Brasil - Demographic and Health Survey - 1992

Publication date: 1992

Nordeste Brasil Pesquisa sobre Saúde Familiar no Nordeste Brasil 1991 Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil - BEMFAM Rio de Janeiro, Brasil Macro International Inc. Columbia, Maryland USA Outubro 1992 Este relatório apresenta os principais resultados da Pesquisa sobre Saúde Familiar no Nordeste, PSFNe 1991 realizada pela Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil - BEMFAM, instituição brasileira, sem fins lucrativos, que tem por objetivo divulgar e promover o planejamento familiar no país. Essa pesquisa faz parte da segunda fase do Programa de Pesquisas Demográficas e de Saúde - DHS, desenvolvido pelo Macro International Inc., e que tem como principal objetivo coletar infonnações sobre fecundidade, planejamento familiar e saúde materno-infantil. Informaç0es adicionais sobre a PSFNe podem ser obtidas no seguinte endereço: BEMFAM - Departamento de Pesquisas Sociais Avenida República do Chile, 230 - 17 ° andar 20031-170 Rio de Janeiro - RI, Brasil Telefone: 021-210-2448 Telex: 021-30634 Fax: 021-220-4057 Esta pesquisa contou com o apoio financeiro e técnico do Macio International lnc. Macro International Inc. 8850 Stanford Boulevard, Suite 4000 Columbia, MD 21045, USA Telefone: 410-290-2800 Telex: 198116 Fax: 410-290-2999 EQUIPE DA PESQUISA Sociedade Civil Bem-Estar Familar no Brasil - BEMFAM Direção da Pesquisa Elisabeth Anhel Ferraz Treinamento Inês Quental Ferreira Coordenação Geral de Campo e Supervisão Márcia Piedade Soares Coordenaçáo Regional de Campo Fortaleza - Lucflia Maria Falcão Femandes Salvador - Maria das Graças Oliveira Filgueiras Supervisão nas Equipes Ana Carmem Almeida Ribeiro Ana Virginia Nolasco Lopes Ana Vitoria Queiroz Juçara Lopes das Neves Maria Cristina Santos Brito M~ia da Conceição Ferreira Soares Mar'm Marlinda Pinheiro dos Santos Veronica Soares Femandes Processamento de Dados Vai~ria Loppi Oliveira Secretárias Rosemary Nascimento dos Santos Lilia Consuelo Pinto Alves Macro International Inc. Assessoria Técnica Naomi Rutenberg Amostra Alfredo Aliaga Albert M. Marckwardt Processamento de Dados Júlio Ortuzar Secretária Kaye Mitchell Agradecimentos Queremos deixar registrados nossos agradecimentos a todos os que com sua dedicação e interesse tomaram possível a realização desta pesquisa, em especial os entrevistadores, o IBGE, as prefeituras dos municípios visitados, os Programas Integrados de Planejamento Familiar e a administração geral da BEMFAM. Responsáveis pela elaboração deste relatório: BEMFAM Elisabeth Anhel Ferraz Inês Quemal Ferreira Macro International Inc. Naomi Rutenberg CONTEÚDO P~gina Lista das Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ix Grí~ficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ×v Sumario e RecomendaçSes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ×vii Mapa do Nordeste Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xxiv I. Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 II. Características do Domicilio e da População Entrevistada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 III. Fecundidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 IV. Anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 V. Determinantes Pr6ximos da Fecundidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 VI. Intenções Reprodutivas, Demanda da Anticoncepção e Planejamento da Fecundidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 VIl. Mortalidade Infantil e na Infãncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 VIII. Saúde Materno-Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 IX. Amamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 X. Maridos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Anexo A Anexo B Anexo C Anexo D Desenho e Implememação da Amostra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 Estimativas dos Erros da Amostragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 Tabelas de Qualidade das Informações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175 Questionários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183 vil Tabela 1.1 Tabela 2.1 Tabela 2.2 Tabela 2.3 Tabela 2.4 Tabela 2.4.1 Tabela 2.4.2 Tabela 2.5 Tabela 2.6 Tabela 2.7 Tabela 2.8 Tabela 2.9 Tabela 2.10 Tabela 3.1 Tabela 3.2 Tabela 3.3 Tabela 3.4 Tabela 3.5 Tabela 3.6 Tabela 3.7 Tabela 3.8 Tabela 3.9 Tabela 3.10 Tabela 4.1 Tabela 4.2 Tabela 4.3 Tabela 4.4 Tabela 4.5 Tabela 4.6 TABELAS Página Resultado das entrevistas dos domicilios e individuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 População dos domicílios, por idade, residência e sexo . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 População da RegiSto Nordeste, segundo diversas fontes . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Composição do domicilio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Nível de instrução da população dos domicflios: ambos os sexos . . . . . . . . . 55 Nível de instrução da população dos domicflios: população masculina . . . . . . 56 Nfvel de instrução da população dos domicílios: população feminina . . . . . . . 57 Freqüência ~ escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Caractertsticas dos domicilios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Bens duráveis do domicilio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Características selecionadas das mulheres entrevistadas . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 Nível de instrução das entrevistadas, por características selecionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 Acesso aos meios de comunicação de massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 Fecundidade atual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 Fecundidade por características selecionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 Tendência da fecundidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 Fecundidade por duração da união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 Filhos nascidos vivos e filhos sobreviventes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 Intervalo entre os nascimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Idade na época do nascimento do primeiro filho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Idade na época do nascimento do primeiro filho, por características selecionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Fecundidade na adolescência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 Crianças nascidas de adolescentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 Conhecimento de métodos e fontes de obtenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 Conhecimento de métodos modemos e de fonte de obtenção, por características selecionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 Uso alguma vez da antíconcepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 Uso atual da anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Uso atual da anticoncepção, por características selecionadas . . . . . . . . . . . . . 78 Número de filhos quando do uso do primeiro método . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 ix Tabela 4.7 Tabela 4.8 Tabela 4.9 Tabela 4.10 Tabela 4.11 Tabela 4.12 Tabela 4.13 Tabela 4.14 Tabela 4.15 Tabela 4.16 Tabela 4.17 Tabela 4.18 Tabela 4.19 Tabela 5.1 Tabela 5.2 Tabela 5.3 Tabela 5.4 Tabela 5.5 Tabela 5.6 Tabela 5.7 Tabela 5.8 Tabela 5.9 Tabela 5.10 Tabela 6.1 Tabela 6.2 Tabela 6.3 Tabela 6.4 Tabela 6.5 Tabela 6.6 Tabela 6.7 Página Problemas com o método atual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 Conhecimento do período fértil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Época da esterilização, por idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Época da esterilização, por número de filhos vives . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Fonte de obtenção de métodos (ou suprimento) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Tempo gasto para chegar a uma fonte de obtenção de métodos anticoncepcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Interrupção do tso de métodos anticoncepcionais durante o primeiro ano de uso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Razões para a interrupção do tso de métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 Uso futuro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 Razões para o não uso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 Método anticoncepcional preferido para uso futuro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 Audiência de programa sobre planejamento familiar em rádio ou televisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 Receptividade às mensagens na mídia sobre planejamento familiar . . . . . . . . . 92 Estado civil atual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Tempo de união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Idade na primeira união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Idade mediana na primeira união . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Idade na primeira rehção ~,exual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 Idade mediana na primeira relação sexual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 Atividade sexual recente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Amenorréia, abstinência e insuscetibilidade pós-parto . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 Duração mediana da insuscetibilidade pós-parto, por caracteristicas selecionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Indicadores do t6rmino da exposição/~ gravidez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 Intenções reprodutivas por número de filhos vivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 lntenções reprodutivas por idzde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 Desejo de não ter mais filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Demanda por anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Número ideal de filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Número ideal de filhos, por características selecionadzs . . . . . . . . . . . . . . . 108 Planejamento dos nascimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Tabela 6.8 Tabela 7.1 Tabela 7.2 Tabela 7.3 Tabela 7.4 Tabela 8.1 Tabela 8.2 Tabela 8.3 Tabela 8.4 Tabela 8.5 Tabela 8.6 Tabela 8.7 Tabela 8.8 Tabela 8.9 Tabela 8.10 Tabela 8.11 Tabela 8.12 Tabela 8.13 Tabela 8.14 Tabela 8.15 Tabela 9.1 Tabela 9.2 Tabela 9.3 Tabela 9.4 Tabela 10.1 Tabela 10.2 Tabela 10.3 Tabela 10.4 Tabela 10.5 Página Taxas de fecundidade total desejada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Mortalidade infantil e na infancia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Mortalidade infantil e na infãncia, por características sêcio-econõmicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Mortalidade infantil e na inf,qncia, por características demográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Grupos de alto risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Assistência pré-natal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Número de consultas pré-natais e período da gestação quando da primeira consulta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Vacinação antitetãnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Local do parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 Assistência médica durante o parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 Características do pano: tipo, prematuridade, peso e tamanho ao nascer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 Vacinação por fonte de informação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 Vacinação por características selecionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 Vacinação no primeiro ano de vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Prevalência e tratamento das infecções respiratórias agudas . . . . . . . . . . . . . 124 Prevalência e tratamento da febre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 Prevalência da diarrêia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 Conhecimento e uso do pacote de soro reidratante oral (SRO) . . . . . . . . . . . 127 Tratamento da diarréia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 Práticas alimentares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 Inicio da amamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 Condição da amamentação, por idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 Amamentação e complementação 'alimentar, por idade . . . . . . . . . . . . . . . . 132 Duração mediana e freqüência da amamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 Características selecionadas dos maridos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 Conhecimento de métodos e de fontes de obtenção; uso alguma vez e uso atual da anticoncepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Uso atual da anticoncepção, por características selecionadas . . . . . . . . . . . . 136 lntenções reprodutivas, por idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137 Intenções reprodutivas do marido e da mulher . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 xi Tabela 10.6 Tabela 10.7 ANEXO A Tabela A. 1 ANEXO B Tabela B. 1 Tabela B.2 Tabela B.3 Tabela B.4 Tabela B.5 Tabela B.6 Tabela B.7 Tabela B.8 Tabela B.9 Tabela B. 10 Tabela B.11 Tabela B.12 Tabela B.13 Tabela B.14 Tabela B. 15 Tabeta B.16 Tabela B.17 Tabela B. 18 Tabela B.19 Tabela B.20 Tabela B.21 Tabela B.22 Tabela B.23 Tabela B.24 Tabela B.25 Página Número ideal ge filhos, por caraeteristicas selecionadas . . . . . . . . . . . . . . . 139 Diferença entre o número ideal de filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 Implementação da amostra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 Lista das variáveis para as quais c'alculou-se o erro de amostragem, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149 Erros da amostra: Amostra total, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Erros da amostra: Mar rão , PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151 Piauf, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 Ceará, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 Rio Grande do Norte, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . 154 Parafba, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 Pemambuco, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 Alagoas, PSF'Ne 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157 Sergipe, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 Bahia, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159 Áreas urbanas, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160 Áreas rurais, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161 Ne~mma instrução, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162 1-3 anos de estudo, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 4 anos de estudo, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164 5-8 anos de estudo, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165 9 ou mais anos de estudo, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . 166 Idades 15-19, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167 Idades 20-24, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168 Idades 25-29, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169 Idades 30-34, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170 Idades 35-39, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171 Idades 40-44, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 Idades 45-49, PSFNe 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173 xii ANEXO C Tabela C, 1 Tabela C,2 Tabela C.3 Tabela CA Tabela C.5 Tabela C.6 Página Distribuição da população dos domicflios por idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177 Distribuição das mulheres elegíveis e entrevistadas por idade . . . . . . . . . . . . 178 Qualidade das informações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179 Nascimentos por ano de nascimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 Idade ao morrer reportada em dias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181 Idade ao morrer reportada em meses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182 xiii Gráfico 2.1 Gráfico 2.2 Grãfico 3.1 Gráfico 3.2 Gráfico 3.3 Gráfico 3.4 Gráfico 4.1 Gráfico 4.2 Gráfico 4.3 Gráfico 4.4 Gráfico 4.5 Gráfico 4.6 Gráfico 4.7 Gráfico 4.8 Gráfico 5. I Gráfico 5.2 Gráfico 6.1 Gráfico 6.2 Gráfico 6.3 Gráfico 6.4 Gráfico 7.1 Gráfico 7.2 Gráfico 7.3 Gráfico 8.1 Gráfico 8.2 Gráfico 8.3 Gráfico 8.4 Gráfico 8.5 GRÁFICOS Página Pir,~'aide Populacional do Nordeste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Nível de Instrução por Idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 Tendência da Taxa de Fecundidade Total, Mulheres 15-34, PNSMIPF e PSFNe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Taxa Específica de Fecundidade por Idade PNSMIPF, 1986 e PSFNe, 1991 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Taxa de Fecundidade Total por Residência e Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Porcentagem de Adolescentes Mães ou Grávidas do Primeiro Filho . . . . . . . . . . . . . . 12 Conhecimento de Métodos Anticoncepcionais, Mulheres Atualmente Unidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Prevalência de Uso da Anticoncepção por Método, Nordeste 1986 e 1991 . . . . . . . . . 15 Uso da Pflula, Esterilização e Outros Métodos por Residência e Instrução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Uso da Pfiula, Esterilização Feminina, e Outros Métodos, por Estado . . . . . . . . . . . . . 16 Distribuição das Mulheres por Idade e Paridade na Epoca da Esterilização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Fonte de Obtenção para Pflula e Esterilização Feminina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Raz~.o para Não Usar Método por Idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Preferência de Método para Uso Futuro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Estado Civil por Idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Amenorréia, Abstinência e lnsuscetibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Intenções Repmdutivas, Mulheres 15-49 Anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Demanda de Anticoncepção por Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Necessidade Insatisfeita de Anticoncepção por Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Número ldeal de Filhos por Residência e lnstmção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Tendência nas Taxas de Mortalidade Infantil e na Infância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Taxas de Mortalidade Infantil e na lnfancia por Residência e Instrução . . . . . . . . . . . . 34 Taxas de Mortalidade Infantil e na Inf~cia por Características Demográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Assistência Pré-Natal por Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Local do Parto por Residência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Vacinação de Crianças de 12-23 Meses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Vacinação Completa de Crianças 12-23 Meses por Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Tratamento da Diarréia em Crianças 1-59 Meses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 XV Página Gráfico 9.1 Gráfico 9.2 Gráfico 10.1 Gráfico 10.2 Amamentação e Complementação Alimentar por Idade da Criança . . . . . . . . . . . . . . . 43 Duração Mediana da Amamentação por Residência e Instrução . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 lntenções Reprodutivas Comparação entre Maridos e Mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Diferença no Número Ideal de Filhos entre Maridos e Mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 xvi SUMARIO E RECOMENDAÇÕES Sumár io dos Resu l tados A Pesquisa sobre Saúde Familiar no Nordeste - PSFNe foi realizada em 1991 com o objetivo de coletar dados atualizados sobre fecundidade, conhecimento, atitudes e práticas de plunejamento familiar, assim como sobre saúde matemo-infantil na Regi~fo Nordeste do Brasil. Análises realizadas a partir da Pesquisa Nacional sobre Saúde Matemo-Infantil e Planejamento Familiar - PNSMIPF 1986 - um levantamento a nível nacional sobre fecundidade, planejamento familiar e saúde matemo-infantil - documentaram que a maioria das regiões do Brasil experimentou um declínio acentuado da fecundidade, devido principalmente à adoção de métodos modernos de anticoncepção, apresentando tamb6m um decréscimo na mortalidade infantil. Dentro desse quadro, a Regiíto Nordeste apresentou os mais altos níveis de fecundidade e mortalidade infantil do país. Os resultados da PSFNe documentam mudanças na Região Nordeste, nos últimos cinco anos, e permitem uma investigação em algumas das questões levantadas pela pesquisa de 1986. A PSFNe 1991 coletou informações para 6222 mulheres de 15 a 49 anos de idade, 1266 maridos e 3392 crianças com menos de 5 anos, na Região Nordeste. Dois terços dessas mulheres vivem em áreas urbanas e 42% possuem cinco ou mais anos de estudo. Cerca de 57% das mulheres estavam casadas ou em união na época da pesquisa. Metade das mulheres iniciaram sua primeira união antes de completar o vigésimo primeiro aniversário e tiveram seu primeiro filho antes dos 22 anos. Este perfil das mulheres manteve-se praticamente o mesmo desde a pesquisa de 1986. CARACTER|STICAS DAS MULHERES EM IDADE FÉRTIL 1991 1986 Caracter[stlea 15-49 15-44 Porcentagem urbana 65 61 Poreentagem 5 ou mais anos de estudo 42 40 Poreentagem em união 57 58 Casada 48 46 Uni~o consensual 9 12 Idade medlana primeira união (mulheres 25-29 anos) 20,5 20,6 Idade medlana primeiro filho (mulheres 25-29 anos) 21,3 21,5 A maior mudança ocorrida nos cinco anos entre as duas pesquisas refere-se à fecundidade. Em 1986 a taxa de fecundidade total (Tb-T) para a região era de 5,2 f'tlhos por mulher;, em 1991, a fecundidade decresceu quase 30%, passando para 3,7 filhos por mulher. A fecundidade declinou em ambas as áreas urbanas e mrais, e entre todos os grupos de idade. xvii FECUNDIDADE 1991 1991 1986 Taxa de fecundidade 15-49 " 15-44 15-44 Taxa de fecundidade total Total 3,7 3,6 5,2 Urbano 2,8 2,8 4,1 Rural 5,2 5,0 7,1 Taxas especfflcas de fecundidade por idade (por 1000 mulheres) 15-19 76 102 20-24 193 291 25-29 168 266 30-34 150 214 35-39 96 156 40-44 38 79 45-49 11 Número médio de filhos 5,6 (40-49) ' 6.8 (40-44) No mesmo período, a prevalgncia da anticoncepçí~o aumentou 11%, passando de 53% para 59%. Além disso, a prevalência de uso de métodos modemos cresceu cerca de 23% (de 44% para 54%). Este aumento do uso de mdtodos mais efetivos foi sem d~vida um dos fatores que mais influenciaram na queda da fecundidade. ANTICONCEPÇ,~O 1991 1991 1986 Uso de antlconeepçfio 15-49 15-44 15-44 Porcentagem de uso atual Algum método 59 Pflula 13 Esteriliz. feminina 38 Outro mdtodo moderno 3 Método tradicional 5 Fonte de obtenção da pflula (Distribuição p¢rcentual das usuárias de pflula) Farmácia 79 Governo i I Particular 5 Outras 3 INAMPS 2 Local da esterlllza~fio (Distribuição percentual das esterilizadas) Governo 46 INAMPS 32 Particular 20 Outro 2 Esterlllzadas (Porcentagem de mulheres esterilizadas) Antes dos 30 anos de idade 52 Com menos de 3 filhos 22 61 53 14 17 37 25 3 2 6 9 81 17 3 0 0 30 41 28 1 47 19 xvii i A mudança mais acentuada no padrão de uso da anticoncepção foi o aumento significativo na adoção da esterilização. A prevalência da esterilização entre mulheres unidas que era de 25% em 1986, aumentou para 38% em 1991. Mais da metade das mulheres esterilizadas fizeram a cirurgia antes dos 30 anos de idade e cerca de 20% tinham dois filhos na época da esterilização. Apesar da prevalência de uso da pflula ter decrescido - 13% das mulheres unidas reportaram ser a pflula o anticoncepcional atual. As farmácias são as fontes de suprimento para 80% das usuárias de pflula, enquanto 10% conseguem a pflula através dos centros ou postos de saúde do governo. Quase metade das esterilizações foi realizada num hospital do govemo, um terço, em estabelecimentos hospitalares do 1NAMPS ou conveniados e os restantes 20%, através de hospitais particulares. No total, o setor público é responsável pelo suprimento da anticoncepção para 58% das usuárias de métodos. INTENÇÕES REPRODUTIVAS Intenções das mulheres atualmente unldns 1991 1986 Porcentagem quer um outro filho mais tarde Porcentagem nfio quer mais filhos Poreentagem não quer mais filhos incluindo esterlll~adas Porcentagem demanda de antlconcepçáo Porcentagem necessidade Insatisfeita de antlcoucepçio N6mero médio Ideal de filhos 15 14 34 44 72 69 85 80 25 24 2,7 2,8 O aumento do uso da anticoncepção e o acentuado declínio da fecundidade nos últimos cinco anos contribuiram para a diminuição da diferença entre a fecundidade atual e a fecundidade desejada. Em 1986, o número ideal de filhos era 2,8, enquanto a fecundidade era de 5,2 filhos por mulher, o que representava uma diferença de mais de dois filhos. Em 1991, o número ideal de filhos permaneceu praticamente inalterado (2,7 filhos), enquanto que a fecundidade caiu para 3,7 f'dhos por mulher, diminuindo a diferença entre fecundidade atual e ideal. Por outro lado, ainda existe uma considerável necessidade insatisfeita de serviços de planejamento familiar. Enquanto 59% das mulheres em união estão usando um método, outras 26% são férteis e interessadas em espaçar ou limitar nascimentos, embora não estejam usando nenhum anticoncep- cional. A demanda total por anticoncepção na região atinge 85% das mulheres em união. A segunda mudança notável, ocorrida nesse período de cinco anos, refere-se ao declínio de 40% na mortalidade infantil e na infancia. A mortalidade no primeiro ano de vida caiu de 125 mortes para 75 mortes por 1000 nascidos vivos, e a mortalidade para crianças de 1 a 5 anos declinou de 20 mortes para 12 mortes por 1000 crianças. xix TAXA DE MORTALIDADE Taxa de mortalidade 1991 1986 Infantil 75 125 Menores de 5 anos 12 20 Este decllhio está associado a melhorias nas áreas de saúde matemo-infantih a proporção de crianças cujas mães receberam cuidados pré-natais aumentou de 55% para 64%, a porcentagem de nascimentos ocorridos em hospitais ou matemidades passou de 67% para 76%, a duração média da amamentação foi aumentada em um mês, e a cobertura da vacinação também aumentou para todas as principais vacinas infantis. SAUDE MATERNO-INFANTIL Caracter[stica 1991 1986 Filhos vivos nascidos 1-59 meses anteriores h pesquisa Porcentagem com pré-natal Porcentagem partos no hospital Porcentagem cesariana Duração média (Prev./Inc.) em meses da amamentação de crianças menores de 3 anos 64 55 76 67 18 13 8,8 7,5 Porcentagem crianças 12-23 meses com: BCG 76 58 Tríplice 3 79 50 Pólio 3 68 61 Sarampo 83 63 Os resultados ainda mostram que existem, no Nordeste, grandes diferenças entre as áreas urbanas e rurais, entre os estados da região e entre mulheres com diferentes níveis de instrução. Por exemplo, a taxa de fecundidade total nas áreas urbanas é de 2,8 filhos por mulher, enquanto que nas áreas rurais 6 de mais de 5 filhos por mulher. Menos da metade das mulheres em união no Maranhão estava usando um método, comparadas com 70% no Rio Grande do Norte. Finalmente, a taxa de mortalidade infantil de crianças cujas mães possuem nove ou mais anos de estudo é de 35 por 1000, ao passo que entre as crianças cujas mães tiveram menos de um ano de instrução esta taxa é de 125 por 1000, tres vezes e meia mais alta. XX Recomendações Assegurar o acesso aos mdtados anticoncepcionais, bem como sua diversificação, fortalecendo a informação e educação Cerca de 85% das usuárias da anticoncepção recorrem a apenas dois métodos, a pflula e a esterilização feminina. Aproximadamente metade das usuárias de pflula interrompem o uso durante o primeiro ano a partir da adoção do método, por razões que não tem ligação com o desejo de engravidar. Mais da metade das mulheres esterilizadas nos últimos dois anos tinha menos de 30 anos e três ou menos filhos. Os programas de planejamento familiar necessitam concentrar esforços no sentido de apresentar às mulheres uma gama de métodos apropriados para sua idade, paridade e intenções reprodutivas, e informá-las tamb6m das vantagens, desvantagens e possíveis efeitos colaterais de todos os métodos disponíveis. Aumentar a disponibilidade de serviços de plauejamento famUiar nas áreas rurais O tempo médio gasto para chegar a um serviço de planejamento familiar nas áreas rurais é de uma hora, comparado com apenas 15 minutos nas áreas urbanas. Além disso, um terço das mulheres casadas ou em união nas áreas rurais apresentam necessidade insatisfeita de anticoncepção. Assim, uma maior ênfase deve ser dada no sentido de expandir os serviços de planejamento familiar, permitindo o acesso da população rural a este componente básico da saúde materno-infantil. Reduzir o número de gravidezes de alto risco Quase dois terços dos nascimentos nos últimos cinco anos estão incluidos em pelo menos uma categoria de elevado risco de mortalidade: ou em conseqüência da mãe ter menos de 18 anos ou mais de 35 anos, ou por ter ocorrido antes de se terem passado 24 meses do nascimento anterior, ou por ser o quarto ou mais, na ordem dos nascimentos. A expansão de serviços apropriados de planejamento familiar que assistam às mulheres que desejam postergar, espaçar ou limitar nascimentos contribuirá para reduzir esse risco. Adicionalmente, o risco de mortalidade para todos os nascimentos poderá ser reduzido incentivando as mulheres a recorrerem ao atendimento pré-natal e '~ assistência adequada no momento do parto. Reduzir a exposição à diarrdia atravds da melhoria de serviços de saneamento básico e da educação das mães sobre práticas apropriadas de alimentação infantil Menos de um quarto dos domicflios nas áreas rurais tem acesso à água encanada e a instalações sanitárias. Estas facilidades faltam também em 10% dos domicflios urbanos. Além disso, em tomo dos seis meses de idade, menos de um terço das crianças são amamentadas, senão que a grande maioria das crianças dessa idade são alimentadas por mamadeiras. A falta de condições higiêrUcas adequadas e a introdução precoce da prática alimentar, através da mamadeira, contribuem para aumentar a incidência da diarréia entre a população de crianças. Melhorias nos serviços de saneamento básico e campanhas incentivando uma amamentação mais prolongada, com a finalidade de postergar a complementação alimentar, contribuiriam de forma significativa para a redução a exposição à diarréia. xxi Expandir o programa de imunização O aumento da proporqão de crianças imunizadas tem sido, sem dúvida, um fator importante no recente declínio da mortalidade infantil e da infância no Nordeste. É essencial que o programa de irounização seja mantido, com o objetivo de tomar universal a imunização das crianças nesta região. Compartilhar as experiências entre os estados da região Embora compartilhem dos problemas gerais da região, alguns estados tiveram mais sucesso que outros na promoção de serviços de saúde materno-infantil e planejamento familiar, nas campanhas de vacinação e no aconselhamento às mães sobre os cuidados apropriados ao tratamento de doenças infantis. É importante que as secretarias de saúde estaduais e municipais compartilhem suas experi¿~ncias em programas bem sucedidos e promovam a disseminação desses programas para toda a região. xxii NORDESTE BRASIL MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE ,--,DO NORTE PLAUí PARAíBA /" P / / / % f BAHIA I t \ «- ~!.J/\ J ° '1% f - -~ "~'? S PERNÁMBUCO ç.- " \ t / / f t f I, xxiv I. INTRODUÇAO A Pesquisa sobre Saúde Fami l ia r no Nordeste - PSFNe 1991 A Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil (BEMFAM), desde 1979, vem realizando estudos na área de saúde materno-infantil e plunejamento familiar com base em pesquisas domiciliares. Em 1986, realizou a Pesquisa Nacional sobre Saúde Materno-Infantil e Planejamento Familiar (PNSMIPF), trabalho de referência neste campo. A Pesquisa sobre Saúde Familiar no Nordeste (PSFNe), realizada em 1991, dá continuidade a esse trabalho, procurando aprofundar as questões sobre saúde matemo-infantil e planejamento familiar na região. Esta pesquisa contou com o apoio técnico e financeiro do Macro Intemational lnc. e faz parte da segunda fase do Programa Mundial de Pesquisas Demográficas e de Saúde (DHS). A PSFNe 1991 teve como primeiro objetivo fornecer informações sobre os níveis atuais de fecundidade, mortalidade infantil, conhecimento e uso da anticoncepção, intenções reprodutivas, demanda de anticoncepção, plunejamento da fecundidade, uso de serviços de saúde materno-infantil, nutrição infantil, imunização, tratamento de doenças infantis e conhecimento sobre doenças sexualmente transmissfveis/AIDS. A partir dessas informações, pretende-se realizar análises que permitam investigar as causas da alta fecundidade e mortalidade infantil nessa região, assim como avaliar a qualidade das atenções primárias de saúde materno-infantil e planejamento familiar, com a finalidade de fornecer subsídios para a formulação e implantação de pelfticas nessas áreas. Outro objetivo da pesquisa é desenvolver formas metodo16gicas de análise dos dados coletados pela PSFNe, aprofundando alguns temas específicos. O Nordeste é uma das cinco grandes regiões do Brasil, ocupando uma área de 1.556.000 krn 2, o que significa 18% da área total do pais. Trata-se da segunda maior regi'ao em termos de contingente populacional, em tomo de 42 milhOes de habitantes, representando 29% do total da população brasileira. Sua economia é bastante diversificada: embora voltada predominantemente para o setor primário (agro-pecuária, pesca e extração) possui dois grandes parques industriais nas regiões metropolitanas de Salvador e Recife, além de um setor terciário desenvolvido. Apesar disso, trata-se de uma das regiões mais pobres do Brasil, em conseqüência da desigualdade na distribuição de renda, e se caracteriza pelos mais baixos indicadores sócio-econúmicos e demográficos. Metodologia Para o levantamento dos dados, adotou-se metodologia de entrevistas domiciliares, com apficação de quatro tipos de questionários: uma ficha de domicilio, um questionário para mulheres, um para maridos e um, mais breve, sobre as comunidades. Estes questionários tiveram como base o Modelo A, usado pelas Pesquisas Demográficas e de Saúde (DHS), e que é comparável com o da Pesquisa Nacional sobre Saúde Matemo-lnfantil - PNSMIPF 1986. A ficha de domicilio levantou infurmações sobre todos os moradores habituais e visitantes que dormiram no domicilio na noite anterior '~ entrevista. Essas informações referem-se à idade, sexo, instrução, filiação e relação com o chefe do domicilio. Além dos dados dos moradores, foram'coletadas informações sobre as características e as condições sócio-sanitárias do domicilio. O questionário de mulheres, além de investigar suas características sócio-econ6micas, abrangeu questões sobre reprodução, anticoncepção, gravidez e amamentação, vacinação, prevalência e tratamento de doenças críticas infantis, planejamento da fecundidade e conhecimento sobre doenças sexualmente transmissfveis/AIDS. No final, este questionário contém um calendário, onde foram registradas, m~s a m~s, para os últimos 5 anos, informaç6es sobre os seguintes eventos da vida da entrevistada: gravidez, nascimentos, abortos, uso e interrupção de uso de métodos anticoncepcionais, amenorr6ia e abstinencia p6s-parto, amamentação, uniões, mudanças e locais de residência, e ocupação. Este calendário possibilitou um maior detalhamento e checagem das informações obtidas pelo questionário. O questionário dos maridos permite uma comparaçao com as informações levmltadas para as mulheres sobre reprodução, anticoncepção, planejamento da fecundidade e conhecimento de doenças sexualmente transmissfveis/AIDS. Além das entrevistas domiciliares, foram levantados dados sobre as comunidades referentes aos setores censitários selecionados. O questionário para a comunidade contém informações suscintas sobre serviços de saúde, transporte, educação e atividades econõmicas. Amostra A amostra da pesquisa, uma subamostra da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE, foi desenhada para se obter resultados representativos para o total da região, para as áreas urbanas e rurais e para cada estado independente. Trata-se de uma amostra probabilfstica, selecionada aleatoriamente em dois estágios: no primeiro estágio, selecionaram-se os setores censitários, e, no segundo, os domicflios dentro de cada setor. Em cada domicilio selecionado, foram entrevistadas todas as mulheres de 15 a 49 anos. Para a entrevista com maridos, utilizou-se uma subamostra de domicflios, correspondente à metade do total da amostra. Nesses domicflios, foram entrevistados todos os maridos de mulheres entrevistadas. O número de domicflios selecionados foi de 7695, com 6064 entrevistas completas, sendo identificadas 6843 mulheres e entrevistadas 6222. Para os maridos, foram identificados 1689 e entrevistados 1178. Trabalho de Campo Para facilitar a operacionalização do trabalho de campo, a região foi dividida em duas áreas de coordenação, sediadas em Salvador e Fortaleza, capitais dos Estados da Bahia e Ceará, respectivamente. Em cada local, foi realizado um treinamento de duas semanas, ministrado pela mesma equipe, formada por membros, da BEMFAM e do Macro Intemational Inc., para garantir a uniformidade das informações. O treinamento constou de uma parte teórica (aulas sobre os temas abordados pela pesquisa, compreensão e manejo do questionário), e de uma parte prática, com aplicação de questionários. A partir desses treinamentos, foram selecionadas oito equipes, quatro para cada área. Cada equipe compunha-se de uma supervisora, três entrevistadoras e um entrevistador, responsável pela entrevista com os maridos. 2 O trabalho de campo teve início logo apús os treinamentos, desenvolvendo-se durante o período de agosto a dezembro de 1991. Cada equipe ficou encarregada de um determinado número de setores e recebeu um roteiro de deslocamentos, previamente planejado pela coordenação. Para garantir a qualidade dos dados, as supervisoras revisaram os questionários em campo e checaram periodicamente algumas entrevistas. Os questionários foram novamente revisados pelas coordenadoras de cada área, que, além dessa tarefa, visitaram cada equipe para dar reciclagens e minimizar erros. As equipes foram visitadas, tambúm, pelo "staf?' central da pesquisa, que fez supervisão durante todo o pertodo do campo. Processamento dos Dados O processamento dos dados foi realizado simultaneamente ao trabalho de campo. Para a entrada dos dados, edição e tabulação foi utilizado o software ISSA (Integrated System for Survey Analysis). II. CARACTERíSTICAS DO DOMICíLIO E DA POPULAÇAO ENTREVISTADA As informações sobre as características sócio-econômicas e demográficas dos domicflios, das mulheres e maridos entrevistados na PSFNe são úteis para a interpretação dos resultados da pesquisa. Além disso, a comparação dessas informações com resultados de outras pesquisas e censos da uma medida da representatividade da pesquisa. Características da Populaçâo do Nordeste Idade A distribuição percentual da população dos domicflios na PSFNe por grupos etários é mostrada no Grí~fico 2.1. Esta distribuição apresenta maiores poreentagens da população nos grupos mais jovens, quando comparados aos grupos mais velhos, refletindo a alta fecundidade num passado recente. O declfnio em números absolutos encontrado na coorte mais jovem (crianças de 0-4 anos de idade na 6poca da pesquisa), também encontrado nos dados da PNAD, pode ser um reflexo da recente queda da fecundidade na região. Outro reflexo do declínio da fecundidade na Região Nordeste é a diminuição da razão de dependência, isto é, o número de crianças menores de 15 anos e de adultos com 65 anos ou mais para cada adulto em idade produtiva (15-64 anos). A razão de dependência em 1991 foi de 8 l, comparada com a razão de 84 em 1989, de 92 em 1980 e de 94 em 1970. Gráfico 2.1 Pirâmide Populacional do Nordeste Idade 80+ 75-79 70-74 65-69 60-64 55-59 50-54 45-49 40-44 35-39 30-34 25-29 20-24 15-19 10-14 5-9 0-4 2000 1500 1000 NO. de Homens 500 O 500 1000 1500 2000 No, de Mulheres PSFNe 1691 O número relativamente maiorde mulheres com idades de 10 a 14 anos, em comparação com homens e mulheres com idades de 15 a 19 anos, e o ligeiro aumento da quantidade de mulheres no grupo 50-54 anos, sugere que as entrevistadoras podem ter omitido ou trocado a idade de algumas mulheres que eram elegíveis para a entrevista. A análise dessas omissões por Rutstein e Bicego (1990) a indica que os efeitos desse "erro" nas idades dos extremos da amostra (15 e 49) são mínimos. Composição dos Domicílios No Nordeste, 79% dos domicflios são chefiados por homens e 21% por mulheres. A proporção de chefes de domicilio do sexo feminino é maior nas áreas urbanas (24%) do que nas mrais (17%). O número médio de moradores dos domicflios no Nordeste é de 4,7, sendo que em apenas 11% deles encontrou-se um adulto, em 42%, dois adultos, e, em 47%, tr~s ou mais pessoas adultas. Em 14% dos domicflios existiam crianças menores de 15 anos (uma ou mais) que não tinham nem mãe nem pai naturais morando com elas. Instrução No Nordeste, 34% da população com mais de 6 anos nunca foi a uma escola ou recebeu menos de um ano de educação, 55% atingiu algum nível do primeiro grau e 10% terminou alguma série do secundário ou do curso superior. Existem grandes diferenças de nível de instrução entre as áreas urbanas e rurais e entre os estados da região. Quase metade da população com mais de seis anos das áreas rurais (48%) ou teve menos de um ano de estudo, ou não teve nenhuma instrução, comparada com 24% da população urbana nesta situação. Somente 2% dos residentes nas áreas rurais atingiram algum nível secundário ou superior contra 15% dos das zonas urbanas. O Maranhão foi o estado que apresentou maior porcentagem de população sem nenhuma instrução ou com menos de um ano de estudo (41%), e o Rio Grande do Norte, a porcentagem mais baixa (28%). As mulheres possuem maior escolaridade do que os homens, no Nordeste. O número mediano de anos de estudo entre as mulheres 6 de 2,8, comparado com 2,0 entre os homens. Tanto o nIvel de instrução quanto o diferencial de instrução entre homens e mulheres aumentaram recentemente. Por exemplo, o número mediano de anos de instrução entre mulheres de 20-24 anos de idade foi de 5,6 e, entre os homens, de 4,7, enquanto que, entre mulheres e homens de 35-39 anos, este número foi de 3,2 e 2,7, respectivamente. Entre a população feminina jovem, com idades entre 7 e 15 anos, 82% freqüentavam uma escola na época da pesquisa; metade das mulheres com idades de 16 a 20 anos estavam na escola, assim como 23% das de 21-24 anos. A porcentagem de freqüência ã escola é mais baixa nas ~reas mrais do que nas urbanas, e, em ambas as áreas, a freqüência escolar da população masculina depois da idade de 10 anos é inferior à da feminina. Rutstein S.O. e G.Bicego. 1990. "Assessment of the Quality of Data Used to Ascertain Eligibility and Age in the Demographic and Health Surveys," in An Assessment of DHS-I Data Quality. DHS Methodological Reports No.1. Columbia, Maryland: lnstitute for Resource Development. 6 Características dos Domicílios No total, 71% dos domicflios no Nordeste possuem elctricidade. Enquanto, na maioria dos domi- cflios urbanos, a eletricidade está instalada (95%), apenas uma minoria dos domicflios rurais (35%) possui energia elétrica. Nos domicflios, a fonte de água usada para beber difere consideravelmente segundo a úrea de residência. A maioria dos domicflios urbanos (77%) possui água encruzada dentro de casa, 6% pegam a água numa torneira pública ou chafariz, e 7% num poço no prúprio terreno. As principais fontes de água nas áreas rurais são: poço no terreno ou público (29% e 10%, respectivamente), água encanada dentro de casa ou chafariz (14% e 10%, respectivamente) e rio ou lago (ambos com 11%). Instalações sanitárias modemas são amplamente acessíveis nas áreas urbanas: três quartos dos domicflios possuem um banheiro privativo, com vaso sanitário com descarga. Isto não é comum nas áreas rurais, onde 70% dos domicflios não têm qualquer tipo de instalação sanitária. O tipo mais comum de piso é o cimento, tanto nas áreas urbanas como nas rurais. O segundo material mais usado para o piso é a cer,~ica, nas áreas urbanas, e a terra batida, na zona rural. O número de pessoas por cúmodo usado para dormir é a medida da densidade de pessoas no domicilio. Esta taxa mostrou-se baixa: em 79% dos domicflios urbanos, e em 66% dos rurais, o número médio de pessoas por quarto de dormir foi de um ou dois. No total, 69% dos domicflios tinham um rádio, 50% tinham televisão, 43% uma geladeira, 27% bicicleta, 10% automóvel e 3% motocicleta. Com exceção das bicicletas, que são igualmente comuns nas áreas urbanas e rurais, os domicflios urbanos mostraram mais condiç5es de possuir bens de consumo duráveis. Características das Mulheres em Idade Reprodutiva A distribuição percentual por idade das mulheres entrevistadas apresenta o padrão esperado, com uma proporção maior de mulheres no grupo de 15-19 de idade (22%), e com proporçúes que decrescem sucessivamente em cada grupo etário mais velho. Apenas o grupo de 35-39 anos foge a esse padrão, sendo um pouco maior que o grupo precedente, de 30-34 anos. Este fato pode estar relacionado a problemas com a declaração da idade pelas mulheres entrevistadas. Cerca de 48% das mulheres disseram estar casadas e 9% em união consensual (para um total de 57% de mulheres em união). Entre as demais, 8% são separadas, divorciadas ou viúvas e 36% nunca haviam estado em união. Dois terços das mulheres em idade fértil são habitantes das áreas urbanas, e mais da metade delas (59%) mora no Ceará, Pemambuco e Bahia. Cerca de 81% das entrevistadas reportaram sua religião como católica romana, 5% declararam ser evangélicas, 11% disseram não seguir nenhuma religião, e o restante disse pertencer a outras religi0es. Entre o total das mulheres, 19% não têm nenhuma instrução ou frequentou por menos de um ano a escola, 24% estudaram de 1 a 3 anos, 15% completaram 4 anos de estudo (primário), 24% cursaram de 5 a 8 anos do primeiro grau, e 18% atingiram o segundo grau ou a universidade. A pesquisa mostrou que tem acontecido um grande progresso na área de educação entre as mulheres no Nordeste: enquanto 38% das mulheres de 45-49 anos nunca foram a uma escola, apenas 6% das com 15-19 anos não possuem nenhuma instrução (ver Gráfico 2.2). 7 Gráfico 2.2 Nível de Instruç&o por Idade Porcentagem 50 40 30 20 10 O 45-49 40-44 35-39 30-34 I dade 25-29 20-24 15-19 PSFNe 1991 III. FECUNDIDADE A taxa de fecundidade total TFT ~ obtida pela Pesquisa sobre Saúde Familiar no Nordeste (PSFNe) para mulheres de 15-49 anos de idade é de 3,7 filhos por mulher, sendo que, nas áreas urbanas, esta taxa é de 2,8 filhos, e, nas rurais, 5,2. 2 Comparações com dados de 1986 indicam que, nos últimos cinco anos, houve um decllhio de aproximadamente 31% na fecundidade para a Regi~o Nordeste. Este decltnio foi observado tanto nas áreas urbanas como nas rurais (a taxa de fecundidade total nas áreas urbanas teve um decl ino de 31%, e, nas áreas rurais, de 27%). Nota-se que, desde os quinqüênios de 1971-76 e de 1976-81, a fecundidade na região vem apresentando uma queda que, apesar de modesta, é constante. A partir de 1980, o ritmo deste declInio começa a acelerar-se (ver Gráfico 3.1). TFT Gráfico 3.1 Tendência da Taxa de Fecundidade Total, Mulheres 15-34, PNSMIPF e PSFNe 6 5 4 3 2 1972 , , ~ , , , , , ~ r , , , ~ , , 1976 1980 1984 1988 1992 Ano Nota: Os pontos mostrados representam os anos centrais dos per íodos qu]nqfienais A taxa de fecundidade geral (TFG), que é o número de nascimentos por 1000 mulheres de 15-44 anos de idade, é de 124 por 10(30, e a taxa de natalidade bruta é de 26,6 nascimentos por 1000 pessoas da região. A taxa de fecundidade total consiste no mímero mOAio de filhos que uma mulher pode ter até o final de sua vida reprodutiva, caso sejam mantidas as atuais taxas específicas de fecundidade por idade. z As estimativas para os níveis atuais da fecundidade aqui estudadas têm como referência o período dos três últimos anos que precedeu a pesquisa. O período que compreende os últimos três anos 6 usado com o intuito de apresentar uma informação mais atualizada, minimizar os erros amostrais e, finahnente, evitar erros de alocaçao dos nascimentos ocorridos nos cinco ou seis anos anteriores à pesquisa, quando silo usados períodos de cinco anos. 9 Como pode ser visto no Gráfico 3.2, as taxas de fecundidade por idade na Região Nordeste mostram um padrão tfpico de fecundidade jovem, onde a fecundidade máxima se encontra no grupo etário de mulheres de 20-24 anos. Entretanto, nos últimos cinco anos, o maior declínio da fecundidade foi observado entre mulheres de 20 a 29 anos de idade. 500 225 10 150 75 ~ « 9 15-19 Gráfico 3.2 Taxa Específica de Fecundidade por Idade PNSMIPF 1986 e PSFNe 1991 Filhos Vivos por 1000 Mulheres 291 ~Y~ ~ ~ ~ 266 « ~ ~ ~ 214 / 76 i i i r L 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 Idade 1991 / "~PH5MIPF 1585 - -PFaNe 45-49 Diferentes nfveis de fecundidade são encontrados segundo certas características da mulher (ver Gráfico 3.3). Ao final de sua vida reprodutiva, as mulheres residentes nas áreas rurais têm, em geral, 2,4 filhos a mais que as mulheres das áreas urbanas. A Parafba é o estado que apresenta a mais baixa taxa de fecundidade (TFT é igual a 2,6 filhos por mulher), e o Maranhão, a mais alta (TFT é 4,6 f'nhos). Mulheres sem nenhuma instrução têm uma fecundidade total quase três vezes maior que aquelas com 9 ou mais anos de estudo ( l lq ' é de 5,8 e 2,0 filhos por mulher nas respectivas categorias). O número médio de ftlhos nascidos vivos de mulheres de 40-49 anos é uma medida do nível de fecundidade que prevaleceu no passado. Mulheres de 40-49 anos geralmente já encerraram sua vida reprodutiva, e o ntlmero m&lio de filhos nascidos dessas mulheres permite uma comparação com a TFT, medida que expressa a fecundidade atual. A porcentagem de queda recente da fecundidade foi maior nos estados da Paralba (52%) e Rio Grande do Norte (47%), e menor no Maranhão (29%) e na Bahia (30%). Um outro aspecto relacionado com os níveis e as tendências da fecundidade são os intervalos ou espaçamento entre os nascimentos. A maiores intervalos entre nascimentos se associa um menor número de f'fl_hos, além de mudanças na distribuição dos nascimentos ao longo do período reprodutivo da mulher. É reconhecido que crianças nascidas ap6s um curto intervalo tem maior risco de morrer. 10 Gráfico 3.3 Taxa de Fecundidade Total por Residência e Estado, Mulheres 15-49 Anos Nordeste Urbano Rural Para|ba Rio Grande do Norte Plau| Serglpe Cear& Pernambuco Bahla Alagoas Maranh~o 3.7 2.8 5.2 2.7 3.2 3.4 • . 3.4 3.5 . . . . 3.7 -- . . . , 4 . 5 ,+ "~ " + . . . . . 4.6 1 2 3 4 5 TFT PSFNo 1991 Cerca de 41% dos segundos ou posteriores nascimentos ocorridos nos últimos cinco anos na Região Nordeste aconteceram num período menor que dois anos ap6s o último nascido vivo, sendo que um pouco mais da metade desses nascimentos tiveram um espaçamento de menos de 18 meses em relação ao nascido vivo anterior. Pode-se dizer que, na Região Nordeste, ocorre uma maior incidência de intervalos curtos para os nascimentos entre mulheres com menos de 30 anos de idade, com paridade alta, residentes nas ~ireas rurais e com pouca instrução. Em relação aos estados da região, uma maior proporção de intervalos curtos entre os nascimentos 6 observada no Piauf, Maranhão e Alagoas. A idade em que as mulheres iniciam a vida reprodutiva atoa de forma determinante sobre os ntveis da fecundidade de uma população específica. FreqUentemente, quedas nos níveis da fecundidade estão associadas a uma postergação do início da reprodução. No Nordeste como um todo, as mulheres começam a vida reprodutiva relativamente jovens, sendo que metade delas tem o primeiro filho antes de completar 22 anos de idade. O início da matemidade ocorre ainda mais cedo para as mulheres das áreas rurais, do Estado de Alagoas e entre aquelas com baixa instrução (a idade mediana 6 de 20 anos). A fecundidade entre adolescentes 6 um t6pico de grande interesse, não s~ no que se refere ao fator saúde, mas também por suas implicações de caráter demogr~ico e sócio-econSmico. 11 No Nordeste, a porcentagem de adolescentes (15-19 anos de idade) que já eram mães ou estavam grávidas no momento da entrevista é de 15%, sendo que a maior parte delas (11%)já tinham tido pelo menos um filho nascido vivo (ver Gráfico 3.4). A incidência da matemidade e/ou gravidez nesta faixa etária é mais freq~lente entre jovens das áreas rurais, no Estado do Rio Grande do Norte e entre as com pouca instruç~to. Entre as mulheres de 15-19 anos de idade com filho nascido vivo (11%), 9% tiveram apenas um filho, e somente 2% dois ou mais filhos. Como o esperado, à medida em que aumenta a idade entre as adolescentes, cresce a porcentagem das que íiveram filhos nascidos vivos. Assim, entre as mulheres com 19 anos de idade, 17% reportaram um filho nascido vivo, e 5% dois ou mais filhos. Gráfico 3.4 Porcentagem de Adolescentes (15-19 Anos) Mães ou Grávidas do Primeiro Filho Porcentagem Nordeste 15 16 17 18 19 0 1-3 4 S -8 9+ IDADE ANOS DE ESTUDO pSFNe 1991 12 IV. ANTICONCEPÇA, O A prevalência da anticoncepção no Nordeste é um dos temas centrais desta investigação. Entretanto, antes de abordar o uso atual de métodos anticoncepcionais, toma-se necessário analisar as condições pr6vias para a adoção da prática anticonceptiva, como o conhecimento de métodos, o conhecimento de fontes de obtenção e informação e o uso anterior de algum método. Conhec imento de Métodos e de Fontes de Obtençho O conhecimento de métodos m'~ticoncepcionais foi testado na PSFNe de duas maneiras: primeira- mente, pediu-se às entrevistadas que citassem todos os métodos que conheciam. Em seguida, os métodos não citados espontaneamente foram mencionados para que dissessem sejá tinham ouvido falar sobre eles. Para cada método conhecido, espontaneamente citado ou não, perguntou-se hs entrevistadas se conheciam alguma fonte de obtenção ou informação. A maioria das mulheres do Nordeste conhece pelo menos um método anticoncepcional, sendo que, entre as mulheres unidas, esse conhecimento é quase universal (99,8%). Praticamente a mesma proporção de mulheres conhece algum método moderno (pflula, DIU, esterilização, condom ou preservativo, injeções hormonals e métodos vaginais como diafragma, geléia e óvulos), enquanto que os métodos tradicionais (abstinência periódica ou tabela, coito interrompido, etc.) apresentaram porcentagens mais baixas de conhecimento. Ao analisar o conhecimento por método, observa-se que os mais conhecidos são a pflula, a esterilizaç~fo feminina e o condom. Seguem-se as injeções e a abstinência periódica (ver Gráfico 4.1). Gráfico 4.1 Conhecimento de Métodos Anticoncepcionais Mulheres Atualmente Unidas Algum Método Algum Método Moderno Algum Método Trad, Pí lu la Este r i l lz . Feminina Condom InJeções Abstln&ncla Periód. CoRo Interrompid© Ester]Uz. Masculina DIU Métodos Vaginais ~~~ ~ ] 20 40 60 80 Porcentagem 100 PSFNe 1991 13 A porcentagem de mulheres que sabem onde obter algum método é um pouco menor que a porcentagem de conhecimento de métodos. Esta relação aparece também quando se observa o conhecimento de fonte de obtenção ou informação para cada método específico, sendo que, em alguns casos, a diferença é bastante alta, sugerindo que maltas entrevistadas ouviram falar do método, mas não sabem onde obte-lo. O conhecimento de métodos e de fontes é amplamente difundido entre os diferentes grupos da população do Nordeste: 99,6% das mulheres nas áreas rurais e 100% das mulheres nas áreas urbanas conhecem algum método modemo. Uso de Métodos Com o objetivo de medir a prática da anticoncepção passada e amai, perguntou-se a todas as mulheres que conheciam métodos se já haviam usado algum. Mais da metade do total de mulheres e mais de tr~s quartos das mulheres casadas ou unidasjá haviam usado algum tipo de método, sendo que quase a mesma proporção havia experimentado um método modemo. A pflula foi o método mais usado pelos dois grupos, seguida da esterilização. Outros métodos com algum destaque foram os tradicionais (abstinência periódica e coito interrompido) e o condom. Quando se analisa o uso passado de algum método para o total de mulheres por grupos de idade, nota-se que este é mais baixo entre as mulheres de 15-19 anos, subindo com a idade até atingir uma maior porcentagem no grupo etário de 30-34 anos, e caindo a seguir nos demais grupos. O mesmo padrão é encontrado quando se observa cada método especlfico, sendo que, para a esterilização, a porcentagem maior de uso encontra-se entre as mulheres de 35-39 anos. Considerando-se as mulheres casadas ou unidas por grupos de idade, observa-se que o uso passado é alto desde o grupo mais jovem, atingindo seu maior percentual também no grupo de 30-34 anos. O uso por tipo de método mostra a mesma tendência, embora a pflula tenha sido mais usada pelas mulheres de 20 a 24 anos. Apenas o condom foge a esse padrão, com maior prevalência de uso passado entre mulheres pertencentes aos grupos etários mais jovens. Prevalência de Uso da Antieoneepção Para todas as mulheres que j á haviam usado algum método, e que não estavam grávidas, perguntou-se se estavam usando algum anticoncepcional na época da pesquisa. Cerca de 59% das mulheres atualmente casadas ou unidas (ou seus parceiros) estavam usando um método anticoncepcional. O método mais usado entre as mulheres unidas é a esterilização feminina: 38% declararam que haviam feito esta cirurgia para não ter mais filhos. Em segundo lugar aparece a pflula, com uma prevalência de uso de 13%. Os demais métodos apresentam percentuais de uso bem mais baixos. No Gráfico 4.2, temos a comparação entre a prevalência de uso de métodos encontrada na PSFNe 1991 e na PNSMIPF 1986. Como se pode observar, a prevalência total aumentou seis pontos percentuais de 1986 para 1991, sendo que este cmscimento deveu-se quase exclusivamente ao aumento da esterilização, uma vez que a pflula e os métodos tradicionais apresentaram uma redução em seus percentuais. 14 Gráfico 4.2 Prevalência de Uso da Anticoncepção por Método, Nordeste 1986 e 1991 Não usando 47% Não usando 41% Ester. Fero. 38% radlc lanals 5% Outro8 2% Tradicionais 9% Pílula 13% Outros 3% PNSMIPF 1986 (Mulheres Unidas 15-44) PSFNe 1991 (Mulheres Unidas 15-49) A prevalência total de uso de métodos de acordo com a idade da mulher apresenta a forma de uma curva convexa, atingindo uma percentagem de uso mais alta no grupo de 35-39 anos, onde 68% das mulheres unidas estavam usando algum método na época da pesquisa. Porcentagens mais baixas de uso são observadas nos grupos etários extremos da vida reprodutiva. Em relação ao uso de cada método especlfico por grupos de idade, observa-se que, entre as mulheres casadas ou unidas, a pflula e o condom apresentam percentuais mais altos no grupo mais jovem, diminuindo com o aumento da idade. A prevalência de uso da esterilização sobe rapidamente com a idade da mulher, atingindo a maior porcentagem no grupo etário de 35-39 anos, no qual 52% das mulheres casadas ou unidas estão esterilizadas. Os Gráficos 4.3 e 4.4 apresentam informações mais detalhadas a respeito da anticoncepç~o nos diferentes subgrupos da população entrevistada pela pesquisa. A prevalência de uso da anticoncepção é bem mais alta entre as mulheres residentes nas áreas urbanas, quando comparadas com aquelas das áreas rurais (66% e 49%, respectivamente), não só no que se refere ao uso total, mas também para cada método específico. Entre os estados da Região Nordeste, o Rio Grande do Norte apresenta a mais alta porcentagem de mulheres urddas usando algum método anticoncepcional (70%), seguido por Sergipe, Paralba e Piauf (66% em cada estado). As menores prevalências de uso da anticoncepção sífo encontradas entre mulheres unidas do Maranhão (48%), de Alagoas e do Ceará (54% para ambos). Em todos os nove estados da região, observa-se o mesmo padrão de uso de métodos. Uma grande porcentagem das mulheres usuárias da anticoncepção ou foram esterilizadas, ou estavam usando pflula na época da pesquisa. Sergipe é o estado que apresenta a maior porcentagem de mulheres usuárias de pflula, e o Piauf o que apresenta a maior poreentagem de mulheres esterilizadas. Entre as usuárias da anticoncepção em Sergipe, 28% estavam usando a pflula, e, no Piauf, 79% das mulheres que estavam usando algum método tinham sido esterilizadas. 15 Gráfico 4.3 Uso da Pílula, Esterilização e Outros Métodos por Residência e Instrução Porcentagem 100 80 60 40 20 O Nordeste Urbano Rural 0 1-3 4 5-8 RESIDÊNCIA ANOS DE ESTUDO I BBPílula []Esterilização Fero. E~]Outros* i * inclui DIU, injeções, métodos vaginais, condom, ester, masculina, e mét. trad. 9+ PSFNe 1991 100 80 60 40 20 O Gráfico 4.4 Uso da Pílula, Esterilizaçáo Feminina, e Outros Métodos, por Estado Porcentagem Rio Gde Ser9ipe Para~ba Piau~ Pernam- Bahia Ceará AlagoasMaranhão do No~e buco * Inclui DIU, Injeç6es, métodos vaginais, condom, ester, masculina, e tu~t. trad. PSFNe 1991 ]6 A instrução está associada ao uso da anticoncepção: quanto maior a instrução, maior a porcentagem de mulheres usando algum método. Esta relação também é válida para cada método especffico. A prevalência de uso da anticoncepqão entre mulheres casadas ou unidas sem instrução é de 44%, ao passo que, entre aquelas com 9 ou mais anos de estudo, a porcentagem sobe para 77%. Entretanto, é importante mencionar que, entre a população feminina com maior instrução, encontra-se uma maior porcentagem de mulheres que estão no auge do período reprodutivo e, portanto, têm maior propensão a usar anticoncepcionais. Entre as mulheres alguma vez casadas ou unidas que jí~ usaram algum anticoncepcional, um número significativo usou o primeiro método antes ou logo após o primeiro filho (23% e 21%, respectivamente). É interessante observar que, quanto mais jovem a mulher, maior a incidência de uso de algum método antes do primeiro filho. Perguntadas se tinham algum problema com o uso do método atual, a maioria respondeu negativamente. Entre as mulheres usuárias da pflula, 20% apontaram efeitos colaterais ou problemas de saúde. Para 20% das usuárias do condom, os problemas citados estão relacionados à inconveniência de uso e ao fato dos companheiros não gostarem do método. O conhecimento do período fértil é importante quando se considera o uso dos metodos vaginais, coito interrompido, condom e, principalmente, dos métodos de abstinência periódica ou tabela. Quarenta por cento das entrevistadas não souberam precisar em que época do ciclo menstrual a mulher tem uma maior probabilidade de engravidar, e 26% disseram que o período mais propenso era logo depois da menstruação. Somente 14% deram a resposta "correta": no meio do ciclo menstrual. Entretanto, entre as mulheres que usam ou já usaram a abstinência periódica, a época do período fértil é mais conhecida do que para as mulheres em geral. Neste grupo, 35% disseram que a época mais propícia era no meio do ciclo. É importante mencionar que 19% das mulheres que usam ou já usaram a abstinência periódica não souberam responder quando ocorre o período mais fértil da mulher. A distribuição percentual das mulheres esterilizadas por idade e paridade na época da cirurgia é apresentada no Gráfico 4.5. Observa-se que no Nordeste metade das mulheres esterilizadas nos últimos dois anos fizeram a cirurgia quando tinham aproximadamente 30 anos de idade e tr~s filhos (a idade mediana é 29,9 anos e o número mediano de filhos na época da cirurgia é 2,8 filhos). Vinte e um por cento das mulheres fizeram a cirurgia com menos de 25 anos de idade, 30% entre 25 e 29 anos, 22% entre 30 e 34 anos, 23% entre 35 e 39 anos e finalmente 4% na faixa etária de 40-44 anos. Em relação à paridade na época da esterilização 2% tinham somente um filho, 30% dois, 24% três, 13% quatro, 14% cinco e 18% tinham seis ou mais filhos. Em relaç'ão à tendência da adoção da esterilização, verifica-se, num período mais recente, um aumento na poreentagem de mulheres que se esterilizaram depois do segundo filho. 17 Gráfico 4.5 Distribuição das Mulheres por Idade e Paridade na Época da Esterilização 25-29 30% 35-39 23% Dois 30% Tr6s 2 4 ~ Cinco 14% Idade (idade medlana 29.9) No. de filhos vivos (Número medlano 2.8) Nota: EsterUlzações nos últ imos 2 anos PSFNe 1991 Fonte de Obtençho de Métodos Para a grande maioria das mulheres usuárias de métodos modernos reversíveis, como a pflula, as injeções e o condom, a mais recente fonte de suprimento citada foi a farmácia. Para a pflula e o condom, os centros ou postos de saúde assumem tambdm importancia como fonte de suprimento. Vale ressaltar que este fato é um reflexo do trabalho de cooperaç[lo técnica entre a BEMFAM e as secretarias de saúde da região. Para a esterilização, os principais locais de realização da cirurgia foram a rede pública, com 78% (principalmente hospitais do governo com 46%, e INAMPS e conveniados com 32%), complementados pela rede particular (hospitais e clfnicas particulares), responsável por 20% das esterilizações (ver Gráfico 4.6). Quanto ao tempo gasto para atingir uma fonte de suprimento de métodos modernos, nota-se uma grande diferença de acesso entre as áreas urbanas e rurais. As mulheres das áreas rurais gastam, em média, três vezes mais tempo que as mulheres das áreas urbanas para chegar ao local de suprimento do método (60 e 20 minutos, respectivamente). A interrupção do uso da anticoncepção é um importante aspecto a ser analisado pelos programas de planejamento familiar, a frua de melhorar a qualidade de seus serviços. Altas taxas de descontinuidade no uso de métodos indicam a necessidade de um melhor aconselhamento na escolha do método, consultas peri6dicas, maior acesso a diferentes tipos de métodos e serviços. No Nordeste, a percentagem total de mulheres que deixaram de usar algum método dentro de um período de 12 meses após o inicio do uso foi de 48%, sendo que 13% o fizeram devido a efeitos colaterais e problemas de saúde, 8% por falha do método, 4% porque queriam ficar grávidas, e 23% por outras razSes (principalmente, a inconveniência de uso, desejo de um método mais eficaz e sexo pouco freqüente). Deve-se levar em conta que a porcentagem de 48% de interrupção do uso de métodos no perIodo de 12 meses inclui 18 Gráfico 4.6 Fonte de Obtenção para Pílula e Esterilização Feminina Governo 46% Outras Fontes 2% Farm=tcias 7q~ Outras Fontes 3% D*,ç;~,,lar 5% ~MPS 2% ;overno 11% INAM pS 32% ~'ardcular 20% Esterilização Feminina Pílula PSFNe 1991 a esterilização. As taxas da interrupção de uso durante o primeiro ano variam segundo o tipo de método sendo a da pflula a mais baixa (52%) e a do condom a mais alta (81%). Para as mulheres que interromperam o uso de algum método específico nos tlltimos cinco anos, independentemente do tempo em que o método foi utilizado, as raz6es de interrupção variam segundo o método. Os efeitos colaterais foram mais mencionados entre as usuárias da pflula (38%) e das injeções (45%), e a inconveniência de uso, entre as usuárias de condom (36%). Paro as que usavam a abstinencia periódica ou o coito interrompido, o principal motivo para a interrupção foi a falha do método em 50% e 40% dos casos, respectivamente. Este fato, de certa forma, não é surpresa, pois uma percentagem significativa de mulheres da Região Nordeste que já usaram métodos de abs~nência periódica não souberam precisar a época do ciclo menstrual em que existe uma maior probabilidade de engravidar. Uso Futuro, Raz6es de Não Uso e Atitudes em Relação à Divulgação do Planejamento Familiar pela Mídia Entre as mulheres atualmente casadas ou unidas que não estavam usando anticoncepção, mais da metade disseram não ter intenção de usar algum método no futuro. Um pouco mais de um terço pretende usar algum método nos pr6ximos 12 meses, 5% desej aro usar mais tarde, e 7% não sabem se querem usar ou não. Existe uma maior percentagem de mulheres que não pretende usar nenhum método entre as que nunca usaram a anticoncepção, em comparação com as que já fizeram uso de métodos alguma vez (38% e 16%, respectivamente). Uma maior percentagem de mulheres que já usou previamente a anticoncepção pretende usar algum método nos pr6ximos 12 meses, em comparação com as que nunca usaram nenhum método anticoncepcional (24% e 11%, respectivamente). 19 As principais razões mencionadas para não quererem usar um mêtodo no futuro foram a dificuldade de engravidar (15%), o desejo de termais filhos (13%), menopausa (13%), fatalismo (12%), efeitos colaterais dos métodos (9%) e o fato de acharem inconveniente ou não gostarem do método (7%). Entre as mulheres com menos de 30 anos de idade uma importante razão para o não uso de um método anticoncepcional está associada aos efeitos colaterais e para as mulheres mais velhas, ou seja, aquelas entre 30 anos ou mais a disponibilidade (falta de informaçao, custo alto e dificuldade de obtenç~fo) foi citada por uma porcentagem expressiva de mulheres (ver Gráfico 4.7). Gráfico 4.7 Razão para Não Usar Método por Idade Sem risco Não gosta 26% gravidez 47% Sem risco Disponi- gravidez 11% bi l idade 7% eut ras 2% Outras 3% Quer mais f i lhos 6% Efeitos 23% Efeitos colaterais 22 Não gosta erais 11% Quer mais DIsponl- f i lhos 33% bilJdade 11% Mulheres <30 Mulheres 30+ Nota: Mulheres que n io usam método e não pretendem usar no futuro PSFNe 1991 Para as que querem usar a anticoncepção no futuro, a pflula e a esterilização foram os métodos mais citados (ver Gráfico 4.8). É interessante notar que, entre aquelas que pretendem usar um método nos próximos 12 meses, a porcentagem das que escolheram a pflula é um pouco maior que a das que escolheram a esteriliza@o, enquanto que, entre as que desejam usar um método mais tarde, os percentuais são iguais para os dois métodos. Finalizando, perguntou-se a todas as mulheres se haviam escutado ou visto programas sobre o planejamento familiar no rádio e na televisão durante o mês anterior à entrevista. Menos de 30% das entrevistadas reportou ter assistido alguma mensagem sobre planejamento familiar, sendo que essa porcentagem ê maior nas áreas urbanas. No total, a televisão mostrou maior audiência que o rádio. Entretanto, como era de se esperar, o rádio foi mais citado pelas mulheres com menor instrução e pelas moradoras das áreas rurais. A escolaridade influi na audiência, mostrando-se mais alta à medida em que aumenta o nível de instrução. A Bahia foi o estado do Nordeste que apresentou maior índice de audiência de mensagens sobre planejamento familiar, seguido de Sergipe e Pemambuco. A veiculação de mensagens sobre planejamento familiar nos meios de comunicação de massa é aceita pela grande maioria, independentemente da idade. As mulheres urbanas foram mais favoráveis a essas mensagens na mtdia, assim como as mulheres de maior instrução. 20 Gráfico 4.8 Preferência de Método para Uso Futuro Pílula 38% Ester. Feminina 32% Outros 1% Condom 2% DIU 3% Lbela 6% .».T__ J 7% Não Sabe 11% Nota: Mulheres unidas não-usuárias que pretendem usar método no futuro PSFNe 1991 21 V. DETERMINANTES PRÓXIMOS DA FECUNDIDADE Os determinantes pr6ximos da fecundidade têm uma relação direta com a exposição à concepção. Além da anticoncepção, já tratada anteriormente, incluem-se, entre os determlhantes pr6ximos da fecun- didade, a nupcialidade e a atividade sexual, a amenorréia p6s-parto e a abstinência de relaçSes sexuais e, finalmente, a infertilidade. A época em que ocorre a primeira união pode ser um indicativo do início da vida reprodutiva e apresenta implicações importantes no curso da fecundidade. No Nordeste, 57% das mulheres entre 15 e 49 anos de idade estão atualmente casadas ou unidas, 36% são solteiras, e os 8% restantes são separadas, divoreiadas ou viúvas. As unities consensuais representam 15% do total das uniões. Observa-se que, nas coortes mais jovens, existe uma maior proporção de uniões consensuais em relação ao total das uniões. Aproximadamente um quarto das mulheres unidas, com menos de 25 anos, encontra-se em união consensual, ao passo que, entre as mulheres de 45-49 anos, esta porcentagem é de apenas 9% (ver Gr~ffico 5.1). O casamento, na Região Nordeste, näo pode ser considerado universal. Aos 30 anos de idade, 12% das mulheres ainda não se casaram, e 7% das mulheres acima de 40 anos de idade estão solteiras. Comparando com dados da PNSMIPF-1986, observa-se, em 1991, um aumento na poreentagem de mulheres solteiras. Por exemplo, em 1986, 39% das mulheres de 20-24 anos e 20% das mulheres de 25 a 29 anos eram solteiras, e, em 1991, para estas mesmas faixas etárias as porcentagens são de 50% e 25%, respectivamente. Porcentagem 10O Gráfico 5.1 Estado Civil por Idade 80 60 40 20 O 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 PSFNe 1991 23 lnformações coletadas pelo c~endário existente no questionário foram usadas para calcular a porcentagem de meses passados em união, nos cinco anos anteriores ~ pesquisa, entre mulheres de diferentes grupos de idades e características. A porcentagem de meses passados em união incorpora os efeitos da idade na primeira união, dissolução marital e novo casamento. NöNordeste, devido à idade relativamente tardia ao casar e às 'altas taxas de dissolução matrimonial, as mulheres passaram, em média, menos da metade do tempo (41%), nos últimos cinco anos, em união. Apesar da porcentagem de meses passados em união aumentar com a idade, mulheres de 30 anos ou mais passaram, neste período, somente 60% dos meses em união. Observa-se grandes diferenças na exposição marital, segundo a instrução da mulher, o que, de certa forma, é um reflexo da idade ao casar: entre as mulheres com maior instrução o casamento ocorre mais tarde. A idade mediana na primeira união, isto é, a idade exara na qual metade das mulheres se casam, é de 20,5 anos para a Região Nordeste. Observa-se que, entre as diferentes coortes, a idade das mulheres na primeira união manteve-se constante ao longo dos anos. Entretanto, enquanto 45% das mulheres encontra- vam-se em união aos 20 anos de idade, atualmente esta porcentagem passou a ser de 38% entre as mulheres de 20 a 24 anos de idade. Este declínio na proporção de mulheres de 20-24 anos em união parece ser uma tendência bem recente, a qual está acontecendo entre as mulheres que se casaram nos últimos 5 anos, e que, talvez, se mantenha no futuro. Para as mulheres de 25-29 anos de idade que se casaram no período de 5 a 10 anos anteriores à pesquisa não foi observada nenhuma mudança significativa. Inform ações mais detalhadas sobre a idade mediana na primeira união podem ser verificadas segundo o local de resid0ncia, o estado da região e a instrução da mulher. Apesar da diferença ser pequena, as mulheres das áreas urbanas se casam um pouco mais tarde que as das áreas rurais (20,7 e 20,0 anos, respectivamente). Pode-se dizer o mesmo para as mulheres no Ceará e na Parafba, onde a idade mediana ao casar é maior em relação aos outros estados da região. As maiores diferenças na idade da primeira união são encontradas entre os diversos níveis de instrução. A idade mediana na primeira união para mulheres de 25 a 49 anos de idade sem instrução é cinco anos menos que a correspondente para o grupo com 9 ou mais anos de estudo. Esta tendência se mantém nas diferentes coortes de idade. Apesar da idade na primeira uniâo ser usada como uma referência do inicio da vida sexual, os dois eventos não coincidem, necessariamente. As mulheres podem iniciar as relações sexuais antes do casamento, principalmente se retardam a união. No Nordeste, aos 18 anos, 36% das mulheres já tinham tido a primeira relação sexual, enquanto que somente 25% estavam casadas. Aos 20 anos de idade, metade já havia tido relações sexuais, e a porcentagem de mulheres unidas era de 38%. Para o total de mulheres da região, a idade mediana na primeira relação sexual é, em geral, um ano a menos da encontrada para a primeira união (19,4 e 20,4 anos, respectivamente). Conclusões similares se obtêm na análise da idade na primeira relação sexual para os diversos subgmpos da população do Nordeste. A idade mediarta na primei.ra relação sexual, assim como na primeira união, 6 um pouco maior nas ãreas urbanas, no Cearã e na Parafba e entre mulheres com maior instrução. Entre esses grupos, verifica-se uma postergação numa mesma extensão, tanto da primeira união como da primeira relação sexual. Além do casamento, um outro fator que contribui para a exposição à concepção é o nível de atividade sexual. Na ausência da anticoncepção, a probabilidade de uma gravidez ocorrer está relacionada à freqüSncia das relações sexuais. Entre as mulheres entrevistadas que já tinham tido experiência sexual, quase 80% 24 reportaram pelo menos uma relação sexual no mes anterior ~ pesquisa. Entretanto, entre as mulheres que nunca estiveram unidas, esta porcentagem é de apenas 45%. Cerca de 4% das mulheres ní~o tiveram relações sexuais porque estavam no período de abstinência pós-parto, e 17% estavam em abstinência por outras razões (desconhecidas). Observa-se que a única diferença significativ a na proporção de mulheres sexualmente ativas está relacionada ao uso da anticoncepção. No Nordeste, as mulheres que n~o estavam usando anticoncep- cionais são menos propensas a serem sexualmente ativas, em comparação com aquelas que estavam usando um método. Da mesma forma, observa-se que as mulheres esterilizadas são menos propensas a ser sexualmente ativas que as que estavam usando outros tipos de métodos. Este fato, em certa medida, pode estar relacionado com a idade: em geral a média de idade para as mulheres esterilizadas é maior do que para as usuárias de outros métodos. Entre as mulheres mais velhas, nota-se uma menor porcentagem de mulheres ativas, quando comparadas com aquelas do grupo de 25-39 anos. Em relação a residência e à instrução da mulher, não foi observada nenhuma diferença significativa no que se refere à atividade sexual. A possibilidade de uma mulher engravidar diminui consideravelmente no período pós-parto. Contribui para isso a infertilidade temporária ou amenorr6ia (período entre o parto e o retomo da menstruação). Em geral, a maioria das mulheres experimentam um período de 1 a 2 meses de amenorréia. Após este período, a amenorr6ia é estendida pela amamentação. Na época da pesquisa, 12% das mulheres com filhos menores de 3 anos de idade estavam em amenorréia, e 9% em abstinSncia sexual. Para 15% dos nascidos vivos nos últimos 3 anos, as mães estavam em amenorr6ia e/ou em abstinência sexual e, portanto, nao suscetfveis à possibilidade de uma nova gravidez (ver Gráfico 5.2). Gráfico 5.2 Amenorréia, Abstinência, e Insuscetibilidade Percentagem 100 O ~ • i . . . . . E . . . . . L . . . . . i O 6 12 18 24 30 Meses desde o Nascimento 36 Nota: Percentagem nascimentos cuJas mães est~,o em amonorr6ia, abstln6ncla, e Insuscetibllldade PSFNe 1991 25 A duração mediana da amenorréia pós-parto (período em que, para metade das mulheres, houve o retomo da menstruação) é de apmximadamente 3 meses. No Nordeste, metade das mulheres retomam as relaçSes sexuais no período de até dois meses após o parto. Observa-se que o efeito conjunto do período da amenorr6ia e da abstinência é de 3,3 meses (duração mediana da insuscetibilidade p6s-parto). Ap6s este período, metade das mulheres que tiveram filhos nos últimos 3 anos voltaram a menstruar e a ter relações sexuais, ficando expostas à concepção. A duração mediana da insuscetibilidade p6s-parto entre os diversos grupos da população feminina do Nordeste tem uma maior contribuição da amenorr6ia do que propriamente da abstinência sexual. A única excessão é no Rio Grande do Norte, onde a duração da amenorréia é de menos de um mês, e a volta das relaç6es sexuais ocorre quase dois meses ap6s o parto. De uma maneira gemi, as maiores diferenças entre a duração mediana da insuscetibilidade p6s-parto ocorrem entre os diversos niveis de instrução e entre alguns estados da região. Quanto mais baixa a instrução da mulher, maior é o período de insuscetibilidade p6s-parto. O Maranhão é o estado que apresenta maior duração deste período (5 meses), duas vezes mais longo se comparado com Pemambuco, Alagoas e Sergipe (2,3, 2,4 e 2,4 meses, respectivamente). Com o passar do tempo, principalmente a partir dos 30 anos de idade, a probabilidade de uma mulher engravidar começa a diminuir. Apesar de ser diffcil precisar o inicio da infertilidade de uma mulher a nfvel individual, existem maneiras de estimá-la para uma população específica. A menopausa, que é um indicador de infertilidade, compreende mulheres que não tiveram o período menstrual durante os seis meses anteriores à pesquisa, não estavam grávidas e nem em amenorréia pós-parto. A porcentagem de mulheres entrevistadas entre 40 e 41 anos que estava na menopausa é de somente 3 %, porcentagem esta que atinge 40% das mulheres entre 48 e 49 anos de idade. Um outro indicador de infertilidade é a abstinência pmlongada, isto é, a porcentagem de mulheres atualmente em união que não teve relações sexuais nos últimos três anos. A porcentagem de mulheres que se enquadra nesta categoria é bastante baixa em todos os grupos etários. 26 VI. INTENÇÕES REPRODUTIVAS, DEMANDA DA ANTICONCEPÇAO E PLANEJAMENTO DA FECUNDIDADE Um dos objetivos do planejamento familiar é oferecer aos casais a possibilidade de decidir quanto ao número de filhos e o espaçamento entre eles. Assim, é de grande importância para os programas de planejamento familiar obter informações sobre o número de filhos desejados, o espaçamento entre os nascimentos, a proporçao de mulheres que não desejam engravidar e o planejamento da dltima gravidez. Esses dados, conjugados com as informaç¿~es sobre o uso da anticoncepção, permitem calcular a demanda total e a necessidade insatisfeita da anticoncepção, a fim de que se possam estabelecer diretrizes e políticas de planejamento familiar. Na PSFNe, perguntou-se a todas as mulheres casadas ou em uni~io se desejavam ter um filho. No caso das que já tinham filhos, perguntou-se se queriam ter mais um. Para as que responderam afir- mativamente, a próxima pergunta foi quanto tempo gostariam de esperar para ter esse filho. As mulheres que queriam ter um outro filho no período de ar~ dois anos foram classificadas na categoria "ter outro logo"; as demais, na categoria "mais tarde." Um pouco mais de um terço das mulheres responderam que não desejaram mais ter filhos. Estas mulheres, juntamente com as que estao esterilizadas, representam 72% do total de mulheres casadas ou unidas. Entre as demais, aproximadamente 15% responderam que desejavam um filho mais tarde, e apenas 7% queriam ter um filho logo (ver Gráfico 6.1). Gráfico 6.1 Intenções Reprodutivas Mulheres 15-49 Anos N~o quer mais* 72% Indecisa 2% In férUI 4% * Inclui mulheres esteril lzadas PSFNe 1991 27 Observando os resultados por número de filhos vivos, incluindo uma gravidez em curso, cerca de 27% das mulheres sem filhos reportaram desejar um filho mais tarde, sendo que essa porcentagem sobe para 47% entre as mulheres com um filho. A partir do segundo filho, as porcentagens tendem a diminuir. Como era de se esperar, a porcentagem de mulheres que não desejam mais nenhum filho (incluindo as esterilizadas) cresce com o aumento do número de filhos vivos. Por exemplo, 30% das mulheres com um filho, 73% das com dois e 89% das com três disseram não querer mais filhos. Em relação à idade, mais da metade das mulheres casadas ou unidas entre 15 e 19 anos desejam um filho mais tarde. Esta poreentagem dimihui com o aumento da idade, caindo acentuadamente a partir dos 30 anos. As porcentagens de mulheres que querem ter um filho logo apresentam a mesma tendência. Entretanto, essas porcentagens são bem mais baixas, quando comparadas aos percentuais de mulheres que desejam um filho mais tarde. Por outro lado, as poreentagens de mulheres que disseram não querer mais filhos são altas em todos os grupos etários, inclusive no grupo de 15-19 anos. Não foi observada uma diferença muito significativa quanto ao desejo de não termais filhos segundo o local de residência e os estados da região. Porcentagens acima de 65% das mulheres de diferentes áreas e estados não querem mais filhos, o que implica em uma grande demanda por serviços de planejamento familiar na Região Nordeste. Observa-se que, nos grupos com instrução mais baixa, uma maior porcentagem de mulheres não desejam mais filhos. Necessidade Insatisfeita e Demanda Total da Anticoncepção Considera-se necessidade insatisfeita de anticoncepção o conjunto de mulheres casadas ou unidas, férteis, não usuárias de métodos anticoncepcionais e que desejam espaçarou limitar nascimentos, assim como as grávidas ou amenorréicas que declararam não ter planejado ou desejado sua atual ou última gravidez, e que não estavam usando nenhum método quando engravidaram. ~ A necessidade insatisfeita de anticoncepção pode ser para limitar ou espaçar nascimentos, de acordo com as intenções reprodutivas das mulheres férteis e com o planejamento da gravidez entre as grávidas e amenorréicas. A soma da porcentagem da necessidade insatisfeita com a porcentagem de usuárias de anticoncepção, mais a porcentagem de mulheres que estão grávidas ou em amenorréia e aquelas cuja gravidez aconteceu por falha do método, resulta na demanda total de anticoncepção. A estimativa da demanda satisfeita de anticoncepção é a razão entre a prevalência de uso de métodos mais a porcentagem de mulheres que estão grávidas ou em amenorréia e aquelas cuja gravidez aconteceu por falha do método e a demanda total. No Nordeste, a demanda total de anticoncepção é alta, em tomo de 85%, sendo maior nos estados da Bahia, Ceará e Sergipe (89%, 88% e 87%, respectivamente) e menor no Mar'anhão (78%). Os resultados mostram que esta demanda está voltada principalmente para a limitação do número de filhos: 67% para l Westoff, C. e L.H. Ochoa. 1991. Unmet Need and the Demandfor Family Planning. DHS Comparative Studies No. 5, Columbia, Maryland: Institute for Resource Development. 28 100 80 60 40 20 0 Gráfico 6.2 Demanda de Anticoncepç-~o por Estado Porcentagem 88 84 78 Maranh~o Piauí 86 85 Cear~ RIO Gde Paraíba Pernam- Alagoas ~ergipe do Norte buco Bahla PSFNe 1991 limitar, contra 17% para espaçar. Proporcionalmente, os estados que apresentam a maior demanda para limitar são o Maranhão e o Piauf, e a maior demanda para espaçar encontra-se em Sergipe (ver Gráfico 6.2). A demanda total cresce com a idade das mulheres at6 os 39 anos, de 70% no grupo de 15-19 anos a 92%, entre as mulheres de 35-39 e 90% entre as mulheres de 40-44 anos. Como era de se esperar, a demanda por limitar nascimentos é baixa no grupo mais jovem (14%), subindo até o grupo de 40-44 anos (89%), enquanto que a demanda para espaçar apresenta um movimento inverso: 56% no grupo de 15-19 anos, caindo até 1% nos grupos 40-44 e 45-49 anos. Nas ííreas urbanas, a demanda de anticoncepção é mais alta que nas rurais. O mesmo acontece com a demanda para limitar. No entanto, a demanda para espaçar é praticamente a mesma nas duas áreas. Embora tenha aumentado a prevalência de uso de m6todos no Nordeste, ainda é significativa a porcentagem de mulheres com necessidade insatisfeita de anticoncepção: um quarto das mulheres casadas ou unidas (25%). Como ocorre com a demanda, a necessidade para limitar é muito mais significativa que a para espaçar (19% e 7%, respectivamente). Num movimento inverso ao do uso da anticoncepção, a necessidade insatisfeita por idade da mulher pode ser representada graficamente por uma curva cOncava: porcentagens mais altas nos grupos extremos de idade e mais baixa no grupo central, de 30-34 anos. Quanto ao tipo de necessidade apresentado pelos grupos de idade, a necessidade para limitar é pequena no grupo mais jovem, crescendo rapidamente com a idade da mulher; a necessidade para espaçar é maior nos grupos mais jovens, caindo para zero nos dois últimos grupos. 29 Nas áres rurais e entre os grupos de baixa instrução, existe uma maior porcentagem de mulheres necessitadas de serviços de planejamento familiar. O Ceará 6 o estado que apresenta maior proporção de mulheres com necessidade insatisfeita de anticoncepção, seguido do Maranhão, Alagoas e Bahia (ver Gráfico 6.3). Gráfico 6.3 Necessidade Insatisfeita de Anticoncepçáo por Estado Porcentagem 100 80 60 40 20 Maranh~o Piaui Cear~ Rio Gde Paraiba Pernam- Alagoas Sergipe do Node bu¢o 34 29 28 27 23 20 Bahla PSFNe 1991 Número Ideal de Fi lhos e P lane jamento da Fecund idade Perguntou-se a todas as mulheres, independente da sua paridade atual, que número de filhos con- sideraram ideal, se pudessem escolher. Para o total das mulheres nordestinas, o número médio ideal de filhos é de 2,7. Este número sobe para 2,9 entre as mulheres casadas ou unidas. Comparando-se o número ideal com o número atual de filhos, observa-se que, entre as mulheres sem filhos, com um filho ou grávidas do primeiro f'flho, a maior porcentagem apontou dois filhos, como o número ideal. Entre as que tinham dois, tr~s e quatro filhos existe uma tendência a considerar ideal o pr6prio número atual de filhos. Por outro lado, as mulheres com cinco ou mais filhos reportaram uma preferência por famflias menores, com dois ou três filhos. Analisando o número m6dio ideal de filhos segundo a idade da mulher, observa-se que este aumenta ligeiramente entre mulheres com 30 anos ou mais de idade. Nas áreas urbanas, o número médio ideal de f'flhos é ligeiramente menor que nas áreas rurais (2,6 e 2,9 filhos, respectivamente). Este padrão é observado em todos os grupos etários. 30 Com relação à instrução, nota-se que o número médio ideal de filhos reportado é menor na medida em que a instrução da mulher aumenta. Entretanto, este padrão nem sempre se mantém entre os diversos grupos etários (ver Gráfico 6.4). Gráfico 6.4 Número Ideal de Filhos por Residência e Instrução No, Ideal de Filho8 Nordeste Urbano Rural O 1-3 4 5-8 9+ RESIDI~NCIA ANOS DE ESTUDO PSFNe 1991 O estados que apresentam os números médios ideais de filhos mais altos são Maranhão (3,1 filhos) e Piauf (3,0 filhos), enquanto que os mais baixos sao o Rio Grande do Norte e Ceará (2,3 e 2,4 filhos, respectivamente). Um pouco mais da metade dos nascimentos ocorridos nos últimos cinco anos que precederum a pesquisa forum reportados como planejados. Entretanto, à medida em que aumenta a ordem de nascimento e a idade da mulher na época do nascimento, observa-se uma queda na porcentagem de nascimentos planejados. Aproximadumente 24% dos nascimentos não foram desejados, e 21% forum reportados como não planejados. Entre os nascimentos não desejados, a maior proporção encontra-se entre mulheres acima dos 40 anos e entre nascimentos de ordem 4 ou mais. Com relação aos nascimentos não planejados, a maior porcentagem encontra-se entre mulheres pertencentes aos dois grupos etários mais jovens e entre nascimentos de ordem 2 e 3. O impacto demográfico dos nascimentos não desejados pode ser estimado calculando-se a taxa de fecundidade total desejada. Esta taxa representa o nível de fecundidade que prevaleceria para o período de três anos anterior/1 pesquisa, caso os nascimentos não desejados tivessem sido evitados. A comparação entre as taxas de fecundidade desejada e de fecundidade atual sugere qual seria este impacto demográfico. 31 A taxa de fecundidade total desejada entre as mulheres do Nordeste (2,1) é dois terços menor que a taxa de fecundidade total (3,7) e muito próxima à taxa de fecundidade a nível de reposição. A maior taxa de fecundidade desejada encontra-se no Estado de Alagoas (2,7 filhos por mulher), enquanto que a menor é encontrada no Ceará (1,9 filhos por mulher). Nas ~ireas rurais, a taxa de fecundidade desejada (2,7) é quase a metade da taxa de fecundidade atual. Estas taxas mostram um impacto potencialmente grande na prevenção dos nascimento não desejados. 32 VII. MORTALIDADE INFANTIL E NA INFÂNCIA As estimativas da mortalidade foram realizadas utilizando-se a história completa de nascimentos. As taxas de mortalidade, estimadas como probabilidade de morte, foram caiculadas através de um programa de tábua de mortalidade baseado no tempo de exposição entre o nascimento e a idade na época da entrevista. 1 Nas últimas duas décadas, observa-se, na Região Nordeste, um declínio na mortalidade infantil de aproximadamente 54% (ver Gráfico 7.1). No quinqüênio de 1967-71, de cada mil crianças que nasciam, 163 morriam antes de completar o primeiro ano de vida. Para o período de 1987-91, esta proporção passou a ser de 75 crianças por 1(300. 250 200 150 100 Gráfico 7.1 Tendência nas Taxas de Mortal idade Infantil e na Infância Mortos por 1000 Nascidos Vivos 50 i O I , 1965 i i i i i 4 = 1970 1975 1980 1985 1990 Nota: Os pontos mostrados representam os anos centrais dos períodos qulnq,~enais PSFNe 1991 Para as crianças que sobreviveram ao primeiro ano de vida, ou seja, para aquelas na faixa etária de 1-4 anos, os ganhos foram mais acentuados. Houve uma queda de quase 80% nas taxas de mortalidade para este grupo da população, passando de 55 por 1000 no quinqüênio 1967-71 para 12 por 1000 em 1987-91. No conjunto, os dados da pesquisa indicam uma queda de 60% nas taxas de mortalidade para crianças menores de 5 anos de idade. Em 1967-71, de cada 5 crianças, mais de uma morria antes de completar 5 anos de idade, ao passo que, para o período de 1987-91, somente uma criança de cada 12 morria antes dos 5 anos. O programa é uma adaptação do usado pela World Fertility Survey. Para maiores detalhes ver Rutstein, S.0. 1984. lnfant and Child Mortality Levels, Trends and Differentials. Revised edition. WFS Comparative Studies No.43. Voorbarg, Netherlands: Intemational Statistical Institute. 33 Apesar da redução veriflcada ao longo dos últimos anos, a mortalidade para crianças com menos 5 de anos de idade, especialmente em menores de 1 ano, apresenta ntveis bastante altos na Região Nordeste. Comparando com alguns pafses da América Latina, observa-se que a taxa de mortalidade infantil na Região Nordeste (75 por 1000) é inferior à da Bolívia (96 por 1000), e a do Brasil como um todo, em 1986 (86 por 1000), similar ã da Guatemala (79 por 1000) e Peru (76 por 1000); e mais alta quando comparada com o Equador (59 por 1000), México (56 por 1000), Paraguai (33 por 1000) e Colômbia (17 por 1000). 2 É consenso que fatores sócio-econ6micos exercem uma irdluência mareante nos nIveis da mortalidade, especialmente para a populaçao abaixo de 5 anos de idade. A mortalidade nesta faixa etária é influenciada pelo local de residência e grau de instrução da mfie • ' • • • m • (ver Gráfico 7.2). No Nordeste, para os ult~mos dez anos, observa-se uma mortahdade infantil 23% ais alta nas áreas rurais, quando comparada à das áreas urbanas (107 e 82 por 1000, respectivamente). Gráfico 7.2 Taxas de Mortal idade Infantil e na Infância por Residência e Instruçâo Mortos por 1000 Nascidos Vivos 125 107 96 82 89 70 35 16 22 27 24 150 100 50 Urbano . Rural 0 1-3 4 5-8 9+ RESIDENClA ANOS DE ESTUDO Nota: Taxas referem-se ao per[odo de dez anos anteriores à pesquisa PSFNe 1991 O grau de instrução da mãe constitui-se num bom indicador do nlvel sócio-econ6mico da famflia, permitindo avaliar os diferenciais da mortalidade em distintas classes sociais. Também a instrução da mãe tem uma influência na sobrevivência da criança, no que se refere a um melhor cuidado na parte da higiene e alimentação e a uma percepção mais efetiva para recorrer aos serviços de saúde em geral, quando necessário. Observa-se que a instrução, expœssa aqui como a variável "anos de estudo," tem uma influência significativa na mortalidade - quanto maior o número de anos de estudo, mais baixa a mortalidade. Assim, 2 As taxas de mortalidade infantil dos diversos países foram estimadas atrav6s dos dados coletados pelas Pesquisas Demográficas e de Saúde (DHS). 34 na Região Nordeste, crianças menores de 5 anos de idade filhos de mulheres sem instrução formal estão expostos a uma mortalidade quatro vezes maior que crianças cujas mães têm 9 ou mais anos de estudo. Esta diferença persiste para crianças com menos de 1 ano de idade e é ainda maior entre aquelas na faixa etária de 1-4 anos. Com referência ao estado da região, observa-se uma grande variação na mortalidade em crianças menores de 5 anos de idade. Alagoas e Ceará apresentam os maiores lhdices de mortalidade infantil do Nordeste (130 e 113 por 1000, respectivamente), cifras que equivalem a quase duas vezes mais que as estimativas para o Piauf e Sergipe, estados que apresentam as menores taxas de mortalidade infantil da região (57 e 67 por 1000, respectivamente). A mortalidade infantil é também influenciada pelos cuidados médicos no pré-natal e parto. A probabilidade de uma criança morrer antes do primeiro ano de vida é menor para aquelas crianças cujas mães receberam atenção médica durante o pré-natal e o parto, quando comparada a crianças cujas mães não receberam nenhuma ou somente um destes tipos de serviço. Como pode ser visto no Gráfico 7.3, às crianças do sexo masculino correspondem as maiores taxas de mortalidade infantil, quando comparadas com as do sexo feminino. Gráfico 7.3 Taxas de Mortalidade Infantil e na Infância por Características Demográficas Mortos por 1000 Nasc idos V ivos ~°° I 1 154 15O 111 138 100 84 92 75 70 78 95 38 5O 0 Mascu-Femi - 1 2-3 4-6 7+ < 2 2-3 4 ou l ino h ino anos anos mais SEXO ORDEM DE NASCIMENTO INTERVALO ANTERIOR Nota : Taxas referem-se ao per íodo de dez anos anter io res à pesquisa PSFNe 1991 35 Em relação à idade da mãe, observa-se na Região Nordeste que o risco de morte cresce com o aumento da idade materna na época do nascimento. Crianças cujas maes tinham entre 40-49 anos de idade têm 30% mais chances de morrerem antes do primeiro ano de vida que aquelas cujas mães tinham até 29 anos na época do nascimento. Os nl'veis de mortalidade são mais altos em crianças cüjas maes jíí tiveram muitos filhos. No Nordeste, as taxas de mortalidade para crianças até 5 anos de idade é menor para os primeiros f'dhos, aumentando com a ordem de nascimento. A taxa de mortalidade infantil para o primogênito (55 por 1000) é 2,8 vezes menor que para o sétimo filho ou nascimentos posteriores (154 por 1000). Este fato é ainda mais marcante para crianças entre 1-4 anos, nas quais os nascimentos de ordem 7 ou maior tem uma probabilidade de morrer de 5,4 vezes maior que o primeiro filho. Os efeitos do intervalo entre os nascimentos influenciam de modo significativo as taxas de mortalidade para o grupo etário 0-4 anos. O risco de morrer até os 5 anos de idade de uma criança posterior a um intervalo menor de 2 anos é quase duas vezes maior que quando o intervalo de nascimento é de 2 anos ou mais. Observa-se que, entre menores de um ano de idade, existe um menor risco de morte entre crianças posteriores a um intervalo de 2-3 anos, comparados com aquelas posteriores a um intervalo maior, ou seja, 4 ou mais anos. Entre as crianças de 1-4 anos de idade, verifica-se uma relaçao indireta entre o intervalo de nascimento e a mortalidade. As taxas de mortalidade para este grupo etário são 3,5 vezes maior para crianças posteriores a um intervalo de menos de 2 anos, comparadas com aquelas posteriores a um intervalo de 4 ou mais anos. Finalmente, as probabilidades de sobrevivência mostram-se maiores para crianças cujas mães reportaram que seus filhos nasceram com tamanho médio ou grande, em comparação com crianças que nasceram pequenas. Entre as crianças com elevado risco de mortalidade, incluem-se aquelas cujas mães são muito jovens ou muito idosas na época do nascimento, com alta paridade e curtos intervalos intergestacionais. Na Regiao Nordeste, 63% das crianças nascidas nos últimos 5 anos estão em pelo menos alguma categoria de alto risco de mortalidade. Doze por cento das crianças apresentam um intervalo de nascimento inferior a 24 meses, em relação ao nascimento anterior e 16% são crianças cuja ordem de nascimento é 3 ou maior. Aproximadamente 28% dessas crianças estão em mais de uma categoria de alto risco de mortalidade - mais da metade desses nascinlentos ocorreram com um intervalo menor que 24 meses e são nascimentos de ordem superior a tr~s. Uma proporção de dois em cada cinco mulheres unidas são mães potenciais de crianças pertencentes a pelo menos uma categoria de alto risco de mon'alidade, e 24% estão em risco de ter uma criança em várias categorias de risco. As mulheres apresentam um maior potencial de ter um filho com elevado risco de mortalidade pela combinação de uma idade mais elevada na época do nascimento com uma alta paridade. 36 VIII. SAÚDE MATERNO-INFANTIL Nesta sessão, serão analisados alguns itens básicos de atendimento em saúde matemo-infantil: a assistência pré-natal, as condições em que são realizados os partos, a vacinação e o atendimento a doenças crflicas, como a diarréia e as infecções respirar~rias agudas. A assistência à mulher durante a gravidez e o parto exerce influência significativa na saúde dos recém-nascidos. No Nordeste, aproximadamente dois terços dos nascidos vivos nos últimos cinco anos anteriores à pesquisa tiveram algum atendimento pré-natal, sendo que a maioria desses atendimentos foi realizada por um médico. Entretanto, é importante mencionar que mais de um terço dessas crianças não receberam nenhum tipo de assistência médica durante a gravidez da mãe. Nas zonas rurais, a poreentagem de crianças que não tiveram assistência pré-natal é superior a 50%. A idade da mulher na época do parto, seu nível de instruçfio e a ordem dos nascimentos exercem influ~ncia no atendimento pré-natal. Entre as mulheres com idade de 20 a 34 anos, existe uma maior porcentagem de nascimentos com pré-natal, em comparação com aqueles entre as mulheres de menos de 20 e mais de 35 anos. Vale ressaltar a importancia de um atendimento pré-natal justamente para estes dois últimos grupos, pois são considerados de gravidez de risco. Os primeiros filhos apresentaram os maiores percentuais de atendimento pré-natal. À medida em que aumenta a ordem do nascimento, a porcentagem de assistência no pré-natal diminui progressivamente. Quanto maior o nível de instrução da mãe, maior a porcentagem de nascimentos que tiveram o pré-natai, chegando a 98% entre as mulheres com 9 ou mais anos de estudo, enquanto que, entre as mães sem nenhuma instrução, esta percentagem é de apenas 44%. Como se pode ver no Gráfico 8.1, o Rio Grande do Norte foi o estado do Nordeste que apresentou maior porcentagem de nascimentos nos últimos 5 anos com atendimento pré-natal, enquanto que Alagoas mostrou o mais baixo percentual desse atendimento (quase a metade). A maior porcentagem de crianças nordestinas cujas mães reportaram algum atendimento pré-natal teve quatro ou mais consultas médicas, sendo que, para metade delas, a primeira consulta se deu com 3,5 meses ou menos de gravidez. Aproximadamente metade dos nascidos vivos nos últimos cinco anos foram vacinados contra o tétano, através do pré-natal de suas mães, sendo que 40% receberam duas ou mais doses da vacina. Estas porcentagens podem estar subestimadas, uma vez que a pergunta sobre esta vacina foi feita apenas para aquelas mulheres que disseram ter feito o pré-natal. A porcentagem de vacinação antitetanica é mais baixa, em comparação com a porcentagem de assistência pré-natal, significando que nem todas as m~es que fizeram o pré-natal foram vacinadas. A prática da vacinação antitetanica segue o mesmo padrão do pré-natal, quando analisada por características selecionadas: maior entre as mulheres que tiveram o parto com menos de 35 anos, maior nas áreas urbanas e entre as mulheres com maior instrução. Como era de se esperar, entre os estados da região, o Rio Grande do Norte apresentou o maior fndice de vacinação antitetítnica, e Alagoas, o menor. 37 100 Gráfico 8.1 Assistência Pré-Natal por Estado Porcentagem 80 60 40 20 0 Maranhão Plaul Nota: Porcentagem crianças <5 anoe ass i s t idas por proflsslona! méd[co na gravidez da mãe Ceará Rio Gde ParaíbaPernam-Alagoas Sergipe Bahia do Nor te buco P$FNe 1991 Mais de 75% dos nascimentos nos últimos cinco anos ocorreram num estabelecimento de saúde, sendo esta porcentagem maior para as áreas urbanas (ver Gráfico 8.2). A porcentagem de partos ocorridos em estabelecimentos de saúde cresce com o aumento da insu'ução da mãe e com a freqüência de consultas no pré-natal. Por outro lado, decresce com o aumento da paridade e da idade da mãe na época do parto. O Rio Grande do Norte e a Parafba apresentam os maiores percentuais de partos que ocorreram em estabelecimentos de saúde, enquanto que, no Maranhão, encontra-se a mais baixa porcentagem. Cerca de 18% dos nascimentos no Nordeste nos últimos cinco anos ocorreram através de um parto por cesariana. Para apenas 70% das crianças, as mães souberam dizer o peso ao nascer. Entre essas crianças, 11% tiveram seu peso reportado como menor que 2,5 kg, e 89%, como de 2,5 kg ou mais. Quanto à opinião das mães sobre o tamanho dos filhos ao nascer, cerca de 35% consideraram seus bebês com tamanho dentro da média, 33%, acima da média, e 23%, menores que a média. Apenas 3% e 5% das mulheres consideraram seus filhos muito grandes ou muito pequenos, respectivamente. Mais da metade das crianças de 12 a 23 meses de idade (56%) receberam todas as vacinas, indepen- dentemente da fonte de informação. Tendo como base os dois tipos de informação, a da mfie e a do cartão de vacinação, mais de tr~s quartos das crianças de 12-23 meses de idade foram imunizadas contra a tuberculose (vacina BCG), 83% contra o sarampo, e a maioria (acima de 90%) recebeu a primeira dose da vacina trtplice (contra difteria, t6tano e coqueluche) e a primeira dose contra a poliomielite. Para essas duas últimas vacinas, as segundas e terceiras doses apresentam poreentagens um pouco mais baixas (ver Gráfico 8.3). É importante observar que porcentagens mais baixas de crimlças foram vacinadas antes de completar 12 meses para todas as vacinas. 38 Gráfico 8.2 Local do Parto por Residência Domiciliar 11% Hospital* 89% Domiciliar 3 7 ~ Hospital* 63% Urbano Rural * Inclui maternldado s outros estabelecimsntos de saUde PSFNo 1991 100 80 60; Gráfico 8.3 Vacinação de Crianças de 12-23 Meses Percentagem 40 20 O Todas Nota: Baseada no cart&o e informação dada pela mãe BCG 1 2 3 1 2 3 Doses Dosas Tríptice PGIIo Sarampo Nenhuma PSFNe 1991 39 Existe uma tendência para a diminuição da porcentagem de crianças vacinadas à medida em que aumenta a ordem dos nascimentos. Cerca de 69% dos primeiros filhos receberam imunização completa, enquanto que, do quarto filho em diante, essa porcentagem está em tomo de 47%. As áreas urbanas apresentam porcentagens mais altas de crianças vacinadas que as rurais, tanto para a imunização completa (64% contra 48%) como para cada vacina específica. O Rio Grande do Norte e o Ceará são os estados com maior percentual de crianças com imunização completa (83% e 73%, respectivamente), e Alagoas o que apresentou a mais baixa porcentagem: 37% (ver Gráfico 8.4). Gráfico 8.4 Vacinaçáo Completa de Crianças 12-23 Meses por Estado Porcentagem 100 80 60 40 20 O Maranh~o Piaui Cear~ RIO Gde Para{ba Pernam- Alagoas Sergipe do Norte buco Nota: Baseada no cartão e Informação dada pela mie Bahla PSFNe 1991 A instrução das mães tem um efeito importante na vacinação dos filhos: quanto maior a instrução, maiores as porcentagens de crianças vacinadas. Apenas 40% das crianças de 12-23 meses cujas mães não tinham nenhuma instrução foram completamente imunizadas, comparadas com mais que 85% dos filhos de mulheres com 9 anos ou mais de estudo. O primeiro ano de vida de uma criança 6 a época recomendável para se dar todas as vacinas. No Nordeste, entre as crianças de um a quatro anos de idade, apenas 26% tiveram imunização completa at6 completar 12 meses de vida. Nota-se, entretanto, um aumento das porcentagens de crianças imunizadas no primeiro ano de vida e com cartão de vacinas nos anos mais recentes, sugerindo uma expansão do programa de imunização. Cerca de 18% das crianças menores de 5 anos de idade estiveram doentes, com tosse e dificuldades respiratórias, em algum momento nas duas semanas que antecederam ~ entrevista. Também foi reportado 40 pelas mães que 22% de crianças dessa faixa etária tiveram febre. Cerca de 32% das crianças que apresentaram sintomas de infecção respiratória e 36% das que tiveram febre foram atendidas por algum serviço médico. O tratamento para a infecção respiratúria consistiu, principalmente, de xaropes e/ou pastilhas para a tosse (42%), remédios caseiros (32%), antitérmicos (24%) e antibióticos (13%). Para as crianças que tiveram febre, mais da metade usou algum anti-túrmico, 31% foram tratadas com xarope e/ou pastilhas para a tosse, 25% tomaram remúdios caseiros, e 12%, antibióticos. Uma maior prevalência de sintomas de infecção respiratória ocorreu entre crianças de 6 a 23 meses de idade, pertencentes à ordem de nascimento 6 ou mais, das áreas rurais e do estado de Alagoas. Ao analisar a incidência da febre segundo características selecionadas, não se observam tendências significativas, embora a zona urbana tenha apresentado maior percentual de crianças com febre que a rural. Apesar da diarrúia ser de fácil tratamento, continua sendo uma das principais causas da mortalidade entre menores de 5 anos de idade no Brasil, especialmente no Nordeste. De acordo com informações das mães, 6% das crianças tiveram diarréia nas últimas 24 horas, 15% nas últimas duas semanas, e menos de 2% tiveram diarréia com sangue. Observa-se uma maior prevalência da diartéia nas áreas urbanas, nos estados da Parafba, Alagoas, Ceará, Pemambuco e Bahia. Com relação à idade da criança, existe uma porcentagem significativa que teve diarrúia com idade de 6 a 23 meses, faixa etária em que geralmente ocorre o desmame, ficando a criança mais exposta à contaminação por alimentos, utensfiios, água, etc. O conhecimento entre as mães sobre o pacote reidratante oral como tratamento da diarréia é bastante generalizado nos diferentes grupos da população do Nordeste. Entre os menores de 5 anos de idade que tiveram diartéia nas duas últimas semanas, 25% foram atendidas por algum serviço de saúde. Aproximadamente um quarto das crianças foi tratada com o pacote de soro de reidratação oral, um pouco mais de um terço com soro caseiro, e 44% das crianças com diarrúia ingeriram mais lfquidos (ver Gráfico 8.5). É importante ressaltar, entretanto, que aproximadamente 31% das crianças nilo tomaram nenhum tipo de soro, nem receberam maior quantidade de ltquidos para se reidratarem. Além disso, entre as crianças que estavam sendo amamentadas na 6poca da pesquisa, apenas um quarto recebeu esta alimentação com maior freqüência. 41 Gráfico 8.5 Tratamento da Diarréia em Crianças 1-59 Meses Atend imento Méd lco Paeote SRO Soro ¢ase l ro Aumentou l íqu idos Antibi6tico/Injeçio Rem6dlo case i ro ~ 25 ~ 2 7 . . . . ~ - - • 44 44 ) 10 20 30 40 Porcentagem Nota: Baeeada nas c r ianças com d iar ré ia nas 2 semanas anter io res ~, pesqu isa 50 PSFNe 1991 42 IX. AMAMENTAÇ,~O A prática alimentar de uma criança afeta tanto a criança diretamente, como sua mãe. Na criança, a prática alimentar é um fator que determina seu estado nutficional, o qual está relacionado com o risco de contrair doenças e com a mortalidade. A mite é afetada pela prática da amamentação, que refiete na infertilidade pós-parto, a qual, por sua vez, afeta o intervalo entre os nascimentos e os nfveis de fecundidade. Estes efeitos são influenciados pela duração e freqüência da amamentaç~Io e pela idade na qual a criança começa a receber alimentos complementares e líquidos. No Nordeste, uma grande percentagem de crianças (90%) foram amamentadas alguma vez, sendo que 21% começaram a mamar na primeira hora de nascidos, e 42%, no primeiro dia. Observa-se que uma maior porcentagem de crianças no Maranhão (96%), Piauf (94%) e Bahia (93%) foram amamentadas, em relação àquelas de Pemambuco (83%) e Alagoas (83%). Nos estados do Maranhão e Rio Grande do Norte, uma maior porcentagem de crianças começam a ser amamentadas num curto período de tempo após o nascimento. Também uma maior porcentagem de crianças que nasceram com a assist8ncia de uma parteira tradicional ou em casa foram amamentadas logo na primeira hora após o nascimento, comparadas com as crianças que nasceram no hospital ou matemidade. A proporção de crianças amamentadas diminui rapidamente com a idade. Enquanto que 91% das crianças menores de 2 meses de idade foram amamentadas no dia anterior à entrevista, esta proporção é de 35% para crianças com 6 meses, e de 29% para aquelas com um ano de idade. A amamentação exclusiva não é comum no Nordeste: somente 10% das crianças menores de 2 meses foram amamentadas exclusivamente com leite materno. Em decorrência da baixa porcentagem de crianças recém-nascidas que recebeu somente o leite materno, é alta a porcentagem que recebeu alguma complementação (ver Gráfico 9.1). Observa-se que a Gráfico 9.1 Amamentação e Complementação Alimentar por Idade da Criança Porcentagem 80 ~o \\ O 6 12 24 30 18 Idade em Meses 36 PSFNe 1991 43 complementação alimentar (suco, água com açúcar, chá, leite diluido ou em pó, alimento s61ido ou pastoso, etc) é introduzida precocemente: 73% das crianças com menos de 2 meses receberam, além da amamentação, uma complementação. O mingau é introduzido bastante cedo na dieta da criança: 41% das crianças menores de 2 meses que foram amamentadas tomaram também mingau. Com 4-5 meses de idade, 40% das crianças que estavam sendo amamentadas já tinham recebido em suas dietas alimentos pastosos ou sólidos. O uso da mamadeira é comum e é observado tamb6m como uma prática que ocorre cedo: entre crianças com menos de 2 meses de idade, 73% usavam a mamadeira. Esta prática apresenta importantes implicações em termos de saúde entre recém-nascidos, no que diz respeito às infecções. A duração mediana da amamentação no Nordeste 6 de 3,9 meses (ver Gráfico 9.2). Nas áreas rurais e entre mulheres sem instrução, a amamentação estende-se por um perIodo de tempo um pouco mais longo (4,8 e 4,7 meses, respectivamente). Entre as crianças com menos de 6 meses de idade que estavam sendo amamentadas, aproximadamente metade mamou seis ou mais vezes no período de 24 horas anterior à entrevista. Mulheres das áreas rurais e sem instrução são mais propensas a amamentarem seus filhos com uma maior freqüência. Gráfico 9.2 Duração Mediana da Amamentação por Residência e Instrução No. de Meses Nordeste Urbano Rural RESIDÊNCIA Nota: As medianas estão baseadas na condição atual da amamentação 0 1-3 4 5-8 ANOS DE ESTUDO 9+ PSFNe 1991 44 X. MARIDOS O objetivo principal da inclusão de maridos na pesquisa foi obter informações específicas para esse grupo no que diz respeito ao conhecimento sobre a anticoncepção e intenções reprodutivas. Essas informaçÕes são de grande import,~ncia no sentido de ampliar os serviços voltados para a saúde reprodutiva, procurando atingir o casai e possibilitando que as decisões relacionadas a essa questão não fiquem restritas à figura da mulher. Características Gerais A distribuição percentuai por idade dos maridos de mulheres em idade fértil mostra as maiores porcentagens nos grupos etários compreendidos entre 25 e 44 anos, os quais, juntos, constituem 63% da amostra. As porcentagens de maridos com menos de 25 ou mais de 44 anos são menores, sendo que há um figeiro aumento no grupo de 50 anos ou mais, quando comparado com o grupo imediatamente anterior. A porcentagem de maridos sem nenhuma instrução ou com menos de um ano de estudo é alta: 39%. Cerca de 22% estudaram de 1 a 3 anos, 11% completaram 4 anos de estudo (primário completo), 15% ultrapassaram este nível (de 5 a 8 anos de estudo), e 13% atingiram o nível secundário ou superior (9 ou mais anOS). Mais da metade dos maridos entrevistados moram nas áreas urbanas (57%). A maioria (78%) disse que sua religião é a católica romana, 5% reportaram ser evangélicos, 14% responderam não ter religião, e os demais se distribuem entre outras religiões. Em tomo de 40% dos maridos entrevistados disseram trabalhar na agropecuária, seja como empregados ou como empregadores. Os 60% restantes exercem profissões que não têm ligação direta com a terra: 20% são trabalhadores qualificados (carpinteiros, eletricistas, bombeiros, etc.), 6% exercem atividades não qualificadas (trabalhadores braçais de diversos tipos), 6% disseram ser proprietários de indústrias e 5% trabalham na administração pública. Os demais estão distribuídos por outras profissões, com percentuais menos significativos. Anticoncepção O conhecimento de algum método anticoncepcional entre os maridos entrevistados é praticamente universal (99,8%). Os métodos mais conhecidos são a pflula (95%), o condom (95%) e a esterilização feminina (91%). O padrão de conhecimento de métodos, quando se comparam mulheres e maridos, é bastante similar. Como entre as mulheres, a porcentagem de maridos que sabe onde obter 'algum método é um pouco mais baixa que a porcentagem de conhecimento de métodos. Observa-se que, em relação aos métodos mais conhecidos (pílula, condom e esterilização feminina), aproximadzunente um quarto dos maridos não souberam precisar onde obtê-los. Cerca de 80% dos entrevistados reportaram que o casal já havia usado algum método, e a maioria (75%) havia utilizado um método moderno. Como no caso das mulheres, a pflula foi reportada como o método que já foi mais usado (55%), seguido da esterilização feminina (40%), do condom (26%) e dos métodos tradicionais (34%). Cerca de 58% dos maridos entrevistados reportaram que estavam usando (ou suas mulheres estavam usando) algum método anticoncepcional na época da pesquisa. Esta cifra está bem préxima da prevalEncia de uso da anticoncepção reportada pelas mulheres atualmente unidas (.59%). A esterilização feminina foi o 45 método referido pelos maridos como o mais usado (39%), seguido da pflula (12%). Os demais métodos tem prevalencia de uso bem mais baixa. Este padrão de uso por método específico é o mesmo que o encontrado entre as mulheres em união. A prevalência total de uso da anticoncepção é bem mais alta entre os maridos residentes nas áreas urbanas que nas áreas rurais (65% e 49%, respectivamente). Isto é válido também para cada método especlfico, com excessão do coito interrompido (2% nas localidades urbanas e 3% nas rurais). Em relação ao estado da região, as maiores porcentagens de uso da anticoncepção, conforme reportado pelos maridos, são encontradas no Rio Grande do Norte (81%), na Parafba (74%) e no Piauf (66%), e as menores, em Alagoas (53%) e na Bahia (54%). Segundo informação dada pelos maridos, Sergipe é o estado em que uma maior porcentagem de mulheres unidas fazem uso da pflula (19%) e Piauf e Rio Grande do Norte, aqueles com uma maior porcentagem de mulheres unidas esterilizadas (51%). O uso da anticoncepção, segundo a idade atual dos maridos, atinge uma maior porcentagem no grupo etário de 40-44 anos, onde 74% reportaram estar usando algum método anticoneepeional. Uma maior porcentagem de maridos mais jovens reportou que suas mulheres estavam usando a pflula, ao passo que, entre os grupos etários mais velhos, a poreentagem de maridos cujas mulheres foram esterilizadas é maior. Intenções Reprodutivas e Planejamento da Fecundidade Da mesma forma que para as mulheres, perguntou-se a todos os maridos se queriam ter um filho e, no caso de já terem filhos, se queriam ter mais um. Para os que responderam afirmativamente, pediu-se que dissessem quanto tempo gostariam de esperar para ter esse filho. No total, 31% dos maridos responderam que não desejavam mais filhos, e 40% disseram que suas mulheres estavam esterilizadas. A soma dessas duas porcentagens forma um total de 70% que não tem intenção de ter filhos. Cerca de 22% afirmaram querer ter um filho, sendo que 9% queriam um filho logo (no máximo até 2 anos), 12%, mais tarde, e 2% não souberam dizer quando (ver Gr"ifico 10.1). Quanto maior a idade, menor a porcentagem de maridos que querem ter mais filhos, tanto entre os que disseram os desejar logo, como entre aqueles que os querem mais tarde. E interessante notar que as poreentagens dos que querem filhos logo são menores entre os grupos mais jovens, quando comparadas às dos que querem filhos mais tarde. Esta posição inverte-se nos grupos mais velhos, sugerindo que os homens mais velhos são mais propensos a quererem filhos logo. Entre os que não querem mais filhos, a tendência é inversa, aumentando com a idade, embora seja bastante alta, mesmo nos grupos mais jovens (22% entre os com menos de 25 anos e 28% entre os de 25-29 anos, sendo que nesse último grupo 22% de suas mulheres estão esterilizadas). Comparando-se o desejo de ter filhos entre maridos e mulheres, nota-se que, entre os maridos de mulheres que disseram querer um filho logo, 43% concordam com essa idéia, 19% preferem ter o filho mais tarde, e 16% não querem mais filhos, o que mostra um choque com a opinião das mulheres. Mais da metade dos maridos de mulheres que reportar~un querer filhos mais tarde concordaram com elas, embora 20% tenham discordado, dizendo não querer mais ter filhos. É importante observar que 70% dos maridos de mulheres que não querem mais filhos tiveram a mesma opinião que elas. Entretanto, 11% deles se mostraranl indecisos, apesar das mulheres terem afirmado não querer mais filhos. 46 Gráfico 10.1 Intenç6es Reprodutivas Comparaçáo entre Maridos e Mulheres Ter filho In lért |! 2% mais tarde 12% Ter filho l e r ~ o g o 9% Indeciso 7% Não qu mais* 70% Ter filho Infértll 4% mais tarde 15% o r ~ T e r filho logo 7% Indecisa 3% Não qu mais* 71% Maridos Mulheres * Inclui mulheres esterllizadas PSFNe 1991 Para o total de maridos entrevistados, o número médio ideal de filhos é de 3,5 falhos, um pouco maior que o encontrado entre as mulheres casadas (2,9 filhos). Como ocorre com as mulheres, o número médio ideal de filhos entre os maridos 6 ligeiramente maior nas áreas rurais que nas urbanas (4,0 e 3,2 filhos, respectivamente). Essa relação se mantém em todos os grupos etários. Quando se analisa o número médio ideal de filhos por grupos de idade, observa-se que este aumenta com a idade dos maridos, sendo mais alto no grupo de mais de 40 anos. Comparando-se as opiniões de mulheres e maridos com relação ao número ideal de filhos, vemos que 29% do total dos casais concordam com o mesmo número, e que, para 22%, as mulheres desejam mais filhos que os maridos. Para 14% dos casais, os maridos desejam um filho a mais que as mulheres, para 7% os maridos desejam dois filhos a mais, para 5%, trSs filhos, e para 9%, quatro ou mais filhos (ver Gráfico 10.2). Nas áreas urbanas, existe maior concord'ância entre os casais sobre o número ideal de filhos, que nas áreas rurais: 36% contra 2¤%. O nível de instrução tamb6m influi na semelhança de opinião entre maridos e mulheres: quanto maior a instrução, maior a porcentagem de casais que consideram ideal o mesmo número de filhos. 47 Gráfico 10.2 Diferença no Número Ideal de Filhos entre Maridos e Mulheres "" ) ndmero 29% Outros/ N~o respondeu 14% Maridos Iher quer ma is 22% PSFNe 1991 4~ TABELAS Tabela 1.1 Resultados das enta'evistas dos domicflins e individuais Número de domicflios, número de entrevistas e taxas de respostas, segundo o local de residência, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Residência Resultado Urbano Rural Total Domlcfllos Selecinnados 4 820 2 875 7 695 Encontrados 4 192 2 224 6 416 Entrevistados 3 948 2 116 6 064 Taxa de resposta 94.2 95.1 94.5 Mulheres Elegíveis 4 800 2 043 6 843 Entrevistadas 4 315 1 907 6 222 Taxa de resposta 89.9 93.3 90.9 51 Tabela 2.1 População dos domicfliosl por idade1 residência e sexo Distribuição percentual da população de fato dos domicflios, segundo a residência e sexo, por grupos de idade, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Urbano Rural Total Mascu- Femi- Mascu- Femi- Mascu- Femi- Grupo de idade lino nino Total lino nino Total lino nino Total 0-4 11.7 10.3 10.9 14.2 14.4 14.3 12.7 11.9 12.3 5-9 12.9 11.8 12.3 16.2 13.8 15.1 14.3 12.6 13.4 10-14 13.6 13.4 13.5 14.5 14.3 14.4 14.0 13.8 13,9 15-19 12.5 11.2 11.8 11.5 9.8 10.6 12.0 10.6 11.3 20~4 9.3 9.2 9,2 7.2 6.7 7.0 8,4 8.2 8.3 25-29 7.7 8.1 7.9 6.0 5.9 6.0 7.0 7.3 7.1 30-34 5.1 5.6 5.4 5.0 5.4 5.2 5.1 5.5 5.3 35-39 5.2 5.7 5.5 3.9 5.6 4.8 4.7 5.7 5.2 40-44 4.3 5.0 4.7 4.5 4.4 4.4 4.4 4.8 4.6 45-49 3.9 4.2 4.1 3.5 3.1 3.3 3.7 3.8 3.8 50-54 3.2 3.7 3.5 3.2 3.8 3.5 3.2 3.8 3.5 55-59 2.6 3.2 2.9 2.7 3.7 3.2 2.6 3,4 3.0 60-64 2.4 2.7 2.6 2.1 2.5 2.3 2.3 2.6 2.5 65-69 2.2 2.1 2.2 2.0 2.3 2.2 2.1 2,2 2.2 70-74 1.1 1.4 1.3 1.2 1.5 1.3 1.2 1.4 1.3 75-79 1.1 1.0 1.1 1.1 1.0 1.1 1.1 1.0 1.1 80+ 0.9 1.2 1.1 1.0 1.4 1.2 0.9 1.3 1.1 Nãos~e~~r~~ndeu 0.3 0.0 0.2 0.3 0.1 0.2 0.3 0.1 0.2 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 I00.0 100.0 100.0 100.0 100.0 Número 7796 8943 16 739 5 838 5553 11 391 13 635 14 495 28 130 52 Tabela 2.2 População da Região Nordeste segundo diversas fontes Distribuição percentual da população de jure da Região Nordeste, por grupos de idade, segundo diversas fontes, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Censo Censo PNAD PSFNe Idade 1970 1980 1989 1991 Menor que 15 45.3 43.5 40.6 39.1 15-64 51.6 52.2 54.3 55.1 65 ou mais 3.2 4.4 5.1 5.7 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 Razão de depend¢'ncia .94 .92 .84 .81 Media:na 19.7 53 Tabela2.3 Composição do domicilio Distribuição percentual dos domicflios, segando o sexo do chefe, número de moradores habituais e número médio, número de adultos e presença de crianças adotadas, por resid&tcia, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Residtncia Característica Urbano Rural Total Sexo do chefe do domicilio Masculino 76.0 83.2 78.8 Feminino 24.0 16.8 21.2 Total 100.0 100.0 100.0 Namero de moradores hahituals 1 6.9 6.6 6.8 2 12.9 11.6 12.4 3 15.3 15.2 15.3 4 17.7 14.2 16.3 5 16.1 14.3 15.4 6 11.0 12.1 11.4 7 8.0 8.7 8.3 8 5.0 7.0 5.8 9 + 6.8 10.1 8.1 Total 100.0 100.0 100.0 Número médio 4.6 4.9 4.7 Nfimero de adultos 1 2 3 ou mais Total Crianças adotadas 1 Número de domicflios 10.4 10.6 10.5 40.8 43.6 41.9 48.5 45.6 47.4 100.0 100.0 100.0 14.1 13.1 13.7 3 702 2 363 6 065 IPorcentagem de domicflios com crianças menores de 15 anos de idade, cujos pais naturais não moram no domícilio. 54 Tabela 2.4 Nível de instrução da população dos domicílios: Ambos os sexos Dis~buição percentuul da população de fato masculina e feminina dos domicfiios, de 7 anos de idade ou mais, segundo anos de estudo, por caractedsticas selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Anos de estudo Não Característica 0 1-3 anos 4 anos 5-8 anc~ 9 ou mais respondeu NIí/Ti~ro Número media.no de de anos Total pessoas estudados Grupos de Idade 7-9 63.7 35.8 0,2 0.1 0.0 0.2 I00.0 2 280 0.8 I0-14 23.3 53.3 11.1 11.5 0.2 0.6 I00.0 3 900 2.3 15-19 11.0 28.2 17.6 33.7 8.7 0.9 I00.0 3 185 4.6 20-24 13.6 20.5 15.0 27.3 22.9 0.7 100.0 2 339 5. I 25-29 19.5 22.0 12.1 21.3 24.3 0.8 I00,0 2006 4,7 30-34 22.9 26.0 13.9 14,6 20.8 1.8 I00.0 1 494 4.0 35-39 31.8 24.0 13.0 13.0 16.8 1.4 I00.0 1 456 3.0 40-44 40.9 22.5 11.6 11.6 12.7 0.7 100.0 1 291 2.0 45-49 41.7 28.1 9.6 9.2 10.3 1.2 100.0 1 059 1.6 50-54 54.3 21.1 9.3 7.5 6.0 1.8 100.0 984 0.9 55-59 58.1 18.2 11.6 6.0 5.1 1.0 100.0 847 0.9 60-64 60.1 17.2 10.5 6.7 3.6 1.9 100.0 693 0.8 65+ 69.5 13.9 5.8 5.4 2.8 2.5 100.0 1 589 0.7 Não sabe/Nilo respondeu 48.5 10.2 0.0 2.0 14.4 24.9 100.0 40 0.8 Residência Urbano 24.3 27.5 11.8 20.5 14.9 1.1 100.0 14093 3.7 Rural 47.9 31.7 10.2 6.8 2.4 1.0 100.0 9071 1.1 Estado Maranhão 40.7 28.8 10.4 12.2 7.4 0.5 100.0 3 009 1.8 Piauí 38.0 26.5 10.2 13.9 10.0 1.4 100.0 1 441 2.1 Ceaxfi 39.4 27.5 10.2 14.6 7.3 1.0 100.0 3 212 1.9 Rio Grande do Norte 27.7 28.0 13.1 17.8 12.0 1.4 100.0 1 395 3.3 paraíba 31.4 25.5 11.2 17.2 13.9 0.9 100.0 1 900 2.9 Pernambuco 28.8 27.6 12.5 17.9 12.4 0.8 100.0 4 173 3.2 Alagoas 39.4 28.8 8.9 11.9 10.0 1.0 100.0 1 229 1.8 Sergipe 30.5 31.1 12.0 13.8 10.9 1.6 100.0 652 2.6 Bahia 30.2 33.1 11.3 14.7 9.2 1.4 100.0 6 154 2.4 Total 33.5 29.1 11.2 15.1 10.0 1.1 100.0 23 164 2.4 55 Table 2.4.1 N1vel de insu'ução da população dos domictlios: população mascalina Distribuição percerttual da população de fato masculina dos domicflios, de 7 anos de idade ou mais, segundo anos de estudo, por características selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Característica O N únlel-o Anos de estudo Número mediano NAo de de anos 1-3 anos 4 anos 5-8 anos 9 ou mais respondeu Total homens estudados Grupos de Idade 7-9 67.3 32.1 10-14 27.9 52.4 15-19 15.6 32.6 20-24 17.8 22.3 25-29 22.9 22.5 30-34 25.7 23.5 35-39 36.6 19.7 40-44 43.2 18.7 45-49 46.1 24.7 50-54 56.0 18.4 55-59 56.2 19.6 60-64 59.1 16.0 65+ 66.9 14.8 Nao sabe/Não respondeu 51.0 11.5 Residência Urbano 25.4 27.7 Rural 51.5 30.6 Estado Maranh~io 42.1 29.2 Piauí 41.5 25.0 Cea~~í 46.0 24.5 Rio C~aude do Norte 33.0 27.5 Parra'ba 36.4 25.6 Pemambuco 29.9 28.1 ,Magoas 42.5 29.4 Sergipe 32.5 31.7 Bahia 31.1 33.4 Total 36.2 28.9 0.2 0.0 0.0 0.4 I00.0 1 151 0.7 9.5 9.3 0.3 0.5 I00.0 I 903 1.9 17.5 27.1 5.9 1.4 100.0 1 642 4.1 13.4 26.3 19.4 0.9 100.0 1 145 4,7 12.5 20.7 20.2 1.2 100.0 954 4.3 15.6 13.7 18.2 3.4 I00.0 692 3.8 12.2 11.4 18.0 2.1 100.0 636 2.7 12.4 10.7 13.7 1.3 100.0 596 1.7 8.5 9.7 9.5 1.5 100.0 506 1.2 10.5 7.6 5.3 2.1 100.0 439 0.9 12.7 4.7 5.5 1.3 100.0 356 0.9 11.2 5.7 5.6 2.4 100.0 309 0.8 7,1 4.8 2.7 3.7 100.0 730 0.7 0.0 0.0 16.2 21.4 100.0 35 0.8 12.6 19.5 13.3 1.6 100.0 6 486 3.5 8.9 5.2 2.4 1,4 100.0 4 609 1.0 10.8 10.8 6,5 0,6 100.0 1 455 1.6 9.7 13.4 8.2 2.1 100.0 654 1.7 8.6 13.2 6.1 1.6 I00.0 1 578 1.3 10.2 15.9 11,7 1.7 100.0 648 2.7 10.8 15.0 II.I I.I I00.0 854 2.3 13.0 16.7 10,8 1.5 100.0 2 002 2.9 7.5 9.8 9.5 1.3 100.0 604 1.5 11.4 12.4 9,5 2.5 100.0 326 2.1 12.3 12.9 8,5 1.8 100.0 2 973 2.2 11.0 13.5 8.8 1.5 100.0 11 095 2.0 56 Table 2.4.2 Nível de instrução da população dos domicflios: População feminina Dislribuição percentual da população de fato feminina dos dormeflios, de 7 anos de idade ou mais, segundo anos de estudo, por caracteristicas seleeionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Anos de estudo Não Característica 0 1-3 anos 4 anos 5-8 ano~ 9 ou mais respondeu Número Número mediano de de anos Total mulheres estudados Grupos de Idade 7-9 60.2 39.5 0.1 0.1 0.0 0.1 100.0 1 129 0.8 10-14 19.0 54.2 12.6 13.5 0.1 0.6 100.0 1 997 2.6 15-19 6.1 23.5 17.6 40.7 11.7 0.4 100.0 1 543 5.2 20-24 9.7 18.7 16,6 28.3 26.2 0.5 100.0 1 194 5.6 25-29 16.5 21.5 11.7 21.9 27.9 0.4 1(30,0 1 052 5.0 30-34 20.4 28.2 12.5 15.3 23.1 0.5 100.0 802 4.1 35-39 28.2 27.4 13.6 14.2 15.8 0.9 100.0 820 3.2 40-44 39.0 25.8 10.8 12.4 11.8 0.2 100.0 696 2.3 45-49 37.7 31.1 10.6 8.8 11.1 0.8 100.0 553 2.0 50-54 52.9 23.3 8.3 7.3 6.6 1.6 100.0 545 0.9 55-59 59.4 17.3 10.8 6.9 4.9 0.7 100.0 492 0.8 60-64 60.9 18.2 9.9 7.5 2.1 1.5 100.0 384 0.8 65+ 71.8 13.2 4.7 6.0 2.9 1.5 100.0 859 0.7 Não sabe/Não respondeu 28.6 0.0 0.0 17.9 0.0 53.6 100.0 4 0.8 Residência Urbano 23.4 27.3 11.1 21.3 16.2 0.7 100.0 7 607 3.9 Rural 44.1 32.8 11.7 8.4 2.4 0.6 100.0 4 463 1.4 Estado M~ranhão 39.4 28.4 10.0 13.6 8.2 0.4 100.0 1 554 2.1 Piauí 35.0 27.7 10.5 14.4 11.5 0.8 100.0 787 2.5 Ceará 33.0 30.4 11.8 15.9 8.5 0.4 100.0 1 634 2,6 Rio Grande do Norte 23.1 28.4 15.6 19.5 12.2 1.2 100.0 747 3.8 Paraíba 27.2 25.3 11.5 19.0 16.3 0.6 100.0 1 045 3.6 Pernambuco 27.9 27.1 12.0 19.0 13.9 0.2 100.0 2 171 3.4 ,Magoas 36.3 28.2 10.3 13.9 10.5 0.8 100.0 625 2.0 Sergipe 28.6 30.5 12.6 15.2 12.3 0.7 100.0 326 3.0 Bahia 29.4 32.8 10.5 16.4 9.9 1.1 100.0 3 180 2.6 Total 31.0 29.3 11.3 16.6 11.1 0.7 100.0 12 070 2.8 57 Tabela 2.5 Frequência à escola . , Porcentagem da população de fato dos domicflios, de 7 a 24 anos de idade, que estão frequentando uma escola, por.idade, sexo e residSncia, Nordeste Br~il, PSFNe 1991 Grupos de idade Residência %10 11-15 %15 16-20 21-24 População mascuUna Urbano 88.1 80.3 83.7 47.0 19.3 Rural 70.1 67.2 68.6 24.4 6.6 Total 79.6 74.8 77.0 37.6- 14.6 População feminina Urbano 88.0 86.2 87.0 56.8 27,4 Rural 73.5 75.6 74.7 37.9 11.6 Total 82.0 82.0 82.0 50.3 22.5 População total Urbano 88.1 83.4 85.4 51.9 23.7 Rural 71.6 71.4 71.5 30.3 9.0 Total 80.8 78.5 79.5 43.7 18.7 58 Tabela 2,6 Características dos domidlios Distdbuiçã.o percentual dos domicilios, segundo suas características, por residência, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Resid~mcia Caractedaiica do domicilio Urbano Rural Total Eletrleldade Sim 94.5 34.6 71.2 Não 5.4 65.3 28.8 Fonte de figua para beber Água enc. dentro casa 76,7 14.0 52.3 Torneira pública 5.5 9.5 7.1 Poço no terreno 7.4 29.1 15.8 Poço público 1.8 10.4 5.1 Nascente 1.0 5.5 2.8 Rio/Riacho 1.2 11.3 5.1 Tanque/Lago 0,4 11.5 4.7 Represa 0.1 1.7 0.7 Água de chuva 1.4 3.0 2.0 Carro pipa 1.8 2.9 2.2 Água engarrafada 1.6 0.4 1.1 Outro 1.0 0.8 0.9 N~o sabe 0.1 0.1 0.1 Tipo de vaso sanlt~irio Vaso c/Á, gua privativo 72.8 17.5 .51.2 Vaso c/Agua coletivo 5.4 1.I 3.7 Casinha (buraco no chão) 11.5 10,8 11.2 Nenhum (Malo/Campo) 10.0 70.4 33.6 Outro 0.2 0.2 0.2 N~.o sabo 0.1 0.1 0.1 Material do piso da sola Terra/Areia 7.1 38.8 19.4 Tábuas de madalra 0.8 0.1 0.5 Assoalho de madeira 1.8 0.3 1.2 Paviflex 0,2 0.0 0.1 Azulejos de cerâmica 23.3 3.7 15.7 Cimento 66.2 56.9 62.6 Carpete 0.3 0,1 0.2 Não sabe 0.2 0.1 0.1 N g pessoas por c6modo usado para dormir 1-2 78.9 66.0 73.8 3-4 18.2 29.5 22.6 5-6 2.1 3.2 2.6 7 ou mais 0.6 1.0 0.8 M6dia 2.1 2.4 2.2 Total 100.0 100.0 100.0 Número 3 702 2 363 6 065 59 Tabela 2.7 Bens duráveis do domicilio Porcentagem de domicílios que possuem bens de consumo duráveis, por residência, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Resid~'ncia Bens duráveis Urbano Rural Total Rádio 75.5 59.7 69.3 Televisão 68.9 19.7 49.7 Reftigerador 60.9 14.2 42.7 Bicicleta 27.4 26.7 27.1 Motocicleta 3.1 1.8 2.6 Carro 13.8 4.9 10.3 Número de domicflios 3 702 2 362 6 065 60 Tabela 2.8 Características selecionadas das mulheres entrevistadas Distribuição percentual das mulheres entrevistades, por idade, residência, estado da federação, instrução, estado civil e religião, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Número de mulheres Porcentagem Não- Característica ponderada Ponderado Ponderado Idade 15-19 22.4 1 395 1 418 20-24 17.7 1 102 1 132 25-29 15.7 976 962 30-34 12.2 762 769 35-39 12.6 785 739 40-44 10.8 669 674 45-49 8.6 534 528 Rosld~ncla Urbano 65.4 4 066 4 315 Rural 34.6 2 156 1 907 Estado Maranhão 11.8 733 579 Piauí 6.7 420 622 Ceará 13.6 848 869 Rio Grande do Norte 6.0 373 510 Paraíba 8.6 534 426 Pernambuco 19.3 1 201 1 104 Alagoas 5.3 327 496 Sergipe 2.8 171 489 Bahia 25.9 1 614 1 127 Anos de estudo Nenhum ano 19.1 1 189 1 035 1-3 anos 24.3 1 514 l 419 4 anos 14.8 922 862 5-8 anos 23.6 1 471 1 598 9 ou mais 18.1 1 126 1 308 Estado civil Casada 48.2 2 999 2 833 União cortsensual 8.7 542 594 Viúva 1.8 113 107 Separada/Div orciada 5.7 354 389 Solteira 35.6 2 214 2 299 Religião CatóLíca Rorraxna 80.8 5 027 4 929 Protestante tradicional 1.9 120 129 Evangélica (Crente) 4.9 306 309 Espírita Kardecista 0.7 42 58 Espírita Afro-Brasileira 0.3 17 19 Religi~es Ofientais 0.1 3 7 JadaJc.a ou israelita 0.0 1 2 Ouça 0.3 18 28 Sem religião 11.0 686 740 Total 100.0 6 222 6 222 61 Tabela 2.9 Nível de instnação das entrevistadas T por características selecionadas Distribuição percentual das mulheres, segundo anos de estudo, por ¢ataeterfstices selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Característica Anos de estudo Número 1-3 5-8 9 ou de 0 anos 4 anos anos mais Total mulheres Idade 15-19 6.0 22.8 19.0 41.2 11.0 100.0 1 395 20-24 9.0 18.7 17.4 28.8 26.0 100.0 1 102 25-29 15.5 22.6 12.8 22.6 26.6 100.0 976 30-34 21.1 28.3 12.1 16.1 22.4 100.0 762 35-39 28.9 27.6 14.3 14.2 15.0 100.0 785 40-44 39.8 26.1 11.0 11.5 11.6 100.0 669 45-49 37.9 30.4 11.6 8.9 11.2 100.0 534 Residência Urbano 13.2 20.0 12.6 28.7 25.5 100.0 4 066 Rural 30.2 32.6 19.0 14.1 4.2 100.0 2 156 Estado Maranh~o 24.0 24.4 14.6 22.2 14.8 100.0 733 Piauí 19.5 25.1 14.6 22.5 18.3 100.0 420 Ceará 20.3 25.9 16.8 23.2 13.8 100.0 848 Rio Grande do Norte 9.6 20.8 21.2 28.3 20.0 100.0 373 Parada l l .g 21.5 13.8, 27.5 25.3 100.0 534 Pemambuco 17.1 21.2 15.1 25.3 21.4 100.0 1 201 Alagoas 29.0 23.7 11.6 19.1 16.7 100.0 327 Sergipe 15.7 28.5 13.0 23.4 19.4 100.0 171 Bahia 20.6 27.0 13.5 22.2 16.7 100,0 1 614 Total 19.1 24.3 14.8 23.6 18.1 100.0 6222 62 Tabela 2.10 Acesso aos meios de comunicação de massa Porcentagem de mulheres que lãem jornal, assistem televisão ou ouvem rádio, pelo menos uma vez por semana, por característie~ selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Característica Jornal Televisão Número de Rádio mulheres Idade 15-19 52.9 79.9 86.9 1 395 20-24 45.4 75.7 82.2 1 102 25-29 38.5 69.0 78.3 976 30-34 29.6 65.5 78.9 762 35-39 25.9 63.6 73.2 785 40-44 23.1 60.8 73.2 669 45-49 21.1 63.7 72.5 534 Residência Urbano 44.5 85.8 82.3 4 066 Rural 23.2 40.7 73.7 2 156 Estado Maranhão 30.7 57.3 63.2 733 Piauí 26.6 66.1 81.2 420 Ceará 36.7 66.5 81.2 848 Rio Grmade do Norte 46.2 77.2 78.2 373 Parada 46.2 82.7 85.9 534 Pemambuco 32.3 74.5 84.2 1 201 Alagoas 34.8 68.6 76.0 327 Sergipe 34.4 75.4 86.3 171 Bahia 42.3 69.9 79.5 1 615 Anos de estudo Nenhum ano 1.8 39.6 62.0 1 189 1-3 anos 19.6 59.3 79.5 1 514 4 anos 36.0 70.3 82.4 922 5-8 anos 59.6 86.9 85.7 1 471 9 ou mais 69.5 95.3 86.4 1 126 Total 37.1 70.2 79.3 6 222 63 Tabela 3.1 Fecundidade atual Taxas específicas de fecundidade por idade, taxa de fecundidade total e taxa de natalidade bruta para os tr~s anos anteriores à pesquisa, por residência, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Residência Idade Urbano Rural Total 15-19 65 97 76 20-24 161 263 193 25-29 149 205 168 30.34 114 203 150 35*39 61 157 96 40.44 17 78 38 45-49 l 30 11 Taxa de fecundidade TFT 15-49 2.8 5.2 3.7 TFF 15-44 2.8 5.0 3.6 TFG 99 171 124 TNB 23.6 31.3 26.6 Nota: As taxas referem-se ao período de 1-36 meses anterior à entrevista. As taxas para o grupo 45-49 anos podem aprese~tax ligeiro viés devido ao efeito dos v~tIores truncados TFT: Taxa de fecundidade total expressa por mulher TFG: Taxa de fecundidade geral (nascimentos divididos por número de mulheres 15-44) expressa por 1 000 mulheres TNB: Taxa de natalidade bruta expressa por 1 000 pessoas 64 Tabela 3.2 Fecundidade por c~racterísficas selecionadas Taxa de fecundidade total para os tr~s anos anteriores à pesquisa • número médio de filhos nascidos vivos para mulheres de 40-49 anos de idade, por caracterísUcas selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Característica TFT l Média nascidos vivos 40-49 Resldéncia Urbano 2.8 4.9 Rural 5.2 6.8 Estado Maanhão 4.6 6.4 Piauí 3.4 5.6 Ceará 3.5 5.6 Rio Grande do Norte 3.2 6.2 Pa~a~a 2.7 5.5 Pemambuco 3.5 5.2 Alagoas 4.5 6.6 Sergipe 3.4 5.5 Bahia 3.7 5.3 Anos de estudo Nenhum ano 5.8 6.7 1-3 anos 4.4 5.9 4 anos 3.5 5.0 5-8 anos 2.8 4.2 9 ou mais 2.0 3.0 Total 3.7 5.6 ITaxa de fecundidade total por mulheres 15-49 anos 65 Tabela 3.3 Tendência da fecundidade Taxas específicas de fecundidade por idade para períodos quinqtlenais anteriores à pesquisa, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Períodos quinquenais Grupos de idade 0-4 5-9 10-14 15-19 15-19 85 115 119 122 20-24 192 257 320 293 25-29 186 255 307 294 30-34 166 205 246 [283] 35-39 108 133 [194] 40~14 45 [73] 45-49 [i1] Nota: As taxas específicas de fecundidade por idade são expressas por 1 000 mulheres [ ] Truncado 66 Tabela 3.4 Fecundidade por duração da urfião Taxas específicas de fecundidade por duração da união para períodos quinqtlertais anteriores à pesquisa, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Períodos quinq~lenais Anos desde a pfimeliaunião 0-4 5-9 10-14 15-19 0-4 342 390 421 418 5-9 218 267 361 363 10-14 146 215 277 329 15-19 122 160 221 295 20-24 59 107 193 NA 25-29 22 47 NA NA Nota: As taxas de fecundidade por duração da união são expressas por 1 000 mulheres NA = Não se aplica 67 Tabela 3.5 Filhos nascidos vivos e filhos sobreviventes Distribuiç,ao percentual de todas as mulheres e das mulheres unidas por número de filhos nascidos vivos e número médio de filhos nascidos vivos e de sobreviventes, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Filhos nascidos vivos M6dia M6dia Grupos nascidos sobre- de idade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10+ Total N6rnero vivos viventes TODAS AS MULHERES 15-19 89.0 9.3 1.5 0.1 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 100.0 1 395 0.13 0.12 20-24 50.4 19,8 17.2 8,4 3.3 0.5 0.3 0.1 0.0 0.0 0,0 100.0 I 102 0.97 0.88 25-29 24.0 16.0 20.1 18.1 10.2 4.9 5.2 0.9 0.4 0.2 0.0 100.0 976 2,18 2.01 30-34 11.6 9.4 18.0 16.4 12.3 12.0 5.4 6.6 3.6 2.5 2.1 100.0 762 3.56 3.08 35-39 10.6 6.2 11.7 15.6 11.9 10.8 6.9 7.8 4,8 4.7 9.1 100.0 785 4.59 3.86 40-44 7.7 6.2 11.8 13.4 10.7 11.0 7.7 7.0 5.2 6.1 13.2 100.0 669 5.10 4.28 45-49 9.0 3.8 7.5 8.5 7.2 9.9 10.9 6.2 8.8 8.4 19.7 100.0 534 6.19 4.96 Total 37.0 11.0 12.1 10.5 6.9 5.7 4,2 3.2 2.4 2.3 4.5 100.0 6222 2.64 2.25 MULHERES UNIDAS 15-19 46.5 44.1 8.4 0.9 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 100.0 212 0.64 0.58 20-24 13.3 30.9 31.7 15.8 6.4 1.2 0.6 0.1 0.0 0.0 0.0 100.0 510 1.78 1.59 25-29 7.9 16.3 23.8 23.3 13.1 6.3 7.1 1.3 0.6 0.3 0.0 100.0 668 2.77 2.54 30-34 4.4 8.4 18 6 19.5 14.0 14.1 6,2 6.4 4.0 2.3 2,1 100.0 597 3.87 3.39 35-39 4.8 5.6 11.9 17.0 12.6 11.0 7.5 9.3 5.7 3.7 11.0 100.0 627 5.00 4.22 40-44 3.2 4.8 11.9 12.1 10.9 12.2 8.2 8.6 6.3 7.2 14.7 100.0 523 5.61 4.72 45~19 4.9 3.3 7.8 8.7 7.5 10.6 12.7 5.8 9.2 7.7 21.7 100.0 405 6.58 5.25 Total 8.8 13.6 17.4 15.8 10.5 8.7 6.5 4.9 3.8 3.0 7.0 100.0 3 541 3.94 3.36 68 T_a_bela 3.6 Intervalo entre os nascimentos Distribuição percentual dos nascimentos nos cinco anos anteriores à pesquisa, segundo o intervalo desde o nascimento pr6vio, por características selecionadas, Nordeste Brasil. PSFNe 1991 Nfimero de meses do nascimento anterior Característica 7-17 18-23 24-35 36~.7 48+ Total Mediana Ntimero Idade 15-19 (68.8) (16.2) (15.0) (0.0) (0.0) 100.0 15.8 25 20-29 27.0 19.5 26.7 13.4 13.3 100.0 25.5 1 187 30-39 20.1 18.3 26.7 10.1 24.8 100.0 29.3 1 075 40+ 13.4 12.7 24.0 17.0 32.9 100.0 37.0 289 Ordem de nascimento 2-3 21.5 17.1 25.6 12.2 23.6 100.0 28.9 1 125 4,6 23.1 17.2 26.4 14.3 18.9 100.0 28.6 823 7-+- 25.7 21.5 27.2 9.8 15.8 100.0 24.8 628 Sexo do nascimento anterior Masculino 21.9 19.0 27.0 11.8 20.3 100.0 27.5 1 367 Feminino 24.4 17.3 25,4 12.9 20.0 100.0 27.7 1 209 Sobrevivência do nascimento anterior Vivo 22.8 18.5 26.0 12.7 20.0 1002 27.6 2 307 Morto 25.2 16.1 28.1 8.7 21.9 100.0 27.4 269 Resld~ne[a Urbano 20.6 17.5 22,6 13.3 26.0 100.0 30.5 1 235 Rural 25.3 18.9 29,6 11.4 14.8 100.0 26.0 1 341 Estado M~aahâo 25.4 20.1 28,8 13.0 12.7 100.0 25.6 469 Piauí 24.3 22.4 30,0 7.2 16.0 100.0 25.2 144 Ceará 22.6 15.3 26,3 9.4 26.4 100.0 30.0 302 Rio Grartde do Norte 17.2 16.5 26,7 11.0 28.6 100.0 29.8 132 Paxaiba 18.1 18.6 22,5 15.9 24.9 100.0 32.7 157 Pemambuco 26.0 15.1 24.5 14,2 20.2 100.0 28.0 476 Alagoas 25.4 20.2 27.8 12.7 14.0 100.0 25.3 165 Sergipe 19.8 16.8 31.2 13.4 18.8 100.Õ 29.3 65 l~ahia 21.2 19.5 24.8 12.0 22.4 100.0 28.3 665 Anos de estudo Nenhum arre 25.1 17.0 29.5 11.8 16.5 100.0 27.0 849 1-3 anos 21.7 20.7 27.3 11.3 19.0 100.0 26.8 770 4 anos 23.9 19.6 20.0 13.6 22.9 100.0 27.7 380 5-8 anos 21.0 15.6 25.6 13.3 24.4 100.0 30.1 360 9 ou mais 21.5 16.1 21.6 13.7 27,0 100.0 32.1 216 Total 23.0 18.2 26.3 12.3 20.2 100.0 27.6 2 575 Nota: Os nascimentos de ordem 1 foram excluídos. ( ) Baseada em 25-49 casos não ponderados 69 Tabela 3.7 Idade na época do nascimento do primeiro filho Distribuição percentual das mulheres segundo a idade na época do vimeiro nascimento, por idade atoal, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade no primeiro nascimento Idade Sem atual filhos <15 15-17 18-19 20-21 22-24 25+ Total Número Mediana 15-19 89.0 0.3 7.3 3.4 NA NA NA 100.0 1 395 a 20-24 50.4 1.4 14.7 17.2 10.8 5.6 NA 100.0 1 102 a 25-29 24.0 0.9 18.0 22.0 13.5 15.2 6.4 100.0 976 21.4 30-34 11.6 2.2 16.1 20.8 16.0 18.7 14.7 100.0 762 21.4 35-39 10.6 2.1 14.1 17.8 17.6 20.0 17.7 100.0 785 21.8 4044 7.7 1.6 12.3 18.0 17.3 19.9 23.3 100.0 669 22.1 45-49 9.0 1.4 13.3 17.3 17.4 17.5 24.0 100.0 534 22.1 NA = Não se aplica alndica que o valor da mediana ~ maior que o limite inferior do intervalo de idade 70 Tabela 3.8 Idade na época do nascimento do primeiro filho por características seleeionadas Idade mediana na época do nascimento do primeiro filho segundo a idade amai, por características selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade Característica 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 25-49 Resldénela Urbano 22.0 21.4 21.8 22.2 21.9 21.9 Rural 19.8 21.3 21.8 22.1 22.5 21.4 Estado Maranh~o 19.5 20.6 20.6 21.6 (20.6) 20.3 Piauí 21.3 22.5 21.7 21.2 22.0 21.9 Ceará 24.3 21.3 22.1 22.4 22.0 22.5 Rio Grande do Norte 21.7 22.0 20.0 21.8 (20.0) 21.4 Pasto'ba 23.3 21.8 24.4 21.8 (21.9) 22.8 Pernambuco 20.5 21.1 21.7 22.3 21.6 21.4 Alagoas 19.9 23.4 19.9 (23.3) (20.9) 21.0 Sergipe 21.7 22.4 23.1 (22.2) (21.8) 22.2 Bahia 21.5 21.1 21.8 22.6 23.0 21.9 Anos de estudo Nenhum ano 19.3 20.4 19.8 20.9 21.6 20.4 1-3 anos 19.5 19.7 21.5 22.0 21.9 20.8 4 anos 20.0 21.6 22.2 23.2 21.5 21.4 5-8 anos 21.4 21.0 22.2 22.8 23.1 21.7 9 ou mais a 25.2 26.4 26.6 26.1 a Total 21.4 21.4 21.8 22.1 22.1 21.7 ( ) Ba.~eada em 25-49 casos não ponderados ao valor da mediana é maior que o limite inferior do intervalo de idade. 71 Tabela 3.9 Fecundidade na adolescência Percentagem de adolescentes de 15-19 anos que são mães ou estão grávid~ do primeiro filho, por características selecionadas, Nordeste Br~il , PSFNe 1991 Grávidas do Característica Já mães 1~ f'àho Total Número Idade 15 1.5 2.3 3.8 291. 16 5.9 4.8 10.6 325 17 11.0 3.1 14.1 269 18 16.9 5.3 22.2 251 19 22.3 3.3 25.6 259 Resld¿~ncla Urbano 10.5 3.4 13.9 899 Rural 11.9 4.5 16.4 496 Estado Maranhão 10.3 4.1 14.4 165 Piauí 7.7 1.3 9.0 114 Ceará 10.4 2.2 12.6 204 Rio Grande do Norte 19.6 3.2 22.8 82 Paralha 5.5 1.3 6.7 105 Pemambuco 9.6 5.3 14.9 256 Alagoas 12.0 4.6 16.6 70 Sergipe 12.5 2.0 14.5 37 Ba/tia 12.9 5.1 18.0 361 Anos do estudo Nenhum ano 21.2 10.2 31.4 83 1-3 anos 15.1 2.7 17.8 318 4 anos 12.6 3.7 16.3 265 5-8 anos 8.5 3.5 11.9 575 9 e mais 3.5 3.7 7.2 154 Total 11.0 3.8 14.7 1 395 72 Tabela 3.10 Crianças nascidas de adolescentes Distribuiç~to percantual de adolescentes de 15-19 anos, segundo o número de filhos nascidos vivos, por idade, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Filhos nascidos vivos Idade 0 I 2+ Média Número de nascidos adoles- Total vivos centes 15 98.5 1.5 0.0 I00.0 0.02 291 16 94.1 5.7 0.2 I00,0 0.06 325 17 89.0 10.3 0.7 100.0 0.12 269 18 83.1 13.9 2.9 100.0 0.20 251 19 77,7 17.1 5.2 I00,0 0.28 259 Total 89.0 9.3 1,7 I00.0 0,13 1 395 73 Tabela 4.1 Conhecimento de métodos e de fontes de obtenção Porcentagem de todas as mulheres e das mulheres ama[mente unidas que conhecem algum método anticoncepcional e a fonte de obtenção (ou informaçao), por método específico, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Conhece método Conhece fonte Todas Todas Método as Mulheres as Mulheres anticoncepcional mulheres unidas mulheres unidas Algum método 99.0 99.8 89.4 93.5 Algum método moderno 98.9 99.8 89.2 93.3 Pílula 95.8 97.8 79.5 83.9 DIU 47.0 50.2 22.6 24.2 lnjeções 80.2 84.9 57.1 59.2 Métodos vaginais 35.8 36.8 20.6 21.3 Condom 91.4 92.4 67.7 69.4 Esteriliz. feminina 93.2 96.7 74.3 80.5 Esteriliz. masculina 51.6 54.3 31.8 33.0 Algum m~todo trad. 82.1 ' 88.3 41.9 45.7 Abstinência periód. 76.0 81.6 41.9 45.7 Coito interrompido 53.4 61.2 0.0 0.0 Outro 3.7 4.4 0.0 0.0 Número 6 222 3 541 6 222 3 541 74 Tabela 4.2 Conhecimento de métodos modernos e de fonte de obtenção~ por características selecionades Porcentagem de mulheres atoalmente unides que conhecem pelo menos algum método moderno e a fonte de obtenção (ou informação), Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Conhecimento de métodos Conhece Conhece Conhece algum método fonte Caracteristica método moderno I met. mod Número Idade 15-19 100.0 100.0 95.1 212 20-24 100.0 100.0 94.5 510 25-29 100.0 100.0 93.6 668 30-34 99.9 99.9 96.4 597 35-39 100.0 100.0 94.1 627 4044 99.8 99.8 93.6 523 45-49 99.1 99.1 84.4 405 Residência Urbano 100.0 100.0 97.4 2 158 Rural 99.6 99.6 87.0 1 383 Estado Masanhão 99.5 99.5 82.1 456 Piauí 100.0 100.0 95.4 213 Cearei 100.0 100.0 96.9 464 Rio Grande do Norte 100.0 100.0 99.1 214 Parada 100.0 100.0 97.3 293 Pemambuco 100.0 100.0 95.9 685 Alagoas 99.4 99.4 92.7 184 Sergipe 100.0 100.0 99.1 99 Bahia 99.8 99.8 91.6 934 Anos de Estudo Nenhum ano 99.5 99.5 83.8 873 1-3 anos 99.9 99.9 92.2 972 4 anos 100.0 100.0 97.9 518 5-8 anos 100.0 100.0 98.7 634 9 ou mais 100.0 100.0 100.0 546 Total 99.8 99.8 93.3 3 541 tlnclui pílula, DIU, injeções, métodos vaginais (diafragma, geléia e espuma), condom, esterilização feminina e masculina. 75 Tabela 4.3 Uso alguma vez da anticoncepç~o Porcemagem de rodas as mulheres e das mulheres atualmente unidas que usam ou já usaram algum método anticoncepcional, segundo o tipo de método, por idade, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Métodos modernos Métodos tradicionais Algum Algum M6t. Este- Este- mé- Abst. Coito N6mero Grupos Aigtun método lnje- vagi- Con- riliz, dliz. todo perió- inter- de de idade m6todo moderno Pflula DIU çSes nals dom fero. mase. trad. dita rompido Outros mulheres TODAS AS MULHERES 15-19 13.7 12.4 10.1 0.0 1.5 0.2 3.9 0.2 0.0 4.4 1.4 3.1 0.3 1 395 20-24 46.5 42.8 37.8 0.7 6.5 1.0 11.1 6.3 0.1 18.5 8.8 12.6 0.4 1 102 25-29 69.3 66.2 54.0 0.8 8.8 1.5 16.5 27.0 0.5 25.1 13.6 14.4 1.9 976 30-34 78.1 74.5 57.2 1.1 8.8 4.0 15.3 40.7 0.2 29.3 16.8 16.5 2.0 762 35-39 76.1 72.1 48.6 1.5 5.0 2.6 10.4 49.4 0.1 27.5 15.4 15.8 1.8 785 40-44 72.0 67.4 46.8 1.3 2.8 5.8 13.3 43.4 0.3 30.6 19.9 16.1 1.6 669 45-49 61.3 55.0 29.9 1.3 2.0 2.6 5.9 38.7 0.1 22.0 14.0 10.7 2.0 534 Total 54.3 50.9 38.2 0.8 5.1 2.1 10.5 24.6 0.2 20.4 11.3 11.8 1.2 6222 MULHERES ATUALMENTE UNIDAS 15-19 63.3 58.0 46,3 0.0 7.1 1.4 21.0 0.6 0.0 19.9 4.8 15.3 1.6 212 20-24 78.6 73,6 65,8 1.4 11,5 1.2 18.0 12.2 0.0 28.6 12.5 19.6 0.8 510 25-29 82,8 78.8 64,6 0.7 9,7 2.0 19.9 34.8 0.6 30.9 17.1 17.5 2.5 668 30-34 83.4 81,1 63,2 1.1 8,5 4.2 16.9 47.4 0.3 31.5 18.2 19.0 0.9 597 35-39 80.6 76.0 52.8 1.8 5.8 3.1 10.7 52.4 0,1 30.2 16.9 17.7 1.7 627 40-44 76.9 71.4 49.2 1.6 2.9 4.9 12.8 48.9 0.2 33.3 20.8 18.6 1.0 523 45-49 64.1 58.2 29.6 1.3 1.8 2.1 5.1 42.4 0.0 22.6 16.3 9.6 0.7 405 Total 77.7 73.2 55.1 1.2 7.0 2.8 14.8 37.7 0.2 29,3 16.3 17.2 1.4 3 541 76 Tabela 4,4 Uso atual da anticoncepçéo Distribuiçéo percantual de todos as mulheres e das mulheres alualmente unidos usando algum método anticoncepcional, segundo o tipo de método, por idade, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Grupos de idade Métodos modernos Métodos tradicionall Algum Algum Coito Nlo N~nero método Mét. Este- Este- mé. Abst. int~r- usando de Algum mo- Inje- vagi- Con- filiz, dliz. todo pefió- rompi- mé- mulh~- método derno Pflula DIU ç6cs nals dom fero. masc. trad, dica do Outros todo Total res TODAS AS MULHERES 15-19 8,1 7.4 5.8 0.0 0.2 0.0 1.2 0.2 0.0 0.7 0.1 0.6 0.0 91,9 100.0 1 395 20-24 28.2 . 23.9 14.6 0.4 1.3 0.0 1,4 6,3 0.0 4.3 2.2 1.9 0.2 71.8 100.0 1 102 25-29 48.0 44.0 14.2 0,3 1,1 0,0 1,5 27,0 0.0 4,0 2.4 1.5 0.0 52.0 100.0 976 30-34 58.6 53.3 9.0 0,6 1,4 0.0 1.4 40.7 0.2 5.3 2.0 3.3 0.0 41.4 100.0 762 35-39 62.7 58.1 7.2 0.4 0.6 0.2 0.3 49.4 0.0 4.6 1.8 2.4 0.5 37.3 100.0 785 40~4 55.9 51.6 6.5 0.3 0.3 0.1 0.8 43.4 0.2 4.3 2.3 1.9 0.0 44.1 100.0 669 45-49 42.7 40.9 1.6 0.0 0.0 0.0 0.5 38.7 0.0 1.8 0.7 1.1 0.0 57.3 100.0 534 Total 39.1 35.7 9.0 0,3 0,7 0.0 1.1 24.6 0.1 3.4 1.6 1.7 0.1 60.9 100.0 6222 MULHERES ATUALMENTE UNIDAS 15-19 41.3 38.3 30.7 0.0 0.7 0.0 6.3 0.6 0.0 3.0 0.3 2.7 0.0 58.7 100.0 212 20-24 50.3 42.7 25.9 0.7 1.9 0.0 2.0 12.2 0.0 7.6 3.2 4.0 0.3 49.7 100.0 510 25-29 60.6 55.1 17.6 0.1 1.2 0.0 1.5 34,8 0.0 5.5 3.3 2.3 0.0 39.4 100,0 668 30-34 66.9 60.4 10.1 0.6 0.7 0.0 1.2 47.4 0.3 6.5 2.4 4.1 0.0 33.1 100,0 597 35-39 67.9 62.2 8.3 0.4 0.7 0.2 0.3 52.4 0,0 5.7 2.2 3.0 0.6 32.1 100.0 627 40~4 62,8 57,5 6.6 0.3 0.4 0.0 0.9 48.9 0,2 5,4 2.9 2.5 0.0 37,2 I00,0 523 45-49 47.6 45.3 2.2 0.0 0.0 0.0 0.7 42.4 0.0 2.3 0.9 1.4 0,0 52.4 I00.0 405 Total 59.2 53.7 13.3 0.3 0.8 0.0 1,4 37,7 0.1 5.5 2.4 2.9 0.1 40.8 100.0 3 541 77 Tabela 4.5 Uso atual da artticoncepção por caracterísUcas selecionadas Distribuição percentual das mulheres atualmente unidas usando algum método antieuncepeional, segundo o tipo de método, por características selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Caracte- ~sUea Métodos modernos M~todos tradicionais Algum Algum Coito Nlto Ndmero m~todo Mét. Este- Este- m~- Abst. inter- usando de Algum mo- Inje- vagi- Con- riliz, riliz, tudo peri6- rompi- m~- mulhe- método derno Pflula DIU ções nals dom fem. mase. trad. dita do Outros todo Total res Residência Urb~o 65.6 60.0 13.7 0.5 1.1 0.1 1.5 42.9 0.1 5.6 3.0 2.5 0.2 34.4 100.0 2 158 Rural 49.1 43.9 12.6 0.0 0.5 0.0 1.2 29.5 0.1 5.2 1.5 3.6 0.1 50.9 100.0 1 383 Estado Maré'ao 48.4 47.2 2.5 0.0 0.3 0.0 2.5 41.g 0.2 1.2 0.8 0.4 0.0 51.6 100.0 456 Piaut 65.6 62.4 9.2 0.5 0.3 0.0 0.5 52.0 0.0 3.2 0.5 2.7 0.0 34.4 100.0 213 Cearei 54.1 48.9 14.8 0.3 0.4 0.0 1.2 32.2 0.0 5.2 4.2 1.0 0.0 45.9 100.0 464 Rio Grande doNorte 69.8 64.7 16.3 0.7 1.3 0.0 3.3 43.2 0.0 5.1 3.8 1.3 0.0 30.2 100.0 214 Parada 65.7 58.3 13.4 0.0 0.7 0.4 0.9 42.9 0.0 7.4 3.7 3.7 0.0 34.3 100.0 293 Pemambuco 61.5 54.5 12.8 0.0 1.3 0.0 1.4 39.0 0.1 7.0 2.9 3.8 0.2 38.5 100.0 685 Alagoas 53.8 47.5 14.8 0.0 0.4 0.0 1.1 31.1 0.0 6.3 3.0 3.2 0.0 46.2 100.0 184 Serglpe 66.4 57.4 18.5 0.0 3.4 0.0 1.3 32.8 1.5 9.0 5.4 3.6 0.0 33.6 100.0 98 Bahia 59.6 53.5 17.6 0.9 0.9 0.0 1.0 33.1 0.0 6.1 1.3 4.4 0.4 40.4 100.0 934 Anos de estudo Nenhumano 44.3 40.0 7.7 0.0 0.2 0.0 0.2 31.9 0.0 4.3 0.9 3.2 0.2 55.7 100.0 873 1-3maos 55,0 49.8 11.1 0.1 0.2 0.1 0.6 37.6 0.0 5,2 1.6 3.4 0.2 45.0 100.0 972 4anos 62.6 58.1 16.3 0.2 1.1 0.0 0.7 39.6 0.1 4.5 2.3 2.0 0.3 37.4 100.0 518 5-Sanos 67.8 61.7 19.2 0.2 2.3 0.0 2.9 36.9 0.2 6.1 2.8 3.3 0.0 32.2 100.0 634 9 ou mais 77.2 69.2 16.5 1.6 1.2 0.0 3.6 46.3 0.2 7.9 5.8 2.1 0.0 22.8 100.0 546 FilhoS vivos Nenhum 23.4 20.9 15.6 0.3 1.3 0.0 3.5 0.3 0.0 2.4 1.0 1.4 0.0 76.6 100.0 343 1 50.2 40.6 29.3 0.8 2.8 0.0 3.4 4,4 0.0 9.6 6.2 3.4 0.0 49.8 100.0 536 2 65.7 59.4 15.6 0.9 0.8 0.0 2.0 39,8 0.4 6.2 2.7 3.3 0.2 34,3 100.0 676 3 75.1 70.8 7.8 0.2 0.4 0.2 0.3 61,8 0.1 4.3 1.1 2.9 0.3 24.9 100.0 621 4+ 61.2 56.5 7.8 0.0 0.2 0.0 0.4 48.2 0,0 4.8 1.7 3.0 0,1 38.8 100.0 1 366 Total 59.2 53.7 13.3 0.3 0.8 0.0 1.4 37.7 0.1 5.5 2,4 2.9 0.1 40.8 I00.0 3541 78 Tabela 4.6 Número de filhos quando do uso do primeiro método Distribuição percentual das mulheres alguma vez unidas, segundo o número de filhos na época do uso do primeiro método anúconcepcional, por idade atual, Nordeste Brasil, PFSNe 1991 Número de filhos na época Nunca do primeiro uso de métodos Número Idade usaram de atual métodos 0 1 2 3 4+ Total mulheres 15-19 36.6 45.5 16.8 1.1 0.0 0.0 100.0 236 20-24 21.6 35.5 32.1 6.6 3.2 0.9 100.0 585 25-29 17.8 32.0 25.9 12.1 6.2 6.1 100.0 766 30-34 16.4 20.6 25.4 15.0 7.7 15.0 100.0 678 35-39 19.2 16.3 17.0 13.1 9.4 24.8 100.0 720 40~,4 25.7 13.3 14.4 10.2 10.4 25.5 100.0 626 45-49 35.4 6.6 7.3 12.3 8.4 30.0 100.0 503 Total 22.8 22.7 20.6 11.1 7.1 15.6 100.0 4 115 79 Tabela 4.7 Problemas com o método atual Distribuição percentual das usuárias de anficoncepç~, segundo o principal problema com o uso do método amai, por método específico, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Este- Abst. Coito Principal problema Con- riliz, periú- inter- com método atual Pflula Injeções dom fem. diea rompido Não tem problema 77.2 92.3 80.7 87.0 99.4 92.4 Companheiro n~o gosta 0.0 0.0 2.7 0.0 0.0 2.5 Efeitos colaterais 18.8 6.1 0.8 6.3 0.0 1.5 Problemas de saúde 3.0 0.0 0.0 5.9 0.0 1.4 N~.o confia no método 0.0 0.0 0.0 0.0 0.3 0.0 Inconveniente, n~.o gosta 0.4 0.0 15.8 0.0 0.0 2.3 Esterilizada, quer filho 0.0 0.0 0.0 0.4 0.0 0.0 Frigidez 0.3 1.5 0.0 0.3 0.3 0.0 N~o respondeu 0.2 0.0 0.0 0.1 0.0 0.0 Total 100.0 100.0 I00.0 100.0 100.0 100.0 Número 557 45 68 1 530 98 107 Nota: A tabela não apresenta os métodos para menos de 25 usuárias. 80 Tabela 4.8 Conhecimento do período fértil Distribuição percenmal de todas as mulheres e das mulheres que usam ou já usaram abstinência períodica, segundo o conhecimento do período f6rtil durante o cicio ovulatório da mulher, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Usuárias alguma Todas vez da Conhecimento do as abstinência perIodo fdrUl mulheres peri6dica Durante a menstruação 1.2 0.5 Depois da menstruação 26.1 36.7 No meio do ciclo 14.1 34.9 Antes da menstruação 6.7 3.9 Outro 0.5 0.4 Qualquer época 11.1 4.4 Não sabe 40.3 19.3 Total 100.0 100.0 Número 6 222 706 81 Tabela 4.9 !~'poca da esterilização~ por idade Distribuição percentual das mulheres esterilizadas, segundo a idade na época da esterilização, por número de anos desde a cirurgia, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade na época da esterilização Anos desde a esterilização <25 25-29 30-34 35-39 40-44 Total Número Mediana I <2 20.7 30.1 22.2 22.7 4.4 100.0 321 29.9 2-3 20.8 32.4 24.3 19.0 3.5 100.0 281 29.4 4-5 22.0 33.2 23.8 13.4 7.9 100.0 213 28.8 6-7 20.3 29.1 32.5 14.5 3.6 100.0 204 30.2 8-9 14.3 32.1 30.9 20.0 2.7 100.0 176 30.4 10+ 14.0 39.4 31.9 14.7 0.0 100.0 322 29.6 Total 18.7 33.0 27.3 17.6 3.5 100.0 1 516 29.7 lA idade mediana foi calculada somente para mulheres com menos de 40 anos de idade para evitar problemas de censula. 82 Tabela 4.10 l~poca da esterilização~ por número de filhos Dislxibuição percentual das mulheres esterílizadas, segundo o número de filhos vivos, por n6mero de anos desde a cirurgia, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 N o de Fdhos na época da esterilização Anos desde a esterilização 0 1 2 3 4 5 6 7+ Total Número Mediana <2 0.0 1.9 29.5 23.5 13.2 13.8 3.7 14.4 100.0 321 2.8 2-3 0.0 1.2 21.2 28.3 19.1 7.6 9.9 12.8 100.0 281 3.0 4-5 0.0 4.1 18.8 27.8 19.0 8.1 6.7 15.5 100.0 213 3.0 6-7 0.0 1.4 14.6 32.0 19.1 13.6 5.8 13.4 100.0 204 3.1 g-9 0.0 2.4 14.3 26.6 19.7 11.1 10.1 15.8 100.0 176 3.3 10+ 0.5 1.8 17+3 26.3 17.7 14.2 8.7 13.4 100.0 322 3.2 Total 0.1 2.1 20.1 27.1 17.6 11.6 7.3 14.1 100.0 1 516 3.0 83 Tabela 4.11 Fonte de obtenção de métodos {ou suprimento) Distribuição percentual das usuárias atuais de métodos modernos, segundo a mais recente fonte de obtenção ou informação, por método específico, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Este- Todos Fonte de obtenção Con- riliz, m¿'todos do m6todo Pflula lnjeções dom ferrt modernos lnstlt, p6bllcas 12.9 2.3 22.9 77.6 57.8 11ospital do governo 3.1 1.3 5.1 45.5 32.5 Previdência, INAMPS 1.8 1.0 1.1 31.5 22.3 Centro/posto saúde 8.1 0.0 16.6 0.7 3.0 lnstlt, prlvadas 4.8 0.0 8.0 20.0 15.7 Clínica planej, faro. 1.3 0.0 0.8 0.5 0.7 I lospitai, Cllnica 1.5 0.0 2.8 19.5 14.4 Posto comunitário 2.0 0.0 4.4 0.0 0.6 Outras fontes 82.0 97.7 69.2 2.3 26.4 Farm~icia 78.5 97.7 63.9 0.0 23.7 Igreja 0.3 0.0 0.0 0.0 0.1 Anúgos, Parentes 2.6 0.0 4.0 0.0 0.8 Outra 0.3 0.0 1.3 0.2 0.3 làlantrúpiea 0.3 0.0 0.0 2.1 1.5 Não respondeu 0.2 0.0 0.0 0.0 0.1 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 Número 557 45 68 1 530 2 222 Nota: A tabela não apresenta os mútodos para menos de 25 usúarias (não pondcradas). 84 Tabela 4.12 Tempo gasto para chegar a uma fonte de obtenç~,o de métodos anticoncepcionais Distribuiç~to percentual das usuárias atuais de tu&odes modernos de planejamemo familiar, de n~,o-usuárias de métodos modernos e de todas as mulheres que conhecem algum método, segundo o tempo gasto para atingir uma fonte de obtenção, por residência, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Usuíaias atuais de métodos modernos N~o usuárias d,e métodos modernos Mulheres que conhecem um método Tempo gasto em minutos Urbano Rural Total UrbJ~ao Rural Total Urbano Rural Total 0-14 34.2 6.6 26.1 34.1 4.3 22.9 34.3 5.1 24.3 15-29 21.6 12.8 19.0 17.1 5.4 12.7 18.9 7.8 15.1 30-59 19.6 24.1 20.9 7.3 11.1 8.7 12.1 15.3 13.2 60+ 20.0 53.4 29.8 4.7 23.0 11.6 10.7 32.9 18.3 Não sabe tempo 3,7 2,1 3,2 1,6 2,5 1,9 2,4 2,5 2,4 Não sabe fonte 0.0 0.0 0.0 29.7 47.8 36.5 17.9 32.0 22.7 N~o so aplica t 0.8 0.7 0.8 5.3 5.7 5.4 3.5 4,1 3.7 Não respondeu 0.2 0.3 0.2 0.3 0.2 0.3 0.2 0.3 0.2 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100.0 100,0 100.0 100.0 100,0 Modiana 20.4 60.3 30.2 10.8 50.1 15.8 15.4 60.2 20.6 Número 1 568 653 2 222 2 498 1 502 4 000 4 047 2 111 6 157 lFonte de ob~nção ¢ igreja, amigos/pasentes, ou ou~'a. 85 Tabela 4.13 Interrupção do uso de métodos anticoncepeionais durante o primeiro ano do us._qo Porcentagem de usuárias da anticoncepção que interromperam o uso do método no período de 12 meses após o início do uso, devido à falha do método, desejo de engravidax ou outras raz6es, por método específico, Nordeste Brasil, PSFN'e 1991 Razão para a interrupção Para Efeitos Método Falha do ficar colate- Outras antíconcepcional método gr~ivida rais razões Total Pílula 6.9 6.4 21.8 17.3 52.4 Injeç~,es 3.1 5.6 39.7 23.2 71.6 Condom 6.1 4.1 4.8 65.9 80.9 Abstin~.ncia periódica 25.6 4.9 1.1 32.5 64.1 Coito interrompido 15.2 3.0 1.3 44.2 63.7 Total I 7.9 4.3 12.7 22.7 47.6 Nota: As percentagens foram c',dculadas através de tábua de mortalidade. Só foram calculadas as porcentagens de interrupção de uso, por métodos específicos, a partir de 125 episódios nos 60 meses anteriores à pesquisa. llnclui esterilização 86 Tabela 4.14 Razões paxa a interrupção do uso de métodos Distri.beiç~.o percantual das r~zSes de interrupção do uso do método nos ú[ftmos cinco anos anteriores à pesquisa, segundo as raz6es, por método específico, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 M6todo Coito Razão para Con- inter- interrupção do uso Pílula Injeções dom Tabela rompido Total Ficou gravida usando 14.3 7.0 12.1 49.6 40.0 21.6 Queria ficar gravida 15.5 8.9 6.0 9.3 5.7 11.7 Companhciro não gosta 0.4 0.8 14.4 2.1 7.5 3.0 Efeitos colaterais 38.4 45.2 4.3 1.1 1.1 25.5 Conta'a-indicação 3.0 4.2 2.9 2.2 2.1 2.9 Acesso, disponibilidade 2.3 2.7 2.2 0.5 0.2 1.9 Método mais eficaz 3.3 4.1 10.6 12.9 16.2 7.1 Inconveniente de usar 2.4 9.5 35.5 4.2 17.5 8.9 Sexo pouco frequente 7.4 2.0 4.0 6.2 4.4 6.1 Custo 1.0 5.6 0.7 0.0 0.0 1.0 Fatalismo 1.0 1.2 1.0 0.3 0.8 0.9 Menopausa, histerectomia 0.7 1.4 1.5 3.3 0.2 1.0 Separaç~io, viuvez 0.9 1.3 0.1 0.8 0.2 0.8 Descanso 2.9 0.8 0.3 0.1 0.0 1.8 Outra 5.3 3.9 2.8 7.3 3.5 4.8 Não sabe 1.0 0.0 1.2 0.0 0.5 0.8 Não respondeu 0.1 1.3 0.4 0.0 0.0 0.3 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 Número 1 144 143 198 231 290 2 072 Nota: A tabela n/to apresenta os métodos para menos de 25 episódios (não ponderados) de uso. 87 Tabela 4.15 Uso futuro Distribuiçgo percentual das mulheres atualmente unidas que não estão mando nenhum método anticoncepcional, segundo a intenção de uso no futuro, por número de filhos vivos e experi¿neia passada com a anticoncepção, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Número de filhos vivos 1 Intenç'~o de uso no futuro 0 1 2 3 4+ Total Nunca usaram antes Pretendem em 12 meses 5.1 19.7 9.7 5.4 11.0 11.1 Pretendem mais tarde 7.0 3.6 2.5 0.7 0.9 2.4 Em dúvida 0.6 1.4 4.1 8.1 3.5 3.4 Não pretendem 64.7 28.7 24.1 34.7 40.5 37.6 N~o responderam 0.0 0,0 0.0 0.0 0.0 0.0 Jú usaram antes Pretendem em 12 meses 5.7 26.0 35.0 34.1 20.2 23.8 Pretendem mais tarde 4.9 2.2 3.4 1.3 0.7 2.0 Em dúvida 0.4 1.8 4.4 2.5 4.9 3.4 N~o pretendem 11.7 16.2 15.3 13.0 17.6 15.6 N~.o responderam 0.0 0.4 1.5 0.2 0.7 0.6 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 Total nfio usuárias Pretendem em 12 meses 10.8 45.7 44.7 39.5 31.1 34.9 Pretendem mais tarde 11.8 5.8 5.9 1.9 1.6 4.5 Em dúvida 1.0 3.3 8.5 10.6 8.4 6.8 Não pretendem 76.4 44.8 39.4 47.7 58.1 53.3 Não responderam 0.0 0.4 1.5 0.2 0.7 0.6 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 Número 175 289 240 179 562 1 445 llncluigravidez atual 88 Tabela 4.16 Raz6es para o não uso Distribuição pereentual das mulheres que não estão usando nenhum mútodo anticoncepcional e que não tem intenção de usar no futuro, segundo a razão principal pga não querer usar a anticoncepção, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade Razâo para o não uso 15-29 30-49 Total Quer mais filhos 33.1 6.0 12.8 Falta de informação 5.4 7.2 6.8 Companheiro não gosta 1.7 0.3 0.7 Custo 0.5 2.2 1.8 Efeitos colaterais 12.6 7.9 9.1 Problemas de saúde 8.9 3.4 4.8 Dificuldade obtenção 0.6 1.1 1.0 Religião 2.1 2.2 2.1 Op6e-se plartej, faro. 1.9 1.3 1.4 Fatalismo 8.3 12.7 11.6 Outros op6em-se 0.0 0.4 0.3 Sexo pouco frequente 0.3 2.0 1.6 Dif/cil engravidar 9.4 17.0 15.1 Menopausa 0.0 17.4 13.0 Histerectomia 1.7 9.1 7.3 lnconv., não gosta 11.5 5.7 7.1 Sem vida sexual 0.0 1.3 1.0 Outra 0.0 0.4 0.3 Não sabe 2.0 2.2 2.1 Total 100.0 100.0 100.0 Número 194 577 770 89 Tabela 4.17 Método anticoncepeional preferido para uso futuro Distribuição percentual das mulheres atualmente unidas que não est~io usando métodos anticoncepcinnais, mas tem intenção de usá-los no futuro, segundo o método preferido, Nordest~ Brasil, PSFNe 1991 Intenção de uso no futuro Pretende Pretende Método em mais preferido 12 meses tarde Total i Pflula 39.1 35.6 38.1 DIU 3.3 5.4 3.4 Injeçúes 6.7 7.7 7.0 Espuma, geléia 0.1 0.0 0.1 Condom 2.2 4.0 2.2 Tabela 6.4 1.1 6.0 Esteriliz. feminina 31.1 35.8 31.5 Estefiliz. masculina 0.2 0.0 0.2 Coito interrompido 0.3 0.0 0.6 Outro 0.2 0.0 0.2 Não sabe 10,5 10.5 10.7 Total 100.0 100.0 100.0 Número 504 64 602 lInelui respostas "em dúvida." 90 Tabela 4.18 Audiência de programa sobre planeiamemo familiar em rádio ou televisão Distribuição percarttual de todas as mulheres, segundo se ouviram ou não alguma mensagem sobre planejamento familiar no rádio ou na televisão no m~s anterior à entrevista, por características selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Característica Mensagem sobre planejamento familiar no rádio e na televisão Númem Em Rádio TV Em de nenhum somente somente ambos Total mulheres Residência Urbano 67.8 4,5 13.7 13.9 100.0 4 057 Rural 83.0 7,8 4.0 5.2 100.0 2 149 Estado Mararth~ío 83.4 3.4 8.7 4.4 100.0 733 Piauí 79.6 6.6 5.0 8.8 100.0 418 Ceará 87.7 4.2 4.3 3.8 100.0 848 Rio Grande do Norte 75.5 3.0 6.9 14.6 100.0 373 Parra'ba 76.9 5.2 11.9 6.0 100.0 531 Pemambuco 67.3 7.6 12.6 12.5 100.0 1 195 Alagoas 72.8 5.2 9.6 12.4 100.0 326 Sergipe 66.8 4.5 18.7 10.0 100.0 170 Bahia 62.2 6.7 13.4 17.7 100.0 1 611 Anos de estudo Nenhum ano 83.1 6.1 5.9 4.9 100.0 1 187 1-3 anos 78.8 6.5 6.5 8.3 100.0 1 508 4 anos 75.8 7.0 8.3 8.9 100.0 922 5-8 anos 69.0 4.2 13.1 13.7 100.0 1 465 9 ou mais 57.9 4.9 18.2 19.0 100.0 1 123 Total 73.1 5.7 10.3 10.9 100.0 6 205 91 Tabela 4.19 Receptividade às mensagens na mídia sobre planeiamento familiar Porcentagens de todos as mulheres que acreditam ser positivo a veiculação de mensagem sobre o planejamento familiar no rádio ou televisão, segundo a idade, por características selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade Característica 15-19 20-24 25-29 30-34 35.39 40~14 45-49 Total Residência Urbano 86.5 94.7 93.8 92.6 89,4 89.3 89.7 90.8 Rural 75.9 84.8 81.9 84.9 85,7 74.0 74.0 80.4 Estado Marardaão 74.7 85.7 91.0 71.8 86,6 77.5 (89.3) 81.9 Piauí 78.0 90.8 76.9 82.1 74,4 74.9 59.1 78.1 Ceará 83.7 85.1 81.2 89.8 94,9 82.2 79.8 84.9 Rio Grande do Norte 76.3 87.1 81.7 81.5 85,0 81.2 (67.4) 80.9 Parada 81.6 97.2 92.6 97.9 92,0 82.0 (86.8) 89.9 Pemambuco 81.6 96.8 97.0 94.0 86,6 87.2 88.5 90.3 Alagoas 84.7 86.6 87.9 93.9 89,2 (76.0) (82.8) 86.3 Sergipe 87.9 92.2 92.5 91.7 80,9 (89.4) (81.9) 89.0 Bahia 89.0 93.6 93.6 95.8 88,8 89.3 92.3 91.6 Anos de Estado Nenhum ano 69.2 80.7 74.1 75.7 80,2 73.6 75.7 75.8 1-3 anos 72.0 83.2 84.4 92.5 83.4 84.5 87.8 83.0 4 anos 75.8 87.6 91.4 89.2 94.8 89.4 83.7 85.7 5-8 anos 89.7 95.3 95.2 94.0 93.7 98.2 97.6 93.1 9 ou mais 97.8 100.0 98.6 97.0 99.6 98.3 98.0 98.7 Total 82.7 91.6 89.9 89.8 88.0 83.9 84.7 87.2 ( ) Baseada em 25-49 casos não ponderados. 92 Tabela 5.1 Estado civil amai Distribuiç~.o percentual das mulheres, segundo o estado civil amai, por idade, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Estado civil Uni~o Sepm'ada/ Idade Solteira Casada consensuai Viúva Divorciada Total Número 15-19 83.9 11.5 3.7 0.1 0.9 100.0 1 395 20-24 49.7 35.8 10.5 0.1 3.9 100.0 1 102 25-29 24.7 55.9 12.4 0.5 6.5 100.0 976 30-34 12.0 67.4 10.9 1.1 8.5 100.0 762 35-39 9.6 69.2 10.7 3.1 7.4 100.0 785 40-44 8.1 70.2 7.9 4.4 9.4 100.0 669 45~í9 6.5 69.4 6.5 8.2 9.4 100.0 534 Total 35.6 48.2 8.7 1.8 5.7 100.0 6 222 93 Tabela 5.2 Tempo de união Porcentagem de meses passados em tmião marital durante os cinco anos anteriores à pesquisa, segundo a idade, por características se|ecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade atual Característica 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40~.4 45-49 Total Residência Urbano 5.0 25.1 47.0 59.3 60.4 57.0 56.4 38.6 Rural 6.0 39.9 56.3 64.9 63.5 67.7 66,8 46.3 Estado Maranhão 4,9 40.0 61,4 63.5 62.9 61.5 (69.1) 46.3 Piauf 3.6 22.4 49.6 61,1 64.2 67.9 54.0 37.0 Ceará 5.2 23.6 43.9 57.6 63.8 63,4 68.8 39.6 Pio Grande do Norte 9.7 29.1 46.6 60.7 64.1 62.3 (55.2) 41,9 Paraíba 2.9 25.5 43.1 65.9 62.4 62.3 (57.5) 41.2 Pemambuco 5.9 29.0 54,4 61.0 59.8 60.4 56.3 41.6 Alagoas 6.6 27.2 53.8 59.3 57.4 (57.1) (61.9) 40.3 Sergipe 5.8 36.7 55.1 58.1 60.6 (63.2) (54.0) 41.9 Bahia 5.2 32.5 46.6 61.8 60.5 57.1 58.1 40.8 Anos de estudo Nenhum ano 12.7 41.3 55,9 64.0 64.3 59.8 61.3 56.2 1-3 anos 6.3 41.6 62.5 64.2 57.2 65.1 60.9 47.4 4anos 5.3 38.3 50.6 64,1 70.7 67.5 54,4 40.4 5-8 anos 4.4 26.4 49.6 59.5 62.5 49.1 58.0 29,0 9 ou mais 3.1 15.4 36.3 55,0 54.9 60.0 57.7 34.0 Total 5.4 29.8 50.1 61.4 61.6 60,8 59.7 41.3 ( ) Baseada em 25-49 casos não ponderados 94 .T~.bala 5.3 Idade na primeira união Porcentagem de mulheres que se uniram pela primeira vez até as idades especificadas e idade mediana na primeira união, por idade atual, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade atual 15 Idade Idade específica Número mediana Nunca de na it 18 20 22 25 unidas mulheres união 15-19 2.1 NA NA NA NA 83.9 1 395 a 20-24 5.1 24.7 38.2 NA NA 49.7 1 102 a 25-29 4.4 29.9 46.5 58.4 69.0 24.7 976 20.6 30-34 6.5 29.8 48.6 63,4 76.0 12.0 762 20.2 35-39 7.1 27.6 47.8 60.0 75.4 9.6 785 20.3 40-44 6.2 25.5 43.6 58.3 74.4 8.1 669 20.9 45-49 5.9 30.9 48.5 60.7 75.2 6.5 534 20.2 25-49 5.9 28.7 47.0 60.1 73.7 13.3 3 726 20.5 NA = Não se aplica alndiea que o valor da media.na é maior que o limite inferior do intervalo de idade 95 Tabela 5.4 Idade mediarta na primeira uniao Idade mediana na primeira uni~.o entre mulheres de 20-49 anos, segundo a idade atuai, por características sdecionadas, Nordes~.e Brasil, PSFNe 1991 Idade amai Característica 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 Mulheres de 25-49 anos Residência Urbano a 21,6 20.0 20.4 20.8 20.1 Rural 19.8 19.0 20,4 20.3 20,9 20.4 20.7 20.0 Estado Maranh~o 19.0 18.3 20.0 19.5 19.7 (18.4) 19.1 Piauí a 20.4 21.3 20.1 21.0 21.3 20.8 Ceaxá a 22.9 20.5 20.6 21.6 20.3 21.8 Rio Grande do Norte a 21.2 21.3 18.8 21.2 (18.2) 20.3 PataDa a 22.3 19.6 22.9 20.6 (21.1) 21.8 Pemambuco a 19.3 20.0 20.4 20.8 19.5 20.3 Alagoas a 20.2 22.3 18.8 (20.3) (18.3) 19.9 Sergipe a 20.7 20.7 22.0 (21.2) (20.7) 20.9 Bahia a 20.9 19.6 20.5 21.1 21.7 20.7 Anos de estudo Nenhum ano 19.1 19.1 19.0 18.4 19.6 19.5 19.1 1-3 anos 19.8 18.6 18,8 20,6 20,5 20.4 19.7 4 anos 19.4 19.5 19.9 20.3 21.7 19.6 20.0 5-8 mos a 20.7 19.8 20.5 21.5 21.7 20.6 9 ou mais a 24.4 23.7 24.3 25.1 23.9 24.2 Total a 20.6 20.2 20.3 20.9 20.2 20.5 ( ) Baseada em 25-49 casos nâo ponderados ao valor da mediana é maior que o limite inferior do intervalo de idade. 96 Tabela 5.5 Idade na primeira relação sexual Porcentagem de mulheres que tiveram relaçSes sexuais pela primeira vez até as idades espeeificadas e idade mediana na primeira relação, por idade atual. Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade 15 Porcentagem Idade Idade específica que nunca Número media.na teve relaç~,o de na 1' 18 20 22 25 sexual mulheres relação 15-19 6.0 NA NA NA NA 77.5 1 395 a 20-24 9,0 36.0 50,1 NA NA 38,0 1 102 20.0 25-29 10.2 40,3 56.7 68.7 78.4 15.3 976 18.9 30-34 13.5 40.6 58.7 73.5 84.1 6.1 762 18.9 35-39 10.3 34,3 54.8 67.3 80,6 4.9 785 19.5 40-44 11.6 32.3 50.9 64.4 79.1 3.4 669 19.9 45-49 8,3 34.6 52.5 63.4 78.1 4.3 534 19.7 25-49 10.9 36,8 55.1 67.8 80.1 7.5 3 726 19.4 NA = N~ se aplica alndica que o valor da mediana é maior que o limite inferior do intervalo de idade 97 Tabela 5.6 Idade mediana na primeira relação sexual Idade mediana na primeira relação sexual entre mulheres de 20-49 anos, segundo a idade amai, por caractertsti¢as selecionadas, Nordeste Brasil. PSFNe 1991 Idade amai Caracteristica 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 Mulheres de 25-49 anos Residência Urbano a 19.7 19,0 19.4 19.8 19.6 19.5 Rural 18,6 18,0 18.9 19,7 20.0 19,9 19.2 Estado Matanh~.o 18.0 16.9 18.4 18.8 19.5 (18.1) 18.2 Piauí a 19.6 20.5 19.5 19.9 19.9 19.9 Ceará a 22.2 18.9 19.6 20.7 19.9 20.2 Rio Grande do Norte a 20.1 20.4 18.3 19.7 (18.8) 19.3 Parada a 21.4 19.3 21.9 20.3 (21.1) 20.7 Pemantbuco a 17.8 18.4 19.5 20.1 19.0 18.8 Alagoas a 18.0 20.1 18.4 (19.2) (18.1) 18.5 Sergipe 18.5' 19.6 19.9 19.4 (20.2) (18.9) 19.6 Bahia 19.0 19.0 18.5 19.6 19.4 20.9 19.4 Anos de estudo Nenhum ano 17.2 17.0 16.3 17.7 18.3 18.8 17.8 1-3 anos 17.8 17.7 17.9 19.9 19.9 20.2 18.9 4 anos 18.0 18.6 19.1 19.4 21.7 19.3 19.3 5-8 avos a 18.8 19.0 - 19.5 21.0 20.3 19.3 9 ou mais a 22.6 22.4 23.7 23.9 24.0 23.2 Total 20.0 18.9 18.9 19.5 19.9 19.7 19.4 ( ) Baseado em 25-49 casos não ponderados aO v',dor da mediana é maior que o limite inferior do intervalo de idade. 98 Tabela 5.7 Atividade sexual recente Porcentagem de mulheres que já tiveram relaçSes sexuais, segundo ailvidade sexutd nas 4 semanas anteriores à pesquisa e duraçã~ da abstinência sexual, relativa ou n~.o ao pós-paxto, por características selecionadas. Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Sem ailvidade sexual últimas 4 semanas Com aUvidade Abstinência Abstinência sexual (pús-parto) (outros motivos) Número últin]as Não de Característica 4 semanas 0-1 ano 2+ anos 0-1 ano 2+ anos respondeu Total mulheres Idade 15-19 76.8 7.8 1.0 12.8 1.6 0.0 100.0 303 20-24 78.2 5.3 2.2 13.0 1.1 0.1 100.0 651 25-29 82.5 3.2 1.1 11.2 2.0 0.1 100.0 796 30-34 81.2 3.2 1.8 11.7 1.9 0.2 100.0 708 35-39 82.5 1.2 2.2 9.5 3.9 0.8 100.0 736 40-44 76.5 0.3 0.3 12.6 10.1 0.2 100.0 635 45-49 70.2 0.2 0.0 17.0 12.2 0.4 100.0 507 Duraç~.o do casamento (em anos) 0-4 85.2 5.2 0.2 8.9 0.5 0.1 100.0 737 5-9 83.3 4.0 0.9 10.7 1.2 0.0 100.0 805 10-14 84.2 1.4 0.4 10.3 3.4 0.4 100.0 740 15-19 84,9 0.8 2.3 8.2 3.2 0.7 100.0 681 20-24 77.4 1.0 0.0 14.5 6.7 0.6 100.0 532 25÷ 70.6 0.0 0.4 16.6 12.4 0.1 100.0 514 Nunca uaidas 45.4 8.1 8.4 26.0 11.8 0.3 100.0 329 Residência Urbano 78.1 2.2 1.2 12.6 5.5 0.4 100,0 2 783 Rural 80.3 3.6 1.5 11.6 2.9 0.1 100.0 1 554 Estado Marardl~o 77.1 5.2 2.6 11.9 3.2 0.0 100,0 552 Piauí 75.4 4.0 0.8 13.2 5.8 0.7 100,0 255 Ceará 78.2 4.3 1.3 i2.7 3.3 0.I I00,0 561 Rio Grande do Norte 82.8 1.9 0.6 9,3 5.5 0.0 100.0 266 Parada 75.6 1.9 1.8 13.0 6.0 1.7 100,0 356 Pemambuco 77.9 1.5 1.2 13.5 5.5 0.3 100.0 840 Alagoas 76.7 3.5 0.9 15.1 3.3 0.5 100.0 224 Sergipe 86.6 2.1 0.6 6.8 3.9 0.0 100.0 116 Bahia 81.3 1.8 1.0 11.5 4.5 0.0 100.0 1 167 Anos de estudo Nenhum ano 74,8 3.2 2.2 14,1 5.5 0.3 100.0 1 041 1-3 anos 79.7 3.6 1.3 10.9 4.2 0.3 100.0 1 153 4 anos 79,2 2.4 0.8 14.2 3.0 0.3 100.0 624 5-8 anos 79,6 2.4 0.6 11.7 5.7 0.0 100.0 810 9 ou mais 82,6 1.3 1.3 10.5 3.8 0.6 100.0 708 M~todo antlconcepclonal Não usado 67.9 5.3 2.2 16.8 7.6 0.3 100.0 1 946 Pílula 97.3 0.0 0.0 2.7 Õ.0 0.0 100.0 537 Condom 97.7 0.0 0.0 2.3 0.0 0.0 100.0 63 EsterilJz. fero. 83.0 0.9 1.0 l 1.4 3.3 0.4 100.0 I 521 Abst, periódica 93.9 0.0 0.0 6.1 0.0 0.0 100.0 97 Coito interrompido 94.1 0.0 0.0 5.9 0.0 0.0 100.0 107 Outro 95.8 0.0 0.0 4.2 0.0 0.0 100.0 66 Total 78.9 2.7 1.3 12.2 4.5 0.3 100.0 4 336 99 Tabela 5.8 Amenorréia, abstinência e insuscetibilidade pds-pm'to Porcentagem de nascimentos, cujas reges estão em amenorréia, abstinência e insuscetibilidade pós-parto, por número de meses desde o nascimento e durações mediana e média, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Número Meses desde Amenor- Absti- lnsusceti- de o nascimento réia nancia bilidade nascimentos <2 88.8 83.1 96.5 90 2-3 47.9 23.9 53.1 101 4-5 28.3 9.3 31.6 136 6-7 7.9 11.1 15.0 99 8-9 5.5 2.4 7.1 98 10-11 18.9 2.7 21.6 109 12-13 6.7 5.3 9.2 121 14-15 7.0 1.5 8.6 91 16-17 4.1 2.6 5.7 108 18-19 3.8 1.6 5.5 98 20-21 0.3 1.3 1.6 107 22-23 3.2 2.2 5.5 106 24-25 6.7 8.1 14.9 123 26-27 0.0 4.1 4.1 123 28-29 2.8 5.1 5.1 118 30-31 0.0 2.7 2.7 111 32-33 0.0 0.7 0.7 117 34-35 0.0 1.0 1.0 96 Total 12.2 8.7 15.4 1 953 Mediana 2.9 2.1 3.3 NA Média 4.9 3.7 6.1 NA Média (Prev./ Incidência) 4.3 3.1 5.5 NA NA = Não se aplica 100 Ts:l~ela 5.9 Duraçêo mediana da insuscetibilidade pós-parto r por características selecioned~ Número mediano de meses em amenorréia, abstinência e insuscetibilidade p6s-parto, por características selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 N~mero Amenorréia Abstinência I~usceti- nasci- Característica pós-parto pós-parto bilidade mentos Idade <30 2.7 2.2 3.2 1 217 30+ 3.4 1.8 3.5 736 Reside.nela Urbano 2.7 2.2 3.2 1 029 Rural 3.1 1.9 3.3 923 Estado Maranhito 4.6 2.8 5.0 296 Piauf 3.3 2.5 3.7 113 Ceará 3.5 2.7 3.7 253 Rio Grande do Norte 0.5 1.8 3.0 113 Parada 2.5 2.0 3.0 126 Pemambuco 2.3 1.4 2.3 349 Alagoas 2.2 2.2 2.4 130 Sergipe 2.4 2.1 2.4 57 Bahia 3.1 1.7 3.3 517 Anos de estado Nenhum ano 3.5 2.2 3.9 520 1-3 anos 3.3 2.0 3.6 547 4 anos 2.6 1.6 3.0 284 5-8 arcos 2.3 2.2 2.7 366 9 ou mais 2.3 1.6 2.7 235 Total 2.9 2.1 3.3 1 953 Nota: As rnedianas são baseadas na condição amai 101 Tabela 5.10 Indicadores do término da exposição à gravidez Indicadores da menopausa e absfin~.ncia prolongada entre mulheres atualmente unidas de 30-49 anos, por idade, Nordeste Brasil, P8FNe 1991 Absdn~ncia Idade Menopausa t prolongada 2 30-34 0.4 0.1 35-39 0.9 0.0 40-41 3.1 0.0 42-43 4.0 0.0 44-45 7.5 2.9 46-47 14.1 3.0 48-49 39.8 1.7 Total 6.0 0.6 IPorcentagem de mulheres atualmente unidas, não grávidas, não-amenorréicas, que tiveram o último período menstruai seis ou mais meses anteriores à pesquisa ou que reportaram estar na menopausa. 2Porcentagem de mulheres atualmente unidas que não tiveram relaç~es sexuais nos últimos três anos anteriores à pesquisa. 102 Tabela 6.1 Intenções reprodutivas por número de filhos vivos Distribuição percentual das mulheres atualmente unidas, segundo o desejo de ter filhos, por número de filhos vivos, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 N ~ filhos vivos I Desejo de ter filhos 0 1 2 3 4 5 6+ Total Ter outro logo 2 34.7 15.4 5.2 2.0 0.7 0.9 2.2 6.9 Ter outro mais tarde s 26.6 47.2 15.6 3.9 5.2 8.1 0.9 14.6 Ter outro, mas indecisa quando 3.4 2.3 0.2 0.0 0.0 0.0 0.0 0.7 Indecisa quanto a ter outro 1.8 3.2 3.5 1.8 2.5 2.0 1.4 2.4 Não quer mais filhos 20.0 25.9 33.4 29,6 36.0 37.3 48.9 34.1 Esterilizada 0.4 4.2 39.7 59.5 54.0 49.0 41.6 37.8 Declarou-se infér til 12.9 1.7 1.9 3.2 1.5 2.8 4.9 3.5 Não respondeu 0.2 0.1 0.5 0.0 0.1 0.0 0.1 0.2 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 Número 255 558 684 645 418 321 660 3 541 Xlnclui gravidez atual •Deseja o próximo nascimento em até 2 anos SDeseja espaçar o próximo nascimento em 2 ou mais anos 103 Tabela 6.2 Imenç6es reprodutivas por idade Distribuiç'¿o percentual das mulheres atuainlente unidas, segundo o desejo de ter filhos, por idade, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade Desejo de ter filhos 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40~14 45-49 Total Ter outro logo I 18.4 11.4 83 8,6 3.2 2,5 1.4 6.9 Ter outro mais tarde a 56.3 36.2 20.6 8.6 3.0 0.6 0.6 14.6 Ter outro, mas indecisa quando 1.2 1.0 1.5 0.3 0.2 0.0 0.4 0.7 Indecisa quanto a ter outro 1.7 2.3 3.4 3.2 2.3 1.8 0.7 2.4 N~.o quer mais filhos 21.8 36.5 30.6 31.1 35.5 39.4 38.9 34.1 Estefilizada 0.6 12.2 34.8 47.7 52.4 49.2 42.4 37.8 Declarou-se inférfil 0.0 0.4 0.7 0,2 3.4 6.0 15.5 3.5 Não responder, 0.0 0.1 0.1 0,2 0.1 0.5 0.0 0.2 Total lO0.O lO0.O 100.0 I00.0 I00.0 100.0 100.0 lO0.O Nfimero 212 510 668 597 627 523 405 3 541 tDeseja o próximo nascimento em até 2 anos aDeseja espaçar o próximo nascimento em 2 ou mais anos 104 Tabela 6.3 Deseio de não ter mais filhos Porcentagem de mulheres atualmeme unidas que não querem mais filhos, segundo o número de filhos vivos, por características selecionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Número de filhos vivos l Característica 0 1 2 3 4 5 6+ Total Residência Urbano 18.8 32.4 75.7 92.3 94.6 87.5 94.0 Rural 22.8 25.8 66.5 82.5 82.6 85.0 87.8 Estado Mararthão * (27,8) 65.0 79.4 (94.8) (78.5) 91.7 Piauí (17.6) 21.6 (74.9) 87.7 (93.6) (93.7) 97.3 Ceará (7.6) 31.3 65.0 92.8 (97.2) (93.7) 92.7 Rio Grande do Norte * 28.5 72.7 90.5 (85.8) (88.5) (91.7) Paraíba * (14.2) 67.6 (89.3) (85.9) (75.3) (85.8) Pemambuco (19.6) 26.0 79.5 88.4 88.2 (84.4) 90.6 Alagoas * (32.1) 84.5 (80.7) (81.8) * 74.8 Sergipe * 15.8 70.0 84.2 (80.9) * (90.0) Bahia (26.2) 40.5 76.0 94.9 90.3 (94.9) 91.9 73.3 69.7 72.5 72.6 72.0 72.0 64.6 71.1 68.8 64.1 75.7 Anos de estudo Nenhum ano (50.3) 54.3 67.6 81.4 92.5 80.8 89.3 80.2 1-3 anos (21.2) 33.3 72.8 84.1 86.1 89.2 93.3 76.2 4 anos (9.7) 29.3 71.6 91.7 86.4 (85.7) 84.8 69.6 5-8 anos 3.3 27.0 73.5 95.5 92.8 (91.1) (95.2) 62.7 9 ou mais 18.7 20.0 77.2 96.0 97.6 * * 63.7 Total 20.3 30.1 73.1 89.1 90.1 86.2 90.6 71.9 Nota: As mulheres esterilizadas estão incluídas nas porcentagens de mulheres que não querem mais filhos. * Menos de 25 casos não ponderados. ( ) Baseado em 25-49 casos nSo ponderados llnclui gravidez atual 105 Tabela 6.4 Demanda por andconcepção Porcentagem de mulheres atuulmente unidas, segundo a demanda insatisfeita e satisfeita por anti¢gncepção por cara:ctedsticas seleulonadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Necessidade Necessidade satisfeita insatisfeita de anticoncepção Demanda total de anticoncepção t (usmirias ataais) 2 por attticoneepç~o 3 Por- centagem Para Para Para Para Para para da demanda Característica espaçar lin~tar Total espaçar limitar Total espaçar lirr~tar Total satisfeita 4 Totul Idade 15-19 18.8 8.5 27.3 36.0 5.3 41.3 55.8 13.8 69.6 60.8 212 20-24 14.9 12.3 27.2 24.5 25.8 50.3 39.6 38.2 77.8 65.0 510 25-29 10.1 13.5 23.6 14.4 46.3 60.6 24.8 59.8 84.5 72.1 668 30-34 5.1 14.2 19.4 8.3 58.6 66.9 15.1 72.9 88.0 78.0 597 35-39 3.1 20.3 23.4 2.1 65.8 67.9 5.5 86.1 91.6 74.4 627 ' 40-44 0.2 26.7 26.9 0.8 62.0 62.8 1.0 88.8 89.7 ' 70.0 523 45-49 0.0 33.1 33.1 0.6 47.0 47.6 0.6 80.1 80.7 59.0 405 3 Resld6nela Urbano 6.0 14.7 20.7 10.7 54.9 65.6 17.2 69.6 86.8 76.2 2 158 Rural 7.6 24.6 32.2 9.8 39.3 49.1 17.9 63.9 81.8 60.7 1 383 Estado Maraaahão 5.8 23.4 29.2 4,5 43.9 48,4 10.3 67.3 77.6 62.4 456 Piaul 6.0 12.0 18.0 9.1 56.5 65.6 15.2 68.4 83.6 78.5 213 Cearei 9.4 24.0 33.5 10.3 43.7 54.1 19.8 68.0 87.8 61.9 464 Rio Grande do Norte 4.3 11.5 15.8 14.1 55.7 69.8 18.3 67.3 85.6 81.6 214 Paratba 5.4 9.9 15.3 13.2 52.5 65.7 19.0 62.4 81.3 81.2 293 Pemambuco 7.3 16.1 23.4 10.9 50.6 61.5 I8.3 66.7 85.0 72.4 685 ,Magoas 8.8 ~.9.1 27.9 8.2 45.5 53.8 17.0 64.7 81.7 65.8 " 184 Sergipe 8.9 11.3 20.2 17.4 49.0 66.4 26.3 60.3 86.5 76.7 98 Bahia 5.5 21.8 27.2 11.1 48.5 59.6 18.2 70.3 88.5 69.2 934 Anos de estudo Nenhum ano 5.9 35.0 40.9 2.9 41.4 44.3 8.8 76.4 85.2 52.0 873 1-3 anos 8.1 20.3 28.4 6.5 48.5 55.0 15.8 68.9 84.6 66.4 972 4anos 5.6 12.4 18.0 11.6 51.0 62.6 17.6 63.4 81.0 77.7 518 5-8 anos 7.5 10.0 17.5 18.0 49.7 67.8 26.1 59.8 85.8 79.6 634 9 ou mais 5.0 5.0 9.9 19.1 58.0 77.2 24.2 63.1 87.3 88.6 546 Total 6.6 18.6 25.2 10.4 48.8 59.2 17.5 67.4 84.8 70.3 3 541 1Necessidade insatisfeita para espaçar refere-se às mulheres gravidas e amenorr~icas, cuja gravidez não foi plan¢jada ou prevista e hs mulheres f~r~is, não usu~ri~ de anficonc¢pçho, que disseram querer esporar pelo meno~ 2 anos ou mais para ter o próximo ralho. Necessidade insatisfeita para lin~tar refere-se às mulheres grávidas e amenorr¿icas, cuja gravidez não foi desejada e ¿s mulheres f6rteis, não usuárias de anticoncepçalo, que não querem mais ter filhos. Estão exeinfdas da categoria necessidade insatisfeita as mulheres grávidas e amenorr¿icas que engravidamm usando um m6todo (estas mulheres necessitam um m61odo mais eficaz). Tamb6m são excluídas as mulheres na menopausa, defmidas no p6.da-página 1 da Tabela 5.10. ZUso para espaçar refere-se às mulheres que estão usando um m~todo anticoneepeional e que ~fisseram querer esp¢rar 2 anos ou mais para ter seu próximo filho. Uso para limitar refere-se àquelas mulheres que usam m6todos com o objetivo de não ter mais fdlios. O tipo de método não 6 levado em cortta. 3A demanda total inclue as mulheres gr~vidas e amenon~éicas que engravidaram usando um m6todo (falha do método). 4A estimativa da demanda satisfeita de a.nticoneepçgo é a razão ent~ a prevalência de uso de métodos mais a porcentagem de mulheres que estão griividas ou em amenorc6ia e aquelas cuja gravidez aconteceu por falha do m¢todo e a demanda total. 106 Tabela 6.5 Número ideal de filhos Distribuição percentual de todas as mulheres, segundo o número ideal de f'dhos e número médio ideal de f'dbus para todas as mulheres e para mulheres atualmente unidas, por número de filhos vivos, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Número de f'dhos vivos I Número ideal de filhos 0 1 2 3 4 5 6+ Total 0 3.7 6.0 7.5 8.5 7.6 8.5 11.0 6.5 1 8.0 16.0 6.1 9.7 5.1 7.8 5.0 8.4 2 56.5 45.8 44.0 24.0 26.6 32.6 26.4 42.1 3 16.5 20.5 23.0 32.5 13.3 12.0 20.8 19.8 4 9.0 5.3 10.7 13.0 31.0 8.0 13.3 11.4 5 2.2 3.2 4.3 4.9 5.1 13.8 5.3 4.2 6+ 1.7 1.4 2.9 5.5 9.6 13.9 15.3 5.3 Resposta não-numa.rica 2.5 1.8 1.5 2.0 1.6 3.3 2.8 2.2 Total 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0 Número 2 233 795 826 746 482 380 759 6 222 N' médio ideal (rodas mulheres) 2 2.4 2.2 2.5 N o todas mulheres 2 178 781 813 N « médio ideal (mulheres unidas) ~ 2.7 2.3 2.6 N g mulheres unidas 249 547 671 2.7 3.4 3.3 3.4 2.7 731 475 368 737 6 083 2.8 3.4 3.6 3.5 2.9 634 412 309 641 3 463 1Inclui gravidez atual 2Exclui mulheres que deram respostas não-num~ficas 107 Tabela 6.6 Número ideal de filhos por características selecionadas Número médio ideal de filhos para todas as mulheres, segundo a idade, por caracterísUcas seleeionadas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Idade CaracterIstica 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 Total Residência Urbmo 2.3 2.3 2.3 2.5 3.1 3.0 3.1 2.6 Rur~ 2.4 2.5 2.7 3.3 3.1 3.4 3.6 2.9 Es~do Marania~ 2.9 2.5 2.8 4.0 3.4 2.9 ~.8) 3.1 Piauí 2.5 2.6 2.8 3.1 3.7 3.8 3.9 3.0 Ceará 2.3 2.1 2.1 2.4 2.4 2.7 3.3 2.4 Rio Gr~de do Norte 2.3 2.1 2.1 2.2 2.7 (3.~ (1.9) 2.3 Parada 2.3 2.5 2.6 2.8 3.1 (4.~ ~.7) 2.9 Pemambuco 2.3 2.5 2.5 2.5 3.5 3.0 2.5 2.6 ~~oas 2.5 2.3 2.6 2.7 4.2 (3.6) (3.6) 2.9 Se~~e 2.3 2.6 2.5 2.6 2.7 (4.~ ~.4) 2.7 Bahia 2.2 2.2 2.3 2.8 2.9 3.0 3.5 2.6 Anosdeestudo Ne~um ~o 2.5 2.3 2.4 3.2 3.4 3.2 3.5 3.1 1-3mos 2.3 2.4 2.8 2.8 3.0 3.2 3.3 2.8 4~os 2.5 2.4 2.5 3.0 3.3 3.2 3.0 2.7 5 -8~os 2.4 2.2 2.3 2.5 3.0 2.9 2.9 2.4 9oum~s 2.3 2.4 2.3 2.5 2.8 2.9 3.1 2.5 Total 2.4 2.3 2.4 2.8 3.1 3.1 3.3 2.7 ( ) Baseado em 25-49 casos n~.o ponderados 108 Tabela 6.7 Planeiamento dos nascimentos Distribuição perccntual dos nascimentos ocorridos nos últimos cinco anos anteriores à pesquisa, segundo o planejmnento, por ordem de nascimento e idade da mãe na época de nascimento, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Planejamemo do nascimento Não Não Desco- Caracteristica Planejado I previsto 2 desejado 3 nhecido Total Número Ordem de nasclmento I 72.8 20.6 6.5 0.I I00.0 941 2 55.4 29.3 15.2 0.0 I00.0 721 3 51.7 23.5 24,8 0.0 I00.0 538 4+ 44.7 16.2 39.0 0.1 100.0 1 574 Idade da mãe no nesclmento <19 63.0 26.0 10.9 0.0 100.0 606 20-24 57.5 24.8 17.7 0.1 I00.0 1 100 25-29 56.6 19.2 24,1 0.1 100.0 870 30-34 45.3 19.8 34.9 0.0 I00.0 625 35-39 52,5 11.6 35.6 0.2 I00.0 414 40-44 38,6 11.8 49.5 0.2 I00.0 143 45-49 * * * * I00.0 16 Total 54.8 20.8 24,3 0.1 100.0 3 773 Nota: Na ordem de nascimento inclui-se gravidez atum * Menos de 25 c~sos não ponderados. INascimento planejado « ocorrido na época prcvista 2Nascimento desejado, mas que deveria ocorrer em ma época futura 3Nascimento que representa um excesso em relação ao número total de filhos desejados 109 Tabela 6.8 Taxas de fecundidade total desejada Taxas de fecundidade total desejada e taxas de fecundidade total para os tr~s anos anteriores à pesquisa, por caracteristicas selecionadas, Nordeste Brasil. PSFNe 1991 Característica Taxa de fecundidade Taxa de total fecundidade desejada total Resld~:ncla Urbano 1.9 2.8 Rural 2.7 5.2 Estado Maranhão 2.2 4.6 Piauí 2.2 3.4 Ceará 1,9 3.5 Rio Grande do Norte 2.0 3.2 Parada 2.2 2,7 Pemambuco 2.0 3.5 Alagoas 2.7 4,5 Sergipe 2.2 3,4 Bahia 2.2 3,'~ Anos de estudo Nenhum ano 3.0 5,8 1-3 anos 2.5 4.4 4 anos 2.1 3.5 5-8 anos 1.9 2.8 9 ou mais 1.7 2.0 Total 2.1 3,7 Nota: As taxas são baseadas nos nascimentos ocorddos de mulheres de 15~í9 anos no período de 1-36 meses anterior à pesquisa. As taxas de fecundidade total são iguais às taxas aptesentadas na Tabela 3.2. 110 Tabela 7.1 Mortalidade infantil e na inf'ancia Taxas de mortalidade infandl e na inlãrtcia para períodos quinqllenais anteriores à pesquisa, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Mortalidade Mortalidade Anos Mortalidade Mortalidade Mortalidade em crianças para menores anteriores neonatal pós-neonatal Infantil 1-4 anos de 5 anos à pesquisa (NN) (PNN) (tqo) (4q0 (sqo) 0-4 26,1 48.5 74.7 11.7 85.5 5@ 35.8 74.5 110.3 25.1 132.6 10-14 43.5 90.8 134.3 30.8 161.0 15-19 51.0 87,0 138.0 43.0 175.1 20-24 53.0 109.6 162.7 54.9 208.7 111 Tabela 7.2 Mortalidade infantil e na inf'ancia por c~acterís6cas s6¢io-econ6micas Taxas de mortalidade infantil e na inf'ancia para o período de dez anos anteriores h pesquisa, por características sócio-econ6micas, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Mortalidade Mortalidade para Mortalidade Mortalidade Mortalidade em crianças menores Caracteristica neonatal pós-neonatal Infantil 1-4 anos de 5 anos s6cio-econ6mica (NN) (PNN) qqo) Qqt) (sqd Resld6ncla Urbano 30.7 50.9 81.6 15.6 95.9 Rural 31.8 75.0 106.9 22.0 126.5 Estudo Maranhão 46.5 49.9 96.4 13.2 108.3 Piauí 23.9 33.0 56.8 15.4 71.3 Ceará 26.2 86.8 113.0 28.4 138.2 Rio Grande do Norte 31.7 50.8 82.5 7.3 89.2 Paralba (19.4) (86.5) (106.0) (7.8) (112.9) Pemambuco 28.6 78.4 105.2 17.0 120.4 Alagoas 53.3 76.1 129.5 32.4 157.7 Sergipe 26.8 40.2 67.0 (21.9) (87.4) Bahia 25.8 50.8 76.2 21.4 96.0 Anos de estudo Nenhum ano 35.8 88.7 124.5 26.6 147.8 1-3 anos 37.3 58.2 95.5 23.6 116.8 4 anos 31.2 57.8 89.1 7.9 96.3 5-8 anos 19.5 50.3 69.8 12.3 81.2 9 ou mais 17.8 16.7 34.5 1.6 36.0 Atendlmento médlco 1 Nenhum no pré-natal e parto 37.7 (43.5) (81.1) (20.2) (99.7) No pré-natal ou no parto 34.7 68.7 103.4 (11.2) (113.5) No pré-natal e no parto 16.5 31.1 47.6 (5.3) (52.7) Total 31.2 62.3 93.6 18.5 110.4 Nota: Taxas baseadas em menos de 500 casos n~o ponderados estão entre parEntases. ITaxas baseadas nos nascimentos ocorridos nos últimos cinco anos anteriores à pesquisa. 112 Tabela 7.3 Mortalidade infantil e na infància pOr características demográficos Taxas de mortalidade infantil e na inf'ancia para o período de dez anos anteriores à pesquisa, por características demográficos, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Mortalidade Mortalidade para Mortalidade Mortalidade Mortalidade em crianças menores Característica neonatal pós-neonatal Infantil 1-4 anos de 5 anos demográfiea (NN) (PNN) (lqo) (4qt) (sqo) Sexo da criança Masculino 37.5 73.2 110,7 16.7 125.6 Feminino 24.4 50.5 74.9 20,4 93.8 Idade da mãe na época do nascimento Menor 20 26.7 60.2 87.0 13.3 99.1 20-29 29.5 59.1 88.6 16.4 103.6 30-39 36.0 67.7 103.7 25.1 126.2 40-49 (37.8) (78.0) (115.8) (26.7) (139.3) Ordem de nascimento 1 21.3 33.7 55.0 7.0 61.6 2-3 26.7 57.1 83.8 10.9 93.8 4-6 29.0 63.4 92.4 24.5 114.6 7+ 52.8 100.8 153.6 37.5 185.3 Intervalo do n~clmento anterior < 2 anos 44.2 93.5 137.8 26.4 160.5 2-3 anos 19.4 50.3 69.8 22.3 90.5 4 ou mais 34.4 43.3 77.7 5.8 83.1 Tamanho ao nascer l Muito pequeno (44.7) (53.4) (98.1) (9.3) (106.5) Pequeno 27,6 55.7 83.2 (16.0) (97.9) Médio ou grande 22.6 40.8 63.4 8.0 70.9 Nota: Taxas baseadas em menos de 500 casos est~o em parênteses. tTaxas são baseadas nos nascimentos ocorridos nos últimos cinco anos anteriores à pesquisa. 113 Tabela 7.4 Grupos de alto risco Porcentagem da crianças nascidas nos últimos cinco anos com risco elevado de mortalidade • porcentagem de mulheres atualmente urtidas em risco de conceber uma criança com risco elevado de mortalidade, segundo as categorias que aumentam o risco, Nordeste Brasil, PSFNe 1991 Categoria de risco elevado Nascimentos nos últimos 5 anos anterio

View the publication

You are currently offline. Some pages or content may fail to load.