 % mulheres para 50 % homens as primeiras contra 47 % homens e 53 % mulheres nas segundas. Pensa-se que tal diferença se deve, por um lado, à emigração masculina das áreas rurais para os centros urbanos e países vizinhos; por outro lado, é possível que os jovens do sexo masculino tenham sido mais afectados pelo conflito armado que assolou Moçambique durante mais de uma década e meia. No que diz respeito à urbanização, 23 % da população entrevistada encontra-se nas áreas urbanas.1 Composição dos agregados familiares Os tipos de organização familar em que vivem os indivíduos duma certa sociedade, assim como as implicações que daí advêm, podem ser analisados considerando a composição dos agregados familiares. Por exemplo, a distribuição dos recursos financeiros disponíveis para os seus membros, a estruturas das despesas, a propensão à poupança, entre outros aspectos, estão intrinsecamente relacionados com a composição dos agregados familiares. O tamanho do agregado familiar e o sexo do seu chefe, por exemplo, estão fortemente associados com os níveis de bem estar. 2 Nas habitações onde um homem se encontrava casado em regime de poligamia, este foi considerado responsável de apenas um único agregado familiar. 17 Quadro 2.2 Composição dos agregados familiares Distribuição percentual dos agregados familiares, segundo o sexo do chefe, número de moradores habituais e presença de crianças adoptadas, por residência, Moçambique 1997___________________________________________________ Residência_________________ Característica Urbana Rural Total___________________________________________________ Sexo do chefe do agregado familiar Masculino 79.5 71.8 73.2 Feminino 20.5 28.2 26.8 Número de moradores habituais 1 7.1 10.2 9.6 2 8.8 14.6 13.5 3 9.6 18.3 16.7 4 13.7 16.0 15.6 5 12.9 12.9 12.9 6 13.3 10.9 11.3 7 10.4 5.8 6.7 8 8.6 4.1 4.9 9 + 15.6 7.2 8.8 Total 100.0 100.0 100.0 Número médio 5.6 4.4 4.6 Agregados familiares com crianças sem pais1 26.5 20.5 21.6___________________________________________________ 1Percentagem de domicílios com crianças menores de 15 anos de idade, cujos pais naturais não moram no agregado familiar. Para fins deste inquérito, definiu-se por agregado familiar um conjunto de pessoas que vivem e comem habitualmente em comum, independentemente de estarem ou não ligadas por laços de parentesco. Por chefe de agregado entendeu-se como sendo a pessoa que, dentro do mesmo, toma as decisões principais. Neste inquérito, foi o chefe quem respondeu ao questionário dos agregados familiares. O Quadro 2.2 apresenta a distribuição percentual dos agregados familiares de acordo com o sexo do chefe e seus tamanhos, por área de residência. A maior parte dos agregados familiares são chefiados por homens: 73 % a nível nacional, 80 % nas áreas urbanas e 72 % nas rurais. A percentagem de agregados chefiados por mulheres é maior nas áreas rurais que nas urbanas, 28 % contra 21 %, respectivamente. Isto sugere que a maior proporção de agregados familiares chefiados por mulheres é mais um fenómeno rural que urnbano, provavelmente devido ao elevado índice de poligamia e à migração masculina em direcção aos centros urbanos2. 18 Quadro 2.3 Crianças que vivem com os pais ou outras pessoas Distribuição percentual de menores de 15 anos que vivem com os pais ou com outras pessoas, segundo a situação de sobrevivência dos pais, por idade da criança, sexo, residência e províncias, Moçambique 1997 ____________________________________________________________________________________________________ Vive Vive Vive com com a mãe com o pai outras pessoas____________ ___________ __________________________________ Vive Mãe viva/ com Pai e Ambos Pai Número ambos Pai Pai Mãe Mãe mãe Pai e Mae fale- desapa- de Característica os pais vivo falecido viva falecida vivos vivo viva cidos recidos Total crianças____________________________________________________________________________________________________ Idade 0-2 76.4 16.9 2.5 0.7 0.4 1.4 0.4 0.1 0.1 1.2 100.0 4,039 3-5 67.2 14.7 3.6 3.5 1.1 7.4 0.7 0.4 0.3 1.2 100.0 4,145 6-9 58.1 13.5 5.2 4.2 3.0 10.0 1.9 1.5 0.5 1.9 100.0 5,115 10-14 45.2 13.1 8.0 3.9 4.3 12.8 3.4 3.2 2.5 3.7 100.0 6,191 Sexo Masculino 60.7 14.7 5.5 3.4 2.2 7.3 1.7 1.7 1.2 1.6 100.0 9,696 Feminino 58.8 14.0 4.9 3.0 2.8 9.8 1.9 1.3 0.9 2.7 100.0 9,793 Residência Urbana 56.4 15.9 4.2 4.4 3.0 9.6 1.3 1.8 0.9 2.5 100.0 4,215 Rural 60.7 13.9 5.5 2.9 2.4 8.2 1.9 1.4 1.0 2.1 100.0 15,275 Província Niassa 58.2 15.8 3.3 0.8 2.6 9.6 3.8 1.0 0.4 4.6 100.0 1,074 Cabo Delgado 51.7 21.5 2.5 2.4 3.5 8.0 3.8 1.8 0.9 3.9 100.0 1,219 Nampula 57.0 18.0 4.3 3.2 1.0 12.0 1.3 1.3 0.7 1.2 100.0 3,187 Zambézia 65.7 12.2 6.6 2.1 2.7 5.3 2.2 0.9 0.9 1.5 100.0 3,223 Tete 63.6 12.0 5.4 1.0 2.3 7.0 3.0 2.2 1.0 2.4 100.0 935 Manica 65.6 14.4 7.3 1.4 1.8 4.5 1.5 1.2 1.0 1.3 100.0 1,212 Sofala 73.2 5.0 4.1 5.0 5.2 2.0 0.4 0.8 1.7 2.8 100.0 2,626 Inhambane 46.0 16.4 4.8 7.6 3.8 13.0 2.2 2.8 1.1 2.5 100.0 1,749 Gaza 61.7 11.1 8.0 1.9 1.6 9.4 1.9 2.0 1.4 1.1 100.0 1,975 Maputo 42.2 22.5 4.9 3.3 0.2 19.7 0.9 2.7 1.1 2.5 100.0 1,284 Maputo Cidade 57.6 18.6 4.8 4.8 1.7 7.3 0.8 1.1 0.5 2.9 100.0 1,005 Total 59.7 14.3 5.2 3.2 2.5 8.5 1.8 1.5 1.0 2.2 100.0 19,489 Tal como os dados revelam os agregados com um só membro são relativamente raros, variando entre 7 a 10 %, respectivamente nas áreas urbanas e rurais. O número médio de membros por agregado familiar é de 4.6 pessoas, variando de 4.4 nas áreas rurais e 5.6 nas urbanas. Nestas últimas, cerca de 13 % dos agregados familiares têm entre 4 e 6 pessoas, enquanto que nas áreas rurais cerca de 18 % dos agregados têm entre 3 a 4 pessoas. Esta diferença deve-se certamente à carência de habitação nas áeas urbanas, em como aos elevados custos de construção e à pouca capacidade aquisitiva da população da população urbana. Presença dos pais nos agregados familiares O Quadro 2.3 apresenta a distribuição percentual das crianças menores de 15 anos, segundo a condição de sobrevivência e residência dos pais. Esta informação é relevante para análises da saúde e comportamento social futuro destas crianças. Os dados do IDS mostram que 60 % de crianças menores de 15 anos de idade moram com ambos os pais; 20 % vivem apenas com a mãe, 6 % só com o pai e 13 % com nenhum dos pais. Entre estes últimos, 9 % tem ambos os pais vivos, quase 2 % tem o pai ou as mães vivas, e apenas 1 % é órfão de ambos os pais. 19 Quadro 2.4 Nível de instrução da população dos agregados familiares: população masculina Distribuição percentual da população de facto masculina dos agregados familiares, de 6 anos de idade ou mais, segundo nível de escolaridade, por características seleccionadas, Moçambique 1997 _________________________________________________________________________________ Nível de Escolaridade Número ______________________________________ Número mediano Sem esco- Secundário No sabe/ de de anos Característica laridade Primário ou mais faltante Total pessoas estudados _________________________________________________________________________________ Idade 6-9 43.2 52.6 0.0 4.2 100.0 2,430 0.0 10-14 15.2 82.0 0.6 2.1 100.0 3,023 1.2 15-19 12.3 79.4 7.0 1.3 100.0 1,867 3.4 20-24 17.9 63.9 11.8 6.3 100.0 1,189 3.2 25-29 20.8 61.8 11.3 6.1 100.0 1,218 3.0 30-34 16.9 63.5 11.7 7.9 100.0 961 3.4 35-39 17.0 65.6 11.6 5.8 100.0 906 3.1 40-44 20.2 63.4 8.2 8.2 100.0 708 2.6 45-49 36.1 53.1 3.3 7.5 100.0 597 0.6 50-54 38.1 47.9 2.5 11.5 100.0 456 0.0 55-59 39.0 55.1 2.6 3.3 100.0 432 1.2 60-64 45.1 45.6 1.2 8.1 100.0 360 0.0 65+ 64.8 30.3 2.1 2.8 100.0 839 0.0 Não sabe 26.7 21.4 2.8 49.1 100.0 110 0.0 Residência Urbana 10.2 65.7 16.5 7.6 100.0 3,735 3.6 Rural 31.5 63.1 1.4 4.1 100.0 11,361 0.5 Província Niassa 32.8 56.5 4.1 6.6 100.0 768 0.4 Cabo Delgado 39.1 55.7 1.3 3.9 100.0 1,056 0.0 Nampula 33.5 60.8 2.2 3.5 100.0 2,749 0.2 Zambézia 25.3 68.9 2.9 2.9 100.0 2,686 1.7 Tete 35.6 57.6 3.6 3.2 100.0 664 0.1 Manica 26.7 64.7 4.7 3.9 100.0 811 1.3 Sofala 23.3 59.2 8.1 9.4 100.0 1,886 0.7 Inhambane 21.6 73.3 2.3 2.8 100.0 1,297 1.5 Gaza 22.2 68.6 4.7 4.5 100.0 1,237 1.1 Maputo 17.9 63.0 12.0 7.1 100.0 999 2.6 Maputo Cidade 7.0 66.3 17.5 9.3 100.0 942 3.7 Total 26.2 63.7 5.1 4.9 100.0 15,096 1.2 Entre os 20 % de crianças que vive apenas com a mãe; apenas 5 % é devido a morte do pai, sendo os restantes porque ambos os pais se separaram ou por abandono por parte do pai. Inversamente, dos 6 % que vive apenas com o pai cerca de metade é por falecimento da mãe. A orfandade materna é maior províncias de Sofala (5 %), Inhambane (4 %) e Cabo Delgado (4 %) e menor na Província de Maputo (menos de 1 %). Por seu turno, a orfandade paterna é maior nas Províncias de Gaza (8 %), Manica (7 %) e Zambézia (7 %) e menor na Província de Cabo Delgado (3 %). Nível de escolaridade e frequência escolar A escolaridade da população é um dos factores sociais frequentemente usado na análise sócio- demográfica, por causa da influência que exerce sobre a conduta reprodutiva, as atitudes e prática em relação ao planeamento familiar, o cuidado pela saúde das crianças, hábitos de higiene e alimentação, bem como na procura de assistência em caso de doença. O nível de escolaridade tem influência também na receptividade das mensagens de medicina preventiva, principalmente as que se dirigem à mulher. Além do nível escolaridade, também é importante a análise dos níveis de frequência escolar por parte da população maior de 6 anos de idade. Os Quadros 2.4 e 2.5 mostram os níveis de escolaridade alcançados, segundo áreas de residência e províncias. Cerca de 47 % da população feminina e 26 % da masculina não 20 Quadro 2.5 Nível de instrução da população dos agregados familiares: população feminina Distribuição percentual da população de facto feminina dos agregados familiares, de 6 anos de idade ou mais, segundo nível de escolaridade, por características seleccionadas, Moçambique 1997 ______________________________________________________________________________________ Nível de Escolaridade Número ______________________________________ Número mediano Sem esco- Secundário No sabe/ de de anos Característica laridade Primário ou mais faltante Total pessoas estudados ______________________________________________________________________________________ Idade 6-9 10-14 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 65+ Não sabe Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Total 51.5 45.6 0.0 2.9 100.0 2,529 0.0 28.5 68.4 0.6 2.6 100.0 2,974 0.6 31.3 62.0 4.4 2.4 100.0 1,957 1.5 40.9 50.2 5.1 3.8 100.0 1,826 0.9 37.0 55.9 5.6 1.5 100.0 1,752 1.0 35.2 59.7 3.1 2.0 100.0 1,154 0.8 58.1 34.2 4.4 3.3 100.0 1,166 0.0 61.7 35.2 1.1 2.0 100.0 811 0.0 67.9 30.1 0.6 1.3 100.0 721 0.0 79.0 17.3 0.2 3.5 100.0 774 0.0 79.7 15.2 0.3 4.8 100.0 437 0.0 82.2 10.8 0.0 7.1 100.0 442 0.0 88.3 8.4 0.2 3.1 100.0 709 0.0 53.4 22.4 0.2 23.9 100.0 47 0.0 21.3 65.6 8.2 4.9 100.0 3,873 2.0 55.0 42.2 0.6 2.3 100.0 13,426 0.0 50.8 45.4 1.1 2.7 100.0 875 0.0 62.6 33.4 0.4 3.6 100.0 1,126 0.0 61.0 37.8 0.6 0.5 100.0 2,653 0.0 46.0 50.9 1.2 1.9 100.0 2,856 0.0 54.4 41.6 1.2 2.8 100.0 717 0.0 54.2 43.2 1.6 1.0 100.0 943 0.0 51.6 40.8 1.5 6.1 100.0 2,083 0.0 37.9 58.9 1.6 1.6 100.0 1,703 0.3 46.2 48.9 1.9 2.9 100.0 1,952 0.0 30.8 57.0 8.1 4.1 100.0 1,377 1.1 17.4 66.2 10.1 6.3 100.0 1,014 2.9 47.4 47.4 2.3 2.8 100.0 17,299 0.0 ______________________________________________________________________________________ Nota: Quadro baseado na população de facto tem nenhum grau de escolariade. Na população feminina, a percentagem de analfabetismo é muito elevada, particularmente nas idades activas por serem potenciais geradoras de bens e serviços. Na população masculina, as percentagens mais elevadas de analfabetismo situam-se nas idades acima dos 44 anos, variando os 36 e os 65 %. A entrada tardia no sistema educativo dos menores de 10 anos continua sendo um problema sério em Moçambique. Cerca de 52 % da população feminina e 43 % da masculina completa os dez anos sem nenhum grau de escolaridade. Contudo, os dados também mostram que as gerações mais jovens têm maior acesso ao sistema educativo do que as mais velhas. 21 Quadro 2.6 Frequência escolar Porcentagem da população de facto dos agregados familiares, de 7 a 24 anos de idade, que estão frequentando uma escola, por idade, sexo e residência, Moçambique 1997__________________________________________________________________________________________ População masculina População feminina População total______________________ ______________________ ______________________ Grupo de idade Urbana Rural Total Urbana Rural Total Urbana Rural Total__________________________________________________________________________________________ 6-10 76.5 46.9 53.3 76.1 39.2 47.0 76.3 43.0 50.1 11-15 78.9 65.8 68.9 68.3 48.4 53.7 73.3 57.3 61.3 Total 6-15 77.7 55.4 60.5 72.1 43.2 50.0 74.8 49.3 55.2 16-20 45.0 27.3 33.4 23.3 6.0 10.3 35.3 15.2 21.1 21-24 20.3 5.3 9.9 9.6 0.3 2.4 14.5 2.1 5.4 No que diz respeito à distribuição por área de residência, mantém-se a tendência observada nas pesquisas anteriores; isto é, a proporção da população sem nenhum grau de escolaridade é menor áreas urbanas que nas rurais. Esta diferença é de 10 % contra 32 % na população masculina e de 21 % contra 55 % na masculina. Cerca de 47 % das mulheres e 64 % dos homens tem um nível de ensino primário; com nível de educação secundário ou mais, existem apenas 2 % das mulheres e 5 % dos homens. Esta diferença explica-se pelo facto de se ter encontrado poucas mulheres com graus de ensino acima do secundário, particularmente nas províncias do Centro e do Norte do País. Contudo, estes baixos níveis de escolaridade abrangem quase todo o País, com a excepção, por um lado, a Cidade de Maputo que apresenta níveis de educação secundária ou mais de 10 e 18 %, respectivamente para as mulheres e para os homens. Por outro lado, a Província de Maputo, também se distingue das restantes, pois 8 % das mulheres e 12 % dos homens possuem o grau de ensino secundário ou mais. O Quadro 2.6 mostra-se a frequência escolar desagregada por grandes grupos de idades, segundo sexo e área de residência. Os dados destacam diferenças entre os dois sexos e as idades, tanto nas áreas urbanas como nas rurais. No País, cerca de 55 % de crianças de 6 a 15 anos frequenta um estabelecimento de ensino regular, sendo 75 % nas áreas urbanas e 49 % nas rurais. As crianças do sexo feminino apresentam percentagens mais baixas de frequência escolar: 50 %, contra 61 % do masculino. Finalmente, no que diz respeito à diferença entre as idades, nota-se que a maior percentagem de frequência escolar verifica-se entre as crianças de 11-15 anos, 61 % a nível nacional e 57 % nas áreas rurais. Isto reflecte, como já foi mencionado, a entrada tardia das crianças na escola, com a excepção das áreas urbanas. 2.2 Características da habitação O IDS recolheu informações sobre as condições físicas dos agregados familiares com o objectivo de se conhecer as condições sócio-económicas em que vivem os entrevistados. O acesso à electricidade, o tipo de abastecimento de água, as instalações sanitárias, tipo do pavimento e o número de pessoas por quarto/divisão usado para dormir são determinantes importantes para as condições de saúde e bem estar dos membros dos agregados familiares, particularmente para as crianças. O Quadro 2.7 apresenta as principais características das habitações, segundo o local de residência. A maioria dos agregados familiares está desprovida de electricidade: 93 % em todo o País; 74 e 97 % nas 22 Quadro 2.7 Características das habitações Distribuição percentual dos agregados familiares, segundo suas características, por residência, Moçambique 1997 ___________________________________________________ Residência Característica dos ______________ agregados familiares Urbano Rural Total ___________________________________________________ Electricidade Não tem 73.7 97.2 92.7 Tem 25.8 2.1 6.6 Sem informação 0.5 0.7 0.7 Total 100.0 100.0 100.0 Fonte de água para beber Água canalizada 70.5 8.6 20.3 Dentro da própria casa 23.4 0.6 4.9 Casa do vizinho 23.5 1.2 5.4 Água pública 23.7 6.9 10.0 Água do poço 27.5 54.5 49.4 No quintal próprio 5.7 2.8 3.4 No quintal do vizinho 15.4 4.1 6.2 Poço público 6.3 47.7 39.9 Água de superfície 1.5 35.8 29.3 Riacho 0.3 17.3 14.1 Rio 1.1 15.7 13.0 Lago 0.1 2.6 2.1 Barragem 0.0 0.2 0.2 Água da chuva 0.2 0.5 0.5 Sem informação 0.0 1.0 1.0 Total 100.0 100.0 100.0 Tempo para a fonte de água Dentro de 15 minutos 73.9 31.5 39.5 Tempo mediano 4.7 19.6 14.9 Tipo de facilidade sanitário Casa de banho própria 11.1 0.1 2.2 Casa de banho colectiva 1.1 0.0 0.2 Fossa séptica 53.2 25.8 30.9 Latrina 2.5 0.3 0.7 Com nenhuma facilidade/mato 31.4 73.1 65.2 Outra 0.1 0.0 0.0 Sem informação 0.7 0.8 0.7 Total 100.0 100.0 100.0 Material predominante no piso Chão natural 38.1 89.5 79.8 Terra batida 38.1 89.5 79.8 Chão rudimentar 2.0 3.2 2.9 Madeira rudimentar 0.6 0.0 0.1 Adobe 1.4 3.1 2.8 Chao terminado 59.2 6.4 16.4 Parquet/madeira encerada 6.5 0.0 1.2 Ladrilho/tijolo 0.6 0.0 0.1 Cimento 52.1 6.4 15.0 Outro 0.2 0.2 0.2 Sem informação 0.5 0.7 0.6 Total 100.0 100.0 100.0 Pessoas por quarto de dormir 1-2 58.9 58.5 58.6 3-4 32.2 29.1 29.7 5-6 4.8 9.1 8.3 7 + 2.3 2.1 2.2 Sem informação 1.8 1.2 1.3 Total 100.0 100.0 100.0 Média de pessoas 2.7 2.6 2.6 áreas urbanas e rurais, respectivamente. Contudo, é importante salientar que a despeito destes baixos valores, desde 1980 houve um aumento de 21 % no número de agregados com electricidade. Quanto às fontes de água para beber, os revelam o seguinte: • 49 % abastece-se com água dos poços • 29 % abastece-se com água de superfície • 20 % usa água canalizada • Menos de 1 % da água da chuva O consumo de água canalizada é privilégio dos agregados familiares urbanos, onde a percentagem atinge os 71 %, contra os 9 % das áreas rurais. O IDS recolheu também informações sobre o tempo que as pessoas demoram a abastecerem-se de água, incluindo o tempo de deslocação, para tirá-la e regresso ao ponto de origem. Apurou-se que 40 % do total de agregados obtém água dentro de 15 minutos, sendo 74 % nas áreas urbanas e 32 % nas rurais. O tratamento adequado de dejectos humanos, através de uma rede de esgoto e fossa séptica é privilégio dum número muito reduzido de agregados familiares, representando tal número apenas 2 % no País total, 11 % nas áreas urbanas e menos de 1 % nas rurais. Cerca de 65 % dos agregados está desprovida de qualquer tipo de facilidade sanitária; estes geralmente usam o mato, para a satisfação das suas necessidades, com todos os riscos que tais meios acarretam para a saúde da população, pois sabe-se que a contaminação fecal é um dos principais causadores de doenças diarréicas, entre outras. Quanto a posse de latrinas, o IDS mostra que pouco mais de um terço dos agregados familiares tem latrina. Este dado sugere uma redução comparativamente a 1980, altura em que 47 % dos agregados tinha latrina. Esta redução reflecte uma diminuição unicamente nas áreas 23 Quadro 2.8 Bens duráveis do agregado familiar Porcentagem de agregados familiares que possuem bens de consumo duráveis, por residência, Moçambique 1997 ___________________________________________________ Residência _________________ Bens duráveis Urbano Rural Total ___________________________________________________ Rádio 58.7 24.0 30.5 Televisão 14.5 0.4 3.0 Telefone 5.4 0.0 1.0 Geleira 14.9 0.8 3.5 Bicicleta 14.3 15.1 15.0 Motorizada 5.3 0.6 1.5 Carro pessoal 5.7 1.0 1.8 Nenhum 35.8 68.3 62.2 Número de agregados familiares 1,750 7,532 9,282 rurais, de 43 % em 1980 para 26 % em 1997, pois no caso das áreas urbanas observa-se que, no mesmo período, houve um aumento na posse de latrinas de 23 % em 1980 para 53 % em 1997. Estas variações sugerem um enfraquecimento da organização social a favor da construção de latrinas, com o objectivo de combater doenças e melhorar a saúde da população, o que é compreensível se se considerar que durante o período da guerra muitas áreas rurais estiveram muito tempo inacessíveis. O tipo de piso mais comum nos agregados familiares do País é de terra batida, representando 80 %; mas no meio urbano o mais comuns é o de cimento (52 %). Finalmente, o número de pessoas por quarto/divisão para dormir frequentemente se associa às condições económicas de maior pobreza e aos maiores riscos de enfrentar riscos de doenças e de morrer, principalmente no grupo materno-infantil. Os resultados do IDS indicam que os agregados familiares têm em média 3 pessoas por quarto, tanto nas áreas urbanas como nas rurais. Mais de metade dos agregados familiares, isto é, 59 % nas áreas urbanas e 58 % nas rurais, têm entre uma a duas pessoas por quarto. Bens de consumo duráveis Além dos serviços básicos analisados anteriormente, como indicadores de bem estar na população, o IDS recolheu também informação adicional sobre bens duráveis de consumo existentes nos agregados familiares. A existência de dessos bens indica também o acesso aos meios de comunicação de massa (TV, rádio) e a exposição às inovações tecnológicas (Quadro 2.8). Um terço dos agregados familiares entrevistados possui rádio (31 %) e apenas 3 % tem televisor. No país a televisão é transmitida apenas nas capitais e arredores de 3 províncias (Maputo Cidade, Sofala e Nampula) e tão pouco é universal, razão da fraca percentagem. Nas áreas rurais apenas 0.4 % de agregados familiares é que um televisor. A grande maioria dos agregados familiares não possui telefone, apenas 1 % possui este bem. A geleira é encontrada em 4 % dos agregados familiares, 15 % nos urbanos e menos de 1 % nos rurais. Os demais bens de consumo, como bicicleta, carro e motorizada, apresentam percentuais de 15 %, 1.8 % e 1.5 %, respectivamente. 2.3 Características das mulheres e dos homens entrevistados A descrição de características específicas da população entrevistada pelo IDS constitui uma parte importante da contextualização dos dados apresentados nos capítulos seguintes deste relatório. O Quadro 2.9 apresenta a distribuição percentual de mulheres e homens entrevistados, segundo a idade, estado civil, área de residência, província, nível de escolaridade, religião e língua materna. 24 Quadro 2.9 Características seleccionadas das pessoas entrevistadas Distribuição percentual das mulheres e dos homens entrevistados, por idade, residência, estado civil, província, nível de escolaridade e religião, Moçambique 1997 _________________________________________________________________________________________ Mulheres Homens ________________________________ _______________________________ Número de mulheres Número de homens ______________________ ____________________ Porcentagem Não- Porcentagem Não- Característica ponderada Ponderado ponderado ponderada Ponderado ponderado _________________________________________________________________________________________ Idade 15-19 20.9 1,836 1,872 16.4 382 460 20-24 18.9 1,663 1,733 14.3 333 345 25-29 18.1 1,591 1,544 14.3 333 286 30-34 13.6 1,197 1,172 11.2 261 282 35-39 11.7 1,028 1,087 12.8 300 257 40-44 8.3 724 713 9.3 216 210 45-49 8.4 739 658 6.4 150 180 50-54 0.0 0 0 6.5 152 108 55-59 0.0 0 0 5.7 132 115 60-64 0.0 0 0 3.3 76 92 Estado civil Solteira 15.1 1,330 1,544 24.4 570 654 Casada 19.7 1,730 1,608 20.9 487 547 União marital 54.7 4,800 4,652 50.3 1,175 997 Viuva 1.2 102 95 0.2 4 7 Divorciada 0.4 38 39 0.3 6 7 Separada 8.9 780 841 4.0 93 123 Residência Urbana 23.9 2,095 2,514 27.7 646 753 Rural 76.1 6,684 6,265 72.3 1,689 1,582 Província Niassa 5.2 457 738 4.8 111 182 Cabo Delgado 6.2 546 618 7.4 172 215 Nampula 16.6 1,462 887 15.7 367 248 Zambézia 15.0 1,319 727 17.5 408 237 Tete 3.6 314 458 4.1 95 145 Manica 5.5 484 854 5.2 122 231 Sofala 13.7 1,199 960 15.9 371 301 Inhambane 9.0 793 796 7.7 179 147 Gaza 11.3 994 938 7.6 177 153 Maputo 7.3 640 723 6.7 155 154 Maputo Cidade 6.5 570 1,080 7.6 177 322 Nível de escolaridade Sem escolaridade 42.9 3,765 3,434 19.6 457 414 Primário 52.7 4,631 4,844 69.6 1,625 1,596 Secundário ou mais 4.4 384 501 10.8 253 325 Assistência escolar Sim 3.9 343 462 9.4 220 280 Não 96.0 8,428 8,303 89.0 2,078 1,988 Religião1 Católica 29.2 2,568 2,404 34.7 811 736 Protestante 26.2 2,298 2,538 18.6 435 454 Muçulmana 17.1 1,498 1,478 17.4 407 452 Outra 6.4 559 608 7.2 169 144 Sem religião 20.4 1,795 1,679 20.6 482 517 Total 100.0 8,779 8,779 100.0 2,335 2,335________________________________________________________________________________________ 1 Exclui os casos sem informação 25 Os dados referem-se à 8.779 mulheres em idade reprodutiva (15-49 anos) e 2.335 homens dos 15 a 59 anos entrevistados. Das mulheres entrevistadas, 24 % são urbanas e 76 % rurais, mas consideradas no conjunto 58 % são menores de 30 anos. Quanto ao estado civil, 55 % das mulheres vive em união de facto, 20 % são casadas, 15 % são solteiras, 9 % estão separadas, 1 % viúvas e menos de 1 % encontram-se divorciadas. Tal como foi mencionado na secção anterior, o nível de escolaridade dos homens é melhor que os das mulheres. No que diz respeito ao nível educacional mais elevado atingido, verifica-se que cerca de 43 % das mulheres, contra 20 % dos homens, nunca estudaram; 53 % das mulheres possuem o nível escolar primário, contra 70 % dos homens; e 4 % das mulheres possuem o ensino secundário ou mais contra 11 % dos homens. No momento da entrevista a maioria das mulheres (96 %) não se encontrava a estudar; ou seja, apenas cerca 4 % estavam a frequentar a escola. No que diz respeito às religião ou crença que professam, 29 % das mulheres declararou a católica, 26 % a protestante, 21 % nenhuma, e 17 % a muçulmana. Quanto a língua materna, cerca de 28 % das mulheres fala a língua Emakua, seguido-se 23 % de falantes de Cisena e línguas similares, 20 % fala Xitsonga e 12 % fala Xitswa. Apenas 4 % das mulheres declararou o Português como sua língua materna. Para os homens, as percentagens são as seguintes: 28 % reside nas áreas urbanas e 72 % nas rurais; 45 % é menor de 30 anos; 50 % vive em união de facto, 21 % é casado, 24 % é solteiro, 4 % encontrava-se separado, menos de 1 % na condição de viúvo e divorciado. No concernente à educação, para além dos dados referidos acima, verifica-se que a maioria dos homens (89 %) não frequenta actualmente nenhum estabelecimento de ensino; apenas 9 % estava a frequentar a escola na altura da entrevista. Quanto à língua materna, cerca de 29 % dos homens fala Emakua, seguido 26 % dos que falam Cisena e similar, 15 % fala Xitsonga e 11 % fala Xitswa. Do total da população, apenas 5 % dos homens declarou o Português como língua materna. Nível de escolaridade dos entrevistados Como tivemos a oportunidade de aludir nas sessões anteriores, o nível de escolaridade tem influi de forma preponderante nas atitudes e práticas relacionadas com a saúde e comportamento reprodutivo, tamanho ideal da família e planeamento familiar. Dada a importância deste factor, nesta sessão analisa-se o nível de escolaridade e outras características dos homens e mulheres em idade reprodutiva entrevistados no IDS. Os Quadros 2.10 e 2.11 mostram a distribuição da população por idade e sexo a partir das informações das mulheres de 15 a 49 anos e dos homens de 15 a 64 anos. Do total de mulheres entrevistadas, 43 % são analfabetas, concluíram o nível primário e apenas 4 % tem o secundário ou mais. Para os homens, é a seguinte distribuição por grau de ensino mais elevado: 20 % são analfabetos, 70 % possuiem o nível primário e 11por cento o secundário ou mais. Quando considerado em termos de províncias, o analfabetismo é mais elevado em Niassa e Nampula para as mulheres e em Tete para os homens, onde 54 % e 39 %, respectivamente, são analfabetos. A Cidade de Maputo apresenta as percentagens mais baixas de analfabetismo: 12 % para as mulheres e 4 % para os homens. 26 Quadro 2.10 Nível de instrução da população feminina entrevistada Distribuição percentual da população feminina entrevistada, segundo nível de escolaridade, por características seleccionadas, Moçambique 1997 _________________________________________________________________________ Nível de escolaridade _____________________________ Número Secundário de Característica Nenhum Primário ou mais Total pessoas _________________________________________________________________________ Idade 15-19 28.4 66.5 5.2 100.0 1,836 20-24 35.1 60.2 4.7 100.0 1,663 25-29 38.6 55.0 6.4 100.0 1,591 30-34 36.7 58.0 5.3 100.0 1,197 35-39 58.5 38.5 3.0 100.0 1,028 40-44 66.0 32.9 1.1 100.0 724 45-49 71.3 27.8 0.9 100.0 739 Residência Urbana 18.0 68.1 13.9 100.0 2,095 Rural 50.7 47.9 1.4 100.0 6,684 Província Niassa 54.2 43.7 2.0 100.0 457 Cabo Delgado 53.1 46.7 0.2 100.0 546 Nampula 54.2 44.2 1.6 100.0 1,462 Zambézia 40.5 57.1 2.4 100.0 1,319 Tete 52.4 46.4 1.2 100.0 314 Manica 44.5 53.5 2.0 100.0 484 Sofala 52.3 45.9 1.8 100.0 1,199 Inhambane 30.7 65.3 4.0 100.0 793 Gaza 40.5 54.4 5.1 100.0 994 Maputo 27.5 56.9 15.6 100.0 640 Maputo Cidade 12.3 69.8 17.9 100.0 570 Religião1 Católica 35.4 58.0 6.6 100.0 2,568 Protestante 33.4 62.3 4.3 100.0 2,298 Muçulmana 52.1 44.9 3.0 100.0 1,498 Outra 40.8 55.0 4.2 100.0 559 Sem religião 58.9 38.9 2.2 100.0 1,795 Total 42.9 52.7 4.4 100.0 8,779 __________________________________________________________________________ 1 Exclui os casos sem informação 27 Quadro 2.11 Nível de instrução da população masculina entrevistada Distribuição percentual da população masculina entrevistada, segundo nível de escolaridade, por características seleccionadas, Moçambique 1997 ___________________________________________________________________________ Nível de escolaridade _____________________________ Número Secundário de Característica Nenhum Primário ou mais Total pessoas ___________________________________________________________________________ Idade 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 9.8 82.2 8.0 100.0 382 13.9 73.4 12.7 100.0 333 13.2 67.0 19.8 100.0 333 22.2 60.1 17.7 100.0 261 18.8 71.7 9.5 100.0 300 17.1 75.9 7.0 100.0 216 27.3 67.4 5.3 100.0 150 32.9 62.6 4.6 100.0 152 43.7 55.7 0.6 100.0 132 38.6 50.1 11.3 100.0 76 4.7 64.4 31.0 100.0 646 25.3 71.6 3.1 100.0 1,689 27.3 65.0 7.8 100.0 111 25.7 71.1 3.2 100.0 172 16.9 78.3 4.8 100.0 367 28.7 64.7 6.6 100.0 408 38.5 47.8 13.7 100.0 95 14.3 72.4 13.3 100.0 122 14.0 73.9 12.1 100.0 371 13.9 79.0 7.0 100.0 179 19.2 76.4 4.4 100.0 177 19.9 54.2 25.9 100.0 155 4.3 62.3 33.5 100.0 177 12.5 73.7 13.8 100.0 811 11.9 72.7 15.4 100.0 435 22.0 69.5 8.6 100.0 407 23.7 71.9 4.4 100.0 169 35.0 60.2 4.8 100.0 482 19.6 69.6 10.8 100.0 2,335 Assistência escolar O nível educacional alcançado e as razões para abandonar a escola são apresentados no Quadro 2.12. Observa-se que entre as mulheres de 15 a 24 anos actualmente frequentando a escola, 10 % está no ensino primário, 23 % completou esse nível e 58 % frequenta o secundário ou mais. Essas percentagens são mais baixas na área rural: 7 % no primário, 46 % completaram o primário, e 30 % frequentam o secundário ou mais. Isto deve-se ao facto de que, além de haver pouco estímulo nas mulheres rurais em prosseguir os seus estudos, existem poucas infra-estruturas escolares, principalmente porque nos anos passados muitas escola foram destruídas ou abandonadas devido ao conflito armado. Mas estes factores não são os únicos que levam as mulheres a abandonarem as escolas, pois sabe-se que nas áreas rurais elas iniciam a vida reprodutiva mais precocemente que nas urbanas. 28 Quadro 2.12 Nível de escolaridade alcançado e razões para abandonar a escola Distribuição percentual das mulheres de 15 a 24 anos (alguma vez unidas) que ingressaram numa escola e que a estão frequentando ou não, segundo o nível mais alto de escolaridade alcançado, por área de residência, Moçambique 1997 ____________________________________________________________________________ Primário Primário Secundário Razões para abandonar a escola incompleto completo o superior Total ____________________________________________________________________________ TOTAL____________________________________________________________________________ Frequentando uma escola Ficou grávida Casou-se Tinha que cuidar dos filhos Precisou ajudar a família Não pode pagar a mensalidade Precisava trabalhar Formou-se, escolaridade suficiente Má nota Não gostava da escola Escola de difícil acesso Outro Não sabe/não respondeu Total Número 10.2 23.0 57.9 14.3 5.8 18.7 10.1 6.8 16.5 9.6 4.4 15.2 1.9 0.1 0.0 1.6 4.7 0.1 0.0 4.1 22.3 15.8 9.4 21.0 1.0 2.9 2.1 1.2 2.9 1.5 1.6 2.7 6.0 17.1 7.7 6.7 4.5 0.1 2.6 4.2 1.9 4.4 0.1 1.9 15.3 1.7 0.1 13.5 7.2 5.0 4.0 6.9 100.0 100.0 100.0 100.0 2,094 127 174 2,395 ____________________________________________________________________________ RESIDÊNCIA URBANA____________________________________________________________________________ Frequentando uma escola Ficou grávida Casou-se Tinha que cuidar dos filhos Precisou ajudar a família Não pode pagar a mensalidade Precisava trabalhar Formou-se, escolaridade suficiente Má nota Não gostava da escola Escola de difícil acesso Outro Não sabe/não respondeu Total Número 18.0 10.4 62.2 25.2 6.5 25.0 9.5 8.8 7.0 11.1 4.2 6.9 1.9 0.1 0.0 1.4 4.7 0.2 0.0 3.4 33.7 19.2 4.7 27.1 2.4 3.4 2.4 2.5 1.1 1.9 1.1 1.2 7.3 18.7 8.6 8.7 2.8 0.2 2.7 2.5 1.7 2.8 0.1 1.5 8.6 1.9 0.0 6.4 4.5 5.1 4.4 4.6 100.0 100.0 100.0 100.0 603 82 150 835 ____________________________________________________________________________ RESIDÊNCIA RURAL____________________________________________________________________________ Frequentando uma escola Ficou grávida Casou-se Tinha que cuidar dos filhos Precisou ajudar a família Não pode pagar a mensalidade Precisava trabalhar Formou-se, escolaridade suficiente Má nota Não gostava da escola Escola de difícil acesso Outro Não sabe/não respondeu Total Número 29 As razões de abando da escola variam segundo a área de residência e o nível de ensino alcançado. Por exemplo, a nível do País, para as mulheres que têm o ensino primário incompleto as principais razões para abandonar a escola são as seguintes: 22 % por falta de dinheiro, 17 % por se terem casado e 7 % a escola foi destruída. Sabendo-se que em Moçambique, o ensino primário é universal e gratuíto, certamente que as que declararam falta de dinheiro não se referem necessariamente ao pagamento dos estudos. Esta razão provavelmente refere-se ao dinheiro necessário para satisfazer outras necessidades no agregado familiar, ou porque era mais importante trabalhar para gerar receitas do que ir à escola. Finalmente, as razões principais para interrupção dos estudos nas áreas urbana foram as seguintes: 34 % por falta de dinheiro, 7 % devido ao casamento e 6 % por gravidez. Por seu turno, nas áreas rurais, 20 %das mulheres interromperam por causa do casamento, 18 % por falta de dinheiro, e 15 % porque a escola foi destruída ou a família teve de abandonar a zona de residência por causa da guerra. Acesso aos meios de comunicação de massa O acesso à leitura e aos meios de comunicação de massa é de grande importância, não só em termos de informação em geral, mas também quando se tem em vista atingir a população com mensagens sobre saúde, saneamento ambiental e planeamento familiar através dos mídias. Assim, no IDS perguntou-se às mulheres e aos homens se liam habitualmente jornais ou revistas, se assistiam à televisão pelo menos uma vez por semana e se ouviam a rádio diariamente. Os resultados sobre essas questões encontram-se nos Quadros 2.13 e 2.14. De acordo com os dados recolhidos, a percentagem de homens e mulheres com acesso aos meios de comunicação de massa é muito baixa. Mais de dois terços das mulheres (68 %) e mais de metade dos homens (52 %) não estão expostos a nenhum tipo de meio de comunicação de massas. Por outro lado, e apenas 5 % das mulheres e 11 % dos homens assistem televisão, escutam rádio e lêem jornais ou revistas regularmente. Esta baixa percentagem está certamente associada ao elevado índice de analfabetismo e à fraca rede de cobertura territorial destes meios de comunicação de massa. Dos três meios de comunicação de massas, a rádio é a mais popular, sendo escutada regularmente por 27 % das mulheres e 40 % dos homens, seguida de jornais e revistas: 11 % das mulheres e 22 % dos homens é que têm acesso a estes últimos. Como se pode ver nos dados dos dois quadros em análise, os meios de comunicaçao concentram-se predominantemente nas zonas urbanas. Comparando-se as áreas urbanas com as rurais, verificam-se grandes diferenças quanto ao acesso aos meios de comunicação de massa: enquanto que nas primeiras um pouco mais de um terço (38 %) das mulheres assiste a televisão e mais de metade (58 %) dos homens, nas áreas rurais essa porcentagem é de 2 % para as mulheres e 6 % para os homens. No que diz respeito a rádio, as diferenças também são significativas: 59 % das mulheres e 70 % dos homens urbanos têm o hábito de escutar rádio, contra 17 % das mulheres e 29 % dos homens rurais. Relativamente às províncias, a Cidade de Maputo regista o maior acesso a todos os veículos de e as Provinicias do Norte (Niassa, Cabo Delgado e Nampula) o menor. 30 Quadro 2.13 Acesso das mulheres aos meios de comunicação de massa Porcentagem de mulheres que lêem jornal ou assistem à televisão, pelo menos uma vez por semana, ou ouvem rádio todos os dias, por características seleccionadas, Moçambique 1997 ________________________________________________________________________ Meios de comunicação Número _________________________________ de Característica Nenhum Jornal Televisão Rádio Todos mulheres ________________________________________________________________________ Idade 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Todas as mulheres Todos os homens 58.8 15.7 18.1 33.2 7.5 1,836 68.3 11.6 9.8 25.9 4.5 1,663 66.1 12.3 10.6 29.1 5.0 1,591 65.4 12.6 9.0 29.5 4.6 1,197 73.4 6.8 6.9 23.5 2.7 1,028 75.1 5.6 6.2 22.7 3.5 724 83.9 2.5 3.8 15.1 1.2 739 27.4 33.5 37.5 59.3 17.4 2,095 80.7 3.8 1.9 16.9 0.7 6,684 82.1 7.3 0.6 13.5 0.1 457 91.4 1.3 0.1 8.1 0.1 546 82.9 4.7 7.2 15.3 2.1 1,462 74.1 7.0 3.5 22.5 2.4 1,319 67.7 5.3 3.4 28.6 1.0 314 64.9 7.6 6.1 29.5 1.4 484 70.4 5.2 10.6 26.1 2.8 1,199 61.0 6.0 3.1 35.9 0.7 793 71.1 13.6 6.8 22.6 3.6 994 38.4 30.7 31.8 45.5 13.7 640 17.3 45.3 52.6 70.9 30.1 570 83.9 0.1 1.8 15.7 0.1 3,765 60.1 14.4 12.9 32.5 5.2 4,631 7.5 74.9 65.9 72.3 42.5 384 68.3 13.2 12.0 26.3 6.0 2,568 58.5 15.0 12.7 34.9 5.1 2,298 79.5 7.6 7.9 16.8 3.7 1,498 50.5 11.2 11.4 45.3 4.9 559 76.3 4.6 6.5 20.5 2.6 1,795 68.0 10.9 10.4 27.1 4.7 8,779 51.5 22.3 20.1 39.9 11.0 2,335 31 Quadro 2.14 Acesso dos homens aos meios de comunicação de massa Porcentagem de homens que lêem jornal ou assistem à televisão, pelo menos uma vez por semana, ou ouvem rádio todos os dias, por características seleccionadas, Moçambique 1997 ______________________________________________________________________ Meios de comunicação Número _________________________________ de Característica Nenhum Jornal Televisão Rádio Todos homens ______________________________________________________________________ Idade 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Todos os homens Todas as mulheres 41.9 24.7 34.3 49.4 14.2 382 46.9 21.6 20.8 44.1 10.8 333 43.2 31.4 30.4 45.4 20.4 333 51.7 28.9 14.0 42.3 11.4 261 62.2 23.6 13.9 29.3 8.6 300 51.0 22.5 11.5 37.9 7.0 216 51.8 19.3 18.2 41.5 10.2 150 61.5 8.9 15.6 27.6 3.7 152 67.1 2.4 4.4 29.7 0.7 132 67.1 11.8 8.5 29.1 7.4 76 10.5 59.6 57.8 70.0 34.2 646 67.2 8.0 5.6 28.4 2.1 1,689 60.3 27.4 6.7 24.7 2.2 111 51.7 13.1 1.4 44.2 0.4 172 71.0 14.8 15.0 24.4 7.8 367 75.9 10.9 8.6 20.2 5.2 408 63.5 12.5 2.9 30.4 1.5 95 39.9 21.9 18.4 49.2 7.7 122 30.2 24.0 33.6 53.6 15.6 371 54.5 13.1 8.2 42.1 3.5 179 57.8 15.0 14.7 41.6 12.2 177 26.8 43.6 38.6 61.3 20.3 155 7.6 69.6 66.8 70.4 42.5 177 97.8 0.0 2.2 0.0 0.0 457 45.6 20.2 18.8 45.1 8.4 1,625 5.8 75.8 60.3 78.8 47.1 253 49.7 22.6 22.2 44.7 12.8 811 37.4 38.4 26.4 49.7 18.2 435 59.9 20.8 14.8 33.2 8.6 407 40.8 11.9 20.1 44.9 5.6 169 65.5 11.5 14.3 26.2 5.3 482 51.5 22.3 20.1 39.9 11.0 2,335 68.0 10.9 10.4 27.1 4.7 8,779 32 Quadro 2.15 Trabalho da mulher nos últimos 12 meses Distribuição percentual das mulheres segundo se trabalha ou não e tipo de ocupação, de acordo com características seleccionadas, Moçambique 1997 ____________________________________________________________________________________________________ Não trabalha actualmente Trabalha actualmente_________________ ____________________________________ Não Sim Todo o ano trabalhou trabalhou _________________ nos nos 5 dias ou Menos de Não sabe/ Número últimos últimos mais por 5 dias por Sazonal- Ocasio- Não res- de Característica 12 meses 12 meses semana semana mente nalmente pondeu Total mulheres____________________________________________________________________________________________________ Idade da entrevistada 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 50.3 3.1 24.9 2.5 10.8 8.1 0.4 100.0 1,836 37.9 3.9 36.1 2.4 14.1 5.2 0.5 100.0 1,663 33.8 2.8 38.1 1.8 16.7 6.5 0.3 100.0 1,591 24.8 3.9 45.6 2.4 19.3 3.5 0.5 100.0 1,197 28.4 3.2 46.1 1.6 14.9 4.7 1.0 100.0 1,028 22.8 3.0 48.0 5.6 15.6 4.7 0.3 100.0 724 19.7 3.9 44.4 2.7 22.6 6.4 0.4 100.0 739 60.7 1.5 23.8 2.3 6.8 4.3 0.7 100.0 2,095 25.7 4.0 42.8 2.6 18.2 6.3 0.4 100.0 6,684 14.9 8.7 26.4 1.3 39.2 7.9 1.5 100.0 457 15.7 3.6 12.4 6.1 58.8 2.3 1.0 100.0 546 29.2 0.0 48.1 1.6 8.8 11.9 0.3 100.0 1,462 21.5 0.0 58.3 2.2 15.7 2.1 0.2 100.0 1,319 88.3 1.4 2.3 0.2 3.4 3.6 0.7 100.0 314 24.4 1.0 43.1 4.8 23.8 2.5 0.3 100.0 484 39.5 0.3 28.4 1.7 24.3 5.7 0.2 100.0 1,199 20.3 22.7 46.2 0.6 7.9 1.5 0.8 100.0 793 45.5 1.4 33.3 5.0 1.2 13.1 0.5 100.0 994 52.2 1.9 35.7 2.7 4.7 2.6 0.3 100.0 640 54.3 3.1 38.1 1.9 0.6 1.5 0.5 100.0 570 27.0 2.9 40.5 2.6 18.0 8.5 0.5 100.0 3,765 38.8 3.7 36.3 2.6 14.4 3.7 0.5 100.0 4,631 46.8 3.8 39.6 0.7 4.5 4.5 0.1 100.0 384 34.0 3.1 40.5 1.7 15.5 4.9 0.4 100.0 2,568 42.5 5.5 35.9 2.4 7.1 6.2 0.4 100.0 2,298 24.0 2.9 35.6 2.4 26.1 8.1 0.9 100.0 1,498 39.1 2.2 36.3 3.0 14.2 4.8 0.4 100.0 559 29.3 2.0 41.5 3.7 18.2 5.1 0.2 100.0 1,795 34.1 3.4 38.3 2.5 15.5 5.8 0.5 100.0 8,779 Trabalho da mulher Devido à importância que a actividade laboral tem para a saúde da mulher e dos seus filhos, assim como pelas relações que tem com as questões demográficas, especialmente aquelas vinculadas com aspectos da reprodução, o inquérito indagou sobre o trabalho por elas realizado nos 12 meses anterior à data da entrevista. (Quadro 2.15). 33 De acordo com os resultados do inquérito, 34 % das mulheres em idade reprodutiva respondeu que não trabalhou durante o último ano e só 3 % tinha trabalhado durante o último ano. Cerca de 38 % das mulheres trabalhou cinco dias ou mais por semana, durante todo o ano, 16 % trabalhou sazonalmente e 6 % ocasionalmente. A análise por situação de residência das mulheres que não trabalharam aponta um nível mais elevado nas áreas urbanas (61 %) do que nas rurais (26 %). Entretanto, há que se ter presente a compreensão do conceito “trabalho” e a dimensão temporal podem afectar a qualidade dos resultados. Sem dúvida que as mulheres entrevistadas pelo IDS muitas vezes responderam tendo em conta uma noção de trabalho associado com o sector formal, incluíndo trabalho para outrém ou trabalho que involve um vencimento ou salário. Os dados sobre o trabalho sazonal e ocasional parecem confirmar esta tendência: 18 % das mulheres declararou realizar trabalhos sazonais e 6 % ocasionais. Estes trabalhos são mais presentes nas áreas rurais que nas urbanas. A educação é uma variável bastante importante, facilitando sobremaneira o acesso das mulheres ao mercado de trabalho. O Quadro 2.15 mostra uma relação entre os níveis de actividade e a escolaridade. Observa-se que entre as mulheres com nível de instrução mais baixo encontram em grande percentagem no trabalho ocasional e sazonal, provavelmente vinculadas ao mercado não regulado ou formalizado. O Quadro 2.16 apresenta a forma de pagamento de acordo com o tipo de vínculo laboral, ou seja, se trabalha por conta própria, por conta de outrém e se para familiares. A maioria das mulheres (56 %) trabalha por conta própria, que dizer, não recebe remuneração em dinheiro. Destas, 59 % encontra-se nas áreas urbanas e 65 % nas rurais. Cerca 30 % das mulheres urbanas e menos de 1 % das rurais trabalham para outrém. No que diz respeito o tipo de vínculo laboral, observa-se que 31 % das mulheres trabalha por conta própria e 29 % das que trabalham para outrém recebe em dinheiro. O inverso verifica-se nas áreas rurais, onde a maioria das mulheres trabalha para a sua sobrevivência e da sua família. Assim, 61 % das mulheres que trabalham por conta própria, 31 % das que trabalham para familiares e menos de 1 % das empregadas não recebem remuneração em dinheiro. A análise da variável educação mais uma vez assume importância quanto à estratificação social. A proporção de mulheres remuneradas em dinheiro é mais elevada (66 %) entre as possuem o nível secundário ou mais. O Quadro 2.17 apresenta dados relativos a quem decide dentro do agregado familiar sobre o uso do dinheiro. De acordo com a informação obtida, cerca 55 % das mulheres que recebem em dinheiro decidem elas próprias sobre o uso do seu dinheiro. Esta autonomia é mais acentuada nas áreas urbanas do que nas rurais, verificando-se que nas primeiras 60 por das mlheres decidem sozinhas contra 48 % nas segundas. A influência dos cônjuges nas decisões sobre o destino a dar a dinhero é relativamente menor quase em todas as províncias (8 %), mas observam-se percentagens elevadas nas Províncias de Manica (24 %), Tete (15 %), Cidade de Maputo (14 %) e Zambézia (12 %).Também se observa em todas as províncias, com a execpeção de manica, uma elevada percentagem de mulheres que decidem conjuntamente com o seu cônjugues o destino a dar ao dinheiro. A autonomia por parte das mulheres é mais elevada nas áreas urbanas que nas rurais (61 % contra 49 %). Entre as mulheres casadas, cerca de 52 % decidem com os seus cônjuges a forma como usar o seu dinheiro, 32 % decidem-no individualmente, 13 % declararam que são os maridos que decidem. 34 Quadro 2.16 Trabalho e tipo de remuneração das mulheres Distribuição percentual das mulheres actualmente trabalhando por tipo de vínculo laboral e remuneração por características seleccionadas, Moçambique 1997 ____________________________________________________________________________________________________ Conta própria Conta de outrem Parentes _________________ _________________ _________________ Trabalho Trabalho Trabalho Trabalho Trabalho Trabalho Não sabe/ Número remu- não remu- não remu- não Não de Característica nerado remunerado nerado remunerado nerado remunerado responde Total mulheres ___________________________________________________________________________________________________ Idade 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 6.2 46.5 2.8 0.4 1.3 41.7 1.2 100.0 851 6.8 58.7 3.6 0.2 0.4 29.9 0.4 100.0 962 8.5 58.7 6.6 1.1 3.6 20.4 1.2 100.0 1,006 10.6 56.0 11.2 0.6 0.7 20.1 0.8 100.0 850 10.8 58.3 6.1 0.1 0.8 23.1 0.8 100.0 694 11.0 49.3 4.4 0.3 3.2 29.7 2.1 100.0 535 5.3 62.0 2.1 0.3 0.1 29.6 0.6 100.0 563 31.7 26.8 28.9 1.6 3.6 6.1 1.3 100.0 782 4.5 60.6 1.5 0.3 1.1 31.1 0.9 100.0 4,680 0.8 70.7 1.9 0.7 1.5 23.4 1.0 100.0 346 1.4 42.7 0.5 1.0 0.7 49.1 4.6 100.0 437 8.9 30.9 0.7 0.1 0.9 58.2 0.3 100.0 1,030 2.1 92.3 1.6 0.6 0.3 2.8 0.1 100.0 1,033 38.2 32.7 17.1 7.2 4.8 0.0 0.0 100.0 30 6.2 79.2 2.2 0.3 0.2 10.7 1.2 100.0 360 1.3 81.4 1.6 0.1 0.9 14.1 0.6 100.0 722 11.3 70.8 6.8 0.5 0.0 9.1 1.4 100.0 446 1.7 6.6 8.2 0.2 8.7 74.1 0.5 100.0 525 36.8 32.8 25.7 0.5 0.5 3.0 0.7 100.0 293 51.3 5.1 37.8 1.3 2.0 0.4 2.1 100.0 241 3.6 62.0 0.9 0.2 0.4 32.4 0.6 100.0 2,627 12.9 53.2 5.6 0.5 2.0 24.5 1.4 100.0 2,645 12.2 4.3 66.0 4.9 9.7 2.6 0.3 100.0 189 6.9 59.6 6.4 0.3 0.4 25.1 1.3 100.0 1,608 18.1 42.1 11.1 0.7 1.8 25.5 0.7 100.0 1,189 4.1 48.8 2.3 0.9 1.4 41.3 1.3 100.0 1,085 7.9 83.0 4.4 0.5 0.6 3.2 0.3 100.0 326 4.7 63.2 1.2 0.1 2.9 27.3 0.7 100.0 1,233 8.4 55.7 5.4 0.5 1.5 27.5 1.0 100.0 5,462 ________________________________________________________________________________________________________ 1 Exclui os casos sem informação 35 Quadro 2.17 Pessoa que decide sobre as receitas segundo idade, nível de escolaridade e estado civil Distribuição percentual das mulheres com remuneração, por pessoa que decide como utilizar-la, segundo características seleccionadas, Moçambique 1997 ______________________________________________________________________________________________________ Pessoa que decide como utilizar as receitas __________________________________________________________ Junto com o Junto A Esposo/ esposo/ com Número entre- compa- compa- Alguém alguém Sem de Característica vistada nheiro nheiro mais mais informação Total mulheres ______________________________________________________________________________________________________ Idade da entrevistada 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 69.4 3.8 2.3 5.7 10.6 8.3 100.0 88 52.4 4.6 22.9 1.1 16.9 2.1 100.0 105 48.9 9.6 40.8 0.2 0.5 0.1 100.0 188 47.9 9.2 41.3 0.2 0.0 1.4 100.0 193 52.5 13.7 33.2 0.0 0.0 0.6 100.0 123 65.4 5.8 28.0 0.0 0.0 0.8 100.0 100 81.6 5.3 13.1 0.0 0.0 0.0 100.0 42 60.0 10.6 23.1 1.0 4.2 1.0 100.0 503 48.4 4.6 41.9 0.5 2.0 2.7 100.0 335 * * * * * * * 15 * * * * * * * 11 46.0 8.1 43.0 0.0 1.5 1.5 100.0 108 19.4 12.3 51.4 0.0 0.0 16.9 100.0 42 * * * * * * * 18 63.3 24.4 4.5 1.7 3.9 2.1 100.0 31 55.2 9.8 17.5 8.1 0.0 9.5 100.0 28 70.4 2.6 26.9 0.0 0.1 0.0 100.0 81 27.8 2.6 67.0 0.8 1.8 0.0 100.0 98 62.5 3.3 25.3 0.0 8.9 0.0 100.0 186 65.8 13.8 16.8 0.8 2.6 0.3 100.0 221 58.0 7.7 30.5 0.1 2.5 1.2 100.0 128 57.8 8.8 27.1 1.2 3.1 2.0 100.0 543 45.6 6.5 42.1 0.1 4.6 1.0 100.0 167 * * * * * * * 12 59.9 10.3 23.9 0.5 1.3 4.1 100.0 223 54.7 9.0 30.9 1.1 3.5 0.8 100.0 370 55.1 5.8 27.0 0.5 10.3 1.3 100.0 85 53.1 4.9 39.4 0.9 1.5 0.3 100.0 42 45.2 5.2 45.8 0.5 2.7 0.6 100.0 107 55.4 8.2 30.6 0.8 3.3 1.7 100.0 838 __________________________________________________________________________________________________________ * Baseado em menos de 25 casos não ponderados 1 Exclui os casos sem informação 36 Finalmente, para as mulheres com filhos menores de seis anos foram indagadas sobre a guarda das suas crianças enquanto trabalhavam. O Quadro 2.18 mostra que cerca de 57 % das mulheres trabalhadoras tem um ou mais filhos menores de seis anos de idade; as percentagens variam entre 55 % para as mulheres sem educação, 58 % para as tem o ensino primário e 62 % para as que tem o secundário ou mais. A maioria das mulheres que trabalham, tem um filho de menos de seis anos, mas a percentagem maior é entre as que trabalham na agricultura: 58 % contra 52 % das trabalham em actividades não agrícolas. Das mulheres rurais que trabalham e têm um ou mais filhos menores, cerca de 60 % tomam elas próprias conta dos seus filhos. Somando-se a esta percentagem os 17 % sob a responsabilidade dos filhos mais velhos, pode-se imaginar que as crianças que crescem nesta situaçãofazem parte do conjunto de famílias em condições muito precárias. A participação de outros parentes que ajudam a tomar conta das crianças pequenas varia de menos de um por cento por parte do marido a cerca de 12 % para outros parentes. No que se refere às mulheres trabalhadoras urbanas com filhos menores de seis anos, os dados indicamuma situação substancialmente diferente das mulheres rurais. Cerca de 48 % das mulheres urbanas trabalha e têm um ou mais filhos menores. Deste total, 23 % das mulheres cuida pessoalmente das suas crianças. A percentagem de crianças sob a responsabilidade dos filhos mais velhos é de 20 %, ligeiramente superior à das áreas rurais. Mas as maiores diferenças observam na participação de outros parentes entre as áreas urbanas r rurais. Contrariamente as áreas rurais, na urbanas a maioria das crianças (40 %) ficam sob a responsabilidade de parentes. O papel dos empregados domésticos nas áreas urbanas é também relativamente importante, pois cerca de 7 % das crianças fica a sua guarda. Tal como nas zonas rurais, menos de um por cento dos maridos ou parceiros ficam a tomar conta de crianças, enquanto as mães trabalham fora de casa. À guarda das crianças menores de seis anos nas instituições públicas (creches e escolas) representa apenas 3 % do total. 37 Quadro 2.18 Cuidado das crianças enquanto as mães trabalham, segundo características seleccionadas Distribuição percentual de mulheres que trabalham segundo sem têm ou não filhos menores de 6 anos em casa, e entre as que têm, distribuição percentual de mulheres por pessoa que cuida a criança, segundo características seleccionadas, Moçambique 1997 ______________________________________________________________________________________________________ Con menores de Distribución porcentual de mujeres por 6 años en casa persona que cuida los niños mientras la mujer trabaja Número _____________ ________________________________________________________________ de Um Esposo/ Outro Em- Insti- Outras Sem mulheres Nenhu- ou mais Ela Compa- fami- Vizinha/ prega- tuição/ Outras Outros peso- infor- que Característica ma crianças própria nheiro liar amiga da Escola filhas filhos soas mação Total trabalham ______________________________________________________________________________________ Ocupação Agricultura Não-agricultu ra Tipo de emprego Todo o ano Semana comple ta Semana parcial Sazonnal Ocasional Empregador Familiar Não familiar Independente Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 42.4 57.6 58.9 0.7 12.4 2.9 0.4 0.2 10.4 7.5 0.1 6.5 100.0 4,607 48.4 51.6 33.4 0.5 31.9 0.9 9.8 2.7 7.6 5.5 0.4 7.3 100.0 799 44.3 55.7 53.1 0.9 16.3 2.3 2.2 0.8 8.9 9.2 0.2 6.3 100.0 3,360 46.9 53.1 61.0 0.0 10.6 2.3 1.2 0.7 13.5 4.6 1.1 5.0 100.0 220 36.6 63.4 61.2 0.5 12.5 1.8 0.3 0.0 11.3 4.1 0.0 8.5 100.0 1,361 52.8 47.2 51.8 0.0 16.5 8.2 2.9 0.0 13.8 4.4 0.0 2.4 100.0 509 48.6 51.4 69.1 0.1 9.0 4.5 1.0 0.1 5.5 6.1 0.0 4.5 100.0 1,585 49.3 50.7 7.7 0.7 46.3 0.3 22.2 7.8 4.9 2.6 0.0 7.4 100.0 326 40.3 59.7 53.9 0.9 15.0 2.1 0.3 0.2 12.0 8.1 0.1 7.3 100.0 3,504 52.4 47.6 23.0 0.6 39.5 0.9 6.9 3.0 10.9 9.2 0.0 8.0 100.0 782 41.8 58.2 60.0 0.7 11.7 2.8 1.0 0.2 10.0 7.0 0.2 6.4 100.0 4,680 38.4 61.6 79.9 0.0 7.9 0.0 0.3 0.4 5.5 0.2 0.0 5.8 100.0 346 42.4 57.6 64.4 0.3 14.4 0.3 0.0 0.0 12.0 2.3 0.0 6.4 100.0 437 50.2 49.8 78.3 0.0 4.5 0.0 0.3 0.0 8.4 2.3 0.4 5.8 100.0 1,030 42.6 57.4 50.0 1.0 12.5 5.6 1.0 0.0 15.8 9.0 0.0 5.1 100.0 1,033 36.9 63.1 75.3 2.7 3.4 0.0 0.0 0.0 13.3 2.6 0.0 2.7 100.0 30 30.2 69.8 61.8 1.2 6.3 0.3 1.1 1.1 12.1 10.0 0.0 6.1 100.0 360 28.6 71.4 54.2 0.1 19.1 0.1 0.3 0.4 5.0 8.3 0.0 12.5 100.0 722 52.0 48.0 49.4 3.7 16.4 2.7 1.1 0.0 13.1 9.4 0.8 3.3 100.0 446 50.1 49.9 27.7 0.1 24.0 13.8 8.3 0.4 5.9 15.7 0.6 3.6 100.0 525 48.3 51.7 24.6 0.4 44.5 0.5 4.7 2.1 10.5 9.4 0.0 3.2 100.0 293 52.5 47.5 21.7 1.3 30.6 2.0 7.0 5.9 9.4 7.5 0.0 14.6 100.0 241 44.6 55.4 56.2 0.7 12.2 3.2 0.5 0.2 11.9 7.0 0.1 8.0 100.0 2,627 42.4 57.6 57.6 0.6 16.1 2.2 0.8 0.4 8.5 7.9 0.2 5.6 100.0 2,645 37.7 62.3 19.6 0.9 35.9 0.2 28.7 6.6 4.1 0.8 0.0 3.3 100.0 189 43.6 56.4 57.8 0.8 12.0 2.0 0.8 1.4 12.4 5.4 0.2 7.3 100.0 1,608 45.7 54.3 37.8 0.4 23.9 6.5 5.0 0.4 9.6 9.8 0.2 6.3 100.0 1,189 51.1 48.9 70.6 0.0 9.9 0.5 1.3 0.1 8.4 2.8 0.0 6.5 100.0 1,085 36.0 64.0 64.2 0.2 11.5 4.0 1.8 0.0 9.1 4.7 0.0 4.5 100.0 326 35.5 64.5 55.5 1.3 15.3 1.1 0.3 0.1 8.6 10.9 0.0 6.9 100.0 1,233 43.3 56.7 55.5 0.7 15.0 2.6 1.7 0.5 9.9 7.2 0.2 6.7 100.0 5,462 ___________________________________________________________________________________________________________ 1 O trabalho de cam po decorreu entre Março e Junho de 1997 (Veja-se o Capítulo 1). 39 Quadro 3.1 Fecundidade actual Taxas específicas de fecundidade por idade e taxa global de fecundidade para os cinco anos anteriores ao inquérito, por residência, Moçambique 1997__________________________________________________ Residência_________________ Idade Urbano Rural Total__________________________________________________ 15-19 175 173 173 20-24 235 281 270 25-29 223 238 235 30-34 172 207 198 35-39 130 124 126 40-44 82 98 95 45-49 6 29 25 TGF 15-49 5.12 5.75 5.61 TGF 15-44 5.09 5.61 5.48 TFG 185 200 197__________________________________________________ Nota: As taxas referem-se ao período de 1-59 meses anterior à entrevista. As taxas para o grupo 45-49 anos podem apresentar ligeiro viés devido ao efeito dos valores truncados TGF: Taxa global de fecundidade expressada por mulher TFG: Taxa de fecundidade geral (nascimentos divididos por número de mulheres 15-49) expressada por 1,000 mulheres CAPÍTULO 3 FECUNDIDADE 3.1 Introdução A fecundidade é uma das variáveis demográficas utilizadas para avaliar a tendência do crescimento vegetativo da população, razão pela qual o IDS recolheu informação detalhada sobre o comportamento reprodutivo da mulher moçambicana. Para cada entrevistada recolheu-se dados sobre a história de nascimentos, quer dizer, o número de filhos nascidos vivos, data de nascimento, e sexo de cada um dos filhos, sua condição de sobrevivência no momento da entrevista e idade ao morrer dos já falecidos. Esta informação permite obter estimativas directas dos níveis actuais e as tendências da fecundidade e da mortalidade. Este capítulo contem cinco secções. Na primeira secção a fecundidade actual é estimada, através das taxas gerais e específicas de fecundidade e da análise dos dados do IDS que permitem observar as tendência da fecundidade nos últimos vinte anos (1977-1997). Ainda na primeira secção relaciona-se as medidas de fecundidade com alguns dos seus determinantes segundo características seleccionadas das entrevistadas, tais como a escolaridade e religião. Na segunda, analisa-se a fecundidade acumulada ou de coortes, em termos do número médio de filhos nascidos vivos e sobreviventes de todas as mulheres, bem como das mulheres alguma vez casadas ou em união marital. Na terceira e quarta secções examinam-se duas variáveis chaves no estudo da fecundidade: os intervalos entre os nascimentos e a idade ao primeiro nascimento. A última secção descreve as características importantes sobre a fecundidade das adolescentes. 3.2 Níveis, diferenciais e tendências da fecundidade A estimativa da fecundidade actual está referida aos cinco anos precedentes ao inquérito, cobrindo aproximadamente os anos calendário 1992-1997, pelo que os resultados obtidos estão centrados até o ano 19951. As estimativas nível de fecundidade actual tem relevância na definição de políticas e programas para a população. O Quadro 3.1 apresenta as taxas específicas de fecundidade por área de residência. Um indicador sintético do nível de fecundidade que facilita as comparações é a Taxa Global de Fecundidade (TGF). Este indicador combina as taxas específicas de fecundidade calculadas para cada um dos grupos de idade para o período seleccionado e pode interpretar- se como o número médio de filhos que teriam as mulheres durante toda a sua vida reprodutiva, se as condições de fecundidade se mantivessem constantes. A TGF calcula-se como soma das taxas específicas 40 de fecundidade para cada um dos grupos quinquenais multiplicando-se por cinco. A TGF para o total do País é de 5.6 filhos por mulher. Esta tendência para a diminuição da fecundidade em Moçambique já havia se observado no Inquérito Demográfico Nacional de 1991, onde se apurou uma TGF de 6.2. Contudo, o que não se previa é a queda tão rápida já que este indicador manteve-se por muitos anos constantes a níveis elevados, tendo passado de 7 em 1950 para 6.4 em 1980. Pelo contrário, com a estabilização da vida política e social no País, retorno dos refugiados e reassentamento dos deslocados de guerra, esperava-se que nos primeiros anos de Paz a fecundidade incrementasse por alguns anos, para depois declinar paulatinamente, como ocorre geralmente depois de longos períodos de conflitos sociais e de violência. Os dados do IDS sugerem que esta suposição não ocorreu em Moçambique. O Quadro 3.1 e o Gráfico 3.1 apontam para a existência de diferencial urbano-rural pouco expressivo provavelmente devido à migração. A TGF das mulheres residentes nas áreas rurais foi de 0.7 filho superior a das urbanas (5.1 e 5.8, respectivamente). Por comparação com 1980, este diferencial era de 1.2 filhos entre ambas as áreas. Examinando a fecundidade por idade, observa-se uma distribuição que configura uma curva do tipo precoce com uma concentração de nascimentos no grupo 20-24 anos e que declina acentuadamente em seguida. Outro indicador apresentado no Quadro 3.1 é a Taxa de Fecundidade Geral que indica um valor médio para o País de 197 nascimentos por mil mulheres em idade reprodutiva. O Quadro 3.2 e Gráfico 3.2 provêm informação adicional sobre as tendências da fecundidade em Moçambique, através da análise da história de nascimentos recolhidos no IDS. As taxas de fecundidade apresentadas referem-se aos períodos quinquenais precedentes ao inquérito. Deve-se assinalar que as taxas entre parênteses estão parcialmente completas, pois não reflectem a experiência de todas as mulheres dos 41 Quadro 3.2 Fecundidade, nascidos vivos e gravidez por características seleccionadas Taxa global de fecundidade para os cinco anos anteriores ao inquérito, número médio de filhos nascidos vivos para mulheres de 40-49 anos de idade, e proporção de mulheres actualmente grávidas por características seleccionadas, Moçambique 1997 _______________________________________________________ Taxa global Média Proporção de nascidos de mulheres fecundidade vivos actualmente Característica TGF1 40-49 grávidas _______________________________________________________ Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião2 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 5.12 5.92 10.01 5.75 5.79 13.46 5.94 6.24 10.14 4.91 4.81 11.10 5.63 5.28 12.82 5.39 5.64 18.73 7.04 6.90 13.94 7.58 6.74 14.60 6.14 6.53 14.51 5.52 5.55 7.52 5.85 6.15 13.59 4.95 6.08 5.64 3.96 5.27 8.55 5.81 5.84 13.07 5.66 5.78 13.02 3.69 5.00 3.85 5.70 5.93 12.86 5.80 6.36 11.19 4.71 5.07 12.30 6.33 5.80 13.09 5.82 5.68 14.34 5.61 5.81 12.64 _______________________________________________________ 1Taxa global de fecundidade por mulheres 15-49 anos 2 Exclui os casos sem informação grupos quinquenais que se mostram no Quadro mencionado. Para observar a experiência completa do grupo 45-49 anos deveria-se contar com informação das mulheres de 50-54 anos. Como se pode apreciar, nos últimos cinco anos, a fecundidade vem registando uma diminuição, com maior destaque entre as mulheres de 30-34 e 35-39 anos de idade. De igual modo, o Quadro 3.3 apresenta as taxas específicas de fecundidade para as mulheres alguma vez casadas, por duração do primeiro casamento ou união marital. Os resultados apontam também para uma diminuição da fecundidade durante os últimos vinte anos, com a excepção das uniões com menos de cinco anos de duração. 42 Quadro 3.3 Tendência da fecundidade Taxas específicas de fecundidade por idade para períodos quinquenais anteriores ao inquérito, Moçambique 1997 ___________________________________________________ Períodos quinquenais Grupos de ___________________________________ idade 0-4 5-9 10-14 15-19 ___________________________________________________ 15-19 173 178 178 172 20-24 270 274 296 275 25-29 235 270 262 254 30-34 198 229 238 [245] 35-39 126 193 [175] NA 40-44 95 [88] NA NA 45-49 [25] NA NA NA ___________________________________________________ Nota: As taxas específicas de fecundidade são expressas por 1,000 mulheres [ ] Taxas truncadas NA = Não se aplica O IDS mostra importantes diferençais nos níveis de fecundidade por províncias, nível de escolaridade e religião (Quadro 3.4). As províncias com TGF mais elevada são as de Manica (7,6) e Tete (7), enquanto que a Cidade de Maputo apresenta a menor (4,0). Os resultados com base no nível de escolaridade mostram a tendência esperada, isto é, menor número de filhos a medida que as mulheres incrementam o seu nível educacional. A maior diferença observa-se quando se passa do nível primário (5.7) para o secundário e mais (3.7), pois estas últimas estão mais tempo no sistema educativo. No Quadro 3.4 compara-se também a taxa global de fecundidade com a parturição média das mulheres de 40-49 anos e no Gráfico 3.3 se ilustra os diferenciais por províncias. Desta forma é possível identificar onde há evidências de reduções mais importantes nos níveis de fecundidade. Assim, as Províncias de Maputo, Gaza e a Cidade de Maputo, bem como as mulheres com grau de ensino secundário e mais são as que apresentam maiores evidências de diminuição dos níveis de fecundidade. No mesmo Quadro apresenta-se também a gravidez em curso, quer dizer, a distribuição percentual de mulheres que à data da entrevista encontravam-se grávidas. Do total das entrevistadas, 13 % se encontravam grávidas, variando por local de residência, província, nível de escolaridade e religião. A percentagem de mulheres que se encontravam grávidas acusa o seu valor mais 43 Quadro 3.4 Fecundidade por duração da união Taxas específicas de fecundidade por duração da união para períodos quinquenais anteriores ao inquérito, Moçambique 1997 ___________________________________________________ Períodos quinquenais Anos desde a __________________________________ primeira união 0-4 5-9 10-14 15-19 ___________________________________________________ 0-4 306 309 308 297 5-9 247 265 301 292 10-14 236 256 263 256 15-19 177 220 215 198 20-24 108 186 145 132 25-29 80 78 119 NA ___________________________________________________ Nota: As taxas de fecundidade por duração da união são expressas por 1,000 mulheres NA = Não se aplica elevado na área rural (13 %), na Província da Zambézia (19 %), nas entrevistadas sem um nível de escolaridade e com ensino primário (13 %) e nas sem religião (14 %). 3.3 Fecundidade acumulada Nesta secção examina-se o número médio de filhos tidos por mulher, indicador frequentemente usado na análise do comportamento reprodutivo da população. Nas mulheres de maior idade, esta média indica a fecundidade acumulada nos últimos 20 ou 25 anos, ou seja um indicador que mostra aproximadamente a descendência média completa dessa coorte. A distribuição percentual de todas as mulheres entrevistadas e das actualmente casadas ou em união marital pelo número de filhos nascidos vivos está apresentada no Quadro 3.5. Esta informação juntamente com a sobre o número de filhos sobreviventes é usado para estimativas indirectas dos níveis e tendências da mortalidade. Uma vez que as estimativas directas da mortalidade infantil e na infância podem ser calculadas a partir dos dados da história de nascimentos recolhidos pelo inquérito, estas são apresentadas no Capítulo 7 do presente relatório. Para compreender melhor a evolução da fecundidade acumulada presta-se maior atenção a informação das mulheres que actualmente estão em união conjugal. Em Moçambique estas representam 75 % 44 Quadro 3.5 Filhos nascidos vivos e filhos sobreviventes Distribuição percentual de todas as mulheres e das mulheres unidas por número de filhos nascidos vivos e número médio de filhos nascidos vivos e de sobreviventes, Moçambique 1997 ______________________________________________________________________________________________________________ Filhos nascidos vivos Média Média Grupos _______________________________________________________________ nascidos sobre- de idade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10+ Total Número vivos viventes ______________________________________________________________________________________________________________ TODAS AS MULHERES ______________________________________________________________________________________________________________ 15-19 69.6 24.5 5.6 0.3 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 100.0 1,836 0.37 0.31 20-24 21.1 28.2 29.3 15.0 4.4 1.7 0.2 0.0 0.0 0.0 0.0 100.0 1,663 1.59 1.29 25-29 6.8 14.0 17.6 26.3 19.8 9.0 2.9 3.5 0.1 0.0 0.1 100.0 1,591 2.95 2.28 30-34 3.9 5.4 10.7 17.6 22.4 19.3 10.8 5.1 2.8 1.6 0.4 100.0 1,197 4.07 3.11 35-39 3.3 3.9 8.6 11.2 11.0 13.0 17.7 11.7 7.5 3.5 8.4 100.0 1,028 5.33 4.06 40-44 4.3 4.2 6.1 6.5 9.2 13.0 12.1 12.5 11.1 7.9 13.1 100.0 724 5.99 4.75 45-49 5.7 7.7 4.0 6.4 10.2 12.2 11.0 14.9 10.8 7.9 9.3 100.0 739 5.64 4.07 Total 21.5 15.2 13.2 12.5 10.4 8.2 6.0 5.0 3.1 1.9 2.9 100.0 8,779 3.06 2.36 ______________________________________________________________________________________________________________ MULHERES CASADAS OU EM UNIÃO MARITAL ______________________________________________________________________________________________________________ 15-19 45.2 44.4 9.9 0.6 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 100.0 825 0.66 0.56 20-24 16.7 27.4 30.6 17.8 5.2 2.1 0.2 0.0 0.0 0.0 0.0 100.0 1,337 1.75 1.41 25-29 5.9 12.7 16.1 26.0 21.6 10.3 3.3 4.1 0.1 0.0 0.1 100.0 1,341 3.1 2.40 30-34 3.1 5.4 9.8 18.4 23.1 17.4 12.1 5.4 3.0 1.9 0.5 100.0 1,001 4.16 3.20 35-39 2.2 4.1 7.8 11.1 10.3 13.1 19.5 12.0 8.0 3.8 8.2 100.0 867 5.45 4.14 40-44 1.9 4.4 5.3 6.9 9.1 14.1 10.6 13.1 11.3 8.8 14.4 100.0 601 6.24 4.93 45-49 6.4 8.3 3.2 6.9 10.4 10.1 10.7 14.0 9.1 9.4 11.6 100.0 557 5.71 4.23 Total 11.8 16.3 14.1 14.6 12.1 9.1 7.0 5.7 3.4 2.4 3.5 100.0 6,530 3.5 2.71 das mulheres em idade reprodutiva e têm em média 3.1 filhos, dos quais 2.4 estão actualmente vivos. A média de filhos tidos das mulheres que completaram a sua vida reprodutiva é de 5.6, dos quais 4.1 ainda vivem. A distribuição da parturição para mulheres mais velhas em união conjugal no momento da entrevista também fornece uma medida de infecundidade primária. É comumente aceite que, nos países em desenvolvimento, a proporção de mulheres em união conjugal no final do período reprodutivo que não têm filhos é de 2 a 5 %. No caso de Moçambique, esta proporção é de 6 %, um pouco superior ao padrão esperado. 3.4 Intervalos entre os nascimentos O intervalo entre os nascimentos, definido também como espaçamento das gravidezes ou período inter genésico, tem sido utilizado como um importante indicador da condição de sobrevivência de crianças. É sabido que intervalos curtos entre os nascimentos estão associados a riscos mais elevados de mortalidade infantil e na infância. O Quadro 3.6 mostra a distribuição percentual de nascimentos para os cinco anos precedentes à data do inquérito por número de meses decorridos entre um nascimento e outro, segundo características demográficas das mães. O intervalo mediano, isto é, o valor no qual ocorreram 50 % dos nascimentos, é 35 meses a nível nacional, 33.9 nas urbanas e 34.7 nas rurais. 45 Quadro 3.6 Intervalo entre os nascimentos Distribuição percentual dos nascimentos nos cinco anos anteriores ao inquérito, segundo o intervalo desde o nascimento prévio, por características seleccionadas, Moçambique 1997 ___________________________________________________________________________________________________ Número Mediana Número de meses do nascimento anterior de do ______________________________________________ nasci- intervalo Característica 7-17 18-23 24-35 36-47 48+ Total mentos (meses) ___________________________________________________________________________________________________ Idade da entrevistada 15-19 20-29 30-39 40-49 Ordem de nascimento 2-3 4-6 7+ Sexo do filho anterior Masculino Feminino Sobrevivência do filho anterior Não Sim Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 12.6 11.3 43.7 26.5 5.9 100.0 111 28.9 8.6 11.1 39.8 24.8 15.8 100.0 2,932 32.7 7.8 9.0 32.2 21.1 29.9 100.0 2,056 36.3 7.9 9.6 20.4 19.4 42.8 100.0 616 41.7 7.4 9.3 36.2 24.7 22.4 100.0 2,629 34.7 7.5 9.8 35.7 22.8 24.2 100.0 2,121 34.8 12.6 13.4 30.4 18.1 25.5 100.0 964 33.4 9.0 9.7 33.0 24.1 24.2 100.0 2,849 35.2 7.6 10.7 37.1 21.7 23.0 100.0 2,865 33.9 20.8 12.9 31.7 19.1 15.4 100.0 1,167 29.1 5.1 9.5 35.9 23.9 25.7 100.0 4,547 35.8 10.8 8.4 36.2 21.7 22.9 100.0 1,212 33.9 7.6 10.7 34.7 23.2 23.8 100.0 4,502 34.7 6.5 11.1 34.9 26.0 21.5 100.0 336 34.8 5.2 11.6 35.5 27.2 20.4 100.0 341 35.3 8.7 15.0 36.9 22.5 16.8 100.0 997 32.6 12.9 14.4 34.4 15.0 23.4 100.0 896 32.3 8.3 13.4 38.2 24.4 15.7 100.0 287 32.3 7.6 10.7 38.1 21.7 22.0 100.0 380 33.1 8.7 4.4 30.1 24.9 32.0 100.0 844 37.5 7.6 7.9 34.9 27.5 22.0 100.0 432 35.6 3.2 7.6 38.4 23.1 27.8 100.0 631 36.4 12.3 4.0 33.2 24.7 25.8 100.0 326 36.1 5.3 6.0 31.8 25.6 31.3 100.0 243 38.0 8.3 11.4 32.5 20.8 27.0 100.0 2,567 35.2 8.6 9.2 37.2 25.1 19.9 100.0 2,982 34.1 2.8 8.1 35.8 16.2 37.1 100.0 164 38.1 10.7 13.9 34.2 22.1 19.1 100.0 1,796 32.4 7.7 8.1 36.2 27.1 20.9 100.0 1,372 35.1 7.2 9.9 37.0 24.7 21.1 100.0 858 34.6 7.5 9.9 38.4 20.4 23.8 100.0 392 33.6 6.4 7.6 32.1 19.2 34.8 100.0 1,258 37.2 8.3 10.2 35.0 22.9 23.6 100.0 5,714 34.6 ___________________________________________________________________________________________________ Nota: Os nascimentos de ordem 1 foram excluídos. 1 Exclui os casos sem informação 46 O intervalo mais frequente flutua entre 24 e 35 meses, embora também sejam importantes os períodos inter genésicos superiores. O valor da mediana aumenta a medida que a idade da mãe avança: nas mulheres mais jovens, de 15-19 anos, é de 28.9 meses, enquanto que nas mais velhas, de 40 anos ou mais, alcança os 41.7 meses. Em termos de nascimentos, 12.6 % das mulheres menores de 20 anos tiveram lugar entre 7 a 17 meses depois do nascimento anterior. Estas gestações são consideradas como sendo de alto risco por estarem ocorrendo nas mulheres muito jovens e devido ao intervalo inter genésico muito reduzido. Como a mulher moçambicana começa a sua vida reprodutiva muito cedo, a frequência de nascimentos diminui a medida que a idade avança, já que o intervalo entre os nascimentos também é maior, atingindo os 7.9 % ao alcançar os 40 anos de idade ou mais. Se consideramos a ordem de nascimentos, não se observa grandes diferenças na mediana. Os valores flutuam entre um máximo de 35 meses nas mulheres com 2-3 e 4-6 filhos e um mínimo de 33 meses naquelas com 7 filhos ou mais. Por outro lado, a sobrevivência do nascimento anterior tem influência importante sobre a duração do intervalo. A mediana é de 29.1 meses nas entrevistadas que declararam que o nascimento anterior havia falecido e 35.8 nas que tinham o filho anterior vivo. É na Cidade de Maputo e na Província de Sofala onde se observa o maior espaçamento entre os nascimentos, onde o intervalo mediana é de 38.0 e 37.5 meses, respectivamente. O menor intervalo mediano regista-se nas Províncias da Zambézia (32.3), Tete (32.3) e Nampula (32.6). O espaçamento entre os nascimentos dos filhos está associado ao nível de educação das mulheres: o intervalo mediano é de 35 meses nas analfabetas, passa para 34.1 quando têm o nível de ensino primário e aumento para 38.1 nas com grau secundário ou mais. 3.5 Idade da mãe ao nascimento do primeiro filho A idade na qual as mulheres iniciam a sua vida reprodutiva constitui um dos factores demográficos determinantes da fecundidade duma população e de consequências importantes para a saúde das mães e das crianças. A idade e a mediana ao primeiro nascimento segundo a idade das mulheres são apresentadas no Quadro 3.7. No Quadro 3.8 resume-se a idade mediana ao primeiro nascimento segundo características seleccionadas. A idade mediana ao primeiro filho nas mulheres de 20-49 anos é de 19 anos (18.1 nas áreas urbanas e 19.1 nas rurais). É nas Províncias de Maputo (19.8), Inhambane (19.8), Cidade de Maputo (19.7), Manica (19.1) e Zambézia (19.2) onde se observa a idade mediana mais elevada, enquanto que nas restantes varia situa-se a volta dos 18 anos. Tomando agora a variável educação, nota-se que não se registam diferenças na idade mediana ao nascimento do primeiro filho: 18.9 anos tanto para as mulheres analfabetas como as que têm o nível de ensino secundário ou mais. A coluna das mulheres de 25-49 anos dá-nos uma melhor imagem da variação deste indicador segundo o grau de escolaridade. Podemos afirmar que a idade ao primeiro filho é maior quando a mulher passa do grau de ensino primário (19.0 anos) para o secundário ou mais (21.8 anos). Quando consideramos a idade ao primeiro filho segundo a dimensão religião, nota-se a idade ao nascimento do primeiro filho varia entre 18.8 anos nas católicas e 19.1 nas sem religião. 47 Quadro 3.7 Idade na época do nascimento do primeiro filho Distribuição percentual das mulheres segundo a idade na época do primeiro nascimento, por idade actual, Moçambique 1997 _____________________________________________________________________________________________________ Idade Mulheres Idade ao primeiro filho Número mediana Idade sem _____________________________________________ de ao primeiro actual filhos <15 15-17 18-19 20-21 22-24 25+ Total mulheres filho _____________________________________________________________________________________________________ 15-19 69.6 4.2 19.5 6.7 NA NA NA 100.0 1,836 a 20-24 21.1 7.8 35.4 22.2 11.6 2.0 NA 100.0 1,663 18.6 25-29 6.8 11.4 29.3 22.2 16.4 10.7 3.2 100.0 1,591 18.7 30-34 3.9 11.9 24.8 21.4 17.9 12.6 7.6 100.0 1,197 19.2 35-39 3.3 12.8 24.0 19.1 17.8 10.9 12.0 100.0 1,028 19.4 40-44 4.3 15.9 28.9 13.2 9.5 15.2 12.9 100.0 724 18.6 45-49 5.7 12.0 17.1 16.9 7.5 11.8 29.0 100.0 739 21.2 _____________________________________________________________________________________________________ NA = Não se aplicaa Indica que o valor da mediana é maior que o limite inferior do intervalo de idade Quadro 3.8 Fecundidade na adolescência Porcentagem de adolescentes de 15-19 anos que são mães ou estão grávidas do primeiro filho, por características seleccionadas, Moçambique 1997 ____________________________________________________________ Total Número Grávidas alguma de Já do 1º vez adoles- Característica mães filho grávidas centes ____________________________________________________________ Idade da entrevistada 15 16 17 18 19 Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambézia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 3.6 3.8 7.5 407 15.2 4.4 19.6 333 28.0 15.4 43.5 324 47.5 15.6 63.0 453 58.7 8.0 66.7 318 25.4 5.2 30.6 512 32.4 11.3 43.6 1,324 33.2 3.8 37.1 84 46.7 6.8 53.5 82 43.7 7.2 51.0 241 22.6 26.5 49.1 193 27.9 11.6 39.5 60 35.4 12.0 47.4 111 40.1 7.4 47.6 295 36.6 5.7 42.3 196 12.3 12.6 24.9 260 21.1 4.6 25.7 177 20.0 3.4 23.4 137 36.0 14.1 50.1 521 30.1 7.8 37.9 1,220 3.8 7.6 11.4 95 30.3 9.2 39.6 510 31.9 4.6 36.6 586 36.7 9.3 45.9 242 29.9 14.7 44.7 146 23.8 16.6 40.4 344 30.4 9.6 40.0 1,836 __________________________________________________________________ 1 Exclui os casos sem informação 48 Quadro 3.9 Crianças nascidas de adolescentes Distribuição percentual de adolescentes de 15-19 anos, segundo o número de filhos nascidos vivos, por idade, Moçambique 1997 _____________________________________________________________________ Media Número Filhos nascidos vivosde de de ________________________ nascidos adoles- Idade 0 1 2+ Total vivos centes _____________________________________________________________________ 15 96.4 3.6 0.0 100.0 0.04 407 16 84.8 15.1 0.1 100.0 0.15 333 17 72.0 24.5 3.5 100.0 0.32 324 18 52.5 34.5 13.0 100.0 0.61 453 19 41.3 46.8 11.9 100.0 0.71 318 Total 69.6 24.5 5.9 100.0 0.37 1,836 3.6 Fecundidade das adolescentes Em Moçambique, a união conjugal e a maternidade precoces têm merecido uma atenção muito especial do Governo, pois tanto as gravidezes não desejadas como os abortos têm consequências sociais, morais e económicas, e principalmente para a saúde das próprias adolescentes. No Quadro 3.9 apresenta-se a distribuição percentual de adolescentes que são mães ou que no momento entrevista encontravam-se grávidas pela primeira vez. Os resultados por área de residência, nível de escolaridade e a idade das adolescentes são comparados no Gráfico 3.4. Se agregarmos a percentagem das adolescentes que já são mães (30 %) à das que estão esperando seu primeiro filho (10 %), notaremos que em Moçambique 40 % de adolescentes já iniciaram a sua vida reprodutiva. Por idades simples esta percentagem atinge o seu valor mais elevado nas adolescentes de 19 anos (67 %). Por províncias, a Cidade de Maputo apresenta a percentagem mais baixa, onde apenas 23 % das adolescentes iniciaram a maternidade. Nas restantes províncias esta percentagem varia entre 25 % na Província de Maputo e 54 % em Cabo Delgado. Se consideramos em separado as adolescentes que já são mães e aquelas que esperam o seu primeiro filho, nota-se que é na Província de Gaza onde a percentagem das primeiras é mais baixa (12 %), enquanto que das segundas verifica-se na Cidade de Maputo (3 %). Segundo a dimensão nível de escolaridade, como era de esperar as adolescentes com o grau de ensino secundário ou mais apresentam as menor percentagens (4 % já são mães e 8 % esperam o seu primeiro filho). As percentagens mais elevadas registam-se nas mulheres analfabetas (36 % já são mães e 14 % esperam o seu primeiro filho). 49 No Quadro 3.10 apresenta-se a distribuição percentual de adolescentes por número de filhos tidos, segundo a idade. Os resultados indicam que 25 % das adolescentes têm 1 filho e 6 % têm 2 ou mais filhos. Esta percentagem cresce com a idade das mulheres, assim como o número médio de filhos nascidos vivos. Entre as adolescentes com pelo menos 1 filho passa de 4 % nas mulheres de 15 anos para 47 % naquelas com 19 anos. A percentagem de mulheres com 2 filhos é quase nula nas idades 15 e 16 anos, registando-se uma maior concentração aos 18 anos (13 %), para depois reduzir para 12 % nas adolescentes com 19 anos. 51 CAPÍTULO 4 CONTRACEPÇÃO O conhecimento e disponibilidade de métodos contraceptivos são importantes para a implementação bem sucedida de qualquer programa de planeamento familiar. Entre os objectivos do IDS de 1997 figuram a determinação do nível de conhecimento e uso dos métodos contraceptivos e a avaliação do acesso e da prestação de serviços de planeamento familiar. O estudo da anticoncepção é, portanto, importante, não só como um dos determinantes próximos da fecundidade, mas também para a elaboração de políticas e programas na área. Em Moçambique o Programa de Planeamento Familiar apenas se constituiu como um programa nacional a partir de 1980. Um marco importante na sua implementação foi a introdução, desde esse ano, do planeamento familiar no currículo dos médicos, enfermeiras de saúde materno-infantil (SMI) e técnicos de medicina. Os serviços de planeamento familiar estão sob a responsabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), encontrando-se integrados no atendimento materno-infantil e baseando-se na distribuição gratuita de contraceptivos modernos. Este capítulo tem três secções principais. Na primeira secção começa-se por investigar o nível de conhecimentos da população sobre métodos contraceptivos o que permite avaliar as pré-condições para o uso de planeamento familiar. Na segunda secção, foi analisado o uso da anticoncepção, actual e anterior, o que permite a identificação dos segmentos da população mais carentes de serviços. Ainda na segunda secção é analisada a divulgação do planeamento familiar pelos mass media e a sua aceitabilidade. Na terceira secção foram consideradas as intenções de uso da anticoncepção e as atitudes dos cônjuges em relação ao planeamento familiar, permitindo detectar problemas de comunicação ainda existentes. 4.1 Conhecimento da anticoncepção O conhecimento existente sobre os diferentes métodos de planeamento familiar é uma pré-condição para a sua utilização. No IDS avaliou-se o nível de conhecimentos sobre algum método para prevenir a gravidez, por dois processos. O primeiro consistia em pergunta aberta e resposta espontânea. No segundo, utilizado se a primeira alternativa fosse negativa, cada método de planeamento familiar foi inquirido especificamente. Os resultados combinam os dois tipos de pergunta. Foi colhida informação sobre oito métodos modernos : pílula, dispositivo intra-uterino (DIU), anticonceptivo injectável, implantes, métodos vaginais, preservativo masculino, laqueação tubária e vasectomia; e dois métodos tradicionais: abstinência sexual periódica e coito interrompido. Para além disso, era registado qualquer outro método, incluindo métodos folclóricos, nomeados espontâneamente pelos entrevistados. Por métodos folclóricos designam-se medicamentos e rituais tradicionais com plantas, manuseio da placenta, ou outros. O Quadro 4.1 mostra-nos o nível de conhecimento sobre planeamento familiar demonstrado pelas mulheres e homens entrevistados, em três grupos: no total, sexualmente activos não unidos, e actualmente em união. A percentagem de respondentes que declararam conhecer a existência do planeamento familiar foi relativamente modesta em ambos os sexos; apenas 63 e 70 % das mulheres e homens respectivamente. Os métodos contraceptivos modernos são mais conhecidos que os métodos tradicionais e folclóricos. O nível de conhecimentos demonstrado pelos homens é superior ao das mulheres, em todos os grupos, para 52 Quadro 4.1 Anticoncepção: conhecimento entre mulheres e homens Percentagem de mulheres e homens que conhecem métodos, segundo o tipo de método, Moçambique 1997 ____________________________________________________________________________________________ Mulheres Homens ____________________________________ ____________________________ Sexual- Sexual- mente Sem mente Todas as Mulheres activas experiência Todos os Homens activos Método mulheres unidas não unidas sexual homens unidos não unidos ____________________________________________________________________________________________ Algum método Métodos modernos Pílula DIU Injeções Métodos vaginais Condom Esterilização feminina Esterilização masculina Norplant Tradicionais Abstinência periódica Coito interrompido Outros Tradicionais e folclóricos Número de pessoas Média de métodos 62.7 62.0 76.2 38.7 69.7 68.7 89.9 61.3 60.4 75.7 38.7 67.4 65.6 89.9 56.6 56.6 67.5 29.0 48.3 51.0 56.0 44.0 42.7 60.3 21.9 31.0 32.0 41.3 53.5 53.2 66.9 27.0 44.1 45.9 57.5 3.7 3.4 7.8 1.2 6.5 6.1 11.5 42.4 39.9 57.5 34.1 59.8 57.8 77.8 28.7 27.7 36.7 8.6 29.7 31.7 37.8 4.9 4.4 6.9 2.4 13.1 13.2 20.5 1.3 1.4 1.4 0.3 3.0 2.7 6.8 14.3 13.2 24.5 5.5 35.0 37.8 45.3 10.9 10.0 19.3 5.2 29.1 31.3 39.0 10.7 9.7 19.4 2.5 25.1 27.2 34.7 7.8 8.5 7.6 0.9 10.3 13.0 6.7 19.4 19.2 26.9 6.2 38.7 42.3 47.3 8,779 6,530 545 598 2,335 1,662 245 2.6 2.6 3.5 1.3 3.0 3.1 3.9 ____________________________________________________________________________________________ Nota: Métodos vaginais incluem diafragma, espumas e tabletes. Abstinencia periódica inclui tabela, Billings e temperatura. Métodos folclóricos incluem ervas, chás, etc. os métodos modernos, tradicionais ou folclóricos. Com efeito, enquanto que 61 % do total de mulheres entrevistadas declararam conhecer um método moderno e 19 % um método tradicional ou folclórico, 67 % dos homens entrevistados conheciam um método anticonceptivo moderno e 39 % conheciam métodos tradicionais ou folclóricos para evitar a gravidez. De igual modo os homens conheciam, em média, 3 métodos contraceptivos modernos, ao passo que as mulheres apenas conheciam 2,6 métodos. O grupo de entrevistados, de ambos os sexos, sexualmente activos, actualmente não unidos foi o que declarou conhecimento mais elevado sobre métodos contraceptivos, não obstante ter sido também neste grupo que se verificou a maior diferença entre os dois sexos. Com efeito, no grupo de mulheres entrevistadas, 60 % das actualmente unidas e 76 % das sexualmente activas, não unidas conheciam métodos contraceptivos modernos. No grupo de homens entrevistados, esta percentagem elevava-se para 66 % e 90 %, respectivamente. Por um lado, o melhor nível de conhecimentos do grupo sexualmente activo, não unido poderá sugerir uma preocupação com a prevenção de possível gravidez. Por outro, dado que uma proporção significativa utiliza o preservativo masculino (apesar que na população em geral é ainda baixa), poderá reflectir a preocupação de evitar as doenças de transmissão sexual incluindo a infecção pelo vírus de imunodeficiência humana. Quanto ao conhecimento de métodos específicos de planeamento familiar, nas mulheres actualmente unidas a pílula é o método moderno mais conhecido, referido por 57 % das entrevistadas. Seguem-se, por 53 Quadro 4.2 Anticoncepção: conhecimento de métodos nos casais Distribuição percentual dos casais que conhecem qualquer método e métodos modernos segundo tipo de método, Moçambique 1997 ______________________________________________________________________ Esposo conhece Esposo não conhece _________________ ________________ Esposa Esposa Esposa Esposa Método conhece não conhece nãa Total _______________________________________________________________________ Qualquer método Métodos modernos Pílula DIU Injecções Métodos vaginais Condom Esterilização feminina Esterilização masculina Norplant Métodos tradicionais Abstinência periódica Coito interrompido Métodos folclóricos 52.0 15.4 12.0 20.6 100.0 49.9 14.9 12.9 22.3 100.0 39.3 11.0 20.8 28.8 100.0 23.7 8.2 19.1 49.0 100.0 33.9 10.5 20.7 34.9 100.0 0.7 4.8 4.3 90.1 100.0 32.7 23.8 7.2 36.2 100.0 13.7 17.4 13.3 55.7 100.0 2.0 10.6 3.6 83.7 100.0 0.1 2.9 1.5 95.5 100.0 8.9 27.7 3.7 59.7 100.0 6.3 22.0 3.8 68.0 100.0 5.9 21.6 4.1 68.4 100.0 1.3 11.1 7.1 80.6 100.0 ______________________________________________________________________ Nota: baseado em 1,367 casais. Métodos vaginais inclui diafragma, espumas e tabletes. Abstinênciia periódica inclui tabela, Billings e temperatura. Métodos folclóricos inclui ervas, chás, sortilégios, etc. ordem decrescente, o anticonceptivo injectável, com 53 %, o DIU, com 43 % e o preservativo masculino, com 40 %. Nos homens actualmente unidos entrevistados esta situação inverte-se, sendo o preservativo o método mais conhecido, referido por 58 % dos entrevistados neste grupo. Seguem-se, por ordem decrescente, a pílula, com 51 %, o injectável, com 46 % e o DIU, com 32 %. Os métodos vaginais, como o diafragma, espermicidas e gel e os implantes foram referidos por uma percentagem mínima de entrevistados, de ambos os sexos. Esta situação está relacionada com o facto de se tratarem de métodos que ainda não são largamente disponíveis à escala nacional no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e outros prestadores não-governamentais. Nos métodos tradicionais, a abstinência sexual periódica e o coito interrompido foram referidos por, respectivamente, 31 % e 27 % dos homens em união e, na mesma percentagem, por 10 % das mulheres em união. O Quadro 4.2 mostra-nos a correspondência existente no conhecimento sobre contracepção entre os dois cônjuges no casal. Em metade dos casais, 50 %, ambos os esposos conheciam pelo menos um método moderno contraceptivo, enquanto em 22 %, ambos referiram não conhecer nenhum método. Quando apenas um dos esposos conhecia algum método contraceptivo moderno, os maridos referiram um conhecimento quase igual, (15 %) ao das esposas (com 13 %). Mesmo assim, as esposas conheciam melhor a pílula, o injectável e o DIU que os seus maridos. Os maridos, por sua vez, referiram melhor conhecimento sobre o preservativo, a esterilização feminina e masculina. 54 Quadro 4.3 Anticoncepção: conhecimento de qualquer método e de métodos modernos Percentagem das mulheres e homens atualmente unidas(os) que conhecem qualquer método e métodos modernos, segundo tipo de método, Moçambique 1997_________________________________________________________________________________ Mulheres Homens _____________________________ _____________________________ Conhecem Conhecem Número Conhecem Conhecem Número qualquer método de qualquer método de Método método moderno mulheres método moderno homens_________________________________________________________________________________ Idade 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 Residência Urbana Rural Província Niassa Cabo Delgado Nampula Zambezia Tete Manica Sofala Inhambane Gaza Maputo Maputo Cidade Nível de escolaridade Sem escolaridade Primário Secundário ou mais Religião1 Católica Protestante Muçulmana Outra Sem religião Total 44.8 43.8 825 * * 11 63.7 62.7 1,337 71.7 69.1 178 65.5 63.9 1,341 63.7 63.4 280 71.1 70.6 1,001 72.0 68.9 231 62.5 60.2 867 67.8 64.4 288 67.8 65.1 601 80.0 74.6 204 51.3 47.9 557 67.0 64.6 141 NA NA NA 50.4 43.6 140 NA NA NA 72.1 70.6 119 NA NA NA 73.0 69.0 71 94.2 94.0 1,274 95.1 95.1 362 54.2 52.2 5,255 61.3 57.4 1,300 55.3 46.6 355 89.3 88.7 94 44.6 44.3 460 71.4 67.9 139 50.5 45.5 1,241 42.6 42.5 285 63.3 63.3 1,017 56.1 42.4 296 90.2 90.0 242 100.0 97.3 73 70.2 70.0 386 91.2 90.7 79 41.5 41.3 943 51.3 50.7 259 63.5 62.5 562 79.1 79.1 132 79.0 79.0 665 96.9 96.5 130 89.9 89.9 340 84.1 84.1 80 96.2 96.1 318 99.9 99.9 96 49.8 47.2 3,083 54.9 45.6 367 71.5 70.8 3,267 69.2 67.8 1,153 98.2 98.2 180 100.0 100.0 142 63.5 61.4 1,889 71.3 65.8 558 73.9 73.4 1,563 88.1 87.7 300 52.8 48.5 1,232 66.1 63.0 310 65.1 65.1 406 45.6 44.9 127 52.8 52.6 1,398 57.1 54.7 351 62.0 60.4 6,530 68.7 65.6 1,662 _________________________________________________________________________________ NA = Não se aplica * Baseado em menos de 25 casos não ponderados 1 Exclui os casos sem informação O Quadro 4.3 e o Gráfico 4.1 mostra-nos o conhecimento sobre métodos contraceptivos dos entrevistados, homens e mulheres em união, por características sócio demográficas seleccionadas. Nas mulheres em idade fértil o conhecimento sobre métodos contraceptivos modernos aumenta progressivamente com a idade, desde o grupo etário dos 15-19 anos, em que apenas 45 % das entrevistadas declarou conhecer um método moderno até atingir um pico, de 71 %, no grupo etário dos 30-34 anos. Diminui nos grupos de idade mais avançada, até ao grupo etário dos 45-49 anos, em que foi referido por apenas 48 % das entrevistadas. Nos homens entrevistados os grupos etários que referiram melhor conhecimento foram os pertencentes aos grupos etários dos 20-24 anos e dos 40 aos 44 anos, com 69 % e 75 %, respectivamente. 55 O IDS mostrou que os residentes das áreas urbanas conhecem significativamente melhor os métodos contraceptivos modernos que os das áreas rurais. Enquanto na área rural apenas 52 % das mulheres e 57 % dos homens ouviram falar de planeamento familiar moderno, nas zonas urbanas esta percentagem elevava-se para 94 % e 95 %, respectivamente. Ainda referente ao conhecimento de métodos modernos por distribuição geográfica dos entrevistados, verificaram-se grandes disparidades entre as províncias. As províncias de Nampula e Zambézia, revelaram os mais baixos conhecimentos sobre contracepção moderna. Com efeito, apenas 46 % e 63 % das mulheres em união e 43 % e 42 % dos homens das províncias respectivas conheciam pelo menos um método contraceptivo moderno. As províncias em melhor situação são a Cidade de Maputo, em que 96 % das mulheres em união conheciam pelo menos um método moderno, as províncias de Maputo e Tete com 90 % e a província de Gaza com 79 %. O nível educacional dos entrevistados encontrava-se estreitamente associado ao conhecimento sobre a contracepção moderna. Os entrevistados sem escolarização, apresentaram as percentagens mais baixas, com apenas 47 % nas mulheres e 46 % nos homens. Nos grupos com o ensino primário a percentagem eleva- se para 72 %, nas mulheres e 68 %, nos homens. Finalmente, nos grupos com ensino secundário ou mais o conhecimento de pelo menos um método contraceptivo moderno era quase universal, pois 98 % das mulheres e 100 % dos homens conheciam a contracepção moderna. 4.2 Uso anterior e actual da anticoncepção Todos os entrevistados, homens ou mulheres, que referiram conhecer algum método de planeamento familiar foram inquiridos se alguma vez o tinham utilizado, quer se tratasse de um método moderno, tradicional ou folclórico. O Quadro 4.4 mostra-nos a distribuição percentual das mulheres que alguma vez utilizaram planeamento familiar, por método e grupos quinquenais de idade. Apenas 14 % do total das mulheres referiram ter alguma vez utilizado algum método de planeamento familiar. Em relação aos métodos modernos a percentagem era de 13 %, e aos métodos tradicionais ou folclóricos, de 3 %. 56 Quadro 4.4 Uso anterior ou actual de anticoncepção por idade: mulheres Percentagem de todas as mulheres, das mulheres actualmente unidas e das mulheres sexualmente activas não unidas que usam ou já usaram algum método anticoncepcional, segundo o tipo de método, por idade, Moçambique 1997 ________________________________________________________________________________________________________________ Métodos modernos Métodos tradicionais Métodos _________________________________________________ __________________ Méto- tradi- Nú- Algum Méto- Este- Algum Coito dos cionais mero método dos riliz. método Abst. inter- fol- e fol- de Grupos Algum mo- Inje- vagi- Con- femi- Im- tradi- perió- rompi- cló- kló- mulhe- de idade método derno Pílula DIU ções nais dom nina plante cional dica do ricos ricos res ________________________________________________________________________________________________________________ TODAS AS MULHERES ________________________________________________________________________________________________________________ 15-19 4.9 4.2 2.2 0.4 0.5 0.0 1.5 0.0 0.0 1.1 0.9 0.3 0.1 1.2 1,836 20-24 13.3 11.7 7.3 1.0 3.1 0.0 3.9 0.0 0.0 1.4 0.9 0.6 1.7 3.0 1,663 25-29 17.1 15.9 11.0 3.0 4.8 0.0 4.0 0.0 0.0 2.2 1.9 0.9 1.8 4.0 1,591 30-34 21.7 20.7 12.2 5.3 10.1 0.5 3.3 0.6 0.0 2.0 1.5 0.9 1.5 3.4 1,197 35-39 19.7 18.4 10.3 4.4 11.5 0.1 2.1 1.0 0.0 1.9 1.3 0.7 1.6 3.4 1,028 40-44 17.7 15.7 8.7 4.3 9.2 0.0 1.7 2.1 0.1 2.2 2.0 0.4 2.3 4.4 724 45-49 10.3 9.3 3.5 2.6 4.1 0.0 0.7 3.4 0.2 1.2 0.9 0.4 0.9 2.1 739 Total 14.2 13.0 7.7 2.6 5.4 0.1 2.7 0.7 0.0 1.7 1.3 0.6 1.3 2.9 8,779 ________________________________________________________________________________________________________________ MULHERES ACTUALMENTE UNIDAS ________________________________________________________________________________________________________________ 15-19 3.3 2.9 1.5 0.3 0.4 0.0 0.9 0.0 0.0 0.6 0.5 0.5 0.2 0.8 825 20-24 10.4 8.7 5.8 0.8 2.7 0.0 2.6 0.0 0.0 1.0 0.5 0.5 1.6 2.5 1,337 25-29 14.5 13.3 9.0 2.4 4.4 0.0 3.2 0.0 0.0 1.5 1.2 0.5 1.7 3.1 1,341 30-34 19.2 18.4 12.2 4.1 8.9 0.6 2.7 0.6 0.0 2.0 1.6 0.7 1.4 3.3 1,001 35-39 18.5 17.3 10.3 3.6 10.8 0.0 1.5 1.1 0.0 1.9 1.3 0.7 1.3 3.2 867 40-44 16.3 13.9 8.2 4.0 8.8 0.0 1.9 1.4 0.2 1.9 1.7 0.4 2.0 3.9 601 45-49 11.8 10.8 3.8 3.3 5.0 0.0 0.9 4.1 0.3 1.6 1.1 0.5 0.9 2.4 557 Total 13.4 12.2 7.6 2.4 5.5 0.1 2.2 0.7 0.0 1.4 1.1 0.6 1.3 2.8 6,530 ________________________________________________________________________________________________________________ MULHERES SEXUALMENTE ATIVAS NÃO UNIDAS ________________________________________________________________________________________________________________ 15-19 15.0 14.1 7.5 1.2 0.8 0.0 5.9 0.0 0.0 2.7 2.6 0.7 0.2 2.7 202 20-24 37.5 35.7 19.9 5.3 12.6 0.0 10.7 0.0 0.0 4.2 4.2 0.6 2.1 6.3 106 25-29 38.7 37.0 23.7 10.1 15.5 0.2 6.4 2.1 0.0 6.0 5.4 3.7 1.8 7.5 237 Total 29.7 28.2 16.9 5.9 9.5 0.1 7.0 0.9 0.0 4.4 4.1 2.0 1.3 5.5 545 ________________________________________________________________________________________________________________ HOMENS ________________________________________________________________________________________________________________ Total 25.5 20.2 7.2 3.1 4.4 0.3 13.8 0.7 0.1 10.8 9.0 3.5 3.0 12.9 2,335 Unidos 27.2 20.4 8.0 3.7 5.2 0.1 12.8 1.0 0.1 12.5 10.3 3.5 3.8 15.0 1,662 Activos 42.2 39.6 11.9 3.1 4.4 2.0 32.2 0.0 0.1 13.7 10.8 7.0 2.4 15.6 245 ________________________________________________________________________________________________________________ Nota: Métodos vaginais inclui diafragma, espumas e tabletes. Abstinencia periódica inclui tabela, Billings e temperatura. Métodos folclóricos inclui ervas, chás, etc. As mulheres sexualmente activas, não em união, referiram uma utilização significativamente maior de planeamento familiar que as entrevistadas em união actual. Enquanto no segundo grupo essa percentagem apenas era de 12 %, no grupo das mulheres sexualmente activas, não em união 28 % referiu ter utilizado alguma vez um método contraceptivo moderno. De realçar ainda que neste grupo, se excluirmos as mulheres muito jovens, dos 15 aos 19 anos, a percentagem que referiu ter utilizado alguma vez um método moderno eleva-se para 37 %. Nas mulheres em união o método moderno mais utilizado foi a pílula, com 8 % de utilização, seguido do injectável, com 6 %. O grupo etário que referiu maior utilização de contraceptivos modernos foi o grupo dos 30 aos 39 anos, com cerca de 18 %, o que já poderá estar relacionado com o desejo de limitar o número de filhos. 57 Quadro 4.5 Uso anterior ou actual de anticoncepção por idade: homens Percentagem de todos os homens, dos homens actualmente unidos e dos homens sexualmente activos não unidos que usam ou já usaram algum método anticoncepcional, segundo o tipo de método, por idade, Moçambique 1997 ________________________________________________________________________________________________________________ Métodos modernos Métodos tradicionais Métodos _________________________________________________ __________________ Méto- tradi- Algum Méto- Este- Algum Coito dos cionais Nú- método dos riliz. método Abst. inter- fol- e fol- mero Grupos Algum mo- Inje- vagi- Con- femi- Im- tradi- perió- rompi- cló- cló- de de idade método derno Pílula DIU ções nais dom nina plante cional dica do ricos ricos homens ________________________________________________________________________________________________________________ TODOS OS HOMENS ________________________________________________________________________________________________________________ 15-19 14.6 13.7 1.9 0.0 1.2 0.0 12.9 0.0 0.1 4.6 3.6 2.5 0.2 4.8 382 20-24 23.3 19.3 5.0 1.0 2.8 0.4 16.6 0.0 0.0 10.7 8.8 4.2 1.4 12.1 333 25-29 27.2 23.9 5.8 5.7 2.6 0.0 19.6 0.0 0.0 9.8 9.8 1.7 1.8 11.4 333 30-34 35.3 30.6 13.8 0.4 8.6 0.2 21.7 0.1 0.0 11.9 9.1 4.6 7.8 16.4 261 35-39 26.6 21.3 12.7 3.4 5.8 1.5 11.1 0.0 0.1 9.7 8.7 1.6 3.2 11.1 300 40-44 28.7 19.2 11.3 5.6 9.5 0.1 10.6 0.4 0.0 15.5 13.2 3.7 2.0 16.2 216 45-49 29.4 21.5 7.0 2.9 5.8 0.1 14.4 4.1 0.0 14.8 12.9 3.5 5.4 18.6 150 50-54 25.4 19.5 2.3 12.3 1.7 0.0 4.4 4.0 0.3 14.9 5.0 10.1 4.1 19.0 152 55-59 27.2 12.5 4.2 3.1 4.4 0.0 7.3 2.1 0.0 16.6 16.4 4.6 2.8 19.5 132 60-64 24.6 14.0 9.8 0.5 2.6 0.0 3.0 0.0 0.7 9.7 9.7 0.5 7.3 13.6 76 Total 25.5 20.2 7.2 3.1 4.4 0.3 13.8 0.7 0.1 10.8 9.0 3.5 3.0 12.9 2,335 ________________________________________________________________________________________________________________ HOMENS ACTUALMENTE UNIDOS ________________________________________________________________________________________________________________ 15-19 * * * * * * * * * * * * * * 11 20-24 21.3 16.6 5.8 0.0 4.1 0.0 13.5 0.0 0.0 13.4 11.6 3.5 1.8 15.0 178 25-29 26.5 22.7 4.4 5.5 1.5 0.0 18.7 0.0 0.0 9.2 9.2 1.9 2.1 11.2 280 30-34 32.1 26.8 10.8 0.3 9.4 0.1 19.8 0.1 0.0 11.4 8.2 4.0 8.8 16.5 231 35-39 25.0 20.0 13.2 3.3 5.6 0.3 10.0 0.0 0.1 9.2 8.7 1.3 2.3 10.1 288 40-44 29.1 19.4 11.2 5.2 9.4 0.0 11.0 0.5 0.0 15.7 13.2 3.8 1.7 16.0 204 45-49 30.8 22.5 7.5 3.1 6.2 0.1 15.0 4.3 0.0 15.6 13.8 3.5 5.7 19.7 141 50-54 24.3 18.0 0.5 11.1 1.0 0.0 2.5 4.4 0.3 15.0 4.3 10.8 4.4 19.4 140 55-59 29.8 13.9 4.6 3.4 4.9 0.0 8.1 2.3 0.0 18.1 17.8 5.1 3.2 21.3 119 60-64 26.4 15.0 10.5 0.5 2.8 0.0 3.2 0.0 0.8 10.4 10.4 0.5 7.8 14.6 71 Total 27.2 20.4 8.0 3.7 5.2 0.1 12.8 1.0 0.1 12.5 10.3 3.5 3.8 15.0 1,662 ________________________________________________________________________________________________________________ HOMENS SEXUALMENTE ATIVOS NÃO UNIDOS ________________________________________________________________________________________________________________ 15-19 33.1 32.1 6.2 0.0 1.1 0.0 30.7 0.0 0.2 10.3 7.4 6.6 0.4 10.7 96 20-24 41.8 38.9 7.7 3.8 2.6 1.3 34.4 0.0 0.0 9.8 6.0 7.5 2.2 12.0 76 25-29 54.7 50.3 24.1 6.7 10.6 5.3 32.1 0.0 0.0 22.3 20.5 6.8 5.4 26.0 73 Total 42.2 39.6 11.9 3.1 4.4 2

View the publication

You are currently offline. Some pages or content may fail to load.